Dom Casmurro

Dom Casmurro Machado de Assis...




PDF - Dom Casmurro


Machado de Assis (1839-1908), escrevendo Dom Casmurro, produziu um dos maiores livros da literatura universal. Mas criando Capitu, a espantosa menina de “olhos oblíquos e dissimulados”, de “olhos de ressaca”, Machado nos legou um incrível mistério, um mistério até hoje indecifrado. Há quase cem anos os estudiosos e especialistas o esmiúçam, o analisam sob todos os aspectos. Em vão. Embora o autor se tenha dado ao trabalho de distribuir pelo caminho todas as pistas para quem quisesse decifrar o enigma, ninguém ainda o desvendou. A alma de Capitu é, na verdade, um labirinto sem saída, um labirinto que Machado também já explorara em personagens como Vigília (Memórias Póstumas de Brás Cubas) e Sofia (Quincas Borba), personagens construídas a partir da ambiguidade psicológica, como Jorge Luís Borges gostaria de ter inventado.





Dom Casmurro

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Vídeos Dom Casmurro (38)

ver mais
O Do Me?s #16 - Dom Casmurro (HQs) | Cultura e Pro?xima Leitura

O Do Me?s #16 - Dom Casmurro (HQs) | Cultura e Pro

LIVROS PARA LER ANTES DE MORRER | Admirável Leitor

LIVROS PARA LER ANTES DE MORRER | Admirável Leitor

Review - Livro Dom Casmurro

Review - Livro Dom Casmurro

Dom Casmurro { Lendo Clássicos }

Dom Casmurro { Lendo Clássicos }


Resenhas para Dom Casmurro (968)

ver mais


Não é Capitu que trai. É Bentinho!!! Só mesmo um escritor com toda a genialidade de Machado de Assis poderia ter criado esse que é um dos maiores enigmas da nossa literatura. Por traz do narrador casmurro ele manipula o leitor. O que Bentinho conta? A história de Capitu? É o que ele quer dar a parecer: a história de Capitu e sua traição. Mas o livro se chama "Dom Casmurro", referindo-se a ele próprio como sendo o desprezado e excluído da boa convivência, quando, na verdade, ele é que ...