Jazz

Jazz Toni Morrison




Resenhas - Jazz


13 encontrados | exibindo 1 a 13


Alberto 27/12/2021

Engenhoso, cativante e sem clichês, livro conta uma história de amor nada convencional.
Bem escrito, estiloso, sem clichês, sem maniqueísmo. Personagens bem construídos e que convencem como seres humanos com fraquezas e grandezas. E enredo interessante, fora do convencional. Suponho que quem entende de jazz encontrará riquezas ali que minha ignorância do assunto não alcança. Mesmo assim foi uma leitura fácil, cativante e gratificante. Pretendo ler mais da autora. Não imagino nenhuma contra-indicação para esse livro, acho que só desagradará leitores muito apegados ao padrão dos bestsellers, ou quem não suporte fluxo de consciência.
comentários(0)comente



Mari 31/08/2021

Muito bom!
Racismo, escravidão, feminicídio, personagens muito bem desenvolvidos e uma trama envolvente. Só não dei uma nota maior, porque em alguns momentos, achei a narrativa um pouco confusa. Talvez seja porque este é o primeiro livro que leio da escritora.
comentários(0)comente



@thereader2408 11/08/2021

É sobre complexidade humana
"Eu conheço essa mulher. Ela morava com um bando de pássaros na avenida Lenox. Conheço o marido dela também. Ele ficou caído por uma garota de 18 anos, um daqueles amores de espantar, lá no fundo, que fez ele ficar tão triste e feliz que matou a moça para o sentimento continuar." E foi assim que a Toni Morrison capturou toda a minha atenção, logo no primeiro parágrafo da primeira página do livro publicado em 1992, um ano antes de a autora ganhar o prêmio Nobel.

Jazz não é um livro fácil de ler, até porque pelo pouco contato que tive com a autora, percebi que a escrita dela não é nada convencional, mas cativa pela profundidade com que cada parágrafo é construído, em muitas das vezes pode confundir com as diferentes interpretações possíveis de sua narrativa multilinear.

A própria autora define seu trabalho como: "É um Jazz. Uma profusão de sons e nuances, altos e baixos. Tons. Daqueles que se estivermos perto demais da caixa de som, ouvimos mais a vibração que a música." E a autora soube bem como compor essa história, é genial, mas vá com calma. Apesar de pequeno o livro é denso, afinal é um Jazz, dinâmico e caótico e esse Jazz é, sobretudo, um livro sobre complexidade humana, sobre mulheres complexas.

Violet mora no Harlem com o marido, bairro negro de Nova York, em 1926. Os dois vieram do campo, assim como muitos outros, em busca de novas oportunidades. Joe, marido de Violet, em um rompante de ciúme mata a namorada adolescente, Violet em um arroubo de ciúme tenta matar a moça morta. Isso mesmo que você leu. Jazz também é uma história de amor, nada clichê, que avança e recua no tempo e escancara a dura realidade da vida do povo preto das cidades dos EUA na primeira metade do século XX.

"É. Do jeito que você quiser. Você não quer que o mundo seja alguma coisa mais do que ele é?

’Para quê? Não dá para mudar o mundo.

Por isso mesmo. Se você não inventa o mundo, ele muda você e o azar é seu se você deixa. Eu deixei. E estraguei a minha vida.

Estragou como?

Esqueci.

Esqueceu?

Esqueci que era minha. Minha vida. Fiquei correndo pela rua para cima e para baixo querendo ser outra pessoa."

Quem mais levou um tapa na cara ao ritmo de Jazz?
@thereader2408

site: https://www.instagram.com/p/CSdGNZFLUUR/
comentários(0)comente



Myckaio 07/02/2021

Sobre uma era marcada pela busca da liberdade, de conseguir se expressar, ter voz, direitos não só como cidadãos negros mas como um povo que almejava atingir o respeito e a necessidade de viver sem passar por situações como andar de trem em vagões separados por cor.

Existe uma ousadia constante, que vai fluindo através de todas as narrativas aqui. É uma energia que segue o fluxo de uma melodia diversificada, uma música que provoca, seduz, arranca e te prende.

Acho a sacada do título desse livro incrível. Não estamos falando sobre jazz antes do movimento existir como música concreta, estamos falando sobre tudo o que se antedencedeu e permitiu o jazz existir. É a idéia, a vivência, os amores, as amarguras da vida, algo sempre retratatado brilhantemente no blues e no jazz. É o que guia esse livro, mas não é só a música, as melodias. É sim um retrato da raiz, a essência da música negra mas é também focado no tal amor romântico.
"A negociação entre individualidade e compromisso recíproco."
comentários(0)comente



Se.mi.na.re | IG Literário 09/11/2020

Resenha "Jazz" - Se.mi.na.re | IG Literário
"Jazz" (1992) da escritora afro-americana Toni Morrison, aborda a vivência de pessoas negras na década de 20 no bairro Harlem, nos Estados Unidos. A trama central lida com um triângulo amoroso que, desde o início, sabemos que uma das personagens foi assassinada. A história não busca desvendar o assassinato, pois tudo começa com o enterro de Dorcas que fora morta por Joe, um marido infeliz e que trocou sua esposa Violet pela jovem que ele acabara matando por ciúmes. Apesar de já sabermos de todas essas informações desde o princípio do livro, a autora constrói a narrativa de forma não linear para entendermos os possíveis motivos que levaram àquele desfecho dos relacionamentos relatados.

