O templo

O templo Stephen Spender




PDF - O templo


Concebido no calor da hora, O templo merece lugar entre os grandes livros do período entre as duas guerras mundiais do século XX. Neste romance largamente autobiográfico, que começou a tomar forma em 1929 mas só foi publicado apenas em 1988, cruzam-se a inquietação - erótica, literária, política - do jovem Stephen Spender e a singularidade de um momento histórico - a República de Weimar - em que uma inédita liberdade de costumes florescia à sombra do nazismo já rampante.

Crônica ficcional de um verão passado na Alemanha, em companhia dos amigos e escritores W. H. Auden e Christopher Isherwood, bem como do fotógrafo Herbert List, O templo começa como um romance de descoberta, de coming-out homossexual - ao mesmo tempo que retoma, em nova chave, a linhagem do romance de formação.

Deixando a Inglaterra para trás, seu protagonista vive uma série de experiências que lhe abrem as portas, até então estritamente cerradas, do corpo e do prazer, longe da culpa e da censura. Mas, ao fio das páginas, a luz vai declinando, o ambiente ganha tons cada vez mais ameaçadores, e O templo converte-se num notável e precoce estudo da ascensão do nazismo, capturada aqui em sua mistura abjeta de delito e política, ressentimento íntimo e perseguição pública.





O templo

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Resenhas para O templo (7)

ver mais
Vazio


É difícil analisar um livro específico como esse. Trata do período entre guerras, numa Alemanha em transformação, vivido por jovens ingleses e alemães ricos. Não sei se é pela narrativa da época, pelo estilo do autor ou pela tradução, mas os diálogos são monótonos e a história em si é estranha. Não existem acontecimentos expressivos e o relacionamento entre as personagens é mal descrito ou, se descrito, raso. Temo que a sensibilidade do autor, louvada em outras resenhas, se perdeu ...
Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR