O Museu do Silêncio

O Museu do Silêncio Yoko Ogawa




O Museu do Silêncio





Os museus têm como pressuposto guardar objetos de valor histórico ou científico para fins de exibição pública, de modo a registrar à posteridade a importância que eles tiveram para a humanidade num período determinado. Mas como seria no caso de um museu que tivesse como objetivo preservar lembranças de pessoas que morreram? Essa é a essência da trama proposta pela japonesa Yoko Ogawa neste O Museu do Silêncio, primeira amostra da produção da autora que a Estação Liberdade traz ao público brasileiro.

O sonho de dar cabo ao Museu do Silêncio é de uma velha que vive com a jovem filha e um casal de empregados. Um museólogo – narrador da história – é contratado por ela para tirar o projeto do papel. De personalidade hostil e sem o menor traquejo social, a velha tem lá suas idiossincrasias, sobretudo em relação ao tipo de conteúdo que planeja para o museu: as lembranças dos mortos precisam ser representativas do que eles foram em vida. Uma peça de roupa, uma fotografia sorridente – nada disso. Não se trata de preservar lembranças afetivas. Cada objeto do museu precisa ser a metáfora perfeita da existência do finado.

No caso do homem cego, por exemplo, só mesmo seu olho de vidro serve às intenções da velha. E o museólogo – nenhum dos personagens do livro é nomeado – tem que se virar para recolher esse tipo de “relíquia” dos corpos moribundos. Para se familiarizar com essa macabra tarefa, o museólogo conta apenas com a ajuda da filha da chefe, por quem nutre sentimentos paternais... ou nem tanto. E, não bastassem o mau humor e as grosserias da velhota, ele ainda tem de lidar com uma chocante onda de assassinatos de mulheres da região, marcados pela característica comum de apresentar os corpos das vítimas mutilados numa região bem específica.

O Museu do Silêncio é uma obra de suspense, bastante simbólica da produção de Yoko Ogawa, escritora japonesa contemporânea muito saudada no Ocidente. Sua literatura é excêntrica, preterindo tons e temas ternos e etéreos por aqueles mais duros e polêmicos, não raro flertando com o grotesco. Neste livro, ela também opta por ambientar a trama em tempo e local não identificados, o que contribui para diluir os eventuais estranhamentos culturais intrínsecos às suas origens nipônicas, e assim consolidar sua voz de alcance universal.

Literatura Estrangeira / Suspense e Mistério

Edições (1)

ver mais
O Museu do Silêncio

Similares

(13) ver mais
Edgar Allan Poe
Contos obscuros de Edgar Allan Poe
Histórias Extraordinárias Edgar Allan Poe
Contos de Imaginação e Mistério

Resenhas para O Museu do Silêncio (2)

ver mais
Vale descobrir
on 14/12/16


Personagens sem nome, lugar não identificado, gênero literário indefinido, enredo original, tudo contribui para que o livro seja uma interessante descoberta.... leia mais

Vídeos O Museu do Silêncio (1)

ver mais
O MUSEU DO SILÊNCIO, DE YOKO OGAWA (#118)

O MUSEU DO SILÊNCIO, DE YOKO OGAWA (#118)


Estatísticas

Desejam77
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 3.8 / 18
5
ranking 28
28%
4
ranking 44
44%
3
ranking 22
22%
2
ranking 0
0%
1
ranking 6
6%

32%

68%

v alonso
cadastrou em:
25/10/2016 11:20:09
Gilberto
editou em:
17/12/2016 02:53:03