Lolita

Lolita Vladimir Nabokov




Resenhas - Lolita


441 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Igor.Lima 04/06/2019

Uma leitura pertubadoramente poética
Seis décadas depois e Lolita ainda é uma das obras literárias mais relevantes do século XX. Uma obra densa, pertubadora, pesada e incrivelmente poética. É um soco no estômago em forma de texto.
comentários(0)comente



Thai Zavadzki (@meowbooksblog) 25/05/2019

Trazendo a resenha de mais um clássico contemporâneo para vocês, esse sendo, acredito eu, o mais perturbador dentre os que tratei até hoje aqui no blog: Lolita.

Quem nos segue no Insta acompanhou parte da minha saga para ler esse livro. Eu achava que o pior para mim seria a pedofilia, mas não, acreditem, a narrativa foi a pior coisa para mim, chegando a render até uma breve ressaca literária.

Aqui acompanhamos tudo a partir da visão de Humbert em uma espécie de carta que será usada em seu julgamento, e ele é muito detalhista, fala especificamente de umas coisas que não tem relevância alguma para a história, tanto que eu fui pulando os parágrafos mais cansativos no meio do livro e isso acabou por não fazer diferença nenhuma no entendimento final.

Um detalhe que precisa ser ressaltado é que Nabokov realmente conseguiu transpassar com perfeição o que é uma cabeça insana. Já reclamei de uma narrativa em primeira pessoa que não conseguiu representar bem isso, não temos esse problema em Lolita. Em momento algum duvidamos que, apesar de parecer uma pessoa normal, Humbert é louco, um pedófilo.

Achei muito interessante a construção dessa peculiaridade, porque nós acompanhamos os pensamentos dele e ele simplesmente não é um narrador confiável e isso fica claro em vários momentos da leitura. Mesmo que a narrativa tenha cansado minha cabeça e meus ânimos, preciso dizer, esse livro mexeu comigo. [...]

CONTINUA NO LINK

site: https://meowbookblog.wordpress.com/2019/05/22/resenha-lolita-de-vladimir-nabokov/
comentários(0)comente



Lipe 19/05/2019

A "Culpa" de Lolita
Talvez o que mais precisa ser debatido entre os leitores, é o fato de que até hoje, em pleno século XXI, a mídia cinematográfica e determinadas Editoras, responsáveis pela produção de adaptações de Lolita e traduções da obra literária em questão, sexualizarem uma menina de 12 anos (chamadas pelo narrador de Ninfeta) e romantizarem um caso de pedofilia como um "caso de amor", resultando na culpabilização da vítima.
comentários(0)comente



Vic 10/05/2019

Pertubador
É um livro do gênero romance que trata de um assunto extremamente delicado: pedofilia. É preciso ter estômago e psicológico pra ler sem querer abandonar o livro. Mas a escrita é boa e o livro te prende.
comentários(0)comente



yara 26/04/2019

Lolita, luz da minha vida, labareda em minha carne. minha alma, minha lama. Lo-li-ta: a ponta da língua descendo em três saltos pelo o céu da boca para tropeçar de leve, no terceiro, contra os dentes. Lo. Li. Ta.
obra prima de Nabokov, Lolita é um livro único, poético, angustiante e extremamente necessário.

na história, Humbert Humbert é doente, pedófilo. por ciente da sua condição, ele se diz capaz de identificar entre jovens meninas um potencial de "ninfeta", definido como "o caráter de mulher em um corpo pueril". preso, ele conta sua história de obsessão por Lolita ? uma jovem pré-adolescente, filha de uma viúva fragilizada e de origem humilde ? que é a paixão de sua vida.

por um ponto de vista um tanto distorcido (como em Dom Casmurro), Humbert deseja justificar muitos aspectos de sua relação com a menor. segundo ele, Lolita o provocava e tinha desejos além da infância, mas sua desobediência e malandragem abalavam o psiquê e a idealização de amor do autor. Humbert sabe que suas ações são reprováveis e se sente até culpado, mas é incapaz de subverter a sua essência doente. muito distante do romantismo, Lolita é uma história de obsessão, controle e desejo.

mesmo de temática forte, creio que nunca li um livro tão bem escrito e tão relevante. a pedofilia, que segundo a OMS é uma doença mental, é um mal presente na sociedade. entender a mente de um pedófilo desestabiliza a mente do leitor, mas evidencia maneiras de combater e evitar a perpetuação da problemática ? fato agravado pelo machismo, a manutenção de casos de submissão da mulher ao homem e a idealização do corpo feminino ser posse do seu pai/marido.
comentários(0)comente



Lucy 24/04/2019

Um maníaco
O personagem principal encobriu um ato pedófilo de total manipulação covardemente alegando ser amor. Mas antes de Lolita ele "amou" outras crianças. Apesar de algumas resenhas relatarem que parte é culpa da menina eu discordo. 12 Anos significa descobrir novas sensações, sentimentos, viver novas aventuras de não mais criança, mas isso não dá direito a um homem com quase 40, experiente e vivido de se aproveitar dessa situação, ele a manipulou e ameaçõu o tempo todo para não sair daquela situação.
comentários(0)comente



Tayriny 18/04/2019

A narrativa distorcida de H.H.
Livro: Lolita
Autor: Vladimir Nabokov
Editora: Folha de S. Paulo
Critica por: @taycomdor
.
Eu seria um hipócrita se dissesse - e o leitor um tolo se acreditasse- que o choque de perder Lolita me havia curado da pedofilia.
.
Lolita, luz da minha vida, labareda em minha carne. Que difícil é falar de Lolita.
Um livro trágico, dramático, poético, triste e cruel. Lolita é narrado por Humbert Humbert, um pedófilo que narra seu amor distorcido por Dolores(Lolita).
A narrativa distorcida de H.H. nos faz acreditar que Dolores, uma criança de 12 anos realmente o provocava. As vezes na leitura esquecemos que Lô é só uma criança vista pela mente doentia de um pedófilo que transforma simples atos, como beber agua em uma cena erótica cheia de sensualidade. H.H. é doente e sabe disso, ele sabe que o que ele faz não é certo, sabe que é pedofilia, mas essa doença faz com que ele enxergue o que quer, enxergue que Dolores o queria, que era consensual. Muita gente confunde esse livro com um romance, uma historia de amor, mas não!! O livro é sim sobre pedofilia, é sim sobre abuso! H.H. não amava dolores, ele era obcecado, uma obsessão louca e doentia e o livro mesmo na narrativa de H.H. mostra o quão desconfortável e infeliz dolores estava. A escrita é boa, beira a poesia, mas é cansativa e o uso em excesso do francês sem tradução ou nota de rodapé é bem chato. A grandeza desse livro é mostrar que a pedofilia é sim uma doença e não sem-vergonhice como diz uma outra resenha aqui. O narrador fala diversas vezes que nao gostaria de sentir o que sente. Enfim, não indico esse livro a quem nao gosta de escrita excessivamente detalhada e poética.
comentários(0)comente



Laisciancio 17/04/2019

Esperava muito mais desse livro.
Já tinha me preparado psicologicamente antes de ler Lolita, afinal, é um livro que aborda um assunto muito delicado que é a pedofilia. Porém, li tantas resenhas positivas sobre ele que imaginei que seria uma boa leitura.
A minha decepção com Lolita está muito mais relacionada à escrita cansativa do início ao fim, e ao excesso de detalhes desnecessários durante todo o livro.
A história é sobre Humbert Humbert, um pedófilo que tenta a todo momento romantizar e naturalizar sua pedofilia durante a leitura. Ele cria uma obsessão por Dolores Haze, de 12 anos, e aos poucos podemos observar todo o impacto cruel que essa obsessão irá causar na vida dessa criança para sempre.
Sinceramente, eu esperava mais desse livro como um todo.
Ana 18/04/2019minha estante
A Onde você comprou? Ou baixou ?


Laisciancio 18/04/2019minha estante
Oi Ana, eu comprei na Livraria Saraiva.


Ana 18/04/2019minha estante
Certo, desculpe perguntar mas pode dizer quanto foi?


Rafa 18/04/2019minha estante
Nossa,exatamente o que estou achando não quero abandonar mas está sendo uma leitura muito difícil:(


Laisciancio 18/04/2019minha estante
Ana, acho que peguei uma promoção por 47 reais.


Laisciancio 18/04/2019minha estante
Rafa, sim! Eu não abandonei porque queria concluir a leitura e tirar minhas conclusões finais, mas foi decepcionante para mim :(


Rafa 19/04/2019minha estante
Pois é,eu vi tantas resenhas no YouTube falando maravilhas do livro mas não estou conseguindo gostar,infelizmente ou felizmente não sei cada um tem sua opinião e entre muitas achei a sua que é exatamente a minha,sinceramente acho meio difícil esse livro me conquistar provavelmente vou terminar como vc,me decepcionando.


Camila 27/04/2019minha estante
Eu não terminei ainda de ler, mas você retratou exatamente o que eu penso e tô sentindo ao ler Lolita


Rafa 27/04/2019minha estante
Nossa foi um desafio ler esse livro,quando terminei só pensei -Ufaa!!!


