Especiais

Especiais Scott Westerfeld
Scott Westerfeld




Resenhas - Especiais


99 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Camila 23/05/2011

Nada especial
Acho que "especiais" não é exatamente o nome correto para esse livro. Muito pelo contrário. Acho que "Sem graça" ou "Comum" seriam nomes mais apropriados. Para dizer a verdade, esse livro foi a maior decepção da minha vida. Depois de ler o muito bom "Feios" e o excelente "Perfeitos", podia jurar que "Especiais" seria perfeito, que a tendência da série era ficar cada vez melhor. Entretanto, Scott Westerfeld fez a pior conclusão de saga dentre todas que já li, num livro que eu esperava ser o melhor romance do mundo. Decepcionante. Mas nem tudo foi horrível: a crítica social, em "Especiais", continua impecável. Apesar de chata, a obra me marcou profundamente e me deu uma lição de vida, nunca verei as coisas da mesma forma.

**Para quem não leu "Feios" e nem "Perfeitos", não continuem lendo, pois contém spoilers**

Nesse livro, Tally é uma especial. Tem reflexos excelentes, um corpo leve e resistente e apetrechos imbutidos na pele. Ela agora vê o mundo com detalhes surpreendentes, tudo é lindo, e ela tem a vida que queria ao lado dos amigos especiais e vivendo no mato. Mas nem tudo são flores: a menina tem ataques de agressividade, sua nova mente não a permite escolher de que lado ficar (como se já estivesse imbutido na mente que ela deveria ser contra a revolução dos enfumaçados, embora ela sempre tivesse sido a favor). Enquanto isso, a revolução de Fumaça explode. Mas não se animem: a tão esperada revolução quase não é mostrada. O narrador parece sempre querer seguir Tally, a qual nunca está onde a ação acontece, o que não é típico da personagem. Mas esse livro foi atípico.
Falemos da única qualidade do livro: a crítica. Finalmente entendi a lógica dos três livros. Em cada um, Westerfeld critica uma classe social presente em todas as sociedades. Fiquei desnorteada com isso. Scott me fez ver que, não importa que tipo de sociedade alguém viva (perfeita, contemporânea, feudalista, moderna, antiga, egípsia, chinesa, indiana, africana), sempre existirá a mesma divisão social: feios, perfeitos e especiais. Na nossa sociedade, eles são os pobres, classe média e ricos. Na época moderna, seriam os camponeses e burguesia (esta segunda como enfumaçados), a nobreza e o rei. Na idade média, os camponeses, vassalos e clero. Na sociedade indiana isso se identifica no sistema de castas. É como se sempre houvesse um grupo despresado (mas sendo o único que percebe como está o mundo de fato), um grupo que manda mas é burro e alienado, e um grupo que é encarregado de manter o sistema como está. Até que o grupo despresado fica entendido o suficiente para se revoltar. Mesmo na sociedade perfeita e igualitária de Tally isso acontece. Não tinha percebido isso no mundo antes de ler a série Feios.
Mas essa não foi a única crítrica do autor. A ideia da contrarrevolução apresentada no final foi sensacional. Fiquei um pouco com peninha da Dra. Cable no fim, mas valeu a mensagem. É como se sempre fosse necessário as revoluções terem uma contrarrevolução para equilibrar e evitar exageiros, radicalismo. Genial.
Há, também, a percepção de como somos influênciados pela sociedade em que vivemos. Nesse livro, então, isso fica mais evidente. Na história, eles são viciados em cirurgia, fazem isso da mesma forma que nós penteamos o cabelo todo dia. Até os perfeitos que não eram mais perfeitos continuaram com esse péssimo hábito. Medo do cara que fez a pele mudar de branco para negro de acordo com a batida da música.
Falarei agora da parte que não gostei. A começar pelas novas gírias! Vamos comparar? Borbulhante = Sagaz. Perfeitos = Avoados. Feios = Medíocres. O pior é que Tally faz questão de acumular as gírias dos perfeitos e dos especiais, mesmo depois que volta a ser feia. "Você ia adorar, Zane, é muito sagaz, que é igual a ser borbulhante, só que melhor". Não aguento! Vemos outro problema similar a esse no livro: o fato de os protagonistas terem 16 anos. Na sociedade de Tally, não importa a sua idade, e sim o seu status de rosto. Ficou um pouco ridículo jogar tamanha responsabilidade em personagens tão jovens. O resultado são adolescentes usando gírias durante um cena super tensa e séria. Soou meio infantil.

**Para que não leu ESPECIAIS propriamente dito, não leia o resto da resenha, pois não conseguirei expressar minha frustração sem fazer spoilers**

Há um detalhezinho no livro que o fez ser insuportável. Detalhe esse mais forte do que quaquer outro problema do livro. Tally é especial durante o enredo todo! Se não fosse por esse detalhe, eu teria amado o livro. Acontece que, como especial, Tally não pensa direito. Um livro cuja protagonista é um robô projetado para não querer machucar as pessoas, mas fazer se for necessário (ou seja, para machucar as pessoas) é um saco! Poxa, havia uma protagonista, mas ela não estava lá, apesar de ser usado o nome dela o tempo todo. A Tally de verdade teria ido lutar com os enfumaçados, e não passar o livro inteiro travando uma batalha com sigo mesma. E houve momentos em que a transformação dela podia ter ocorrido, mas Westerfeld preferia adiar. Foi maçante, frustrante ler toda vez que isso acontecia. E, quando chegou a parte de Diego, pensei: "não acredito que estava perdendo isso!". Queria ter visto a revolução, sabido como aconteceu. E quando Tally enfim resolve voltar à mente feia, no finalzinho do livro, ela vence a Dra. Cable e se torna a heroína da revolução que ela nem participou! E o pior é que ninguém nem soube que foi ela quem impediu a guerra, que foi ela a heroína. Houve uma falha de comunicação terrível no final, bem como em todo o livro. Tally parece que fugia das pessoas! Até de defunto ela fugiu! Pobre Zane... Ah, aí está outro problema: a falta de emoções. O sujeito morre, ela da um tchau e vai embora. Nem estava super apaixonada e louca por ele segundos antes, e depois nem se despede direito? Que história é essa? E no final? Ela ficou com o David assim, como se seu amor não tivesse morrido pouco antes? Ou houve apenas uma reconciliação entre os dois para talvez uma futura volta dos ex-namorados? Não entendi esse final.
Esse falta de emoções de Tally se exemplifica também quando ela passa três semanas em isolamento completo em uma cela, e o autor apenas indica rapidamente que ela se sentiu solitária. Não senti realmente a loucura dela, foi monótono. Essa parte ficou muito mal explicada e corrida. Devia ter havido pelo menos um capítulo para contar como foi o tão solitário isolamento de Tally. Capítulos como este seriam mais necessários do que outros que Scott fez, como a segunda parte inteira do livro. Alguém notou que a segunda parte foi plágio de quando Tally foi para fumaça, no primeiro livro? Muito desnecessario! O escritor se auto-plagiou! Ler todas aquelas descrições de mato desnecessárias mais uma vez foi um saco, precisei de muita paciência. Antes fosse tudo de novo com a Tally indo para Nova Fumaça, mas esse robô com o nome da protagonista que não fala coisa com coisa no lugar dela? Foi maçante! Irritante, revoltante!
Em suma, a critica social me marcou muito, vou levar o que aprendi até o fim da vida. Mas isso não muda o fato de que o livro é chato. Quase inacreditável acreditar que "Especiais" seja da mesma autoria do escritor do brilhante "Perfeitos"...

