As verdadeiras riquezas

As verdadeiras riquezas Kaouther Adimi




Resenhas - As verdadeiras riquezas


24 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Samantha @degraudeletras 22/09/2020

ADIMI, Kaouther. As verdadeiras Riquezas. Rio de Janeiro: Rádio Londres, 2019.
Iniciei a leitura de As verdadeiras riquezas de maneira despretensiosa, queria algo leve só para passar o tempo, mas quebrei a cara de maneira positiva. Logo no início caí numa pesquisa história sobre a Argélia!

Pois é, a autora fez um apanhado histórico sobre a Argélia desde os anos 30 e usou a figura de Edmon Charlot, um editor franco-argelino, para nos contar um pouco desse recorte.

Em paralelo a leitora do diário de Charlot, o leitor acompanha o fictício desmonte da livraria biblioteca criada pelo editor em 1936 como um refúgio para amigos e apaixonados por livros “A literatura, ao menos ela, não me deixará jamais” p.28. Nesses fragmentos podemos nos deleitar com as menções a vários grandes nomes da Literatura. Inclusive, o nome da livraria de Charlot advém do título de um livro de Jean Giono.

Essa parte dos diários é incrivelmente envolvente, pois acompanhamos o período de ascensão e declínio da livraria e da editora, bem como os perrengues durante a guerra. A Argélia lutou ao lado da França na Segunda Grande Guerra e pouco tempo depois caiu em outro conflito para libertar-se do colonialismo francês. Tempos escassos em que Charlot penava até mesmo para conseguir papel para impressão de livros.

Todos os pequenos detalhes desse livro são imbuídos de uma riqueza histórica sem tamanho. Me apaixonei profundamente principalmente por poder conhecer um pouco sobre Charlot e sobre a história argelina, tão sofrida ao longo dos anos. “Eles nos descrevem como um povo supersticioso, pitoresco, que vive em tribos, pessoas das quais é preciso desconfiar” p.23

O enredo da parte fictícia em si não oferece grandes reviravoltas nem trama miraculosa, mas é aconchegante mesmo assim. O prédio da 2bis Hamani abrirá espaço para uma padaria que venderá dentre outros produtos, sonhos. Me pergunto se essa não seria uma analogia a própria editora-livraria-biblioteca de Charlot, que já oferecia o sonho da publicação aos jovens escritores e o deleite em sonhos aos jovens leitores.

Esse é um livro aconchegante para quem gosta de livros, bem como para quem curte conhecer a história de outros lugares.

site: https://degraudeletras.wordpress.com/
comentários(0)comente



Edu Carvalho 03/07/2020

Fantástico!
É incrível como esse livro viaja por datas, anotações, fatos históricos e segue uma linha de raciocínio de fácil compreensão para o leitor. O final foi surpreendente para mim, pensei que o final seria sobre um personagem que pensei que fosse o protagonista, mas não, o protagonista foi outro personagem e me surpreendeu bastante!
comentários(0)comente



Lya 27/06/2020

Gostei muito
A história gira em torno da livraria As Verdadeiras Riquezas mas o foco mesmo é a relação da Argélia com a França, isso me interessou bastante porque eu não sabia nada sobre o assunto. O livro intercala entre passado e presente, entre narrativa e retalhos de um diário. Algumas partes podem ficar confusas porque são citados muitos autores que não são tão conhecidos, além de o título dos livros não estarem traduzidos. Vejo que a maioria das críticas ao livro são sobre a forma em que ele foi narrado, mas acredito que vale o esforço porque a visão do argelinos não é algo que vemos com tanta frequência, além de termos informações sobre como era fundar e manter uma livraria/biblioteca/editora na época. Recomendo bastante, é uma leitura que nos acrescenta muito.
comentários(0)comente



Pandora 21/05/2020

Primeiro, acho que falou um prefácio para introduzir Edmond Charlot - de quem muitos nunca ouviram falar - e para situar o leitor na Argélia enquanto colônia francesa. O livro começa com o fechamento das portas daquela que foi a Les Vraies Richesses (As verdadeiras riquezas), de Charlot, nos anos 90; pula pra uma conversa entre nativos em 1930 e depois vai para o diário de Charlot, cinco anos depois. E este é só o começo caótico da narrativa.

Kaouther Adimi misturou neste livro uma história verdadeira, a de Edmond Charlot com uma falsa, a de Ryad e como pano de fundo a conturbada história da Argélia. O problema é que ela não explica nada, as informações são jogadas ao leitor: os diários de Charlot, os fatos históricos, as suas impressões como cidadã (ela se coloca como parte das vozes argelinas no livro)... e se o leitor não tem o mínimo conhecimento sobre a Argélia e o papel de Charlot no círculo literário, é necessário fazer várias pesquisas sobre tudo para se conectar minimamente à história.

