Não me abandone jamais

Não me abandone jamais Kazuo Ishiguro




PDF - Não Me Abandone Jamais


Kathy H. tem 31 anos e está prestes a encerrar sua carreira de cuidadora. Enquanto isso, ela relembra o tempo que passou em Hailsham, um internato inglês que dá grande ênfase às atividades artísticas e conta, entre várias outras amenidades, com bosques, um lago povoado de marrecos, uma horta e gramados impecavelmente aparados. No entanto esse internato idílico esconde uma terrível verdade: todos os alunos de Hailsham são clones, produzidos com a única finalidade de servir de peças de reposição.

Assim que atingirem a idade adulta, e depois de cumprido um período como cuidadores, todos terão o mesmo destino - doar seus órgãos até concluir. Embora à primeira vista pareça pertencer ao terreno da ficção científica, o livro de Ishiguro lança mão desses doadores, em tudo e por tudo idênticos a nós, para falar da existência. Pela voz ingênua e contida de Kathy, somos conduzidos até o terreno pantanoso da solidão e da desilusão onde, vez por outra, nos sentimos prestes a atolar.





Não me abandone jamais

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Vídeos Não me abandone jamais (3)

ver mais
Livro Não Me Abandone Jamais (Kazuo Ishiguro) | Ben Oliveira

Livro Não Me Abandone Jamais (Kazuo Ishiguro) | Be


Resenhas para Não me abandone jamais (126)

ver mais
Não me abandone jamais - Kazuo Ishiguro


Sempre me preocupei sobre como eu estaria no fim da minha vida. Terei trabalhado com o que sonhei? Vou conhecer os lugares que planejei? Meus grandes amigos serão os mesmos? Vou ter a sensação de dever cumprido ou vou pensar: “caramba, como é que eu cheguei a esse ponto?”. Devaneios demais? Paranoia? Sei lá, talvez... Mas você, provavelmente, já parou pra pensar nisso também. E mesmo com tantos questionamentos possíveis um em especial me atormenta mais, a solidão. Não importa se vive...