www.vidalivrosepensamentos.blogspot.com
Hatus 04/06/2011minha estante
Nunca li uma resenha tão bem feita como essa. Parabéns, você falou extamente tudo o que eu senti e queria falar no quesito "Especiais", que concerteza não parece nem um pouco que foi aquele mesmo scott que fez "Feios" e "Perfeitos".


Camila 23/06/2011minha estante
Me desculpa, "Haverá", acho que não consigo ser tão profunda. Realmente não vi crítica na personalidade de Tally.

Obrigada, oldtoken, realmente visível essa mudança no Scott. O que a fama faz com as pessoas...


Lilá 16/08/2011minha estante
ótima resenha!
Tu falou tudo e mais um pouco da minha raiva que fiquei quando li Especiais.
Poxa, Feios foi muito bom, e Perfeitos foi tão ótimo!
Mas Especiais foi super mónotono, e fora o fato da Tally ter sido o tempo todo uma especial com ar notório de superioridade encheu o saco!
E ah, claro, a descrição daquele tanto de dias no mato foi algo insuportável também. Já tínhamos lido sobre isso nos outros livros. Não era necessário parar pra explicar tudo aquilo outra vez...

Ah, coitado do Zane :(


Dri 14/11/2011minha estante
Resenha excelente!!! A melhor que eu já li
Nossa, você falou tudo que eu senti com esse livro depois do muito bom "feios" e do excelente"perfeitos" eu esperava que especiais fosse ser maravilhosa, foi uma decepção muito grande, que tipo de fim mais medíocre affs, não acreditei quando terminei de ler e descobrir que ficava por isso mesmo. Pobre Zane gostava muito dele, o livro ficou mal explicado,repetitivo e cheio de pontas soltas, uma verdadeira decepção, mas como você mesmo disse a critica social continua impecável e com certeza também irei levar essa lição para vida toda, mas dessa saga eu esperava mais, odiei a Tally continuar "especial" quem gostaria de continuar sendo um robô? pelo amor de Deus.
bom pra finalizar você fez uma resenha impecável parabéns e continue assim =D


dora 10/12/2011minha estante
Amei sua resenha ela traduz perfeitamente a frustração que senti quando li o livro. Tudo é simplesmente chato e sem noção, não chegando aos pés dos dois primeiros ficando até difícil acreditar que é o mesmo autor falando das mesmas personagens. Ou seja Especiais me decepicionou.


daviiiiiiiiiil 22/12/2011minha estante
Ainda não li Especias, lembrando q não é o último livro da série.


Key 30/12/2011minha estante
Você disse tudo o que eu gostaria de dizer sobre a série! Fiquei extremamente decepcionada com Especiais, e concordo, não parece com Perfeitos nem Feios. Agora estou atrás do "Extras" para ver se pelo menos tem algo melhor.


Jubadaue 21/01/2012minha estante
amei sua resenha!


Flávia 07/06/2012minha estante
Não quero falar mal do livro, mas falarei se for necessário. Confesso que esperava um pouco mais. As gírias realmente encheram o saco, o autor não foi sagaz o suficiente. :D


Mari 22/08/2012minha estante
Preciso expressar minha decepção também, e sua resenha foi ótima em relação a isso. Tenho certeza que a maioria dos leitores da serie ficaram desapontados com a finalização desse enredo o Scott parece não ter ficado "borbulhante" o bastante pra escrever esse livro haha.


Chrystiano 02/10/2012minha estante
Olha, resenha perfeita! Achei o primeiro bom, o segundo sensacional, mas confesso que o final já com a Tally sendo transformada em especial meio que me desanimou... Na hora pensei, putz, lá vem a Tally reprogramada de novo e vamos ter reciclagem da história do segundo livro e o pior é que acabou tendo reciclagem do primeiro também e Tally nem se reprogramou como das outras vezes.
Como disseram abaixo, a parte do Arsenal foi uma das sequencias de ação mais sonolentas que já li, só fui me empolgar mesmo quando a Shay a salva para elas impedirem a guerra e até achei o final razoável, embora a falta de emoção tenha sido um problema mesmo.
Aí no fim das contas acabei me surpreendendo com Extras, o quarto livro, que traz novos personagens, mas ainda assim me cativou.


Limao 03/10/2012minha estante
nossa, disse tudo...o livro foi muito chato mesmo!!Melhorou no final, mas como voce disse, tive que aguentar aquela descrição de mato toda de novo! E como comentaram antes: eu estava de saco cheio daquelas gírias repetitivas!!! Pra mim acaba aqui. Não irei ler o extras.


Letícia 11/10/2012minha estante
Concordo totalmente com você. O livro foi indo bem, mas a Tally meio que não participou diretamente nas coisas, além de não ser reconhecida por acabar com a guerra, já que ninguém além dela e a Cable sabia disso. E no final, quando pensei que eles iriam transformar a Tally numa garota comum, com a aparência perfeita mas com sua personalidade intacta, ela continua com a sua aparência cruel e decide viver no mato com David! O que foi aquilo? Fiquei indignada. E outra parte que concordo plenamente com você: a parte da morte de Zane. No segundo livro, o amor que ela sentia por ele era lindo e o autor mostrava isso nitidamente, e quando ele morre, ela nem sequer olha para ele direito. Achei isso muito hipócrita! Cadê todo aquele amor?
Enfim, espero que o Extras não me desaponte tanto quanto Especiais.


FIONA 01/02/2013minha estante
Q resenha maravilhosa!!!!


Zach Motta 19/02/2013minha estante
Acho que nessa frase você deixa claro porque se decepcionou: "eu esperava ser o melhor romance do mundo". Não, a série não trata de romance adolescente, por mais que tenha um toque, mas é quase nada. Os livro giram mais em torno de ficção científica, o romance adolescente é apenas um bônus que, praticamente, não mudaria nada se fosse cortado do livro.


Beatriz 23/02/2013minha estante
Adorei a resenha! Quando terminei o livro tive vontade de jogar ele na parede kkkk mas depois considerei a mensagem que o livro traz.


Yohanna 24/02/2013minha estante
"A Tally de verdade teria ido lutar com os enfumaçados, e não passar o livro inteiro travando uma batalha consigo mesma.".
Bom, eu descordo em alguns pontos. O livro me decepcionou em alguns momentos, mas nada que o afetasse diretamente. Pelo que eu pude notar com a sua resenha, você não sentiu a mensagem que o autor da distopia quer nos passar (não somente a da crítica social). As gírias, que foram mudadas nesse livro, é para nos dar AINDA MAIS ênfase no quão o comportamento da Tally mudou, sendo agora uma Especial. O livro quer nos passar, da parte dos Especiais, o fato da cirurgia torná-los cruéis e não ficaria legal eles achando aquilo tudo "borbulhante", não é mesmo? Eles, pensando como Especiais, achariam "Sagaz".

"Ler todas aquelas descrições de mato desnecessárias mais uma vez foi um saco, precisei de muita paciência"
Bom, mais uma vez. Particularmente, eu senti que a narração, em seus respectivos livros, nos passava o que a Tally pensava de acordo com o que ela era (Feia, Perfeita, Especial). Então para que descrever grande parte das coisas novamente? Cara, o livro quer nos mostrar, jogar na nossa cara, que as cirurgias lhe tornavam OUTRA PESSOA. Como a sociedade controlava as pessoas. Até mesmo a mente. Essa nova descrição da natureza, de "mato", é para nos mostrar como ela (Tally) via a natureza sendo agora uma especial. A outra vez em que foi narrado ela era uma feia. Isso muda o modo no qual ela possa ver as coisas.

Sobre você ter achado-a uma "robô"... isso, acredito, foi bem proposital. Afinal de contas, desde que ainda não tenha lesões, tudo naquela cidade era uma farsa. Todos controlados pela cidade. Ficaria um tanto quanto ridículo se nos livros anteriores a Tally se espanta com os Especiais por os acharem cruéis, assustadores, quando ela se torna uma Especial, isso não nos fosse confirmado. Achei isso bem necessário. Mas a Tally era diferente de todos... desde o início ela era especial (especial mesmo, no sentido real da palavra). Ela sempre acaba tendo auto-controle de si mesma, não importa o que façam com o cérebro dela. Basta um pouco de lucidez e ela se auto conquista. Isso fica claro quando Zane diz à ela que ela pode mudar. Quando ela ver tudo desmoronando diante de seus olhos. Nesse livro ela foi mais "manipulada", tanto que ela começa a pensar por si mesma praticamente ao fim do livro. Mas dessa vez ela não era nenhuma perfeita, ela era uma "violação morfológica". As modificações no cérebro dos especiais não seriam tão fáceis de superar quanto as de um mero perfeito.

Quanto ao "romance", desde o início eu sabia que iria me decepcionar quanto à esse ponto com a série. O livro "Perfeitos" dá um novo rumo à série, quando o Zane entra na trama. Dali em diante pensei que eu poderia, quem sabe, não me decepcionar realmente com o romance da série. Mas isso muda no vol III. Enfim, esse, para mim, foi um dos piores pontos.

Mas, parabéns pela resenha :)


Camila 15/03/2013minha estante
Travis, "romance" significa "texto grande", é um gênero literário. Não significa necessáriamente uma história de amor ;)


Fabricio 23/05/2013minha estante
"Acho que "especiais" não é exatamente o nome correto para esse livro. Muito pelo contrário. Acho que "Sem graça" ou "Comum" seriam nomes mais apropriados."

Ótima resenha. -SQN

De fato você não entendeu o livro. Quando nos propomos a resenhar um livro, esperasse que ao menos você o tenha entendido. Quando você se propõe a fazer uma resenha deste tamanho esperasse que ao menos você saiba se expressar.

O LIVRO É FICÇÃO CIENTIFICA. entenda isso. a história de amor poderia muito bem ser cortada do livro.

Acredito que não esteja acostumada a esse gênero literário, e aconselho que volte a ler seus romances de banca.

Para quem não leu o livro, espero que não leve em conta uma resenha tão mal escrita, e que leia o livro com mente aberta, porque é um livro fantástico.

Para Camila, espero que tome maior cuidado ao se expressar em relação a QUALQUER LIVRO. O fato de você não ser inteligente o suficiente para entender o livro não que dizer que ele seja ruim.



Julio Alex 05/06/2013minha estante
Nossa, acho que ninguém nunca captou os meus pensamentos tão bem quanto você.
Eu nem consegui terminar de ler esse livro, de tão ruim que é! Além disso tudo, outra coisa que me irritou muito foi aquilo de "coitadinha de mim, sou feia e... Ops, virei perfeita. Nossa, minha vida é tão legal, mas tô descobrindo que tem muita coisa ruim em ser perfeita... O que, tem uma classe superior? Não quero ser especial, é muito... Ops, virei especial". Isso foi um SACO! Era só a Tally pensar em ficar estacada em uma "classe social" que ela ascendia, mesmo sem querer.
Achei Feios perfeito, Perfeitos mais ou menos... Mas ler Especiais é pedir demais, é feioso! Sinceramente, não sei como você conseguiu terminar de lê-lo.
E espero que não digam que eu não estou acostumado com ficção e fantasia, porque é praticamente SÓ ISSO que eu leio e.e


Amanda 04/12/2013minha estante
Desculpa, mas estamos aqui para dar nossas opiniões e não para condenar um livro ou no caso um best-seller inteiro. Então, primeiramente você não precisava dizer que trocaria o nome do livro por "sem graça" ou "comum"; acredito que você não entendeu que autor deu os nomes aos livros segundo como eram chamados certos grupos dentro de uma cidade futurística e não segundo como você deve se sentir lendo o livro ou pelo menos como você julga o conteúdo do livro.
Não sou a favor da sua crítica em relação as gírias usadas antes e depois porque, como você mesmo falou nosso mundo muda mas o sistema continua o mesmo (ponho aqui sua comparação de hierarquias), portanto as gírias mudaram mais os ignificados são praticamente os mesmos, o fato é que, você poderia acompanhar sem se perder. E, em relação ao infantilizar a cena séria com a gíria também não sou a favor pois tenho certeza de que você, eu e a maioria dos adolescentes ou pré- adolescentes já usaram gírias quando a situação não era adequada.
E se não queria ler um livro onde Tally seria especial, porque então leu o livro? Óbvio que ela seria especial, pois no primeiro livro ela era feia, e o nome do livro é Feios, no segundo livro ela era perfeita, portanto o nome do livro é Perfeitos, me desculpa mas raciocínio para que não ?!
Enfim, sem mais críticas as suas críticas, acredito que a série foi feita ao leitor que gosta de viajar em diferentes personalidades e grupos juvenis, explorando suas maneiras de pensar e se colocar no meio onde vive, esse era o esquema, mostrar num livro de ficção científica as diferentes formas que as pessoas do mundo podem pensar.



Aimêe 16/03/2015minha estante
ótima resenha, parabéns! Parece que é realmente unânime a ideia de que Especiais foi um livro decepcionante. Eu li Feios e Perfeitos em seguida, mas ainda não tinha comprado o Especiais e quando fui atrás não encontrava em lugar nenhum, até nos grande sites o livro tava faltando e onde tinha o preço era caríssimo. A demora em comprar o livro só aumentava minha ansiedade, mas já nas primeiras páginas deu pra notar que tava longe dele ser um livro tão bom quanto os outros. Só o final mesmo que foi mais interessante e que, pra mim, ainda foi estragado com a cura da Cable daquele jeito tãaaao fácil. Uma pena :/


Jéssica 29/08/2015minha estante
Eu não sabia explicar direito o que senti quando terminei de ler o livro mas depois de ter lido sua resenha percebo que foi exatamente a mesma coisa. Além de que achei extremamente irritante o fato de que tudo na vida da Tally sempre dava errado. E o final achei muito sem graça.


VictAria.Gorini 10/04/2017minha estante
Resenha maravilhosa, eu não terminei de ler Especiais ainda, e depois de saber que o Zane morre(eu amava ele), agora tenho menos vontade ainda, eu estava detestando esse livro também , não acredito que o autor matou a historia do ultimo livro e a personagem dessa forma deixando ela como especial o livro todo, isso me irritou demais, eu também queria ver ela onde a ação estava e ela la nessa "luta" interna naquela viagem chata pela floresta que parece que já vimos mil vezes. E finalmente quando ela chega em Diego e eu fico maravilhada com o que esta acontecendo la e penso, agora vai, ela vai voltar ao normal e as coisas vão começar a ficar legais e interessantes de novo, ela escapa de novo de voltar a ter a mente de "feia" dela... decepção define viu, ainda mais agora que to sabendo que além do Zane morrer ela fica simplesmente do nada com o David no final sendo que ela parecia estar louca pra estar com o namorado o livro todo '-'




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Carol- Books and Tea 30/10/2012

Os Especiais dos Especiais...Cortadores Sagazes... WHAT?
Especiais
Scott Westerfeld
352 páginas-Galera

Tally, ou melhor, Tally-wa agora é uma especial, assim como Shay-la, é uma nova espécie morfológica, com hiper audição, olfato, visão... Uma verdadeira máquina destruidora, que não quer lhe fazer mal, mas fará se for necessário, como eles mesmos diziam e blábláblá
Até certo tempo, os especiais eram apenas rumores, porém agora, são reconhecidos e ainda mais temidos por Nova Perfeição, e todos os outros. Uma nova espécie de especias foram feitos, Os Cortadores, liderados por Shay, eram a menina dos olhos de Dra. Cable, eram os Especiais dos Especiais, ainda mais sagazes-É sagazes- Eram encarregados de impedir que a cura fosse espalhada por todos, foram criados para desprezar, a qualquer outra espécie que não fosse especial, até os perfeitos. Quem já conhece a série sabe que, além das mudanças morfológicas e biológicas, outras cerebrais eram feitas, para deixar os perfeitos ainda mais fúteis e "avoados". E Maddy, a mãe de David havia descoberto a cura, outro fato por Tally, agora totalmente mudada, sentir ódio, ela havia sido á culpada pelo que havia ocorrido com Zane- Ok, o que ocorreu com Zane? Acredito que ao estarem lendo aqui, já leram Perfeitos certo? Well, Zane, como posso dizer, acabou tendo seus neurônios "devorados" por nanoestruturas, contidas em uma comprimido,no qual ingeriu...Tá quem não leu, agora leia tá?

Tally, vive extremamente bem, agora Cortadora, diferente dos outros não precisa se "cortar"-isso gente- para ser sagaz, acima de borbulhante, como os outros. Porém, há Zane, que ainda não se juntou á eles, mas por que? Isso faz Tally, não se sentir completa, sem Zane ao seu lado, aquela alegria nunca será completa.

Uma festa está ocorrendo em Vila Feia, e os especiais tem de entrar como penetras...Mas espera ai, por que Especiais entrariam em uma festa que para eles são medíocres? Claro, ao saberem que seriam distribuídas novos comprimidos da cura, os especias haviam sido encarregados de impedir isso. Porém algo ocorre, os Novos Enfumaçados, agora não são apenas vestígios dos enferrujados, estão com novos equipamentos e aliados, fortes aliados. Em uma emboscada fatos ocorrem, revelando o quão avançado, agora os enfumaçados estavam.Viva, finalmente, já estava na hora pelo amor né?

Um encontro com sua antiga paixão, pode fazer Tally balançar, literalmente gente, até da prancha! Agora sem Fausto, Shay-la e Tally-wa devem de agir só, porém Tally quer algo em troca, seu amor, Zane, que por Circunstâncias Especiais-Claro, essas palavras tinham que estar envolvidas nisso- Não havia se tornado especial. Porém, o reencontro com Zane, pode ser frustrante. Zane, porém demonstra um afeto e um amor tão puro por Tally, que me fez adorá-lo de vez. Podia tudo acabar ali? Tally e Zane especiais juntos, caçando os enfumaçados e fim.? Não.

Uma aventura super "sagaz" de Tally e Shay, acaba envolvendo tudo e todos de vez, os efeitos acabam perdendo o controle e péssimas consequências vem de bônus. Uma que eu particularmente, não gostei nada e nada. Por que? Tudo bem que que David nos cativou, mas, Zane? Ah, não. Sem Spoiler aqui ok?

So, Tally terá enfim que decidir em, seguir a missão para a qual foi programada ou lutar por seu amor/paixão?

O ponto fraco do livro, na minha opinião foi o final, explicando, foi inesperado e confesso que queria mais e claro, o ocorrido com Zane. Tally também, mesmo sendo decidida o suficiente, continua muito imatura, e me irritou bastante. Ah, tudo bem Tally-wa nós já sabemos que você tem o poder da "autocura".
SEM DRAMAS PLEASE!

As cenas de ação, são contagiantes, é são mesmo, as de revolta, me deixaram revoltada, essa é a verdade. Mas o livro como um todo me agradou, esperava mais devido á seus anteriores, mas nada que pudesse afligir a qualidade da série.

Surpreendente e inesperado, em Especias, Westerfeld nos presenteou com uma outra ótima narrativa, confuso né? Espero agora que Extras, não entre em declínio á qualidade da série, fechar com chave de ouro e recuperar os pontos perdido em especiais ok Scott?
Boa leitura :)
comentários(0)comente



Carol 21/09/2011

Eu sinceramente não sei o que dizer muito sobre essa saga.

Às vezes eu gostava, às vezes eu tinha vontade de desistir.

O contexto da saga é brilhante, não tem como negar, a ideia da transformação obrigatória aos 16 anos, as vilas separadas, os novos fumaças, o controle da mente através de sentimentos vivos, tudo isso foi brilhante, mas o desenvolver da história deixou a desejar na minha opinião.

Acho que Scott pecou demais, ele nesta última etapa, criou cenas mirabolantes, que nem no máximo dos esforços eu conseguia visualizar, exemplo disso, foi o ataque do Arsenal. Juro, que não consegui captar a cena de tanta ação e superpoderes que ele inseriu nesta cena.

Faltou um pouco de emoção sentimental a algumas cenas, neste último, um grande fato acontece e a cena passa tão rápida e sem emoção que não derramei uma única lágrima, isso porque era um dos meus personagens favoritos.

Será que será traduzido o livro Extras?

Enfim, Scott você teve uma brilhante ideia, e se eu não fosse persistente teria desistido de Tally e David há muito tempo.


Cíntia Mara 12/11/2011minha estante
"Faltou um pouco de emoção sentimental a algumas cenas, neste último, um grande fato acontece e a cena passa tão rápida e sem emoção que não derramei uma única lágrima, isso porque era um dos meus personagens favoritos."

Concordo! Odiei tanto a Tally por isso.


Matheus Caixeta 25/11/2011minha estante
Falou tudo que penso do livro. Ideia brilhante e mal aproveitamento, sem contar com as cenas viajadas e 'mal escritas'. Além disso, a morte que teve no final foi a coisa mais sem emoção do mundo.


Romma 12/07/2013minha estante
mas essa foi a ideia dos especiais que o Scott quis passar, sem sentido seria se a Tally ficasse sentimental demais a ponto de pensar em se matar, ela é uma especial e esta programada para agir assim, friamente, mas ela do jeito dela amava o Zane, leia Extras e entenderá


Cello 19/09/2015minha estante
"Às vezes eu gostava, às vezes eu tinha vontade de desistir."
Houve bons momentos e muitos foram bem irritantes, três estrelas merecidas.




Daniele 04/08/2013

Decepcionante
Eu me apaixonei pela ideia do autor para os livros. "Feios" e "Perfeitos" são muito bons e me deixaram ansiosa para "Especiais" que foi uma decepção completa para mim. Eu esperava um pouco mais da crítica presente nos dois primeiros livros, mas, acima de tudo, esperava encontrar uma personagem principal mais madura - e encontrei exatamente o oposto.

A Tally fica muito egocêntrica nesse livro (mesmo que ela ainda tente salvar quem "ama") o que pode ter sido efeito dela se tornar uma especial, mas ela conseguiu ser especialmente cansativa, repetitiva demais, chata demais, especial demais.

E eu ainda não consigo acreditar que o autor realmente desperdiçou um personagem com tanto potencial quanto o David. No primeiro livro você sabe que o David não vai ser só mais um, mas no terceiro livro é isso o que ele se torna. Scott não deu toda a atenção que ele merecia, não soube dar um bom desenvolvimento pro personagem o foi o que mais me decepcionou em todo o livro.

Aliás, o Scott não soube dar uma sequência/desenvolvimento nas ideias e críticas dos dois primeiros livros, ele perde um pouco a essência de "Feios" e "Perfeitos". Não é o tipo de livro que eu poderia ler por mais de 2 vezes sem enjoar ou sem me cansar.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Victor Coelho 02/06/2012minha estante
Uma das coisas que eu adorei na série Feios foi a critica sobre os enferrujados. E o que você disse é verdade, a série toda falava sobre liberdade e no final é um livro sobre limites. Em comparação com os outros da série, esse é o pior, tipo, o livro não me envolveu sabe? e aquela viajem encheu o saco. E O-D-I-E-I o jeito da Shay e da Tally, sabe? elas pensava tipo assim "Sou especial, sou superior e você é medíocre" e então eu percebi algo que me abalou muito, na nossa sociedade muitas pessoas pensam como os Especiais


Camila 17/09/2012minha estante
Não usaria a palavra "limites" atrelada a "sustentabilidade". Usaria atrelação de antigos valores à novos valores. Como se liberdade e sustentabilidade pudessem coexistir se houvesse alguém que almejasse os dois. Na verdade, se houvesse alguém que lembrasse a todos tudo aquilo que aconteceu com o mundo, para que ninguém se esquecesse das lições aprendidas, apesar da liberdade, que também é algo que deve ser lembrado.


Marcelon 22/10/2012minha estante
Pois é, Camila. Penso o mesmo. Nos final, aquele lembrete que a Tally deixa para todos os lados dizendo que vai ser a monitora dos "bonzinhos" é, para mim o ponto alto do livro. E sim, gostaria de poder ter hoje uma figura como ela, para lembrar e temer... E Victor, o que me fisgou na série foi exatamente isso: essa realidade inventada que nem é tão inventada assim. Me Lembrou tanto a escola...