A coisa que mais me encantou no livro foi o entusiasmo de Charlot e seu amor pelos livros. Ele era um otimista. Quando decide abrir uma filial de sua editora em Paris, em determinado momento em que os negócios vão mal, ele escreve: ‘Um poeta. Um assassino. Se nem com isso a gente não sair dessa…’ Isto porque a editora seria instalada num antigo bordel, em que um dos frequentadores era um famoso poeta e cujo dono teria sido assassinado.

Até o fim de sua vida Charlot continuaria dizendo que a livraria e a editora não teriam existido sem os seus amigos e ignorava fofocas e maledicências do tipo ‘andam falando mal de você’. Mas se falaram, ele também teve amigos fiéis que o honraram: em 2010, seis anos após a sua morte, o poeta Frédéric Jacques Temple fez uma grande doação para que fosse criada a fundação editorial Edmond Charlot. Charlot tinha apoiado Temple e sido o primeiro a publicá-lo. Também foi o primeiro a publicar Camus, e sua pequena livraria foi ponto de encontro de intelectuais, escritores, pintores e jornalistas argelinos e franceses.

O diário de Charlot (1935-1961) é importantíssimo porque além de tratar de questões pessoais e profissionais, nos dá um panorama das dificuldades da guerra, da falta de matéria prima, a morte em voo de Saint-Exupéry, a prisão do próprio Charlot em 1942, a distribuição de livros como resistência, a luta pela libertação da Argélia...

Enfim, embora eu não amado a execução desta narrativa, eu adorei ler sobre a Argélia e de ter tido contato com os diários de Charlot. Terminei este livro agradecida pela sua existência. Adoraria tê-lo conhecido.
comentários(0)comente



marcioenrique 19/05/2020

livro curto, com duas histórias paralelas e bem divididas entre realidade e ficção.

o personagem fictício não me agradou; não há profundidade em sua história e é difícil encontrar qualquer ligação com a livraria, além do mais, seu conflito é fraco e parece inacabado.

o livro se faz interessante ao narrar os fatos da argélia, e das curiosidades de autores famosos que circulavam pela livraria.
comentários(0)comente



Isa 12/05/2020

Nostálgico
Sou fã número um dos livros de Albert Camus e para mim foi uma grande surpresa ter lido parte de sua história em "As verdadeiras riquezas" - além de todo contexto social que faz referencia aos conflitos de independência argelino. A escrita é muito fluida e a construção do texto foi muito boa - alternando fatos reais dos fictícios. Recomendo!!!
comentários(0)comente



Leninha 19/04/2020

Ryad é um jovem estudante que não gosta de ler. No estágio do seu curso ele precisa ir para Argel, esvaziar uma livraria. ?
?
Mesmo com esta tarefa desagradável, ele vai se deparar com um universo histórico, onde a literatura fala mais alto. ?
?
As Verdadeiras Riquezas é um livro com uma narrativa que detalha fatos da história, dramas vividos durante a Segunda Guerra ,o colonialismo e a guerra da independência da Argélia. É um livro para quem aprecia literatura.
?
"Vai chegar um dia em que as próprias pedras vão gritar por causa da enorme injustiça que já foi feita aos homens deste país..."
?
comentários(0)comente



Picón 11/04/2020

Apaguei minha resenha pois vi que estava muito parecida com a da usuária Mariana dal Chico. E como a dela está mais detalhada, melhor que fique somente a dela...
comentários(0)comente



Ju Salmont 03/04/2020

Livro muito interessante que traz a história política da Argélia juntamente com a história de uma livraria e o começo de vários autores no mundo literário.
comentários(0)comente



Aline T.K.M. | @aline_tkm 28/03/2020

Livros e história
Misturando ficção e realidade em uma narrativa poética e deliciosa, a autora conta a história de uma livraria argelina que foi ponto de encontro de nomes que marcariam a literatura pós-Segunda Guerra. Não se trata apenas dos livros, mas também de identidade, de tempos difíceis, guerras e massacres ? com destaque para os acontecimentos em torno da guerra de independência da Argélia.
Um livro curtinho, gostosíssimo de ler e que traz muita história impregnada em suas páginas.
comentários(0)comente



Raphael 05/03/2020

Este livro me surpreendeu bastante!!!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Carla 16/02/2020

História dos livros
Esse livro é muito interessante. Trazendo a história das publicações na Argélia no período da Guerra, mostra como o regime nazista censurou as produções e como foram importantes as obras que burlaram essa censura através dos esforços dos livreiros que contrabandearam tinta e papel ao longo dos anos.
Vale a pena a leitura. Aprendi muito também sobre a história da Argélia.
comentários(0)comente



Jean Bernard 11/02/2020

Uma obra curta que deixa uma sensação de quero mais. Um panorama histórico e literário da Algeria. Devorei.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



24 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2