As garotas Madalenas

As garotas Madalenas V.S. Alexander




PDF - As Garotas Madalena


Dublin, 1962. Dentro dos portões do convento das Irmãs da Sagrada Redenção opera uma das Lavanderias de Madalena da cidade. Outrora um lugar de refúgio, as lavanderias haviam evoluído para sombrios reformatórios de trabalhos forçados. É para lá que a jovem Teagan Tiernan, de 16 anos, é levada pela família, depois de ter sido transformada em personagem de uma intriga que também envolvia um jovem e belo padre.
Convivendo com mulheres “em desgraça” – mães solteiras, prostitutas, menores infratoras – e garotas comuns, cujos únicos pecados se resumiam a serem bonitas ou independentes demais, Teagan faz amizade com Nora Craven, uma jovem rebelde que pensava que nada poderia ser pior do que sua miserável vida familiar. As duas jovens se tornam reféns da Madre Superiora e de suas punições cruéis – sempre em nome do amor. Entre fracassadas tentativas de fuga, Teagan e Nora vão descobrir como é árduo o mundo exterior, principalmente para jovens de reputação arruinada.
Narrado com franqueza, compaixão e riqueza de detalhes históricos, As garotas Madalenas é um primoroso romance sobre a vida dentro dessas polêmicas instituições da Igreja Católica. É uma história inspiradora de amizade, esperança e incansável coragem.





As garotas Madalenas

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Resenhas para As garotas Madalenas (24)

ver mais
Aprendi mais um pouco sobre a igreja católica!


Gostei! Um livro de ficção que tem como pano de fundo os "asilos de Madalena" que realmente existiram entre os séculos XVIII e XX, onde eram colocadas as mulheres consideradas "perdidas" pela sociedade. As mais rebeldes, as mães solteiras que os pais por vergonha e incapacidade de aceitar na família colocavam nesses locais. Lá elas deveriam se reabilitar para voltar ao convívio da sociedade, só que na verdade eram maltratadas pelas freiras, obrigadas a trabalhos forçados, punidas c...