Bruno Leandro 13/07/2011

Nem feio nem perfeito, apenas... especial.
Se você já não é mais Feio e também é muito mais do que Perfeito, parabéns, você é Especial!
Tally Youngblood faz parte das Circunstâncias Especiais. Ela possui uma beleza feroz e cruel e seu corpo é uma perfeita máquina de caça e de matança. Ela não poderia estar mais feliz de ser o que é... se algo não a alertasse de que ela está no caminho errado.
Desde que se tornou uma Especial, Tally está cada vez mais devotada à amiga Shay e ao seu grupo secreto de Especiais, os Cortadores, mas algo acontece para desestabilizar seu mundo e ela percebe que talvez não seja tão Especial assim. Para onde foram a Tally Perfeita cabeça-de-vento, ou a Tally Feia e desafiadora? Será que elas ainda estão ali em algum lugar? E se estiverem, será que elas devem sair?
Fechando um ciclo com este último livro, Scott Westerfeld faz uma sátira à construção de um mundo perfeito e aos sacrifícios que tal mundo exige daqueles que viverão em tal lugar. Ele chama atenção a vários temas, como: será que vale à pena desistir de sua liberdade para ter um mundo melhor? Será que sem liberdade um mundo é melhor de verdade? Será que liberdade em excesso também traz um mundo melhor? Sei que as questões se parecem, mas, acreditem, elas são diferentes entre si.
Em relação à aventura, está ok, eu diria. Não que os momentos de ação não sejam interessantes, mas a discussão estabelecida por trás de tudo também chama a atenção. Este foi o tipo de livro que eu larguei em um canto e logo em seguida peguei de volta, pois precisava ler o resto da história. Tally luta contra o regime, como sempre, mas também consigo mesma, o que torna suas ações confusões, pois parece haver outra pessoa comandando suas ações. E não é isso o que acontece conosco, à vezes? Não acontece de muitas vezes nós tentarmos agir contra aquilo que esperam de nós, mas continuarmos representando o papel que nos foi criado? Acho que essa foi novamente a crítica de Scott, bem executada, embora não tão magistralmente quanto nos primeiros livros.
É um livro bom, que nos traz vários questionamentos sobre a sociedade em que vivemos. E também fecha um ciclo, apesar de não ser o último livro da série. Gostei, embora não tenha adorado tanto quanto os primeiros, e recomendo a leitura.
comentários(0)comente



Ju 22/01/2013

Especiais
Não há spoilers na resenha.

Ok, é o seguinte. Eu estou bastante irritada com essa série no momento. Esses especiais são os seres mais imbecis do planeta.

Sinceramente, eu até desanimei de ir ao evento que aconteceu aqui em São Paulo no dia 24/11. Se não fosse pelos amigos, e por ter iniciado a leitura de Extras antes da data, eu não teria comparecido. Mas estou feliz por ter ido, foi muito bom, o Scott é uma figura.

Voltando a Especiais, na minha opinião, faltou tudo nesse livro. Ele não me fez sentir nada. E sentir alguma coisa quando leio é um dos pontos principais que me fazem gostar de uma história. Eu ia passando as páginas, as coisas iam acontecendo, inclusive coisas que deveriam me deixar com vontade de matar o autor por escrever aquilo, e eu só conseguia pensar: "tanto faz". (meu único sentimento foi a raiva quando terminei, na verdade dirigida a mim mesma, por sentir que perdi meu tempo e por saber que iria perder mais ainda, já que faltava um livro para ler.)

Um especial é um ser completamente sem noção que ganha um super corpo e super sentidos, e passa a ver o resto das pessoas como inferiores e inúteis. Ironicamente, eles têm que proteger as pessoas de ameaças, de "circunstâncias especiais" que surgem e que precisam ser controladas. São os salvadores do mundo (na verdade, controladores do mundo cai melhor).

Os cortadores são um tipo mais idiota de especiais. Eles se acham os melhores do planeta e têm a mania completamente retardada de se cortar para se sentirem mais "sagazes", ou seja, mais espertos, inteligentes e alertas que o normal.

Não vou contar nada do que acontece, só repito que não gostei. Mas conheço várias pessoas que amam essa série, então de repente eu que estou ficando chata demais. Vai saber. Podem discordar de mim, ok? Só estou aqui torcendo para vocês não me xingarem muito nos comentários. E logo sai a resenha de Extras!

Postada originalmente em: http://entrepalcoselivros.blogspot.com.br/2012/12/resenha-especiais.html
Leilane 14/02/2013minha estante
Quando li o livro, eu estava em uma semana tão boa de leitura que nem deu tempo de sentir raiva. Terminei e logo fui para o próximo, mas analisando bem, ele tirou minha vontade de ler Extras, acho que por isso não li na sequência e não porque eu queria ler mais outros livros. Se tivesse parado no Perfeitos, acho que a série teria sido favorita, mas Especiais estragou um pouco tudo justamente por causa das coisas que você reclamou e mais um pouco, mas eu dei 5 estrelas porque o livro me tocou em um ponto, o fato de que com dedicação podemos mudar, nos reprogramar, é difícil e depende da própria pessoa, eu precisava muito abrir meus olhos para isso e fico contente que tenha sido por meio de um livro, vou sempre lembrar disso na minha busca pela felicidade. Logo, lerei Extras, pretendo ainda esse ano para não deixar séries que tenho completas sem terminar. =]


Lua 23/03/2013minha estante
Estou lendo Especiais e também estou sentido muita raiva eu tento ler pra terminar logo e ver se Extras me trás as mesmas sensações que Perfeitos me trouxe, está difícil de continuar mas não vou desistir, ainda tenho esperança de que termine melhor. bjs


Adriane Rod 29/03/2013minha estante
Isso me dá vontade de não ler, mas ao mesmo tempo sinto curiosidade ainda maior em saber o que você não gostou.
Ainda quero ler a série.
;)

http://pseudonimoliterario.blogspot.com.br/


Thaís 07/04/2013minha estante
Eita! Sinceramente nunca me senti atraida por essa serie, são tantos comentarios (bons e ruins) sobre ela! Acho que eu não consguiria ler a serie toda, eu acabo me cansando..


Baah 14/04/2013minha estante
essa serie me chama demais atenção , ela parece ser incrivel


Dani 15/04/2013minha estante
HAHHAHAHAHHAHAHA
Amei essa resenha :D
Eu amei o livro, curti demais o lance cruel dos Especiais, porque gosto muito de personagens letais, amei o livro de ponta a ponta, sou fã da série ^^




Kelly 11/10/2012

Especiais - Será mesmo?
Eu queria muito terminar esse livro e fazer um trocadilho do tipo: "Esse livro é muito especial!" Mas infelizmente não posso.
Acredito que o grande problema tenha sido as constantes mudanças de personalidade da protagonista. Em feios a conhecemos como ela realmente era; em perfeitos ela já vem mudada, mas ainda dá para reconhecer algo da Tally de Feios ali; mas no último livro ela é totalmente outra, um pau-mandado, uma arrogante. Como podemos nos empolgar pela história de alguém que no terceiro livro não reconhecemos mais?
Outra coisa que não me agradou foi a apologia a auto-mutilação. No segundo livro isso já acontecia, mas a protagonista encarava a prática como uma loucura. Mas agora ela mesma fazer e dizer como é maravilhoso e sagaz?
Também percebi durante este livro como a personagem realmente é, e sempre foi desde o livro 1: uma garota egoísta e chata, o tempo todo só pensando em si mesma e algum dos seus namorados. Em perfeitos eu criticava Shay, mas neste eu percebi que ela realmente tem razão a respeito de Tally.
Falando em Shay, também não me convenceu essa história de uma hora Shay ama Tally, outra hora odeia, depois ama de novo. Ficou muito sem sentido.
Mas tem pontos positivos também, não podemos negar. O livro expandiu nosso conhecimento a respeito do que é aquela sociedade e do que está em volta dela, além da grande imaginação para inovações futuristas, pelo menos isso se salva.




****************ATENÇÃO, SPOILERS!***********************************




Gente, eu já estava tão chateada com essa história de Tally passar o livro todo só pensando em Zane e indo atrás de Zane, que eu torci muito para ele morrer, sério mesmo, não estava aguentando mais.
E que especiais mais burros hein? Até uma feia como eu percebi desde um princípio que aquela ideia de invadir o arsenal ia dar em merda e que aquele aviso que a Dra. Cable estava no bloco J era uma armadilha. Façam-me um favor...
O mais impressionante é que a menina depois de passar o livro todo apaixonada por Zane não espera nem o morto esfriar e se junta com David?
Me dá muita vontade mesmo de não ler o Extras porque esse eu terminei de ler me forçando, mas chego a conclusão que não vou ler 3 livros e ficar sem ler o último.
Pam 17/01/2013minha estante
Sobre a auto-mutilação, não foi bem uma apologia, foi uma crítica mesmo, de que há pessoas que procuram esse meio para se sentirem melhor. Mas em relação a todo o resto, eu concordo absolutamente.




eibarba 16/08/2012

http://www.restaurantedamente.co.cc
No terceiro livro da série Feios, Tally agora é uma agente das circunstâncias especiais, agora ela era uma Especial, tinha força e uma beleza aterrorizante, mas em seu coração alguma coisa estava errada, porque será que ela sentia que nada estava bem? Quem era essa pessoa que ela tanto amava? Todas as repostas serão reveladas nesse terceiro volume da série de distopia Feios.

Nunca neguei que morro de amores por essa série de livros, os dois primeiros, Feios e Perfeitos, conseguiram um espaço enorme no meu coração, e não parava de falar sobre a história de Tally, não parava de indicar a série para todo mundo, mas depois de ler esse terceiro livro, que dá fim a série, eu me decepcionei. Não tiro o mérito dos dois primeiros volumes, mas, o terceiro acabou com a trilogia, que vinha trilhando um caminho muito bom.

Tenho a impressão que fui a única pessoa que não gostou muito do fim da trilogia, ou talvez, eu gostei bastante dos primeiros livros e esse tenha sido mais fraco. A história parecia ser pequena demais para tantas páginas, os personagens já estavam tão mudados que dificultava de reconhecer, tudo bem que a evolução deveria ser necessária, porém, pareciam que havia colocado outras pessoas completamente diferentes daquelas que eu havia conhecido e amado lá no primeiro livro.


(SPOILERS SOBRE O FINAL DO LIVRO)



Outra coisa que me desagradou foi o final, não falo da guerra, mas, mais uma vez na evolução dos personagens. A Tally depois de tudo que passou para conseguir acabar com a cidade, ela terminar com as ideias da cidade ainda implantadas nela e sendo a “última” de sua espécie? Cadê todos os amigos esfumaçados que deveriam obriga-la a tomar a pílula da cura? Aliás, como todo mundo que era Especial, inclusive a melhor amiga da Tally que arrastou ela para essa confusão toda, se recuperou rapidinho, e ela não? Desculpe Scott, que tanto admirei, mas achei a resolução muito mal escrita, parece que não tinha o que falar mais e foi escrita só para preencher prazos com a editora.



(FIM DOS SPOILERS)


Apesar de o final ter sido decepcionante, ainda recomendo a leitura da trilogia, caso vocês gostem de literatura infanto-juvenil.
Pam 17/01/2013minha estante
Você não foi a unica pessoa que não curtiu muito o livro.


Carolinne 03/07/2013minha estante
Pura verdade, era difícil reconhecer os personagens... Me decepcionei bastante...




PlagueDoctor 12/01/2015

Especiais...
Especiais poderia ter sido o primeiro livro de 2015, mas como eu saí para comprá-lo no dia 31 e não no dia primeiro (e acabei começando a ler no mesmo dia), ainda não conta como primeiro livro do ano. Na verdade eu só comprei Especiais porque havia acabado de ler Perfeitos e queria muito terminar a trilogia… Pura e simplesmente para terminar a trilogia.

Especiais é um livro chato. Mais uma vez, ao invés de mover a história adiante a protagonista é puxada para trás submetida a outra cirurgia, dessa vez para se tornar especial (um terceiro grupo de pessoas, cuja existência é revelada logo no primeiro livro da série. Os especiais são como guardiões da nova ordem, ocupados em manter a cidade a salvo de interferências externas. A cirurgia que os torna especiais é diferente da dos perfeitos. Eles ainda são belos, mas uma beleza assustadora, além de mais fortes e mais rápidos que uma pessoa comum.

Uma raça de super humanos criados artificialmente que controla as vidas dos demais? Não exatamente original…

Conforme passam as páginas, e isso acontece desde perfeitos, por sinal, a caracterização de alguns personagens começa a se deteriorar… Não faz sentido, por exemplo, transformar pessoas de dezesseis anos em especiais, sabendo o poder que eles têm e o papel que ocupam naquela sociedade. A mãe de David é completamente diferente nos dois últimos livros do que parecia ser no primeiro, uma mudança que não só não faz muito sentido como é uma mudança para pior. O conflito amoroso de Tally que poderia ter algo de interessante tem uma resolução fácil (para não dizer óbvia).

site: http://anabandonedamusementpark.blogspot.com.br
Mayara Campos 26/01/2015minha estante
Vale a pena lembrar que não é uma trilogia, são 4 livros. E especiais não é o último. Just saying. :)


Anita 28/06/2016minha estante
pelo que eu tinha visto o 4 livro era apenas um plus... mas pelo andar da carruagem do jeito q está difícil ler esse terceiro..que dirá ler um quarto.




Cih 12/09/2012

Achei que foi o livro menos interessante da série feios.

Também tem muita aventura, mas a trama é menos complexa.


Nesse livro Tally se tornou uma Especial, mas Zane continua com o cérebro danificado. Tudo que ela quer é destruir a Nova Fumaça e curar Zane. Mas as coisas são mais complicadas do que ela e os outros Especiais Cortadores imaginaram, pois os Enfumaçados tem novas armas e a cura está se espelhando cada vez mais.

comentários(0)comente



Elena 08/01/2013

Um tanto quanto cliche
Feios foi incrível, Perfeitos foi sensacional. Ó, e como eu esperei o lançamento de Especiais, para finalmente poder desvendar como Tally concertaria todos os estragos e mudanças que provocou, com quem ela ficaria no final, e sua amiga Shay a perdoaria?
Assim que comecei a ler, logo a primeira batalha travada pelos enfumaçados e pelos especiais, quase devorei o livro, de tão emocionante que estava, de tão bem articulada que havia sido o ataque dos enfumaçados, e todo o mistério que envolvia Zane, sobre seu estado de saúde, suas lembranças e seus sentimentos.
Porem com o decorrer das paginas, tudo foi ficando muito resumido. Enquanto a personagem segue Zane em sua viagem para a Nova fumaça, toda a história corre sem ela, simplesmente quando encontrar o lugar, tudo já foi feito e planejado, sem Tally ao menos estar presente (detalhe: sendo ela a protagonista da serie). Em comparação aos outros livros da serie, que foram cheio de mistérios, originais e encantadores, Especiais foi um tanto quanto chicle, principalmente em seu final, no manifesto deixado por Tally, um tanto quanto comum.
Esperava mais do livro, mais ação e muito mais originalidade.
comentários(0)comente



Julia 15/05/2011

Especiais é um livro muito difícil de comentar, de verdade. Aliás, essa série toda para mim é complicada de comentar. Eu realmente sou apaixonada por ela e recomendo para todo mundo. Mas, como em toda série, você começa a ter um monte de sentimentos em relação aos personagens, ao que você quer que aconteça ou não, e isso intefere muito no seu julgamento do livro. E meu julgamento em Especiais é uma loucura.

Logo no final de Perfeitos, a Shay insuportável tranforma a Tally em uma Especial. Eu, de algum modo, acreditava que a Tally daria a volta por cima. Mas eles fazem uma cirurgia incrível nela e ela não se lembra de nada de seus tempos de Feia, ou de como conseguiu se libertar da alienação quando era Perfeita. Tally acredita cegamente na Circuntâncias Especiais, se torna uma Cortadora e tem Shay como sua chefe. Como eu não suporto a Shay, já estava com raiva de tudo logo no início.

Tally segue tudo que sua chefinha manda. Até que Zane 'ressurge' em sua vida. Ele sai do hospital e os sentimentos de Tally por ele a fazem querer torná-lo um Cortador. E todos saem em uma missão para reencontrar Nova Fumaça, que está mais viva do que nunca!

As minhas partes favoritas desse livro são as cenas de ação, cada vez mais incríveis. Como a Tally tem seus movimentos cada vez mais ágeis, nesse livro ela arrasa com quem tenta entrar em seu caminho! E, claro, os Feios estão cada vez melhores equipados. A narrativa do Scott se mantém dessas que te deixar sem ar enquanto lê, virando as páginas, louca para saber o que mais vai acontecer.

Agora, vem a parte que eu não gostei. A Tally não só está completamente alienada desde o início do livro, como ela começa a se achar superior a todos. E, bem, eu comecei a ter muito nojo dela durante o livro. Muito. Várias vezes eu tinha vontade de, sei lá, cuspir no livro, atirar ele pra bem longe. Essa foi a primeira vez que eu li um livro cuja protagonista eu realmente não gostava e queria que sumisse (quem dera fosse possível).

E, especialmente para quem leu Perfeitos e sua overdose de borbulhantes em cada página... vamos comprar um dicionário de sinônimos, ein, Scott Westerfeld! Se em Perfeitos é borbulhantes, em Especiais é sagaz e avoado. Como eu não curti ler a mesma palavra milhões de vezes em Perfeitos, continuei não curtindo ler essas duas várias vezes também. Só que nesse livro está um pouco menos exagerado e me incomodou um pouco menos. Anyway, estão lá. Preparem-se.

No mais, gostei muito do desfecho do livro. Não sei se era exatamente o que eu esperava, mas Especias foi cheio de surpresas e reviravoltas e gostei de como o Scott solucionou tudo. Pra quem gosta da série, você não vai se arrepender de ler Especiais. É muito bom. Mas continuo achando Feios o melhor - deve ser porque foi o único que eu li sem achar a Tally muito chata. E, mesmo não gostando mais da protagonista, a série continua valendo a pena. Te faz pensar demais, cheia de cenas de ação e um pouqinhoo de romance. Está mais que indicada.

Se, de algum modo, parecer que eu não gostei do livro, quero deixar bem claro que eu gostei e muito. Até mais do que gostei de Perfeitos. Só que, como eu já disse, Especias faz parte de uma série que eu amo e desperta um monte de sentimentos em mim. Não estou decepcionada com o livro. Só estou com uma raiva profunda dele. hahahahaha Mas já, já eu começo a minha contagem regressiva por Extras!

http://treslapis.blogspot.com/2011/05/especiais-scott-westerfeld.html
Le e Bela 19/05/2011minha estante
Concordo cara odeio quando fica repetindo a hora toda "Sagaz" e "Avoada" assim como no perfeitos que ficava repetindo a palavra "Borbulhante" mas tirando isso eu acho que nao tenho muitas criticas pois tambem adoreeeiii essa série! Adorei a resenha! bjs




spoiler visualizar
comentários(0)comente



99 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7