Dom Casmurro

Dom Casmurro Machado de Assis...




PDF - Dom Casmurro


Machado de Assis (1839-1908), escrevendo Dom Casmurro, produziu um dos maiores livros da literatura universal. Mas criando Capitu, a espantosa menina de "olhos oblíquos e dissimulados", de "olhos de ressaca", Machado nos legou um incrível mistério, um mistério até hoje indecifrado. Há quase cem anos os estudiosos e especialistas o esmiuçam, o analisam sob todos os aspectos. Em vão. Embora o autor se tenha dado ao trabalho de distribuir pelo caminho todas as pistas para quem quisesse decifrar o enigma, ninguém ainda o desvendou. A alma de Capitu é, na verdade, um labirinto sem saída, um labirinto que Machado também já explorara em personagens como Virgília (Memórias Póstumas de Brás Cubas) e Sofia (Quincas Borba), personagens construídas a partir da ambigüidade psicológica, como Jorge Luis Borges gostaria de ter inventado.





Dom Casmurro

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Vídeos Dom Casmurro (13)

ver mais
UNBOXING - RECEBIDOS INCRÍVEIS DA ANTOFÁGICA | Ana Carolina Wagner

UNBOXING - RECEBIDOS INCRÍVEIS DA ANTOFÁGICA | Ana

Livro #1 | DOM CASMURRO, de Machado de Assis

Livro #1 | DOM CASMURRO, de Machado de Assis

Livros que TODO mundo deveria ler

Livros que TODO mundo deveria ler

Livros que TODO mundo deveria ler

Livros que TODO mundo deveria ler


Resenhas para Dom Casmurro (2.112)

ver mais


Não é Capitu que trai. É Bentinho!!! Só mesmo um escritor com toda a genialidade de Machado de Assis poderia ter criado esse que é um dos maiores enigmas da nossa literatura. Por traz do narrador casmurro ele manipula o leitor. O que Bentinho conta? A história de Capitu? É o que ele quer dar a parecer: a história de Capitu e sua traição. Mas o livro se chama "Dom Casmurro", referindo-se a ele próprio como sendo o desprezado e excluído da boa convivência, quando, na verdade, ele é que ...