O Menino do Pijama Listrado

O Menino do Pijama Listrado John Boyne
Oliver Jeffers


Compartilhe


Resenhas - O Menino do Pijama Listrado


1727 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Francislaine.Lopes 10/01/2019

O livro é contado através da visão de como um menino de 9 anos encara o mundo, uma historia que vai te prender do começo ao fim, muito lindo e triste ao mesmo tempo... recomendo!!
Adila.Marina 12/01/2019minha estante
Já assisti o filme desse livro. Tem na Netflix




Ana 09/01/2019

Impactante.
Livro muito bom. Mesmo tendo assistido ao filme já, não pude deixar de ser este livro maravilhoso.
comentários(0)comente



babi 23/12/2018

Tocante
O autor mostra uma monstruosidade, que é o nazismo, na visão de uma criança, na verdade, na visão de duas crianças. É realmente tocante o modo tão ingênuo em que a história se desenrola. O modo como eles lidam com isso, o modo como a criança vê e encherga, mesmo sem entender, o quão aquilo é errado. Eu simplesmente amei esse livro, chorei muitas vezes. E isso que é incrível! Eu já sabia o final da história, eu já sabia o que iria acontecer, porém a escrita e o clima que o autor cria pelas palavras são simplismente perfeitas!
comentários(0)comente



ELB 22/12/2018

John Boyne é conhecido por escrever livro infantis que roubam os corações até dos mais crescidos e não poderia ser diferente com a história contada no livro “O menino do pijama listrado”, apesar de ser um livro curto e com linguagem quase infantil, aborda um período da história que foi terrível, mas que sempre desperta muito interesse, o livro foi adaptado para o cinema com o mesmo título.

A edição comemorativa nos conta um pouco do processo de escrita do autor que revela que não sabia o quanto essa historia mudaria a vida de escritor dele, a ideia original era apenas sobre dois garotos separados por uma cerca e é assim que Bruno acaba vendo a vida, mas nós estamos prestes a embarcar numa história que também nos mudará.

Numa introdução de menos de três páginas, o autor já nos alerta que o livro tem o potencial de nos tocar na mesma proporção de revoltar, depende muito da procura de leitura que você está fazendo, e de uma maneira muito educada ele nos diz que esse é um problema do leitor e não dele autor; há escolhas que ele faz como autor que não condizem com a realidade do que viveram milhões de judeus, mas essa é uma escolha dele cabe você aceitá-la ou não.

Eu assisti o filme antes de ler o livro (shame on me) mas nem por isso a experiência de leitura foi menos intensa; começamos a história acompanhando a rotina de Bruno, um garotinho alemão de 9 anos que chega em casa e descobre que precisará se mudar por conta do trabalho do pai.

Bruno não queria sair de Berlim onde morava perto dos avós, nem da escola onde já estava acostumado com os professore e os amigos, mas com um pai que tem um alto cargo no exército alemão não leva muito em conta a vontade de um pequeno garoto; mesmo com uma descrição que parece bem superficial do dia a dia de uma família alemã da época, John Boyne consegue nos transmitir o alcance da percepção de uma criança, afinal ninguém é criado desde pequeno para saber até onde pode ir a crueldade humana. Em alguns momentos a inocência de runo nos irrita, porém, o exercício de empatia é inevitável, afinal quem com 9 anos tem plena consciência politica?

A casa nova é conhecida como o “Campo Haja-Vista” (Auschwitz), a casa é bem diferente da antiga em Berlim e desde que chega a casa nova, Bruno deixa claro que sente falta da vida antiga, que nesse lugar não há amigos, nem vizinhança; ao explorar os cômodos pela janela ele avista um lugar onde tem avós, meninos grandes, pais e crianças que vestem um pijama listrado, mas não entende onde estariam as mãe, avós e tias e ao perguntar ao pai quem seriam aquelas pessoas apenas recebe a ordem de seja um bom menino e não se preocupem com aquelas pessoas, elas nem são pessoas como eu ou você.

"Aquelas pessoas...bem, na verdade elas não são bem pessoas. Bruno". Bruno franziu o cenho."Não são? perguntou ele, sem saber o que o pai ueria dizer com aquilo. "Bem, não são pessoas no sentido em que entendemos o termo", prosseguiu o pai[...]