Rafa 27/04/2019minha estante
E realmente terminei decepcionada,termina de ler talvez mude de ideia mas eu ainda penso o mesmo que pensava quando fiz o comentário.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Gabriela 07/04/2019

Lolita - Asqueroso e Fascinante
Então, minha leitura de Lolita chegou ao fim, tardiamente, porém chegou. A minha experiência com esse livro foi muito gratificante, apesar de todo o universo de opiniões e adaptações que permeiam o universo Lolita, nada disso me deixou com uma ideia pré-concebida antes de ler o livro. E acredito que isso possa ter sido primordial para minha experiência. O livro é muito bem escrito, com cenas bem construídas e uma fluência leve. A maioria das pessoas deve conhecer a história do livro ou ao menos já ter ouvido falar de Lolita, e parece estranho eu dizer que o livro é fascinante, mas ele de fato é. Pois bem, algumas cenas do livro, principalmente do início até a metade, são difíceis de ler, uma vez que são bem descritivas – mesmo que com metáforas. Porém aos poucos as coisas vão se “amenizando” e passei a ver a história de outra forma – sem o “asco” e sim com interesse, para saber o que vai acontecer. Humbert Humbert, o personagem narrador da história, está preso por assassinato (não sabemos de quem), e utiliza o relato para tentar convencer os jurados de sua inocência, ou ao menos justificar seu crime. O livro é cheio de metáforas e entrelinhas, sendo que os sentimentos e situações são muito bem descritos e construídos, nos fazendo de fato imaginar o que está sendo exposto. O romance (como gênero literário e não história de amor) conta a história de Humbert um professor universitário que já passou duas vezes por hospitais psiquiátricos, que acaba indo hospedar-se na casa de Charlotte Haze, que tem uma filha de 12 anos, Dolores Haze ou, como ele passa a chamá-la: Lolita. E então, o que já se sabe da história, Humbert Humbert fica obcecado por Lolita, de forma afetiva e sexual. É claro que Humbert, como narrador, irá contar somente a parte da história que mais lhe convém e não todos os fatos verdadeiros. Assim sendo, o leitor conhece Humbert, Lolita, Dolores, Quilty e outros personagens pela visão do próprio Humbert, um pedófilo assumido e que entende ser correto tudo o que faz em relação à Lolita. Enfim, é uma história polêmica sem dúvida, porém muito bem escrita. Eu gostei de Lolita e não sei dizer exatamente por que, afinal não é uma história de amor e sim de tristeza, abuso e decadência. Porém apesar dos temas pesados e proibidos, é uma história muito complexa e envolvente. E, claro, gostar do livro não significa gostar do que aconteceu no livro. E essa ideia só leitores contumazes vão entender!
comentários(0)comente



Cybelle 25/02/2019

Lo-li-ta
O New York Times perguntou ao Jeffrey Eugenides qual foi o livro mais útil que ele leu enquanto estudante da Brown. Após citar alguns exemplos de história e filosofia, ele concluiu que foram mesmo os livros inúteis ( leia-se ficcao) que mais acabaram lhe servindo de guia. Ele cita Lolita.

Não dá pra negar, Lolita é uma obra prima da narração. Ao mesmo tempo, é um clássico que traz desconforto, escandaliza o leitor. Como conceber um livro narrado por um pedófilo que sexualiza e objetifica uma criança de 12 anos? Por que escrever e ler sobre isso? Não seria uma forma de romantizar a pedofilia?

Lolita é interessante. É um drama que faz rir porque o narrador é patético. É uma comédia que faz chorar porque as vítimas são uma viúva e uma criança inocente. Lolita é genial, sobretudo, justamente porque não é contado do ponto de vista da vítima ou de um narrador onisciente. Aqui o próprio predador vende a sua história e tenta justificar seus atos. Talvez tenha sido pioneiro nesse gênero. Dessa forma, Nabokov parece se eximir de qualquer julgamento: ele confia plenamente no seu talento e no discernimento do leitor para não se deixar enganar. Ele não escreve para confortar vítimas, para isso temos a sessão de autoajuda. Também não se extrai nenhuma clara lição de moral, para isso servem as fábulas.

Lolita é o desabafo de um pedófilo que conta como estragou a vida de uma menina que não tinha mais ninguém com quem contar, violando-a de todas as formas. Durante todo o livro, o infame Humbert Humbert manipula a criança e manipula o leitor. Ele se narra uma vítima de mulheres carentes e ninfetas perigosas. Contudo, não considero que seja uma romantização da pedofilia. O leitor atento percebe, entre uma gracinha e outra do narrador, na penumbra do quarto de motel, a lágrima escorrendo no canto do olho da menina Dolores, sozinha no mundo, chorando em silêncio, até adormecer. Nem lolita nem o leitor podem contar com mais ninguém. Nenhum policial ou familiar para salvar-nos e imputar a vingança merecida. Como na vida real. Talvez, por isso, seja tão nauseante.

