Fahrenheit 451

Fahrenheit 451 Ray Bradbury




PDF - Fahrenheit 451


Queimar livros foi um recurso usado em tempos sombrios, como o da Santa Inquisição e o do nazismo, para eliminar ideias resistentes à crença sanitária no pensamento único. No mundo futuro concebido por Ray Bradbury (1920-2012) em Fahrenheit 451, ler tornou-se um ato subversivo e os que insistem em ter pequenas bibliotecas às escondidas podem virar cinzas junto com seus volumes. O devaneio, a poesia, a filosofia e a ficção foram extintos porque não se admite perder tempo com algo que, em vez de puro entretenimento, ofereça inquietação e angústia. Como toda ficção científica, essa distopia publicada em 1953 emite os sinais negativos da época em que foi escrita. Mas, se a redução das ideias ao binarismo, o desprezo ao intelectual, o fluxo de informações num nível inassimilável e a suspeita de qualquer sinal de melancolia já eram considerados fatores de risco em meados do século passado, nossa civilização anestésica fez do futurismo de Bradbury um gênero bem mais próximo do realismo. Cássio Starling Carlos Crítico da Folha





Fahrenheit 451

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Vídeos Fahrenheit 451 (14)

ver mais
Fahrenheit 451 (Ray Bradbury)

Fahrenheit 451 (Ray Bradbury)

Fahrenheit 451 de Ray Bradbury - T03E13

Fahrenheit 451 de Ray Bradbury - T03E13

10 dicas de livros sobre política, democracia e liberdade de expressão |  Poeira Literária

10 dicas de livros sobre política, democracia e li

NÃO LEIA ESSE LIVRO, QUEIME | Fahrenheit 451 (Ray Bradbury) RESENHA

NÃO LEIA ESSE LIVRO, QUEIME | Fahrenheit 451 (Ray


Resenhas para Fahrenheit 451 (1.265)

ver mais
Parábola, Fogo, Solidão e Ruína


Faz uns 10 anos que olhava para este romance em livrarias, sebos, casa de amigos e familiares. Olhava-o distante, posto que detentor de um tema que não faz muito minha cabeça. Mas a Literatura e o Tempo são dois aliados. Indeléveis. Não tardou, e o tempo-maturidade me levou a romper esse divórcio que havia entre o livro e o meu mapa literário. Ao término da leitura, penso com meus botões em como será o mundo daqui a cinqüenta anos, com os desdobramentos da engenharia genética, uso ...