Nesse sentido, a costura que Morrison propôs utiliza dos ritmos do jazz para contar como seus personagens pensam e agem da forma que estão sendo apresentados na obra. Essa escrita que trabalha com passado e presente de maneira mista proporciona uma sensação similar ao ritmo que dá nome ao livro, o qual o improviso, os ritmos acelerados e os ritmos mais lentos tomam conta da história em forma de narrativas que tentam trazer tudo isso para a trama. Tal presença da música por todo o livro consegue traduzir muito bem esse contexto cultural da época e da história afro-americana.

Outro fator importante a ser mencionado é como a autora retrata de forma bem detalhada os desafios enfrentados pela comunidade negra daquele contexto relatado, o qual ocorria uma grande movimentação de negros vindos do sul do país para tentar uma vida melhor em Nova Iorque e outras regiões mais ao norte. Além do racismo, o qual podemos ter o contato intenso com as experiências dos personagens, Morrison também expõe o lado machista da sociedade de maneira que podemos identificar como as desigualdades sociais podem ocorrer e criar obstáculos ainda maiores quando a pessoa é mulher e negra.

Edição da obra na foto: 2009
Editora: @companhiadasletras
Tradução: José Rubens Siqueira
Título Original: Jazz

Resenha por: @jalmirribeiro

site: https://www.instagram.com/p/CHTrLIkDhqx/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Rodrigo 13/01/2018

Super recomendada por uma professora que gosto muito, decidi conhecer o trabalho da premiada Toni Morrison. Então, para o primeiro contato, escolhi o livro Jazz.

Com uma premissa um tanto dramática, Jazz inicia-se com um velório na qual uma adolescente foi morta por seu amante e que durante a cerimônia, a esposa do assassino tenta rasgar o rosto da morta. Só que, a história vai muito além disso...

Para ser sincero com vocês, toda a premissa inicial vai condensando-se a uma narrativa que tem mais o intuito de trazer a tona um debate sobre raça, gênero e sociedade no geral. A reflexão que Morrison propõe é levada ao leitor pelo desmembramento da história de vida dos personagens que a compõe; tem momentos retratando a escravidão, retratando Nova York no início do século XX. Esse desabrochar da trajetória do elenco da obra traz uma ambientação histórica muito boa. A escrita de Toni, apesar de densa, imerge o leitor naquele espaço e, para complementar, a construção dos personagens é tão bem feita que parece que você conhece aquelas pessoas desde sempre, ficando impossível você não ficar sentido com o que acontece com eles. Tudo no livro é muito bem construído e pensado.

Talvez você se pergunte agora: 'Por que diabos ele deu 3 estrelas se ele falou tão bem?'
Bom, apesar de eu ter achado que é muito bem estruturado, a escrita da Toni Morrison é bem, bem densa. Eu tive uma certa dificuldade de compreensão no início, no qual a autora discorria sobre diversos assuntos e acontecimentos da história de uma maneira não linear. A dificuldade na absorção da trama tornou a leitura bem cansativa.

Mesmo eu achando que é um livro muito bem formulado, a história central de Jazz não é marcante. Para mim, o que torna a obra uma escolha de leitura são os temas retratados. É excelente para termos um panorama histórica sobre racismo nos Estados Unidos no século XIX, mas principalmente sobre machismo no início do século XX. Além disso, a leitura de Jazz é importante pois temos que dar voz ao que a comunidade negra tem a dizer sobre racismo e o que mulheres tem a falar sobre machismo. Não é um livro inesquecível, mas a reflexão social que ele deixa é importante e necessária.
Lary 10/06/2020minha estante
Nossa que resenha incrível vc escrever tão bem (?>?


Lary 10/06/2020minha estante
Nossa que resenha incrível, vc escreve tão bem (?>?


Rodrigo 10/06/2020minha estante
aaaaaaa obrigado!!




Nat 07/07/2017

Sobre Nova York da década de 20
Esse foi o primeiro livro que li para um projeto que estou participando com leituras sobre Nova Iorque – cada década é representada por um livro, e Jazz é referente a década de 20, um período em que a cidade era povoada por pessoas que vinham do campo, sendo muitas delas negras.
Já iniciamos a história sabendo que há um assassinato. Joe Trace matou a amante, muito mais jovem do que ele. Sua esposa, Violet, ataca o corpo dela durante o funeral. Uma cena bem chocante. Depois dessa abertura bombástica, vamos conhecendo os personagens e as histórias de vida de cada um. Não é uma história que vai resolver um crime, ou desmascarar um ladrão, e sim um livro que vai mostrar como as pessoas são feitas, o que aconteceu com elas para serem como são e chegarem até ali e, ainda, o que o futuro reserva para elas.
O desenvolvimento do livro não é linear, então vemos fatos do passado misturados com o presente e dividido por personagens, o que nos dá a oportunidade de ver o mesmo acontecimento sob diferentes pontos de vista. Vale ressaltar também que é possível observar o racismo do ângulo de personagens negros, afinal a história se passa no Harlem, que é (até hoje) “o bairro negro” de Nova Iorque.
Foi uma leitura bem diferente para mim, tanto pela história em si quanto pela escrita da Toni Morrison, que tem uma oralidade forte e alterna entre parágrafos bem pequenos e outros que duram mais de duas páginas. Gostei bastante e recomendo a leitura!

site: https://www.youtube.com/c/PilhadeLeituradaNat
comentários(0)comente



Juliana.Ribeiro 15/04/2017

Jazz
Um livro que prende pelos mistérios que rondam os personagens: um homem cinquentão que mata a amante novinha, a esposa traída que tenta esfaquear a morta no caixão... No início vc nao vai se identificar com eles, nao vai nem gostar deles... mas a morte da garota afeta profundamente esse casal infeliz e faz com que se redecubram, revirem seu proprio passado e se curem de suas angústias. MUITO IMPORTANTE: Nao deixem de ler o prefácio da autora Toni, se sua edição não tiver, busque na internet. E lembrem-se de que a narrativa é no ritmo do Jazz... sintam a música.
comentários(0)comente



Gláucia 17/09/2015

Jazz - Toni Morrison
Meu primeiro romance da autora, lido para participar do projeto Leia Mulheres.
O livro tem como personagens centrais Joe e sua esposa Violet, negros vindos dos campos do Sul para Nova York como tantos naquela época (década de 20) em busca de oportunidades na grande cidade. A narrativa parte de um crime (Joe mata sua amante de 18 anos) e não é nada linear. A partir daí são contados fatos das vidas dos personagens ligados a esses dois, passados e presentes e cabe ao leitor ir encaixando esses episódios que formam em parte um retrato da trajetória dessas pessoas no início do século tentando encontrar seu espaço nessa promissora cidade. Tive dificuldade em identificar o narrador principal, alguém que vivenciou os fatos e parece ter convivido com os personagens de forma direta.
Gostei da leitura mas não foi marcante, dessas que a gente se lembra por muito tempo.
comentários(0)comente



Jucimara (Livro sem frescura) 03/07/2015

Realidade nua e crua
Este livro foi escrito com muita sensibilidade e desvenda o interior das mulheres. A história principal é a de uma mulher negra apaixonada pelo marido que a trai com uma jovem. Ela tenta aceitar a traição. Por meio da narração ficamos sabendo dos meandros da sociedade do início do século XX. A leitura pode ser um pouco lenta, mas vale a pena
comentários(0)comente



15/05/2015

Ao som do Jazz
Neste romance Jazz,Toni Morrison , escritora afro-americana, ganhadora do primeiro prêmio Nobel para uma escritora negra com sua bibliografia Beloved (Amada) nos convida a mergulhar em Nova Iorque, nos anos vinte e saber como viviam os negros no bairro étnico do Harlem .
Os negros do sul dos Estados Unidos trabalhavam no campo e viviam em condições degradantes, sendo facilmente ludibriados pelos brancos , já que eram analfabetos. Assim , milhares de negros migraram do sul e se esforçaram para aprender novos modos e costumes em cidades do norte do país convivendo diariamente com a segregação racial existente .
O casal escolhido para nos mostrar esta mudança é Joe e Violet que escolheram Nova York na busca de uma vida mais confortável.
Numa de suas visitas a domicílio, como vendedor de produtos de beleza , Joe cinquentão, casado com Violet, conhece Dorcas, uma adolescente por quem se apaixona. O romance todo é permeado ao som do Jazz, mostra a traição de Joe , sua decepção e insanidade quando Dorcas o troca por um rapaz jovem e a triste reação de Violet diante do desfecho desta traição. Este livro fala de desamores, amores sacrificados carregado de todas as dificuldade de adaptação dos afro-americanos do sul em Nova Yotk, uma história que nos faz refletir.
comentários(0)comente



Bete Lima 18/12/2010

Em 1926, o Harlem, bairro negro de Nova York, é povoado sobretudo por gente que veio do campo em busca das promessas da cidade cintilante. O cinquentão Joe Trace, vendedor itinerante de produtos de beleza, mata com um tiro sua amante adolescente. No funeral, a cabeleireira Violet, mulher de Joe, ataca o corpo da rival com uma faca. Uma tragédia pessoal que é um prenúncio dos tempos duros que virão na década seguinte. Uma apaixonada história de amor e obsessão que avança e recua no tempo, reunindo emoções, esperanças, temores e as duras realidades da vida negra nas cidades dos Estados Unidos da primeira metade do século xx.
Lançado originalmente em 1992, Jazz é um romance sem precedentes, um marco no panorama literário dos Estados Unidos, que consagra Toni Morrison como uma das maiores escritoras da atualidade.


Jucimara (Livro sem frescura) 03/07/2015minha estante
Muito boa sua resenha




13 encontrados | exibindo 1 a 13


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR