Horário de verão

Horário de verão Everaldo Rodrigues




PDF - Horário de verão


O simples atraso de uma hora no relógio seria capaz de alterar toda a realidade que nos cerca?

Paulo, Samuel e Carlos são amigos, crianças que sequer chegaram à puberdade. Eles passam o tempo jogando videogame, andando de bicicleta ou apenas conversando, como garotos que têm uma vida inteira pela frente e estão começando a descobri-la. Mas uma coisa os preocupa: Dona Mônica, avó de Carlos, está cada dia mais doente. Ela é a única pessoa que Carlos tem no mundo, já que ele se tornou órfão quando ainda era muito pequeno. Ele acaba tendo que abandonar a escola para cuidar da avó, que está debilitada.

Acontece que Dona Mônica não está realmente doente. Algo habita seu corpo. Uma força monstruosa e milenar, um ser demoníaco e sedento de sangue que não vê a hora de passar para o nosso mundo. E quando tudo começa a sair do controle, cabe aos três garotos se unirem para enfrentar essa entidade, que aguarda pacientemente o momento de invadir nossa realidade. E estão todos tão acostumados com esse momento, que seria impossível cogitar a possibilidade…

“Horário de Verão” é uma aventura sobrenatural sobre medo e coragem, infância e amadurecimento, realidade e loucura, e como pequenos detalhes corriqueiros podem distorcer nosso mundo e deixá-lo vulnerável.





Horário de verão

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Resenhas para Horário de verão (3)

ver mais
Crianças, rituais, possessão e horror cósmico. O que esperar de tudo isso? Eu conto.


Mais que uma história de horror envolvendo crianças. Uma lição de amor. O plot é simples e brutal. Três meninos que no auge da infância, entre brincadeiras e passeios de bicicleta por estradinhas de terra, precisarão usar a força e a inteligencia para lutar contra um mal maior. E como sabemos, o mal mora nos detalhes. Carlos mora sozinho com sua avó, Dona Mônica, sua unica família. Com o passar do tempo, entendemos que, na verdade, a doença de dona Mônica não é um simples mal da ida...