Quase Memória

Quase Memória Carlos Heitor Cony




Quase Memória


Quase romance




Tendo o Rio de Janeiro das décadas de 40 e 50 como cenário, a história começa quando o autor recebe um embrulho sem remetente na recepção de um hotel cujo restaurante costuma freqüentar. A primeira reação é achar que se trata do original de um livro, como muitos que costumam parar em suas mãos. Mas logo os detalhes o surpreendem: a letra no envelope é a do pai morto há dez anos, assim como o nó no barbante e a cor da tinta da caneta. Inconfundíveis. Aquele objeto inesperado desencadeia em Carlos Heitor Cony lembranças do pai (Ernesto, jornalista, como o filho viria a ser) e dos tempos de menino.

Ao ativar a memória do autor, o misterioso envelope traz de volta sensações e sentimentos experimentados com o pai, como o cheiro de manga, a capacidade de sonhar, de viver a vida com entusiasmo, a alegria pura da infância, que transforma o ato paterno de soltar balões em algo de proporções heróicas. Com grande sensibilidade e contundência, Cony revisita também os sentimentos contraditórios da relação entre pais e filhos: aqueles momentos em que se alternam vergonha e orgulho, medo e respeito.



Lançado originalmente em 1995, Quase Memória marcou a volta de Carlos Heitor Cony à ficção de forma consagradora, depois de mais de vinte anos afastado da literatura.

Ponto alto na produção literária brasileira das últimas décadas, este romance explora o território entre a ficção e a memória a partir das reminiscências do autor sobre o pai morto. Nele, Cony mapeia minuciosamente a relação pai e filho: os sentimentos contraditórios, as alegrias e tristezas que não se esquecem, o afeto incondicional e, acima de tudo, a cumplicidade.

Ficção / Literatura Brasileira

Edições (8)

ver mais
Quase memória
Quase memória
Quase Memória
Quase Memória

Similares

(2) ver mais
Um pai e duas filhas
Quase Memória

Resenhas para Quase Memória (23)

ver mais
ORFÃOS
on 21/5/10


Resolvi fazer uma resenha um pouco diferente, sair um pouco do padrão chato das resenhas em geral (não todas), e contar a história do livro. Não a que se passa dentro dele, mas a história dele próprio. Antes de Quase Memória, a outra única criação de Cony que eu tinha lido era um conto chamado "O Crime e o Burguês". Li e reli, indiquei e "reindiquei" inúmeras vezes em um período de aproximadamente cinco anos. O conto, recheado de inteligência e um finíssimo bom humor, sempre foi um do... leia mais

Vídeos Quase Memória (1)

ver mais
Quase memória, de Carlos Heitor Cony

Quase memória, de Carlos Heitor Cony


Estatísticas

Desejam112
Trocam57
Avaliações 3.9 / 848
5
ranking 35
35%
4
ranking 35
35%
3
ranking 23
23%
2
ranking 6
6%
1
ranking 2
2%

33%

67%

Lissa
cadastrou em:
28/01/2009 18:35:31