Os crimes da rua Morgue

Os crimes da rua Morgue Edgar Allan Poe
Edgar Allan Poe
Edgar Allan Poe




Resenhas - Os Crimes da Rua Morgue


24 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Ricardo.Dahmer 19/04/2021

Resenha Do Livro: Os Assassinatos Da Rua Morgue.
Os Assassinatos Na Rua Morgue, um conto histórico escrito por Edgar Allan Poe é inicialmente confuso, depois misterioso e no fim tanto quanto curioso.
A primeira história de detetive moderna, inicia-se com uma escrita enrolada e lenta, posteriormente pelo desenrolar da história, o enredo passa a ficar mais enigmático, mais interessante a ponto de “prender” o leitor para que juntamente ao personagem possam desvendar um caso de assassinatos, o grande clímax do conto. E para finalizar, o desfecho é uma mistura de sentimentos entre frustação e surpresa pois, é frustrante terminar um caso tão real e engajado da forma que terminou, por outro lado, é surpreso pois o autor dribla completamente aquilo que se imaginava ou esperava para o final.
De modo, o livro entrega o que se espera desde quando optamos por seu título; mortes, investigação, policia, assassinos e violência além das características especificas do seu gênero literário como exibição de habilidades e realismo.
comentários(0)comente



Sam Regis 07/06/2020

Não Tão Surpreendente
Uma rua, dois crimes, um mistério quase indissolúvel. Nesse conto, Poe nos leva a desvendar, junto com ele, o mistério da morte de duas mulheres (mãe e filha), em circunstâncias brutais e sem nenhum suspeito de sua execução.


Essa foi minha primeira experiência lendo uma obra do autor, e sinto não ter ficado impressionada. Não que o ar de mistério e perigo não sejam de arrepiar, ou a solução do crime tenha sido quase inacreditável; para mim, pareceu mais do mesmo, aquele típico detetive com QI acima do normal, que é todo esquisitão (excêntrico 😒😌), cheio de manias e soluções com métodos de descobertas tirados da 🎩. Isso, sem esquecer o fiel amigo que serve como os olhos do leitor que acompanha o processo esquisito de investigação da mente brilhante. •

Não quero ser a chata, mas senti como se estivesse lendo uma mistura de Sherlock Holmes com Poirot (ou talvez eu tenha lido demais desses dois personagens 🤭 e talvez isso tenha destruído a experiência de leitura); ou porque seja que os livros e contos policias sem parecem. Todavia, fiquei entediada, e ao terminar, não senti absolutamente nada, o que é péssimo. Se você não lê muito desse gênero, vai fundo. Mas se é do tipo que adora Agatha Christie, leia outra coisa, sério... O Poe deve ter outras coisas mais interessantes do que esse livro.

site: https://www.instagram.com/p/CBGF0keDzAo/
Maxsuel 07/06/2020minha estante
Tive esse mesmo sentimento que você, quase que não terminava a leitura.
Só uma observação, Sherlock e Poirot foram inspirados nesse detetive.


Sam Regis 07/06/2020minha estante
Sim, agora entendo porque tive essa sensação de semelhança. Mas ler tantos romances policiais acaba fazendo essas coisas com a gente. rsrs


Beca Sasso 01/07/2020minha estante
Este foi o primeiro conto do gênero de todos os tempos! :D Poe foi um fundador e tanto, deixou um super legado.




Laura.Zanatta 18/04/2021

Um pouco decepcionada
O livro tem uma história muito envolvente, o inicio é meio chato, mas, se você for persistente e tiver curiosidade de entender,vale a pena. Ao desenrolar da história, ela fica interessante e nos desperta vontade de descobrir o misterio junto com o personagem, porém, o final foi algo que eu não esperava e que frustrou muito as minhas expectativas, pois foi inesperado e mal elaborado. A história é um pouco confusa, em que se percebe que algumas informações foram deixadas de lado, isso faz com que o leitor fique um pouco pensativo em tentar entender o que tal fato tenha sido ignorado ao final.
comentários(0)comente



Beca Sasso 01/07/2020

Curtinhos para gostar de ler!
Publicado em uma magazine em 1841, Allan Edgar Poe nos apresenta o detetive Dupin, abrindo o caminho no mato do gênero de enigma policial.

Narrado pelo amigo e companheiro de Dupin, o llivro trás a descrição de dois brutais assassinatos na rua Morgue em Paris. É uma narrativa maravilhosa para aprender como construir um personagem dando ênfase nos aspectos psicológicos. Não me surpreende que tenha inspirado Sherlock Holmes e Poirot, visto ser um personagem tão cativante e bem descrito.

É um conto rápido, delicioso e cheio de mistério. E uma dica! Tente resolver o caso antes de ler a resolução!
comentários(0)comente



null 07/02/2020

Recomendo, mas não muito
Esse livro é um compilado de contos. Alguns muito bons, outros nem tanto. Em alguns contos a escrita se torna um pouco arrastada. Então me desanimou.
Ainda assim, recomendo porque é uma experiência interessante.
José Igor 29/03/2020minha estante
Este seria apenas um conto.


José Igor 29/03/2020minha estante
Oxi. Agora vi que tem livros duplicados... Estranho...




Isabel.Hygino 31/08/2020

Os Crimes da rua Morgue é um conto surpreendente!
Poe merece todo o crédito por ter escrito a primeira historia de detetive (moderna) que inspirou tantos outros escritores do gênero, contudo, eu senti falta da apresentação de todos os detalhes antes da conclusão de Dupin, eu gostaria de ter tido uma chance de desvendar o mistério junto com o detetive.
Os outros contos não valem a pena, achei a leitura arrastada.
comentários(0)comente



Ivan.Fedato 16/04/2020

Valeu a compra.
Sou mais um que lê Poe pela primeira vez através deste livro, devo contar que gostei demais, contos rápidos que dá vontade de ler como histórias de terror em acampamentos.
comentários(0)comente



Duda 18/04/2021

Esperava mais
"Os crimes da rua Morgue", uma história que posso dizer que do início ao fim causa calafrios. Uma rua, dois assassinatos e um mistério indecifrável. É isto que Edgar Allan Poe nos mostra nos contos, envolvendo e prendendo o leitor para descobrir a solução dos crimes cometidos.

Foi o primeiro contato que tive com o autor, já havia ouvido falar sobre Edgar Allan Poe e me despertou muito interesse, pois o tema que ele escreve é suspense e mistério.
A historia começa um pouco cansativa, mas a desenrolar prende o leitor para descobrir o por que do crime acontecer, quem o fez e como vai ser solucionado. porem quando o conto vai chegando ao fim ele fica um tanto confuso, com alguns furos na história por não ser explicada, etc. Ao final o conto dá uma quebra de expectativa muito grande e que no meu caso me desapontou muito.

Esperava algo como um crime com um assassino ou mais, meticuloso e um crime totalmente elaborado, que não deixasse rastros e que quando o detetive pensasse que havia encontrado algo que o criminoso tivesse deixado escapar, na verdade fosse mais alguma armadilha para Dupin cair. Porem não, a impressão que tenho é que Allan Poe não teve tanta imaginação para a "solução" dos casos, parece que ele realmente quis pregar um peça no leitor.
comentários(0)comente



Edson Camara 11/09/2020

Duas mulheres morrem de forma violenta em sua própria casa e a policia não consegue entender o que aconteceu
É impressionante o que Poe consegue descrever em apenas 25 páginas. Este conto, o primeiro que leio do autor, começa meio arrastado, mas depois assume uma dinâmica própria. Poe vai construindo o enredo e solucionando o mistério ao mesmo tempo. Duas mulheres morrem de forma violenta em sua própria casa e a policia não consegue entender o que aconteceu. Auguste Dupin, um homem esquisito até para a época, mas aqui dotado de uma capacidade de observação e dedução não humanas, consegue em uma visita ao local, e com a leitura do depoimento de diversas testemunhas, desvendar o caso.
Não posso contar nada aqui para não arruinar o enredo de quem ainda vai ler. Mas garanto, o que acontece, é uma surpresa e tanto.
É divertido a variação dos testemunhos sobre quem estava falando com as mulheres na hora do crime, cada testemunha afirma uma coisa totalmente diferente das outras no que diz respeito ao idioma falado e no final, o autor dos digamos "frases sem nexo" é surpreendente.
É uma leitura rápida e divertida.
comentários(0)comente



Codinome 04/04/2020

Um pouco sobre o conto "Os crimes da rua Morgue"
Uma primeira observação: eu não li exatamente o livro vinculado a essa resenha, o que li foi o conto "Os crimes da rua Morgue" em um outro livro chamado "Histórias extraordinárias", de Poe. Que, inclusive, fiz resenha; mas como é um livro com diversos contos do autor (16 contos), não consegui gerar uma resenha exclusiva para esse conto; aproveito agora para fazer. Por isso que coloquei no status dessa leitura como "abandonada", assim o Skoob não soma páginas repetidas em meu paginômetro.

Foi a segunda leitura que fiz desse conto e, como é de se esperar dos grandes autores (principalmente os clássicos), a leitura só melhorou. "Os crimes da rua Morgue" é um conto importantíssimo na história da literatura; pois ele, nada menos, que inaugurou a literatura policial, no ano de 1841, servindo de inspiração para muita gente que ainda viria.

A história começa não como uma história, mas uma reflexão do autor ou de algum personagem sobre a análise de um indivíduo inteligente: o poder analítico é muito importante, olhando aspectos e problemas da vida de uma forma global e, até mesmo, simples; muitas vezes essa atitude será muito mais significativa do que um aprofundamento rebuscado, mas de que nada adianta se suas escolhas iniciais de observação te levaram a um caminho errôneo.

Essa ideia inicial é muito importante tanto para construir o seu analista Auguste Dupin - em que se compreende "na prática" o que é esse poder analítico na resolução dos crimes mais para frente do conto, portanto quando a história começa - e também servir, praticamente, de tese inicial para a construção de qualquer detetive clássico (clássico aqui, me refiro ao Sherlock Holmes do Arthur Conan Doyle e o Poirot de Agatha Christie; apesar de não ter lido muito das obras desses autores, me parecem que são escritores bem clássicos da literatura policial). Sendo que, curiosamente, o Dupin não é um detetive ou um investigador da polícia propriamente dito, aliás a polícia é alvo até de crítica do Dupin e do narrador pela ineficiência na resolução do caso da rua Morgue. Ainda sim, Dupin, sendo uma pessoa comum (ou seja, sem nenhum cargo investigativo), serviu de inspiração para os clássicos detetives, que serviram de inspiração para inúmeros outros. Portanto, Poe, só nesse aspecto, teve uma estrondosa influência.
comentários(0)comente



Matielo 04/06/2020

Livro curto e bom
Apesar das poucas páginas deste livro, o autor consegue fazer com que o conto seja interessante e sem enrolação. Gostei da narrativa e o desenrolar dos fatos.
comentários(0)comente



André Goeldner 17/09/2012

GÊNIO
Primeiro livro que li deste autor, e com certeza lerei mais.
Recomendo muito, tanto pela escolha perfeita das palavras quanto pela forma com que cria um clima assustador e angustiante em cada um dos seus contos.
comentários(0)comente



Cah 11/04/2018

RESENHA: Os Crimes da Rua Morgue (Edgar Allan Poe)
Boa tarde pessoal, tudo belezinha com vocês?
Olha só quem apareceu com resenha nova aqui pro blog? Euzinha mesma, Carol melo (HUEH). Brincadeiras a parte, essa resenha devia ter saído a um tempão já mas eu estava enrolando para liberar ela pra vocês (podem me julgar nos comentários, eu mereço). Se tem um autor que eu sempre tive medo de ler era "Edgar Allan Poe" por inúmeros motivos, mas quando a editora Rocco divulgou o lançamentos do livro "Os Crimes da Rua Morgue", eu não pensei duas vezes e solicitei e cá estou eu trazendo a resenha deste livro pro cês! Ok, vou parar de enrolar e bora começar essa resenha!

O livro é uma coletânea de pequenos contos do grande escritor de horror de todos os tempos, contando com 18 contos uns mais medonhos que outros. O livro foi traduzido e adaptado por ninguém menos que "Clarice Lispector", então se segura para não tombar enquanto lê, ok?
A escrita do Edgar foi algo bem diferente para mim, como nunca tinha lido nada do autor tive um certo receio no começo do livro por medo de não conseguir me adaptar ao jeito que ele descreve tudo que acontece no decorrer do livro, porém, superei e segui em frente. Confesso que achei a escrita dele um tanto quanto rebuscada, mas nada que chegou a me irritar de tal forma a me fazer querer parar de ler, até porque os contos são muito bons e medonhos, mas ótimos.
Poe escreve os contos como se estivesse compartilhando com os leitores histórias que realmente aconteceram com ele, o que nos faz pensar, será que realmente não aconteceram? (~fica no ar~). Alguns contos realmente me deixaram com medo, mas no geral, não é um livro escrito com a intenção de assustar os leitores.
É um ótimo livro para quem quer começar a se aventurar nos livros do autor ou quem quer ler alguns contos com uma pitada de susto, recomendado.
Beijos da Cah ♥

site: http://garotabibliotecaria.blogspot.com.br/2018/01/resenha-os-crimes-da-rua-morgue-e.html
comentários(0)comente



Adailton 19/04/2021

Contos com pontos altos e baixos
Os contos tem características bem originais levando em consideração a época e à abordagem que o autor faz dos casos. São histórias boas e que oscilam no ritmo, descritivo e ou mais rápido. Conseguem prender na maior parte do texto. Na minha opinião ele falha no término das histórias e por abusar um pouco da erudição dos personagens em alguns diálogos que podem ser maçantes.
comentários(0)comente



kally 18/04/2021

Surpreendente!
O livro começa com uma explicação do narrador sobre uma mente analítica, confesso que foi um pouco desafiador entender ao que se referia, o autor traz essa explicação para que o leitor entenda mais sobre o detetive Dupin e seus raciocínios.
Dupin e seu amigo tomam o domínio do caso através de uma reportagem feita no jornal, narrava um brutal assassinato de duas mulheres, na Rua Morgue, apesar de muitas testemunhas que tivera no local não tem nenhuma pista do possível acontecimento. Logo após do detetive ler alguns depoimentos e fazer algumas experiências na cena do crime, Dupin acredita possuir uma viável solução para o caso, contudo só irá ser confirmada com uma grande testemunha.
O escritor nos dá todos os acessos para que junto possamos desvendar o caso, porém o que o detetive propõe para a solução é um pouco inacreditável, fiquei espantada ao o que lia, e intrigada com o desfecho da história. Achei surpreendente o final e impossível de descobrir o que realmente ocorreu com as mulheres. É incrível como o detetive Dupin conduz o caso e faz raciocínios lógicos. Porém achei que poderia ter outro final. Contudo fiz a referência de um dos maiores clássicos dos romances policiais da literatura, Sherlock Holmes.
comentários(0)comente



24 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2