A Última Grande Lição

A Última Grande Lição Mitch Albom




Resenhas - A Última Grande Lição


81 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


MARCIA MARIA 19/11/2012

E então, qual é o sentido da vida?
Existem pessoas na vida que passam pela vida da gente e deixam lições, marcas... que as tornam especiais às vezes por nos mostrar o caminho certo, outras vezes por nos conduzir a determinado caminhar, servindo também como exemplo pela admiração e respeito que se nos apresentam. Por vezes nos chegou através do carinho, da paciência ou até mesmo da sabedoria, e foi-nos de uma importância ímpar. Pode ter sido um amigo, um tio, um avô, um professor... essa pessoa, certamente mais velha que, em uma época de inquietudes e inseguranças, quando éramos jovens adolescentes.
No livro o protagonista Mitch Albom encontrou esta pessoas em seu professor de universidade Morrie Schwartz, o qual reencontrou depois de 20 anos vitimado por uma doença degenerativa em estado avançado.
Após restabelecerem o contato e a afeição, Mitch inicia suas visitas ao amigo e admirado professor uma vez por semana (todas as terças-feiras,) numa tentativa de consumir seus últimos e ricos ensinamentos.
Foram 14 encontros onde surgiam temas de fundamental importância para a fecilidade e realização humana. A cada encontro em que Morrie deixava seu coração falar Mith gravava as histórias, conversas e reflexões que originou este livro. Um livro repleto de reflexões sobre felicidade, amor, amizade, medo, perdão e morte. Este livro foi o último desejo de Morrie e sua última grande lição: deixar uma profunda mensagem sobre o sentido da vida. Transmitida com o esmero de um aluno dedicado, essa comovente história real é uma verdadeira dádiva para o mundo.
Em “A Última Grande Lição,” pela Editora Sextante, acompanhamos a trajetória real de Mitch Albom e Morrie Schwartz, aluno e professor, que se reencontram após vinte anos, quando a saúde de Morrie já se apresenta em estágio avançado de esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença incurável, que atinge o sistema nervoso. Mitch, após descobrir que Morrie fizera uma entrevista a um programa televisivo, apresentando sua doença, decide procurá-lo e daí em diante passa a frequentar a casa de seu velho e bom professor universitário, a quem o chamava de “treinador.” As visitam davam-se toda terça-feira. Cada dia era uma aula diferente!
Não havia notas, mas havia exames orais toda semana. O professor fazia perguntas, e o aluno também podia perguntar. O aluno devia também praticar atividades físicas de vez em quando, tais como colocar a cabeça do professor em posição confortável no travesseiro ou ajeitar os óculos dele no cavalete do nariz. Beijar o professor antes de sair contava ponto. (p.15)
Esses encontros não se tratavam apenas de meras visitas, mas de preciosos ensinamentos para se achar um sentido à vida. Morrie, de forma simples, engraçada e emocionante aborda suas experiências, discute sobre a doença, que cada dia mais o consome. Ele não se queixa e muito menos se deixa abater. Deseja aproveitar cada dia, amando intensamente e preparar-se para a morte, o ponto que seu aluno não consegue compreender.
Pensei nas muitas pessoas que conheço que passam muitas horas úteis do dia lamentando-se da sorte. Como seria bom se pudéssemos estabelecer um limite diário às lamúrias. Só uns poucos minutos de lágrimas e pronto. Enfrentar o dia. [...] (p. 45-46)
“A Última Grande Lição” é considerado, segundo o autor, a tese final da dupla de “terça-feirinos,” que nos permite refletir acerca das dificuldades e daquilo de bom que podemos extrair delas, da importância da família, do amor e perdão, do medo de envelhecer e da morte. Uma leitura simples, rápida e ao mesmo tempo prazerosa.
A última grande lição é o segundo livro que leio do autor Mitch Albom, e acredito que seja o tipo de livro que precisamos ter sempre ao nosso alcance!
Mitch relata maravilhosamente no livro os últimos dias de vida do seu querido e admirado professor. Ás terças-feiras, ele visitava fielmente Morrie, com quem tinha conversas preciosas – sobre a vida.
Morrie descobriu ser portador de uma doença rara e fatal Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), que degenerou seu corpo lentamente, levando-o a morte em meses. Mesmo com triste a realidade que vivia, ele nunca se deixou abater.Talvez, seja isso que impulsione tanto as pessoas a gostarem muito do livro. Morrie, era um homem muito sábio, era um tipo de pessoa que sabia o dizer e tinha muito a nos ensinar.
“Deixe o amor vir. Pensamos que não merecemos amor; pensamos que, se nos abrirmos a ele, nos enfraquecemos.
Mas um sábio chamado Levine disse a palavra certa: ‘O amor é o único ato racional”.
O livro é muito emocionante, a cada trecho que lemos é como se tomássemos um puxão de orelha carinhoso. Percebemos com o livro que temos muito mais a agradecer, do que reclamar.
“A vida é uma série de puxões para frente e para trás. Queremos fazer uma coisa, mas somos forçados a fazer outra.
Algumas coisas nos machucam, apesar de sabermos que não. “Aceitamos certas coisas como inquestionáveis, mesmo sabendo que não devemos aceitar nada como absoluto.”
comentários(0)comente



Criscalina 13/04/2009

A Bíblia
A Bíblia dos livros denominados de auto-ajuda. Não sei, mas acho que depois deste livro, a produção de auto-ajuda cresceu muito, muito mesmo.
comentários(0)comente



Alanna.Ernesto 20/08/2018

"Precisamos de alimento,mas só queremos sorvete de chocolate"...-Morrie S."

Um bom professor te conduz ao caminho de descobertas e objetivos,um ótimo professor quando necessário o empurra" para uma jornada em busca do real sentido da vida.Quantos almejariam tem a sorte de Mitch Alborn?!ou também participar de seu infortunio?!podemos o designar como um pobre privilegiado" ou assim também como todos que puderam compartilhar preciosos momentos ao lado de Morrie S.
Uma das minhas frases preferidas do livro é citada pelo próprio Morrie,que está no titulo acima(O que de fato nos leva a dar tanto valor,ao que é tão superficial?).
Até a décima quarta terça-feira de sua vida ele dedicava ao máximo para mostrar a Mitch o que a maioria de nós não enxergamos: O significado da vida.A busca por coisas desnecessárias e que nos fazem tentar preencher um vazio da alma que não conseguimos.
Como um workaholics,Mitch começa a questionar seus reais valores e é nesse momento que os olhos do leitor também são abertos".
Algo que considero cativante no livro é quando Morrie diz:"somos terça feirinos" algo referente também ao original titulo do livro: Tuesday with Morrie"ou seja Terça-feiras com Morrie; Acredito que cada pessoa que ler,sentirá o desejo de estar pelo menos uma terça-feira com Morrie Schwartz,para aprender memoráveis conselhos que trazem conforto á alma.
Muitas vezes me peguei absorta em tais reflexoes que mexeram profundamente comigo(acho que caiu um cisco no meu olho"rsrs).
Posso destacar o quanto o escritor muitas vezes no cotidiano de suas idas e vindas começava a questionar(otimo aprendiz!)coisas que antes não questionava e nem notava,em muitos trechos do livros ele faz comparaçoes com noticiarios em jornais que mostra para o leitor a importancia da vida para muitos e semelhantemente quantos poderiam ter as oportunidades que Morrie S. nao tinha pelo fato da terrivel doença;que não tirava o brilho de sua personalidade e ensinamentos.
Este brilhante professor que teve seus pensamentos escritos por Mitch Alborn,nos mostra mesmo no fim de sua vida o que realmente deve ser amado por nós,acolhidos por nós,aceitos por nós..mesmo que não entendamos e por fim o que deve ser semeado e também colhido por cada um de nós.

-Morrie- eu disse em voz baixa
-Treinador -ele corrigiu
-Voce... é uma boa alma
Uma boa alma
-Tocou-me...levou as minhas mãos ao coração"
"O professor se liga À eternidade;ele nunca sabe onde cessa a sua influencia"..

Este livro verdadeiramente aqueceu o meu coração! posso afirmar que vale a pena ler ou reler por várias vezes,principalmente em momentos em que necessitamos ser resilientes".
comentários(0)comente



Arthur Pipolo 17/08/2010

Linda história!
Vale a pena ler mesmo!!
Um livro pra você chorar mesmo... muito bonito!
Totalmente indicado!
comentários(0)comente



Ujo 10/06/2015

Um bom livro
Dei cinco estrelas porque o livro cumpriu o que julgo ser um dos principais papeis de uma leitura: Trazer, de alguma forma, algum aprendizado. Aprendi bastante com a leitura, o fato de Morrie ser professor também me comoveu, não só por desempenhar essa profissão, mas também pela forma como ele desempenhou. A docência é uma das profissões mais lindas que existe, sem dúvida foi uma ótima leitura. Fez eu repensar em muitos pontos, sensacional.
comentários(0)comente



crpaiva 21/01/2011

Emocionante
Este livro me emocionou. Nada mais a declarar. Este não vou trocar. Será lido mais vezes.
comentários(0)comente



Dressa Oficial 03/07/2012

A última grande lição
Esse é um dos melhores livros que li na vida, adoro livros que fazem a gente pensar na vida mas sem ser auto ajuda com história real mesmo.

Esse conta a história de um aluno que vai visitar seu professo com câncer e aprende coisas da vida o que deve ser feito antes de morrer por exemplo.

Achei muito interessante e recomendo o livro.
comentários(0)comente



Carolina Lopes 09/12/2009

Realmente uma grande lição de vida. É uma daqueles estórias pra se emocionar.
Vale a pena.
comentários(0)comente



Patty 28/05/2014

Excelente livro de Reflexão
Um dos poucos livros de reflexão e/ou auto-ajuda que eu realmente gostei.

O livro confronta a sabedoria e atitudes de dois homens em pontos diferentes da vida. O mais velho, ex-professor, está doente em estado terminal. O mais novo está num estágio da vida em que está estável profissionalmente, mas não se sente confortável/ realizado.
Nesse reencontro o professor mostra uma forma diferente e mais experiente de enxergar a vida e de agir diante das situações.
O livro é lindo, mostra o sentido das coisas que fazemos, das coisas que não fazemos, nossas razões mais intimas. Cheguei a chorar em alguns pontos pq me vi na mesma condição daquele ex-aluno.
Emprestei para uma amiga e ela não me devolveu, mas fiquei feliz pq ela amou o livro tanto quanto eu e já o passou para outra pessoa, então, tudo certo.
Logo comprarei outro pq fiz dele um dos meus livros de cabeceira.
comentários(0)comente



Carol Bizzi 29/04/2009

Conceitos ótimos!
Uma história muito bonita que te faz refletir sobre o que você está deixando de aproveitar da vida. Não sei se o livro é tido como auto-ajuda, mas a história te cativa e ainda te acrescenta em vários conceitos ótimos, dados por um professor à beira da morte, que não se cansa de ensinar, e aprender ensinando.
comentários(0)comente



Vivi 19/04/2013

Um livro que demonstra a essência da vida e que precisamos ser atuantes nesse mundo e essa atuação pode ser de muitas maneiras...
comentários(0)comente



joy 29/01/2009

chorei no final, é um livro muito tocante, que muda totalmente a sua percepção de morrer instantaneamente ou lentamente. Vale a pena.
comentários(0)comente



Camila A. Meireles 26/01/2016

Eu comecei e parei e comecei e parei tantas vezes, mas não consigo realmente entender o por quê. É uma história maravilhosa.
comentários(0)comente



Michelle 29/01/2018

Uma lição
Amei esse livro de Mitch Albom, uma linda amizade entre aluno e professor, que após 16 anos de distancianamento se reencontram e passam ter encontros semanais às terças feiras.

Muito debilitado com a doença, Morry conta a seu amigo e ex aluno, como lida com a doença e a morte e dá grandes ensinamentos sobre a vida, família, amor, perdão e espiritualidade.

Todos esses ensinamentos resultaram nesse livro. Uma leitura que devemos fazer com frequência, para nos lembrarmos que dessa vida não levamos nada, por isso não devemos ter objetivos gananciosos, que logo que é conquistado, já se torna obsoleto e insatisfatório.

? Amam-se um aos outros ou pereçam? Fica esse ensinamento.

Valeu a pena !
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



81 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6