Os Meninos de Nápoles

Os Meninos de Nápoles Roberto Saviano




PDF - Os Meninos de Nápoles


Com ritmo eletrizante e prosa brutal, Roberto Saviano narra a ascensão de uma gangue juvenil na violenta Nápoles dos dias atuais. Do premiado autor de Gomorra e Zero zero zero.

Um novo tipo de gangue domina as ruas de Nápoles: as “paranzas”, grupos de adolescentes que dividem seu tempo entre o Facebook e o video game e circulam com pistolas e AK-47s, aterrorizando os moradores e marcando território para seus chefes, ligados à máfia. Os meninos de Nápoles conta a história da ascensão de uma dessas paranzas e de seu líder, Nicolas Fiorillo, conhecido por amigos e inimigos como o Marajá. Seduzido pela perspectiva de imprimir seu nome na história, ele não medirá esforços para conquistar o bairro de Forcella — sem levar em conta, porém, que ambição, dinheiro e poder acarretariam consequências inimagináveis.
Com toda a vivacidade e a perspicácia que fizeram de Gomorra uma sensação mundial, o premiado escritor Roberto Saviano nos transporta para as violentas terras italianas neste romance de tirar o fôlego.

“Saviano está de volta para contar a história de uma Nápoles brutal e agonizante.” — Elena Ferrante





Os Meninos de Nápoles

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Resenhas para Os Meninos de Nápoles (11)

ver mais


Talvez seja justamente num livro que nos desagrada que o exercício da leitura se torne mais necessário. É fácil analisar uma obra que conquista o leitor na primeira linha, e mais fácil ainda descartar e reduzir um romance com aquele definitivo "Não gostei", envolto no manto protetor chamado "Minha opinião". Quando, no entanto, a leitura precisa acontecer apesar do tema que não desperta interesse, das personagens que não conquistam, da linguagem que não seduz, do enredo que parece repri...