Ainda intrigado com as pessoas de pijama listrado, Bruno sai para explorar a propriedade e decide se aproximar da cerca, assim que se aproxima, Bruno conhece Shmuel, um garotinho judeu que vive do outro lado da cerca, por terem a mesma idade, a amizade entre os garotos se desenvolve facilmente.

Durante muitas vezes Bruno leva comida para Shumel e conta como foi seus dias, enquanto tenta entender como funciona a vida do amigo do outro lado. Em uma situação especifica, Shumel é levado para servir a família de Bruno e na frente de um comandante do exército confronta as crianças perguntando se eles já se conhecem, sem ter exata certeza do que significa ser amigo de um judeu, bruno diz que nunca viu Shumel o que deixa o garoto judeu em apuros e decepcionado com o amigo.

Apesar dos dias de Bruno terem se tornado menos ruins com a companhia de Shumel, a mãe e a irmã Gretel não se conformam com a vida ali e por algumas razões, o pai decide enviá-los de volta a Berlim e é aí que nosso coração que já estava rachado com as narrações da maldade implícita quebra de vez e o final do livro é tão triste quanto o do filme.

Apesar de relatar um período histórico que adultos conhecem muito bem, crianças que não tenham um background sobre os fatos históricos talvez não alcancem a mensagem; se você ama livros que seguem a risca o que aconteceu no passado vale avisar que obviamente o autor se vale de alguns fatos que seriam impossível de acontecer num campo de concentração, obviamente num campo de extermínio um garoto de 9 anos sairia do trem apenas para câmara de gás, mas, vamos lembrar que essa é uma historial ficcional então os fatos não precisam ser seguidos a regra.

Por ser um livro curtinho não dá pra detalhar muito sem soltar algum spoiler, mas garanto que é quase impossivel não se deixar tocar e envolver pela amizade inocente que essas duas crianças desenvolvem; se eu puder dar um conselho seria, quando você for escolher uma edição para ler se possível escolha a edição comemorativa de 10 anos, não só pela capa dura, mas essa é uma edição com ilustrações de traços simples e maravilhosos; a maioria das ilustrações são em preto e branco, apenas alguns detalhes ganham cor, o que deixa o detalhe ainda mais bonito, esse é um livro que vem encantando gerações a muito tempo, minha mãe me fez assistir ao filme, eu dei uma versão antiga para a minha irmã e agora li essa ilustrada com meu afilhado o que nunca muda é o envolvimento em todas essas experiências e o quanto a história impacta.


site: http://www.everylittlebook.com.br/2018/12/resenha-o-menino-do-pijama-listrado.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Mateus.Biscassi 10/12/2018

O Menino do Pijama Listrado
"O Menino do Pijama Listrado" é certamente um livro impactante e divertido. O livro foi escrito por John Boyne em 2006 e publicado no Brasil pela Cia. Das Letras.
O livro conta a história de Bruno, um menino alemão que vive em Berlim durante a
segunda guerra mundial, que de repente, é obrigado a se mudar para Haja Vista, lugar
que é descrito várias vezes como sujo, horrível e assustador. Nesse lugar, Bruno encontra por acidente um campo de concentração,onde, pela cerca conhece Shmuel, um garoto judeu, com quem vai construindo uma amizade com o passar do tempo.
Eu recomendo este livro se você gosta de histórias emocionantes e divertidas, ao mesmo tempo. O final é tão impactante que poderia levar as pessoas aos prantos á qualquer momento.
comentários(0)comente



João Alves 09/12/2018

Nem tão infantil quanto parece
A densa história da Segunda Guerra Mundial já foi descrita diversas vezes, de diversas formas e em diversos livros. "O menino do pijama listrado", no entanto, nos apresenta-a sob uma perspectiva peculiar, dando enfoque a vida de Bruno, um garotinho de nove anos.
Nascido em Berlim, na Alemanha, Bruno se vê obrigado a se mudar para a Polônia, sem qualquer explicação prévia. Tudo que sabe é que a mudança algo tem haver com o trabalho de seu pai, Ralf, importante oficial nazista. Assim, deixa para trás seus amigos e sua enorme casa, onde morava com o resto de sua família: seu pai, sua mãe, Elsa e Gretel, sua irmã mais velha.
Inicialmente, Bruno descobre-se deveras desapontado com sua nova moradia: a casa é pequena, fica longe da cidade, não há vizinhos e ele mal pode frequentar a escola, recebendo aulas em casa. Contudo, a falta do que fazer é de fundamental importância para tornar Bruno um garoto mais observador e,principalmente, mais questionador em relação à realidade que o cerca, aos criados com que mantém contato e aos tenentes que frequentam sua casa.
Certo dia, descobre, nos arredores, uma alta cerca que delimita um terreno onde vivem homens e meninos carecas, todos vestidos com "pijamas listrados". Em uma de suas costumeiras explorações, Bruno decide ir até a cerca para descobrir o que se passa do outro lado. É quando conhece Shmuel, um garoto judeu com quem trava uma forte amizade, à medida que vão se conhecendo, com o passar dos dias.
Sem dúvida, a grande "sacada" de John Boyne ao escrever "O menino do pijama listrado", foi tê-lo feito sob o olhar infantil da personagem Bruno. Embora a narrativa tenha sido escrita em 3ª pessoa, consegue expor a visão de alguém que não entende por completo o contexto histórico vigente mas que, como que retirando um lençol, aos poucos, vai descobrindo que o mundo é muito mais dividido do que aparenta. Bruno nos choca com perguntas ingênuas, para as quais já temos as respostas, e ansiamos por lhe contar. De fato, uma obra única. Seria leve, se seu tema não fosse tão pesado.
comentários(0)comente



SrLucast 08/12/2018

Bonito, bom e me fez chorar.
é sobre um garoto de 9 anis chamado bruno, e uma hora esse bruno chega numa cerca. cercas como essa existem em todo o mundo, espero que você nunca se depare com uma delas.
comentários(0)comente



Candy 07/12/2018

Minha relação com O Menino do Pijama Listrado é muito pessoal, o que torna um pouco impossível essa resenha não ter um toque mais íntimo. A primeira vez que li esse livro foi em 2011, quando tinha 10 anos e estava no ensino fundamental e esse foi o livro que escolhi para o meu projeto em grupo de literatura. Lembro como se fosse ontem, eu convencendo o meu grupo da importância de ler esse livro. E olha eu aqui de novo tentando convencer mais pessoas.

Bruno tem 9 anos e uma vida confortável em Berlim no ano de 1940. A situação muda quando ele é obrigado a se mudar para interior junto com a sua família por causa do trabalho do seu pai. O menino não tem muita noção do que ele faz ou é, mas sabe que é algo muito importante. Longe dos amigos, tendo que aturar sua irmã três anos mais velha, Bruno simplesmente odeia a nova casa. Como válvula de escape, ele começa a fazer algumas expedições pela floresta ali perto, na tentativa de encontrar uma fazenda que viu pela janela do seu quarto, onde todos parecem usar pijamas. Chega um dia que ele encontra uma cerca e um menino da sua idade do outro lado chamado Schmuel. E aos poucos ele descobre que ali não é exatamente uma fazenda, mas um campo de concentração nazista.

"CONFORME BRUNO CHEGAVA AINDA MAIS PERTO, ELE VIU QUE NÃO ERA NEM PONTO NEM MANCHA NEM FORMA NEM VULTO, E SIM UMA PESSOA."

O que me conquistou na escrita do John Boyne, desde a primeira vez que tive contato com esse livro, é a forma com que ele apresentou algo tão sério e difícil de ser tratado de um jeito único: através da perspectiva de uma criança ingênua em meio ao nazismo. No fundo, eu acho que o Bruno representa um pouco da descrença em como o ser humano pode ser ruim e como já pode ser muito tarde quando tomamos consciência disso.

O foco principal da história é a amizade entre o Bruno e Schmuel, que surgiu através de uma situação muito atípica. Muitas pessoas criticaram isso no livro falando que seria impossível ninguém nunca ter visto as duas crianças conversando, ou contestando alguns fatos históricos. Enfim, eu acho que as pessoas esquecem da licença poética que permite que os autores trabalhem para além da realidade, mesmo assim trazendo toda a essência e passando a mensagem que queriam.

