Poesia de geladeira

Poesia de geladeira Viviane de Freitas




Poesia de geladeira





“Poesia de Geladeira” é um soco no estômago.

E se você é leitor de tira-gosto ou imaginou poemas com um quê de recadinhos colados à porta esmaltada, se enganou: a poesia aqui se come fria e crua. São poemas de dentro da geladeira, não de fora.

Viviane de Freitas estreia na literatura com um livro dedicado aos analfabetos, disléxicos, cegos, dementes, bárbaros, bêbados e gagos, porque, ao que parece, somente eles não ignoram as extremidades, essa camada de gelo que protege e preserva o núcleo da ideia num corpo invadido e sempre em processo de deterioração. Essa destinação diz muito do ponto de partida: o lirismo não sentimental e consciente de que tudo é sacrifício e descrença, tudo é morte e dificuldade, porém de ombros erguidos. Literatura em/de carne viva. Escritura que não se rende ao artifício. Arte. E aí dá pra encarar?

Se sim, aviso: venha com mãos de alcançar funduras, porque elas terão de enfrentar poemas que não economizam o olhar direto e afiado às coisas que rodeiam – se se fala de morte, é para esclarecer que “morrer é caro e eu estou sem crédito”; se se fala de poesia, é para encontrá-la “sob o lodo da pia / a poesia / natimorta / gorduras e bacias”. Se é para olhar o outro, é para denunciar a conta sempre inexata que se faz à mesa no poema “quatro”. São poemas que [se] cortam e ficam, em pé, vendo sangrar.

Se você ainda está aqui, certamente, tem dentes fortes, de quebrar “rimas agridoces para a fome noturna”. Talvez seja como eu, um leitor de acostamentos. Ou como ela, uma poeta que, contaminada de poesia, diz: “fecho os olhos para a vida que tenho / rastejo em direção à utopia”.

Se utopia não, ternura sim, e é isso que faz oscilar a temperatura do congelador: “morrer me seduz / só falta criar coragem de cortar raiz / a poesia puxa a gente pra debaixo da terra / aí a gente fica assim, semeada, sem vontade de largar esse mundo besta”. Meia verdade: o mundo fica menos besta, mais real e palpável, depois desse livro. Mas não se engane, “poesia de geladeira” é, sim, um soco no estômago.

E aí dá pra encarar?

Geruza Zelnys

Poemas, poesias

Edições (1)

ver mais
Poesia de geladeira

Similares


Resenhas para Poesia de geladeira (1)

ver mais
Poemas que incomodam, que gelam, que fazem pensar.
on 19/4/18


Antigamente eu não gostava muito de poesia. Não gostava porque não conseguia compreender. Achava, muitas vezes, que eram apenas um monte de palavras sem sentido que rimavam, compondo um texto desconexo. Hoje dou risada quando lembro que já pensei assim um dia. Sabe quando foi que passei a gostar de ler poesias? No dia em que compreendi que aquele monte de palavras "desconexas" eram, na verdade, a expressão dos sentimentos em forma de palavras. No dia que eu consegui realmente compre... leia mais

Estatísticas

Desejam
Informações não disponíveis
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.0 / 2
5
ranking 0
0%
4
ranking 100
100%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

0%

100%

João gregorio
cadastrou em:
07/12/2017 22:48:26
Thaisa
editou em:
19/04/2018 19:38:40