Príncipe Caspian

Príncipe Caspian C. S. Lewis




Resenhas - As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian


105 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Thaisa 27/04/2020

De um lado, temos o príncipe Caspian X, um telmarino que descobre ser o verdadeiro rei de Nárnia, e que passa a ser um fugitivo de seu próprio tio, Miraz, que quer ser o regente daquele mundo a qualquer custo.
Do outro, Pedro, Susana, Edmundo e Lucia Pevensie, um ano após retornarem do universo mágico de Nárnia para o nosso mundo, se encontram em uma estação de trem prestes a voltar para escola, quando são sugados novamente para o local de seu antigo reinado, e juntarão forças com Caspian afim de trazer justiça para todos os narnianos.
Esta quarta crônica aparece como uma sequência de "O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa", mostrando o retorno dos irmãos Pevensie e do próprio Aslam, enquanto apresenta novos personagens que darão continuidade às próximas aventuras.
Como os capítulos geralmente são alternados entre os dois grupos de heróis, muitas vezes o ritmo da história é truncado, sem manter um ritmo crescente. Isso torna esta trama menos dinâmica, apesar dos embates.
É gostoso voltar para esse mundo com protagonistas que nos são caros, e essa nostalgia talvez seja o ponto alto desse enredo - e o combate entre e o bem e o mal, tão presente na fantasia, não decepciona.
Aqui, mais uma vez, C. S. Lewis escreve um personagem negro, um anão, Nikabrik, como um vilão da história, que tenta matar o príncipe e se perde na "magia negra" - depois de "O Cavalo e Seu Menino", já estamos familiarizados com o racismo de Lewis.
A verdade é que eu gosto muito de "O Sobrinho do Mago", mas quanto mais o tempo passa e mais eu leio as crônicas, mais me distancio desse universo.

"Muitas vezes perdi a esperança, mas sempre acontece algo que nos faz ter esperança de novo."

Mais resenhas no instagram literário @livre_em_livros
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Jéssica Sanoli 21/02/2012

Um motivo para as quatro estrelas?
Ao aproximar-me do fim do livro, me pus a pensar porque eu o conceituaria com 4 estrelas (já estava praticamente decidida a isto), se não sabia nem ao menos declarar convincentemente um motivo para tal. Por que não conceituá-lo com as brilhantes 5 estrelas? Já que me é tão difícil apontar um defeito no livro, vou me deter inicialmente aos seus pontos fortes.

O começo do livro é cativante, um verdadeiro motivo para se ler por horas, até a madrugada, quando seus olhos não aguentarem mais e implorarem misericórdia. É a parte do livro com menos ação e mais destaque à história do que houve com Nárnia nessas últimas centenas de anos em que os antigos reis e rainhas estiveram ausentes. Na verdade, nos 3 primeiros capítulos não há quase informação alguma, apenas uma atmosfera de incertezas e curiosidade sobre o que ocorreu com a Nárnia da idade do Ouro. Já no 4° capítulo, meu preferido, num ambiente belo e tenso, conta-se parte da história de Caspian, do reinado dos Telmarinos e das histórias da antiga Nárnia, cuja vericidade é posta em dúvida por muitos.Daí por diante, Caspian descobrirá ser verdade as histórias mais fantásticas que ouviu desde criança.

Penso que a partir da metade do livro meu ânimo começou a decrescer. Como disse, o início do livro foi excelente. E acredito fielmente que ele não tenha regredido em qualidade a partir da metade, apenas houve uma troca de foco: antes, a história de Caspian e dos antigos narnianos estava em primeiro plano, depois o foco passou a ser o desenrolar de acontecimentos para salvar Nárnia. Naturalmente, há muito mais ação nesta segunda parte do livro, em detrimento das narrações sobre a história narniana. E, sem dúvidas, prefiro história.

Já ao final do livro, última página, meus olhos ficaram molhados. Quase chorei, aquele papo sobre Pedro e Suzana é bem melancólico. Só não chorei a valer porque Lewis não deu uma grande descrição do momento de despedida entre Aslam e os meninos. Quem sabe ele sentiu pena de seus leitores, porque se fizesse uma descrição, aposto que eu e a maioria desandaríamos a chorar.

Cheguei ao fim e não apontei nenhum ponto fraco na obra, não é mesmo?
Simplesmente porque as quatro estrelas conferidas a este volume são por "questão de gosto", não por defeito de obra. Eu preferiria menos capítulos dedicados à ação, enquanto que alguns cortariam alguns capítulos justamente para chegar mais rápido até ela! Vá entender... São os gostos! Há ainda alguns que criticam o final, dizendo que C.S.Lewis poderia explicar melhor algumas coisas ditas por Aslam na última cena. Mas, acredito que o que devia ser dito foi dito e o que ficou no ar, devia mesmo ter ficado no ar. Lewis devia saber muito bem o que escrevia.

Jéssica Sanoli.



comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Gabriel 19/06/2011

Brilhanteeeeeeeeeeee ',
Ultra-Super-Hiper-Sensacional, Divertido, Interessante. Assim com todas as outras 6 Crônicas. Indicadíssimo ...
comentários(0)comente



Lary Nunes 11/06/2020

De Volta a Nárnia!
O retorno dos Grandes Reis e Rainhas de Nárnia, em uma nova aventura... O começo parecer ser bem parado, porém conforme as palavras vão passando, a história vai fluindo...
O que pude perceber com a leitura é que o ser humano, é muito ridículo (sério, ainda acho que não deveríamos existir, enfim...), se apossam de Terras e se intitulam Reis! E com isso; temos o Príncipe Caspian e futuro Rei X como protagonista da história...com os acontecimentos da sua vida, acaba por ter uma aventura de vida e morte e acaba invocando os antigos protagonistas... Achei que os quatro irmãos teriam mais participação, mas mesmo assim é um ótimo livro.
Só fiquei pensativa com o final, pois no meu caso eu não iria querer deixar Nárnia, principalmente se fosse para voltar para esse Mundo (que está morrendo e só tem tristeza), então okay, recomendo.
comentários(0)comente



Lucas 01/09/2016

Bom
Muito bom, embora, assim como o O Sobrinho do Mago, não seja um dos meus favoritos, ele continua sendo muito melhor que o filme e também nos mostra uma sociedade humana egoísta e uma bela metáfora para a forma como exploramos a natureza.
amaedosdragoes 19/10/2016minha estante
Você leu essa edição mesmo?




Stephany 10/10/2020

Príncipe Caspian
Apenas um ano terráqueo passou desde que Lúcia entrou pelo guarda-roupa, mas em Nárnia passaram séculos desde que os 2 Reis e 2 rainhas reinaram. Somos introduzidos a uma Nárnia onde seres mágicos, reis humanos e o grande Aslam são considerados mitos e histórias infantis. Nárnia é ocupada por telmarinos e anões mestiços que renegam até mesmo as florestas. O trono é de Miraz, um rei perverso que não trata ninguém bem, nem mesmo seu sobrinho Caspian o único herdeiro do trono.
Estou lendo na ordem de lançamento, então foi o segundo da saga. Nesse livro temos o retorno de Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia, e é ainda mais emocionante que o primeiro. Cheio de diálogos para reflexão.
?? Su, acaba de me ocorrer uma ideia terrível.
?O que foi?
? Não seria medonho se um dia, no nosso mundo, os homens se transformassem por dentro em animais ferozes, como os daqui, e continuassem por fora parecendo homens, e a gente assim nunca soubesse distinguir uns dos outros??
E esse final...
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Rafael Aguiar 29/12/2015

Breve Comentario
Acabei de ler mais um livro das Crônicas de Nárnia, o que dizer? Simplesmente incrível, como é bom poder estar em Nárnia, ouvir as palavras sabias de Aslam, que muitas vezes nos proporcionam bons momentos de reflexao. Não irei resenhar sobre o livro, deixarei para falar de um todo quando terminar todas as crônicas , agora vamos que vamos amanhã iniciaremos 5° livro na ordem cronológica "A viagem do peregrino da alvorada".
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Felipe 07/10/2020

O retorno de um filho de Adão ao trono.
Mais uma batalha é travada nas terras de Nárnia e Lewis consegue, com maestria, colocar em suas páginas sabedoria. Com seus personagens e o desenrolar da trama é possível notar o quanto a fé é algo individual e pessoal. Podemos enxergar e vivê-la de várias formas. Só cabe a nós decidir se vamos viver segundo nossa fé sem esperar que os outros façam o mesmo. Se vamos ter coragem de seguir mesmo quando pessoas próximas não tem as mesmas crenças e se vamos respeitá-las por isso.
comentários(0)comente



C. Aguiar @coelhoobrancoo 19/11/2014

Esse livro até agora foi o único que eu tenho pouco a falar porque infelizmente não foi um dos melhores da série.
O tempo passa de forma diferente na terra de Nárnia, pois para Pedro, Lúcia, Edmundo e Susana faz apenas um ano que eles estão longe de Nárnia, mas na verdade se passaram mais de mil anos e atualmente a terra que anteriormente era cheia de magia está completamente modificada, e habitada por pessoas que vieram das terras de Telmar (um mundo paralelo a Nárnia) e sendo governada por um homem cruel chamado Miraz.
Esse homem não tem nenhum herdeiro, por isso ainda mantém vivo seu sobrinho Caspian, e o jovem além de curioso é bem instruído por seu tutor que explica tudo sobre a antiga Nárnia e de como em tempos de paz o local era habitado por animais falantes, dentre outras criaturas.
O jovem Caspian vai crescendo ouvindo histórias sobre a antiga Nárnia quando acaba tendo que fugir no dia que a esposa de seu tio da a luz, e sendo assim Miraz não precisa mais de Caspian e pode muito bem cuidar do reino agora sem nenhuma preocupação. Nisso os guardas começam uma caçada para matar o jovem Caspian.
Na fuga o pequeno príncipe acaba encontrado animais falantes que o rei pensava não existir mais e eles decidem que Caspian será seu novo rei, porque ele não vê o mundo como um telmarino e sim como um verdadeiro narniano que quer apenas o bem para as criaturas magicas. Nesse momento ele decidem tocar a trompa da rainha Susana para que o auxilio venha (seja lá ele qual for), e nessa hora os irmãos acabam sendo transportados novamente a Nárnia a fim de ajudar seus antigos súditos a trazer novamente glória para Nárnia.
O livro é um pouco simples e as vezes arrastado, sem tanta emoção. Achei meio sem sal, porém como sempre temos um fina feliz.
O filme é fiel a medida do possível ao livro, tirando o fato é claro que no livro eles são mais jovens do que nos filmes.

site: http://www.seguindoocoelhobrancoo.com.br/
Bruno 20/06/2016minha estante
Também achei o livro meio arrastado, achei que foi mais enrolação do que de fato uma história. Os quatro demoraram muito para encontrar Caspian, Lúcia e Susana ficaram perdendo tempo com Aslan enquanto a batalha principal acontecia. Dizem que o filme é ruim e não é fiel ao livro, na minha humilde opinião, gostei mais do filme.




Isabella 17/10/2011

O filme não tem nada ave com o livro primeiramente porqueo diretor do filme mudou a ordem dos acontecimentos(ficou uma bosta) o livro e muito mas realista tudo bem que e fantasia o tema do livro! mas pelo amor de deus no filme você não tem a menor noção de tempo(em todos os sentidos)
. E a pior parte dessa confussão toda e que ate a historia foi modificada no livro os irmãos pevensie ficam a maior pate do tmpo perdidos na floresta e so acham o exercito do caspian com ajuda do aslan o que no filme acontece de outra forma nada ave com a a original narnia e um classico e tem que ser manido ao pé da letra.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



105 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7