Mas, se alguma vez na vida o leitor já se deparou com a necessidade de perdoar alguém para conseguir seguir em frente, pode reconhecer uma recompensa em Lolita, quando depois de tanto se enrolar nas próprias mentiras o criminoso confessa, enfim, compreender todo o mal que causou.
comentários(0)comente



Amanda 18/02/2019

É preciso saber sobre o que se trata Lolita
Lolita é um livro denso, angustiante e nojento de ser lido, mesmo que possua uma descrição e um estilo de escrita incrível. Nabokov foi capaz de descrever atos de abuso e os pensamentos e desejos de um pedófilo de forma que tudo parecesse, de fato, um romance romântico. A linha entre acreditar no ponto de vista do pedófilo e saber que este não é um ponto de vista confiável é muito tênue, dependendo da pessoa que se dispõe a ler a obra. Não é à toa que o livro tenha sido banido em alguns países e não é à toa que tenha acontecido o desastre da romantização da pedofilia. Para que a leitura seja feita em uma interpretação correta dos fatos, é preciso que se tenha em mente, desde o início, do que se trata a história.

Para ler a resenha completa, clique no link: https://amavelutopia.blogspot.com/2019/02/resenhalivro-lolita-vladimir-nabokov.html

site: https://amavelutopia.blogspot.com/2019/02/resenhalivro-lolita-vladimir-nabokov.html
comentários(0)comente



Sthef 13/02/2019

"Lolita, luz da minha vida, labareda em minha carne."

E curiosamente, o narrador desta obra, que eu detestei, tem a memória absolutamente impecável, quase fotográfica.

"Afinal de contas, ao longo de toda uma vida de pedofilia, já adquirira uma certa experiência, havendo possuído visualmente incontáveis ninfetas."

Publicado no ano de 1955 pelo escritor russo Vladimir Nabokov, Lolita foi proibido em diversos países. A obra é narrada por Humbert Humbert, um professor europeu de 37 anos que, estando na cadeia, escreve uma "carta" ao júri que decidirá sua sentença em poucos dias. Em sua carta, Humbert descreve, então os anos que antecederam e sucederam seus crimes, sendo o maior deles, violentar por cerca de dois anos uma criança de 12 anos.

"Eu seria um hipócrita se dissesse — e o leitor um tolo se acreditasse — que o choque de perder Lolita havia me curado da pedofilia."

Logo se nota que a obra inteira é vista do ponto de vista do Humbert, sendo assim, não podemos confiar nos fatos que ele narra com tanta paixão. Ao se ver apaixonado por sua Lolita, o doentio homem se casa com a mãe dela, para poder ficar próximo, passando um mês ministrando soníferos na esposa a fim de testar se conseguiria fazê-la dormir para se apossar da filha em paz. No entanto, uma espécie de tragédia faz com que ele consiga sequestrar e finalmente por as mãos em Dolores Haze.

Com uma narrativa densa, cheia de descrições quase que desnecessárias, Humbert Humbert vai tentando desviar o foco de seu ato horrendo e convencendo o leitor de que fez o que fez por estar tomado de um amor sem limites. Nabokov, em sua obra icônica, conseguiu desvendar a mente de um doente para expor a quem quiser ler. Romantizar essa história, torna o leitor um cúmplice do Humbert, pois é claro em várias passagens que a Dolores não tinha culpa de nada e apenas teve sua vida e infância arruinadas por um criminoso ardiloso. A vítima não é culpada! Não romantizem a pedofilia!!!

site: https://www.instagram.com/resenhadora/
comentários(0)comente



antribeiro 12/02/2019

Apenas uma frase
? Não sou capaz de opinar apenax ?
comentários(0)comente



Flávia 11/02/2019

Ah Lolita, como te julgam
Enfim encarei Lolita. Não foi uma leitura fácil, não mesmo. Em diversos momentos tive que parar, ora por causa do francês ora pelo seu conteúdo pesado.
Vi muuita gente, algumas aqui no skoob msm, dizer que a culpa de tudo é da Lolita. WTF??? De forma escancarada é um caso de pedofilia, a culpa não é da criança e ponto. Sem mais sem menos.
Nabokov é um autor brilhante!
comentários(0)comente



441 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |