Tubarão

Tubarão Peter Benchley




Resenhas - Tubarão


89 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Beto 07/05/2021

Li motivado por uma reportagem da revista "Veja" (03/2021) em que expõe que o livro é o retrato da reação do Brasil à pandemia da Covid-19, lógico realizando as devidas alterações de Tubarão Branco = Coronavírus.

E confirmo que a reportagem condiz com a verdade. Realmente em Tubarão temos negacionismo, prioridade à economia, falsa solução e ciência em segundo plano.

Por mais que possa parecer estranho, apesar das 2 estrelas, gostei mais do que imaginei que fosse gostar de um livro que gravita em torno de um tubarão, rs.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Vinicius.Dias 30/04/2021

Um bom livro, mas com ressalvas
Em 1975, o filme Tubarão chegou aos cinemas de todo o mundo retratando uma besta dos mares com um apetite insaciável e que, por um determinado tempo, tocou o terror em uma cidade pequena e litorânea dos EUA, levando muito caos e horror para os banhistas daquela região. Esse filme foi um sucesso de bilheteria e cravou seu nome e o de Steven Spielberg nos anais da cultura pop mundial, sendo mencionado e lembrado até hoje pelos principais especialistas e entusiastas sobre o assunto.

O que, a princípio, eu não sabia é que esse filme havia sido inspirado em um livro de mesmo nome, escrito pelo autor Peter Benchley. Outra coisa que eu não tinha ideia, é a possibilidade de se entreter e ficar ansioso acompanhando uma história que se passa na calmaria do oceano. Apesar de ser sobre um predador natural, a gente está falando de peixe e de pesca, e querendo ou não, pesca é algo muito mais relacionado a paciência e tranquilidade do que a tensão. Sendo assim, acabei me surpreendendo e me divertindo, na maior parte do tempo, com o desenrolar de uma história sangrenta e que além do tema central, nos brinda com problemas políticos, tretas com mafiosos e traições de relacionamentos desgastados.

A estória se passa em Amity, cidade pequena e litorânea que dependia exclusivamente do verão e dos turistas para se manter economicamente estável por todo o restante do ano. Acontece que, pouco antes de começar a temporada de férias, um tubarão branco aparece na região e acaba assassinando uma garota que se refrescava em um banho noturno. Nesse instante o autor já começa a trazer alguns questionamentos interessantes sobre a importância da economia em detrimento da vida das pessoas. O chefe de polícia local resolve que o melhor caminho seria fechar as praias até garantir que o tubarão não estivesse mais na região. Já o prefeito da cidade e parte da população acreditam que esse ataque foi algo isolado e fora do comum e que a cidade não poderia fechar as praias na véspera do período de férias pois isso seria um problema gigantesco para o comércio local. Pois bem, no final das contas o prefeito ganha e as praias continuam abertas, outras pessoas se machucam e isso gera outro embate entre a prefeitura e a polícia. Desse segundo embate, fez-se a vontade do chefe de polícia, que optou por fechar as praias por tempo indeterminado.

Em meio a essa confusão, de forma secundária, acompanhamos alguns envolvimentos de figuras importantes da cidade com mafiosos, traições extraconjugais, atitudes imaturas por conta de ciúmes e competições orgulhosas de pessoas centrais da trama. Essas partes extras não existem no filme. Os produtores optaram por removê-las e manter apenas aquilo que tinha a ver com o tubarão, o que, ao meu ver, foi uma decisão sábia. A parte do problema matrimonial e da traição é totalmente desnecessária e em nada acrescenta ao livro, já a parte da máfia, achei interessante e gostaria que tivesse sido melhor explorada. Uma coisa que você vai perceber aqui, é a mesquinhez dos personagens. Eu não cheguei a ter muita empatia com nenhum e por vários momentos acabei torcendo pelo tubarão.

Como já foi dito, o livro me prendeu na maior parte do tempo, porém, acho que o final foi frustrante. Ele até tem um momento poético bacana, mas, infelizmente, foi corrido e confuso ao ponto de eu voltar pra ler mais de uma vez em busca de partes que eu tivesse, por ventura, deixado passar. O autor deu uma senhora ênfase numa história de traição desnecessária mas no clímax do livro, no embate final entre os humanos e o tubarão, ele correu e literalmente assassinou toda a esperteza e inteligência fora do comum do animal. Infelizmente o final foi um balde de água fria na adrenalina que eu estava por conta do capítulo anterior.

Para finalizar, tem algumas curiosidades interessantes. A primeira, é que o autor, na época em que escreveu o livro, não conhecia muito sobre tubarões e a partir do sucesso adquirido, passou a ter mais contato com o animal. Sendo assim, ele acabou descobrindo um ser magnífico que o fez repensar sobre a forma como o demonizou erroneamente. Outro ponto interessante é que, esse livro em conjunto com o filme deram uma fortuna para ele e como forma de agradecer e se desculpar com os tubarões, ele criou uma organização voltada para a preservação deles e trabalhou com esse intuito até o final de sua vida. Bem bacana isso!

O livro foi lançado pela Darkside Books e tem duas edições distintas. Uma normal em brochura e outra em capa dura, resenhada aqui e que se trata de uma versão comemorativa dos 50 anos do lançamento do mesmo. É um livro aprovado com ressalvas, principalmente pelo final corrido e confuso, mas ainda assim é um livro bem escrito que me entreteve por bons momentos. Se você é fã da cultura pop, se é fã do Spielberg, se é fã de predadores naturais e adora tudo que é relacionado ao oceano e seus mistérios, esse livro será uma boa pedida pra você.

?Não há nada no mar que esse peixe possa temer. Outros peixes fogem de coisas maiores. Esse é o seu instinto. Mas esse peixe não foge de nada. Ele não tem medo.?
comentários(0)comente



Rapha 22/04/2021

Um força da natureza
Rapaz que livro foi esse? temos máfia, traição típico gênero de novela, vários dramas incríveis (a esposa frustrada com o casamento, um xerife com culpa por não ter se evitado mortes, um político refém de uma divida do passado), e tudo isso com a penca de um tubarão assassino, devorando a torto e a direita, não achei que ia gostar do livro, ele de fato não tem nada haver com o filme de 1975, aqui temos terror, aventura, romance, traição, máfia, comédia e mais terror.
A história se passa em Amity, um balneário ficcional situado em Long Island, Nova York. Quando o corpo de uma turista é encontrado na praia o chefe de polícia Martin Brody ordena o fechamento das praias da região. Mas o prefeito Larry Vaughan, mais preocupado com o dinheiro dos veranistas, consegue abafar a notícia e libera o banho de mar na cidade. O banquete está servido.
comentários(0)comente



Katy 23/03/2021

Que livro!
É só isso que eu tenho a dizer: Que livro!
A escrita do autor é perfeita o enredo é perfeito, a edição e a tradução estão incrivelmente perfeitas!
Eu não sei nem o que dizer sobre esse livro, me surpreendeu muuuuuito!
Não é o tipo de livro que a gente consegue ler rápido, é aquele que a gente para na metade e fica dois dias sem pegar no livro para absorver tudo!
Cada morte... Cada ação do tubarão... Cada cena foi tão perfeitamente descrita, especialmente os movimentos do tubarão que na primeira morte eu quase vomitei! Dá para imaginar perfeitamente o que está acontecendo. Alguns autores tem dificuldades de escrever cenas de ação mas com certeza, não é o caso do Peter.
A estória do livro se passa em Amity, uma cidade de veraneio. Em uma madrugada qualquer, uma jovem estava na praia com o namorado quando desapareceu misteriosamente no mar. O corpo da moça foi encontrado aos pedaços, a polícia suspeita de ter sido um ataque de tubarão.
O policial Brody faz o possível para interditar as praias mas é ameaçado a perder seu emprego. A cidade de Amity sobrevive pelo veraneio, com as praias fechadas, os turistas não viram visitar a cidade e ela não renderá lucro suficiente para o inverno.
Mas afinal, será que o tubarão foi embora? É seguro reabrir as praias? O que um tubarão grande o suficiente para fazer o estrago que fez em um corpo humano estaria fazendo em Amity?

Instagram literário: @katyane_freitas_
comentários(0)comente



Caa 01/02/2021

O livro é bem legal, mas o final... Não foi o que eu esperava não... No início dessa versão tem um texto do autor falando sobre os tubarões, e tipo, faz toda a diferença. Pq o que ele sabia na época em que escreveu o livro não era nada comparado ao que ele sabia quando escreveu a introdução. Acho que vale a pena refletir muito sobre a situação atual dos tubarões antes de vc escolher pra quem torcer durante a jornada suicida com o Quint. Achei muito desconexo o "romance", teve o que? Um capítulo e meio sobre isso e depois morreu? A máfia lá foi outro ponto que tinha tudo de bom pra ser legal de repente sumiu. Muito sei lá esse final, tudo sem mais nem menos.
comentários(0)comente



JPHoppe 14/12/2020

Existe aquela máxima de "o livro é sempre melhor que o filme". Como praticamente todas as outras generalizações fora das Ciências Exatas, esta é mais uma onde exceções pululam. Mas, não é tanto assim.

"Tubarão" se passa na fictícia cidade litorânea de Amity, basicamente uma "summer town" que vive da temporada de férias onde turistas veem para suas praias. Mas, o que acontece se um tubarão começa a atacar pessoas em suas águas? Muito além do conflito com o epônimo tubarão, o que acontece quando interesses muito humanos entram em jogo?

Os personagens são o ponto fraco do livro. Exceto um ou dois, quase todos são extremamente antipáticos. Talvez o único realmente carismático seja Hendricks, um dos oficiais da polícia de Amity. Todos os demais, incluindo Brody e sua esposa, o prefeito Larry, o biólogo Hooper, conseguem ser, em vários momentos, deploráveis. Tanto que me peguei torcendo pelo tubarão em alguns momentos.

Em compensação, um dos personagens é extremamente bem desenvolvido, apesar de ser aquele do qual menos se espera qualquer arco: o tubarão. Benchley deve ter estudado muito bem a biologia desses animais, especialmente seu equipamento sensorial, com visão pobre, mas olfato extremamente apurado, e a presença da linha lateral, que detecta movimentos a longas distâncias. Durante os ataques, é possível se colocar perfeitamente no ponto-de-vista do tubarão. Os ataques são descritos de forma bem gráfica.

O clímax do livro é um pouco desapontador. Está lá, mas chega apenas nos momentos finais, além de durar pouco. Não é o "smile, you son of a b**ch!", mas pelo menos ecoa "Moby Dick". Melville teria apreciado a homenagem.

Como um biólogo, apenas gostaria de ressaltar que o grande tubarão branco NÃO É um "comedor de homens". Apesar de ser uma das poucas espécies de tubarão com ataques humanos registrados, e a com mais registros, os números são muito reduzidos. Cocos em queda ceifam mais vidas. Assim como bebês humanos, o tubarão explora o mundo com sua boca. No entanto, pesam ligeiramente mais, e sua boca está munida de dentes um pouco mais perigosos.

Tubarões NÃO devem ser odiados. Esta é uma obra de ficção.
comentários(0)comente



Karinny 30/11/2020

Achei um livro tosco, cheio de diálogos bobos e subtramas que não evoluem durante a narrativa, servindo apenas para preencher algumas páginas. Tenho muita dificuldade em abandonar livros, mesmo quando os acho ruins, e esse foi o único motivo para eu ter conseguido concluir a leitura.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Jéssica 14/09/2020

Tubarão
Gostei da leitura, a escrita é ótima. Apesar disso não foi tão rápida e não me prendeu tanto quanto eu esperava.
Tem partes muito tensas e passa mesmo a sensação de que o tubarão é realmente assustador.
Senti falta de um final mais completo.
Não me apaixonei pelo livro mas recomendo.
comentários(0)comente



Gabriel Paixão 13/09/2020

Ótimo thriller
Livro que prende sua atenção. 325 páginas que vc consegue ler num fôlego.
Apesar de ser muito ligar comum, serve bem como entretenimento.
Tem diferenças em relação ao film.
comentários(0)comente



Jaqueline.Marcondes 08/09/2020

Inspiração
"Você que nunca leu 'Tubarão', você que viu apenas o filme, posso vê-lo franzir a sobrancelha, posso ouvi-lo dizer para si mesmo: 'Romance? Máfia? Do que ele está falando? Onde está tudo isso?' Leia, por favor, e descubra por conta própria." - Peter Benchley (2005).
O livro que inspirou um dos maiores filmes de todos os tempos.
Sempre amei o filme e quando descobri que era inspirado em um livro, claro que tive que ler.
As duas histórias são semelhantes em alguns pontos, e o que foi deixado de lado na adaptação só acrescentou pontos para que a história ficasse perfeita. Mesmo assim não deixe de fazer a leitura, pois a narração nos momentos onde o tubarão aparecesse é de tirar o fôlego.
comentários(0)comente



Thiago.Moreira 04/09/2020

Caiu no mar, tubarão pega
O livro trás uma abordagem muito diferente daquela vista no filme já que o autor, Peter Benchley, foca nas consequências dos acidentes com o tubarão na pacata cidade de Amity enquanto Stephen Spielberg se pauta apenas na ação proporcionada pelos ataques do animal. Superou minhas expectativas!
comentários(0)comente



Moises Celestino 11/08/2020

Revisão do Livro...
Thriller clássico, escrito pelo competente Peter Bencley, "Tubarão", contém suspense e tensão na medida certa. Igualmente, a adrenalina entre as personagens se faz presente na trama. Um dos meus favoritos!
comentários(0)comente



Eduar 17/07/2020

Muito bom
O livro é o filme são quase que obras distintas. Tendo em comum os personagem e o tubarão. As histórias porém totalmente diferentes. Mas os dois são excelentes. Os finais tem, ambos, seus valores. O do filme, da aquela sensação de ponto final. O do livro, deixa um gosto de revanche muito bom.
comentários(0)comente



89 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6