Tubarão

Tubarão Peter Benchley




Resenhas - Tubarão


89 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Fernando 03/03/2019

Quando a maior ameaça na história não é o Tubarão
Já tinha ouvido falar de que o livro teria bem pouca relação com o clássico filme feito por Steven Spielberg. Particularmente achei isso interessante, já que poderia ter uma nova experiência com o Tubarão mais conhecido dos cinemas.
E cheguei a uma conclusão interessante sobre nosso camarada comedor de pessoas: ele é ainda mais assustador no livro!
Toda vez em que ele aparece, você simplesmente fica tenso, uma ameaça constante, que pode acabar com todos os personagens caso entrem na água. É o ponto mais forte da história, e realmente tudo seria perfeito se não tivesse um porém que ofuscasse os dentes afiados do leviathan.
Esse porém nada mais é do que as subtramas. Simplesmente não fazem nenhum sentido em existirem, não progridem a história, são cansativos e chatos além da conta.
Toda vez que essas partes aparecem, você fica entediado, lutando contras as páginas e rezando para que os capítulos seguintes tragam a grande ameaça que se esconde no fundo do mar.
Tirando esse ponto negativo, que acontece aos vários por sinal, o livro seria perfeito. Infelizmente não posso dizer que adorei. Se tudo o que acontece envolvesse o grande tubarão, nada deveria ser mudado.
Recomendo, mas apenas para aqueles que estarão preparados para lerem trechos entediantes como consequência de um bom terror com o tubarão mais sanguinário que conheci.
comentários(0)comente



Our Brave New Blog 21/03/2016

RESENHA TUBARÃO - OUR BRAVE NEW BLOGA
Demorei mil anos para assistir "Tubarão" e não fazia ideia do motivo do hype da coisa. Acabei adorando o filme e me questionando o porquê de não ter assistido antes. (Aconselho a fazerem inclusive, porque é muito bacana). Vi que a DarkSide havia lançado o livro, que, até então, eu nem sabia da existência, em uma edição de capa dura LINDÍSSIMA e logo quis. Fui presenteada com esta mesma edição pelo Victor e aqui estamos!!

Já começamos com uma Introdução de Peter Benchley SUPER bacana, contando como surgiu o interesse dele sobre o assunto, o que foi tirado no filme e sobre a possibilidade (ou não) de ter escrito esse mesmo romance nos dias de hoje, além de alguns toques sobre ecologia, já que, como dito ali em cima, Peter se tornou um ativista contra a matança desses animais. Porém, aos MUITO sensíveis a qualquer coisa que minimamente se assemelhe a um spoiler, aconselho que deixe para ler essa parte depois, como um extra, tá bem?! Então tá bem.

Uma coisa que acontece em ambas as obras, tanto na original quanto na escrita, é a preocupação relacionada ao dinheiro. Amity é uma comunidade de veraneio, que sobrevive, principalmente, através do capital gerado pelos turistas que lá visitam durante o verão. Logo, quando surgiram as primeiras notícias sobre as mortes causadas por tubarão na região, quiseram abafar o caso de todas as formas possíveis, para que a economia não fosse prejudicada. O livro é dividido em três partes, e é em torno dessa questão que gira a primeira. Eu confesso que achei muito interessante e bem verossímil. Autoridades ocultando certas situações visando o benefício próprio? IT HAPPENS ALL THE TIME!!

RESENHA COMPLETA NO SITE...

site: http://ourbravenewblog.weebly.com/home/tubarao-por-peter-benchley
comentários(0)comente



Biahhy 28/10/2018

Tubarão
Minhas opiniões a respeito desse livro clássico de terror e suspense no blog!

site: https://emmeioacalmaria.blogspot.com/2018/10/mes-do-horror-tubarao-de-peter-benchley.html
comentários(0)comente



AllanATS 29/08/2015

“O conjunto de dentes mastigou seu torso triturando ossos, carne, pele e órgãos, transformando-os numa geleia.”
Tubarão vem ao leitor com uma proposta curiosa, com uma história aparentemente simples, e com possibilidades até palpáveis de ocorrer, o livro tenta fazer o leitor imergir, não só na história, mas no oceano, ao personificar o tubarão assassino enquanto este caça e mata as suas vítimas.

Durante o decorrer do livro os personagens são apresentados de forma consistentes e, de uma forma geral, todos os personagens tem alguma função sólida na história, não sendo muito explorados aqueles que tem pouca utilidade. O livro narra, em terceira pessoa, quase que em sua totalidade a história do chefe de polícia da cidade e de como ele lida com os danos causados pelos ataques de tubarão em sua pequena cidade, que sobrevive do turismo de suas parias, no verão. Em alguns trechos são narradas as histórias da esposa do policial, ou a descrição de alguma cena de ataque do próprio astro do livro ‘o tubarão’.

A história de Tubarão é envolvente e tende a transferir a tensão e o stress envolvidos nas decisões que o chefe de polícia tem que tomar, pois todos os atos tomados por ele interferem de forma direta na frágil economia da cidade.

A cidade responde de forma unida a todo estimulo negativo que possa vir a prejudicar a sua tão delicada sobrevivência, o que torna o trabalho do policial complicado e travado até que a situação se torna insustentável e ele resolve sair para livrar-se do tubarão que ameaça a vida e a sobrevivência não só dos turistas, mas de todos os moradores da cidade.

A empolgante história de tubarão tem seus altos e baixos de tensão e com certeza vai proporcionar ao seu provável leitor várias horas de ótima diversão.

– E assim como no mar, a tormenta vem implacável.

Tudo bem, essa frase não diz coisa com coisa, mas ela vem abrir os tópicos negativos a respeito do livro.

Uma coisa que me chamou a atenção como leitor foi o tempo considerável que o próprio tubarão, que é o centro das atenções do livro, ficou sem aparecer nele, durante uma enorme parcela o livro se volta a narrar uma história paralela ligada a esposa do chefe de polícia, claro que está história tem um considerável impacto nas próprias ações do policial, mas poderia ser considerada “dispensável” (mas aqui repito que a história tem uma real função impactante nas próprias escolhas e ações do protagonista da história) até pelo próprio desfecho dessa parte da história no fim do livro.

Outro ponto que chegou a me incomodar um pouco é o quão pouco as tramas paralelas a história são exploradas, a exemplo a trama do prefeito que não chega a ser explorada em sua totalidade deixando o leitor com uma leve sensação de frustração. Ou as possibilidades apresentadas pela variada equipe policial ou pelo jornalista da cidade que tem conexões e muitos conhecimento. De fato muitas vezes me peguei pensando “Qual a razão desse sr. Hendricks na história?” já que ele é apresentado logo no inicio com um potencial de ser um importante contribuinte para a trama, mas se prova parcialmente irrelevante com o andar dos fatos. Esses pontos negativos se devem em parte a história se limitar a narrar os fatos que acontecem na cidade, em grande parte, pela visão do chefe de polícia, sendo, esta perspectiva de personagem, alterada poucas vezes durante a trama.

O veredito final?

Mesmo com algumas pontos fracos aqui e ali a história apresentada não deixa de ser interessante e emocionante em absoluto. A história possui um brilho próprio que faz com que o leitor sinta-se com uma sede de prosseguir com a leitura, isso faz com que o livro seja devorado em poucos dias (ou horas), e, com o seu final no mínimo curioso, não decepciona de modo algum.

Confira resenhas de outros livros no meu Blog ;)

site: https://livrorando.wordpress.com/
comentários(0)comente



Paulascrap 20/03/2018

Instigante e surpreendente
"Com o conhecimento acumulado de dezenas de expedições, centenas de mergulhos e incontáveis encontros com tubarões de muitos tipos veio a descoberta de que eu nunca poderia escrever tubarão nos dias de hoje. Eu jamais demonizaria um animal, tão bem sucedido em seu habitat natural do que o homem foi ou um dia será .."PB. 2005. • O ataque de tubarão na cidade costeira de Amity e ocultado virtude da cidade ser turística e a interdicao da Praia iria afastar as pessoas e quebraria o comércio local. E com isso, a ameaça de um verão sem turistas envolve o jogo político dos governantes com a pressão dos comerciantes prejudica atuação do xerife para manter a segurança de todos, lutando para fechar as praias e evitar mais mortes. • Mas as mortes continuam e para ajudar o xerife na caçada ao predador é chamado a cidade um biólogo e contratado um caçador de tubarões. •No filme não foram excluídos o romance, que constitui um triângulo amoroso e a máfia, com a lei do mais forte se não forem cumpridas as regras do interesse da maioria. • Como no filme o autor consegue transmitir ao leitor a tensão do ataque e a aproximação do tubarão, com cenas descritivas , impossível ler sem lembrar da música de fundo. Foi uma leitura rápida mas me surpreendeu , fui influenciada a ler assistindo ao vídeo da Duda na net e adorei, ressaltando ainda que essa edição embora seja brochura está lindíssima, como sempre um trabalho impecável da darksidebooks .
comentários(0)comente



Horroshow 13/09/2015

Curiosa e precisa
Resenha por Mikael Nogueira

Das profundezas do desconhecido, Peter Benchley se propõe a romancear a história de uma criatura que, até então, se tinha pouco conhecimento sobre. Seu best-seller que logo viria a se tornar o primeiro blockbuster de Steven Spielberg que, por sua vez, revolucionaria o cinema, Tubarão se mostra uma história muito mais intrigante e interessante do que apenas uma caça a um grande peixe.

Logo no início, somos apresentados ao grande monstro que irá assolar a praia da cidadezinha norte-americana Amity. A primeira aparição do Tubarão Branco acaba se tornando um mistério, visto que, devido a fatores climáticos, a estadia do peixe na praia não era comum, assim como suas atitudes, que iam contra o hábito do animal. Após o primeiro ataque, o policial Brody se vê dividido: deve ele manter a praia fechada pela segurança da população ou deve mantê-la aberta, como lhe é imposto por autoridades?

(... Leia mais no link abaixo)

site: http://bloghorrorshow.blogspot.com.br/2015/07/tubarao-peter-benchley.html
comentários(0)comente



Angel Sakura 16/01/2016

Resenha do Blog Eu Insisto.com.br
Não tem como fazer essa resenha sem ter de trilha sonora a musiquinha do filme de quando o tubarão vai atacar, dá play aqui e vamos ser felizes juntos. Já aviso que é resenha de ataque de fangirl porque eu sou, e o livro é lindo, e a capa é linda, e a edição é linda e a Darkside é linda. ME BEIJA DARKSIDE!!! Eu e o tubarão temos uma história juntos, uma história onde quando criança fui obrigada a assistir o filme, a expectativa era de que eu ficaria com medo, a realidade é que eu achei o filme genial e o tubarão grandioso. Fiquei tão fã que queria inclusive ter um tubarão de estimação, sim eu sei gente, sou retardada desde criança. Mas vamos combinar que se tem um tubarão assassino comendo a galera e você fica preocupado com dinheiro e/ou entrar no mar isso quer dizer que você quer ver tretas, não é? Eu meio que pensava/penso assim. hahahaha Partiu resenha!

“De início a mulher não sentiu qualquer dor, apenas um puxão violento na perna direita que a fez pensar que chocara contra uma rocha. Baixou-se para tocar no pé. Não o encontrou. Esticou-se mais e foi então acometida por uma onda de náusea e de tontura. Os seus dedos tacteantes tinham encontrado um toco de osso e carne dilacerada. De súbito, compreendeu que o fluxo quente e palpitante que sentia nos dedos, em contraste com a água fria, era o seu próprio sangue.
A dor e o pânico acometeram-na simultaneamente.”


Primeiro tenho que dizer que não existem mais lugares seguros sem tubarões, Sharknado nos mostrou que tubarões podem atacar em qualquer lugar. Essa é a graça dos filmes de terror, eles tornam temerosos lugares completamente inocentes, e em Tubarão nós vemos a cidadezinha de Amity que não tem nada de assustadora se tornar uma referência de pesadelo de muita gente. E também quero dizer que o medo desse livro é um tubarão e nosso tubarão não é burro, mas sim uma fera inteligente que vive no oceano. Ele é um predador, nós somos sua comida e ponto.

O livro começa com uma doce e meiga moça que acha que ir nadar nua e bêbada é uma boa ideia, não é, caso alguém tenha dúvida sobre isso. Especialmente se seu acompanhante está bêbado e apagado na areia, mano pensa bem… tá escuro e você bêbada num oceano onde vivem bichos que podem ou não ser assassinos. No caso dela ele era um tubarão, mas poderia ter sido um golfinho a chance deve ser parecida, acho. Enfim, já no início do livro temos a descrição da ação do tubarão, da reação da mulher e do ataque. É bem descritivo, num estilo sanguinário de ossos e carne destruídas (quem curte gore vai se empolgar). Não é estranho termos as sensações do tubarão, de como ele ataca e caça. Pelo contrário é interessante e isso que torna o livro mais divertido.

[Continue a resenha no blog...]

site: http://euinsisto.com.br/tubarao-peter-benchley/
comentários(0)comente



Thalita Branco 14/12/2017

Resenha ~ Tubarão - Peter Benchley
Tudo estava bem em Amity, uma cidade costeira famosa por receber inúmeros turistas em alta temporada. Até que uma moça é brutalmente atacada por um tubarão. Seus restos mortais são encontrados na praia e colocam o chefe da polícia Martin Brody em alerta. Ele deseja a todo custo fechar as praias a fim de evitar novos ataques, mas o prefeito pensa diferente. De olho no dinheiro gasto pelos veranistas, trava uma briga com o policial e teima em deixar as praias abertas. Obviamente os ataques continuam até que Martin resolve por a mão na massa e dar um jeito no bicho.

O livro me deixou em um misto de sentimentos. Gostei muito de algumas partes, e de outras nem tanto. Para mim faltou tubarão em Tubarão. Apesar de ser uma presença constante, ele demora para dar as caras e realmente tocar o terror e deixar o leitor apreensivo. Em algumas passagens o autor foca demais na vida pessoal de Martin e no drama conjugal de sua esposa. Parte disso é importante para a história, mas eu esperava menos drama e mais ataques de tubarão entende?

Já o cabo de guerra entre o policial e o prefeito foi interessante, mostrando como as forças políticas podem interferir na vida da população de forma irresponsável e apenas em proveito próprio. Por conta disso, devorei algumas páginas e outras demoraram bastante para passar.

A parte gráfica da Darkside é sempre fantásticas. A brochura é linda e cheia de detalhes, com uma capa que se abre revelando inúmeras imagens e veio com um adorável marcador de tubarão

site: www.entrelinhasfantasticas.com.br
comentários(0)comente



L Soares 24/10/2017

Ao ler o autor falando das mudanças para a adaptação cinematográfica, ter de excluir o romance e máfia, eu fiquei mais curioso para ler o livro.

Em breve sinopse, uma cidade que sobrevive do turismo de verão em razão da praia, e sobrevive muitas vezes bem mal, entra em crise quando um tubarão rodeando a praia afasta os turistas.

Apesar de ser anunciado como uma história de terror, a verdade é que este livro tem muito pouco terror. Toda a história gira muito mais em torno de problemas politico-financeiros da cidade e o drama familiar do chefe de polícia. A história é narrada em sua maior parte por ele, em seus dilemas pessoais, culpa, e problemas familiares, e alterna entre outros personagens em alguns capítulos ou trechos. Mas todas essas questões acabam sendo muito mais evidentes na história que o terror pelos ataques.

Há algum suspense em relação ao tubarão, e as cenas de ataque são muito bem escritas. Mas senti o tubarão como um coadjuvante meio apagado.

Os trechos de terror marinho não decepcionam, mas eu esperava mais, não em qualidade, em quantidade, esperava ler com sangue escorrendo das páginas, acabei me decepcionando um pouco. Não vejo ninguém lendo este livro e depois ficando com medo de entrar no mar.
comentários(0)comente



Maria 29/09/2017

Achei que era só um livro de terror
Tubarão é um livro que eu esperei a entrega do filme, mas consegui muito mais! Como todo bom "o livro é muito melhor que o filme", Tubarão tem aprofundamentos que vão além do fundo do mar! Trata de política, jogos de poder, troca de favores, traições, questões existenciais, etc. me surpreendi e adorei! Recomendo também, pelas cenas de tensão absoluta que partem da perspectiva do Tubarão! Excelente!
comentários(0)comente



Jossi 24/09/2017

Inesquecível!
Um dos melhores livros de aventura/terror que já li. Não vi o filme, mas nem tenho muita curiosidade, já que o livro é, imagino, muito melhor... fora algumas páginas desperdiçadas com detalhes da vida íntima dos personagens, todo o mais é ótimo.
Aterrorizante.
LEIA, se você quer sentir adrenalina pura!
comentários(0)comente



Inlectus 14/05/2017

Perfeito.
Uma versão atualizada de um livro que eu já tinha lido, bons tempos.
comentários(0)comente



Leo 05/05/2017

Ótimo
Eu finalizei esse livro em apenas dois dias de tão bom que ele é!! O autor descreve os ataques do tubarão de uma forma que eu me senti no meio do mar com um grande tubarão branco por perto. O livro é diferente do filme em vários pontos, relações entre personagens que não estão presentes no filme por exemplo, o final diferente que é tão bom quanto o do filme, recomendo.
comentários(0)comente



Amanda 12/10/2015

“Tentou alcançar seu pé direito, boiando com a perna esquerda para manter a cabeça acima d’água. Ela não conseguiu encontrar seu pé. Buscou sua perna mais acima, então foi tomada por náuseas e tontura.” Pág 21
Provavelmente muitos de você já viram o filme Tubarão (Jaws), dirigido pelo Stephen Spielberg, lançado em 1975. E, como eu, talvez nem sabiam que o filme era na verdade baseado em um livro!
Pois é, essa é uma grande mancada minha, que a Darkside anda corrigindo bastante desde que começou a lançar seus livros.
Eu nunca vi o filme inteiro. Me lembro de poucas cenas, de quando euo vi quando era criança, e lembro que eu morria de medo. Mas no começo do livro desta edição da Darkside há um pequeno prefácio escrito pelo autor, onde ele mesmo fala que se você já viu o filme, precisa esquecê-lo, pois é bem diferente do livro em si.
O livro se passa em uma pequena cidade de veraneio em Long Island, chamada Amity. Pequena mesmo, com uma população de um pouco mais de mil habitantes, mas que nos 3 meses de verão passa para quase dez mil. Uma cidade que depende completamente do verão e dos turistas para ser sustentada o resto do ano.
“A comida pode até matar, mas é também o que faz da vida um prazer.” Pág 45
E tudo isso é posto em risco, quando uma jovem acaba sendo estraçalhada no meio da madrugada, enquanto tomava banho no mar. O chefe de polícia, Brody, prontamente é avisado do ocorrido. Havia quase duas décadas que não havia uma morte por ataque de tubarão nas redondezas, mas o legista disse que não havia dúvidas de que havia sido um animal muito grande que fizera aquilo, provavelmente um tubarão branco.
Brody, apreencivo com a possibilidade disso acontecer de novo, decide fechar as praias, para que o animal fosse embora sem causa mais danos. Mas a cidade tinha outra opinião sobre isso. O prefeito e o Conselho da cidade, assim como o chefe do jornal, precionam a polícia para que isso não aconteça. Fechar a praia no começo do verão, tão perto do feriado de 4 de Julho, poderia ser horrível para a publicidade e os turistas não viriam – eles passariam aperto o resto do ano. Não ouvindo seus instintos, Brody acaba cedendo a pressão.
Até que mais duas mortes são registradas, uma delas sendo de uma criança. Brody acaba sendo o bode expiratório, e todos começam a culpá-lo por tudo.
O livro tem uma escrita super gostosa e fluída, tanto que o li em um dia. Você pensa que ele falará exclusivamente sobre o tubarão e a caça a ele, mas não é bem assim. A narrativa mostra como uma pequena cidade de veraneio funciona, e a pressão política-econômica que as pessoas sofrem porque esse tubarão simplesmente cismou em não seguir as regras da natureza.
Com todo esse desespero de mandar o tubarão para o mais longe possível, o mais rápido possível, chega na cidade Matt Hooper, um especialista nesse tipo de peixe. Por coincidência, ele também é irmão mais novo de um ex-namorado de Ellen, mulher de Brody. Ellen era uma veranista, que em um verão em Amity acabou se apaixonando pelo policial local e ficou na cidade. Rica, ela ainda não se acostumara totalmante à vida naquela cidade, mesmo tendo tantos anos se passado. Com a chegada de Matt, ela acaba relembrando de como era ser uma veranista, o que trás sérios problemas em seu casamento.
Tubarão é um livro sobre uma cidade em ruínas, e não apenas sobre um peixe assassino, mas que ainda te faz ter uma taquicardia nos momentos de tensão.
“Intelectualmente, eles sabiam bastante. Praticamente, escolheram saber quase nada.” Pág 57

O filme realmente não tem muito a ver com o livro. A única coisa semelhante é o fato de uma pequena cidade de veraneio estar sendo atacada por um tubarão branco que não deveria estar ali.
Toda a intriga política e romântica que acontece no livro, não existe no filme, o que, para mim, deixou o filme muito monótono – pois só se tratou do tubarão o tempo todo. Claro, levei uns puta susto porque eu me assusto super fácil, mas os últimos 30 minutos, que só se passam em um barco, pareceu durar uma eternidade.


site: http://escritoseestorias.blogspot.com.br/2015/10/resenha-112-tubarao-mes-do-horror.html
comentários(0)comente



89 encontrados | exibindo 46 a 61
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6