"QUAL ERA A DIFERENÇA, EXATAMENTE? - ELE SE PERGUNTOU. E QUEM DECIDIA QUEM USAVA OS PIJAMAS E QUEM USAVA OS UNIFORMES?"
comentários(0)comente



Vanessa 07/12/2018

Dia de Resenha | O Menino do Pijama Listrado.
Um livro comovente e inocente, sobre um dos maiores horrores da Terra: o holocausto.

Me encontre nas redes sociais:

Instagram: @romava87
Twitter: @NessaMarina

site: https://www.youtube.com/watch?v=ccvYa1dSfCA&t=61s
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Bia Oliveira 24/11/2018

Resenha de o menino do pijama listrado
Em o menino do pijama listrado nós vamos conhecer o Bruno, um garoto gentil e encantador, que vive em Berlim com sua família em meados da segunda guerra Mundial. Filho de um comandante muito importante, Bruno e sua família se mudam para Haja-Vista, no interior da Polônia, para uma casa nada agradável, rodeada de uma enorme "floresta" e perde de o que seria um campo de concentração. Bruno, logo de cara, não curte muito o visual da casa e nada ao seu redor, e a partir daí, a vida do menino irá mudar. Bruno cede à curiosidade e vai explorar para o lado que não deveria ir, o centro de concentração, e conhece um garotinho judeu que logo vira seu amigo. Com seu extinto de explorador, Bruno busca fazer com que sua vida em Haja-Vista se torne menos pior. Com uma escrita simples e encantadora, o menino do pijama listrado vai te emocionar e te fazer desejar que tudo fosse diferente.
comentários(0)comente



joana 24/11/2018

Inocência que nos falta
O Menino do Pijama Listrado foi uma leitura emocionante. Li muitos livros com esta temática, mas, e por alguma razão que desconheço, fui deixando para depois esta leitura. Como me arrependo.
No livro o leitor vai entrar ba narrativa inocente de Bruno. Uma criança que vai contando tudo qur rodeia o seu mundo com olhar puro e inocente como só crianças conseguem. O leitor sabe de tudo e isso é a tormenta do livro. Nós sabemos a verdade e todas as coisas ruins e devastadoras que estavam acontecendo enquanto aquele garoto narra algo que vê sem a maldade do mundo.
O Menino do Pijama Listrado pode ser uma lição para tudo. Que o mal que criamos um dia vai matar também quem amamos.
Uma leitura triste com final emocionante.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Alex Calixto 18/11/2018

Resenha publicada no meu instagram: @autor.alexcalixto
O que a inocência pode causar a alguém? Será que ela pode levar a fins inesperados?

Bruno é um menino de 9 anos. Seu pai é um oficial nazista e, logo no começo da história, ele se vê obrigado a deixar a casa e os amigos em Berlim, para se mudar para o interior. O que ele não desconfia é que está se mudando para as fronteiras de um campo de concentração.

A nova moradia não oferece atrativos para o garoto. Ele não tem vizinhos, nem outras crianças com quem possa brincar. Por ser um rapaz curioso, seu tempo é preenchido com explorações que ele faz pelos arredores. É num desses passeios que ele encontra uma grande cerca que lhe chama a atenção.

Ao aproximar-se dela, Bruno vê um menino sentado na beirada. O garoto, que se apresenta como Shmuel, tem a cabeça raspada e usa um uniforme que parece ser um pijama listrado. Bruno não suspeita que esse menino é judeu e está trancado naquele terreno com seu povo.

Bruno não conta sobre o novo amigo para sua família e, à medida que os dias passam, a amizade secreta entre os dois cresce. Em uma das visitas, Shmuel conta que seu pai está desaparecido e Bruno diz que quer ajudar a encontrá-lo. Essa procura vai causar uma reviravolta na vida dos dois.

A inocência das crianças desse livro é tão grande que quase se torna palpável. Para tratar de um tema horrível como o nazismo, com a sutileza que há nessa história, é necessário uma boa dose de maestria. E é isso que levou o autor John Boyne a comover milhões de leitores.

site: https://www.instagram.com/autor.alexcalixto/
comentários(0)comente



1727 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |