Terra Morta

Terra Morta Tiago Toy




Resenhas - Terra Morta


39 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Marcos Antonio 16/02/2018

Zumbis
Primeira mente parabenizar o Tiago Toy por colocar seu nome no personagem principal o que eu não vejo com muita frequência em livros. O tempo todo você se perguntando por que aconteceu aquilo em Jabuticabal como chegaram os zumbis ou os contaminados lá e a cada momento que você acha que vai chegar a ter uma resposta a mesma foge para longe. O livro é como o próprio nome diz "FUGA" conta a história de pessoas que fogem para se salvar. Gostei do livro por dar um panorâmica do interior de São Paulo e já fiz toda aquela roda mencionada no LIvro Araraquara, São Carlos, Ribeirão Preto, Jabuticabal, senti falta da cidade de Pirassununga e Porto Ferreira e Descalvado mais imagino que lá já não havia sobrado ninguém já que tudo ficava tão perto. Eu não gosto de livro de Zumbi mais esse realmente me prendeu, um livro excelente, maravilhoso. E melhor está de graça para quem desejar ler no Amazon.com.br para Kindle. Vale apena dar uma change para ler autores Brasileiros como Tiago Toy.
comentários(0)comente



Resenhas Teen. 26/12/2017

Terra Morta: A Fuga
Oie pessoal! Tudo bem com vocês!? Hoje trago mais uma resenha aqui para o Skoob espero que gostem!
Apocalipse, tema muito abordado entre pessoas religiosas. Por ser um tema de bastante convívio entre a sociedade, é normal que a mídia faça vários filmes e séries sobre este.
E é claro, que livros também comentariam sobre o assunto. Principalmente, sobre o maior clássico de apocalipse: “zumbis”.
A estória do livro começa com o personagem Tiago, preso em um freezer. Ao conseguir escapar, o personagem continua narrando sua caminhada na cidade de Jaboticabal.
Chegando em uma escola, ele encontra a personagem Daniela, onde visitava a cidade, e se obrigou a se instalar no local, por não conhecer direito a região.
Por insistência de Daniela, os dois se juntam e possuem a ideia de ir para a capital de São Paulo. Porém, eles são barrados e capturados pelo exército, que não querem deixar provas da existência da doença.
Presos, eles conhecem Ricardo, onde ambos ficam servindo como cobaias para uma cientista, assim descobrindo como a doença pode realmente ter surgido.
O livro narra em primeira pessoa, com escrita objetiva e clara. Com bastante ação, durante o desenrolar da estória, os personagens vão evoluindo e interagindo melhor um com o outro.
E se não bastasse ser um livro original com um apocalipse zumbi aqui no Brasil, ainda deixa o leitor bobo para continuar lendo a sua continuação no segundo livro.
Todos sabem que não consigo ser fã de livros/filmes/séries com zumbis, mas de vez em quando esse tema consegue me surpreender e foi isso que aconteceu com essa obra.
Simplesmente não conseguia largar a leitura para nada e quando acabou a única coisa que eu queria era a continuação e para ontem!
Indico com toda a certeza essa obra para vocês, quem ama zumbis essa história é um prato cheio para vocês!
Até a próxima! =D


site: http://resenhasteen.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



PL 01/02/2017

Carimbo: Terra Morta #1
Bom dia, leitores do meu agrado. Hoje vamos de carimbo nacional 💖!!! Que saudade eu estava de trazer aquela dica maravilhosa de algum autor do nosso grande país. Se prepare, pegue apenas o necessário e corra sem olhar para trás, mas antes leia esse carimbo.

Terra Morta - Fuga foge completamente do que leio normalmente e apesar de zumbis ter sido um tema bastante explorado tanta na literatura como na televisão e cinemas eu senti que estava lendo algo novo e bastante diferente. Então, se eu for pesar na balança para alguém que adora e leu bastante sobre o tema mesmo assim eu assinaria na parte de leitura mais que válida. Recomendação quase 100%, eu diria.

O enredo já começa no meio de tudo, não há uma parada para explicações e porquês da causa que levou às pessoas de Jaboticabal saírem como loucas mordendo e comendo as outras. Tudo o que se sabe é que a "doença" é passada através desse contato com infectados, e é nessa loucura que acompanhamos Tiago em sua luta para se manter vivo e longe dos "mortos-vivos". E que corrida! Tiago não para um segundo sequer e quase me deixou sem fôlego em várias páginas.

Na luta pela sobrevivência nosso protagonista encontra Daniela, uma jogadora que ficou presa na cidade no meio de uma final de jogo e viu o caos na quadra bem de perto. Meio sem alternativas os dois se juntam em busca da saída da pequena cidade e no caminho haverá muitas corridas e planos insanos.

Quando parece que o pior aconteceu, algo novo vem e supera tudo. É como se Deus e o Diabo estivessem competindo para ver quem ganha. E me escalaram para o jogo sem me consultar. Vão à mer...
Posição 2988


Espere uma narrativa bem ágil e eletrizante de Terra Morta. Espere também personagens bem construídos e que justifiquem sua sobrevivência sem precisar da famigerada sorte, e acima de tudo esteja preparado para descobrir que talvez os "zumbis" sejam apenas um dos problemas dos personagens. A humanidade tem um "quê" de podre em qualquer situação e lugar, não é mesmo?

O livro é narrado em primeira pessoa e traz ao leitor essa visão mais visceral e insegura dos sobreviventes não infectados, fazia um certo tempo que eu não pegava uma narrativa em primeira pessoa tão legal assim e espero que essa mesma qualidade continue na segunda parte da história de Tiago Toy, chamada de Terra Morta - Infecção.

Quando a narrativa se aproxima do seu final os horizontes e possíveis explicações se expandem também, e claro que deixa qualquer leitor curioso ao extremo para saber o que aconteceu e o que virá depois. Por isso irei de Terra Morta #2 em breve pois necessito saber como vai ser daqui pra frente. Será que o mundo todo estará perdido? Haverá uma cura? Qual o motivo do interesse em Tiago? Vocês já sabem que para eu ler uma continuação o primeiro livro precisa ser muito bom (na verdade precisa ser mais que apenas bom), e isso aconteceu nessa minha primeira leitura de dezembro e espero ter a mesma empolgação na continuação que possui mais páginas e pelas resenhas que andei lendo é muito mais sombria e intrigante.

Que venha Terra Morta #2!

site: http://www.passaporteliterario.com/2016/12/carimbo-terra-morta-1.html
comentários(0)comente



Corujas de Biblioteca 19/12/2016

Resenha dos dois primeiro volumes por Thulio Pereira do blog Corujas de Biblioteca
Gostaria de começar explicando que são dois livros, “Fuga” e “Infecção”, mas ambos serão analisados juntamente nessa mesma postagem. Também gostaria de agradecer ao autor Tiago Toy pelo apoio e atenção na postagem das capas re-imaginadas.
Basicamente, a série “Terra Morta” tem uma proposta inicial muito interessante: representar um apocalipse zumbi no Brasil. Mais precisamente na cidade de Jaboticabal no interior de São Paulo. Contudo, o livro não cumpre com a proposta inicial. Isso porque a proposta inicial, não é a real proposta do livro. Isso fica claro com o avanço da história, e logo percebemos que não são apenas zumbis andando por ai enquanto os sobreviventes lutam para… bem… sobreviver…

A história avança de maneira que logo percebemos se tratar de uma obra mais dinâmica e que tende muito mais para o lado da ficção científica, com uma corporação realizando experimentos secretos e sem escrúpulos. Sim, se você jogou ou conhece um pouco que seja de Resident Evil, vai sacar do que estou falando....
Afirmo isso com muita propriedade, pois o próprio autor se manifestas ao final do segundo livro, em um texto explicando mais a fundo sobre os “zumbis” que figuram em Terra Morta.

Mas vamos do começo. De volta a proposta inicial....

O livro começa com o personagem principal, Tiago Rodrigues, preso em um freezer. Ali ele desabafa um pouco sobre como tem sido seus últimos dias. Mas não demora muito para que ele tenha que arranjar uma maneira de fugir do lugar e com isso nos mostrando muito do que será um grande padrão da série. Fugir. Tanto que o nome do primeiro livro é fuga :)

Sim, exatamente. Fugir é um grande padrão visto abundantemente em ambos os livros. Quase sempre, vemos algum personagem ou grupo de personagens preso em uma situação onde fugir parece impossível. Por exemplo, no segundo livro, onde Tiago fica preso no cômodo do fundo de uma farmácia, num cubículo pateticamente pequeno, com apenas um vitro e uma porta, por onde os canibais tentam invadir. Mas de maneira brilhante, o autor sempre consegue que o personagem realize uma fuga inteligente (mas se prepare, pois nem sempre todos os personagens conseguem sair ilesos de tais situações).

Voltando ao enredo, Tiago consegue fugir e então passamos a acompanhar suas caminhadas (e fugas) pela cidade de Jaboticabal. Algo interessante que preciso comentar, é que Tiago é praticante de parkour e utiliza os movimentos e acrobacias para conseguir despistar as criaturas canibais. Dessa forma, ele logo chega a uma escola e encontra o que vem a ser a segunda personagem central da história; Daniela é uma garota da cidade vizinha que estava em Jaboticabal quando as coisas deram errado. Sem conhecer nada em Jaboticabal, ela é obrigada a se abrigar ali mesmo e esperar. E esperou, até encontrar Tiago.

De início, as coisas não parecem promissoras; Daniela é bem-humorada e cativante, enquanto que Tiago é completamente introspectivo. Mas calma, os personagens e suas características sofrem alterações em alguns momentos da trama. Sem muitas opções e com muita insistência por parte de Daniela, os dois se juntam. Tiago compartilha com Daniela o plano de sair de Jaboticabal com rumo a São Paulo capital e iniciam uma preparação. Precisam de armamento, comida e principalmente estarem vivos para isso.

É claro que conseguir tudo isso não é fácil, mas eles conseguem, passando por vários apertos, como uma batalha terrível em um mercado e até mesmo uma viajem perigosa por um bairro violento de Jaboticabal. E é ai que a história deixa de ser apenas zumbis vagando por ai, para se tornar pura ficção científica.

O exército bloqueias as rodovias, iniciam um processo que consiste em incendiar as cidades do interior que foram infectadas para esconder evidências e alguns outros atos de moral questionável. Nisso, conseguem capturar nossa dupla principal e também um terceiro elemento, Ricardo, personagem novo que aparece no decorrer da trama.

Logo descobrimos que a empresa LAQUARTZ é a responsável pelas criaturas sanguinárias que vagam por ai. Tiago, Daniela e Ricardo passam por experiências, confinamentos e sofrem um pouco nas mãos de Abigail, uma das cientistas responsáveis pelo vírus e que acaba por adotar o papel de grande vilã da trama.

A partir daqui não posso mais revelar muito mais sobre o trajeto dos personagens, pois, com certeza, comprometeria a experiência de quem for ler os livros. Mas fiquem sabendo que sim, os personagens conseguem chegar capital (na verdade, antes de saberem sobre a LAQUARTZ). Contudo, não pensem que isso acontece da maneira como os personagens gostariam que acontecesse....

Em São Paulo é onde se desenrola o final do primeiro livro e praticamente todo o segundo. Praticamente porque através de flashes voltamos para Jaboticabal e até mesmo visitamos a Rússia (Go Yulia!!!)
Parando novamente para explicar mais uma coisa que os leitores encontraram bastante em ambos os livros. Flashbacks. Eles explicam basicamente alguns lapsos do passado, como tudo começou e até algumas características dos personagens.

Falando um pouco sobre o segundo livro. Ele é gigante. Mais de 400 páginas. Mas vale a pena. Seu início é um pouco confuso, já que em “Terra Morta: Infecção” existem muito mais personagens que o primeiro. E o livro começa nos explicando como todos esses novos personagens acabaram se juntando a Tiago e Daniela. Confesso que tive muito receio, pensei que o autor não conseguiria utilizar e desenvolver todos esses personagens novos. Mas Tiago Toy fez isso de maneira brilhante. Todo personagem tem um passado, habilidade, personalidade, amizades, inimizades e medos diferentes. Com toda essa diversidade, é obvio que a história fica totalmente dinâmica e interessante. Junte isso a toda a pressão e tensão de uma São Paulo tomada por capitais e, com certeza, veremos brigas, traições e panelinhas. Sim, acontecem o tempo todo....

Por fim, o segundo livro se comporta diferente do primeiro. Basicamente, enquanto no primeiro vemos Tiago e Daniela em uma trama que se movimenta bastante; no segundo, temos um grande grupo de personagens que precisam defender uma única posição (um hotel) cercado pelas criaturas, enquanto administram os recursos e os nervos.

Por fim, isso é tudo que posso contar. Deixo para que os leitores descubram o resto, que tenham ódio por alguns personagens (cof, cof, Conrado) e pensem em uma maneira de fugir dos canibais. Gostaria de adiantar também que leiam o livro até o final, algo muito legal feito pelos produtores foi incluir cenas deletadas (e com comentários do autor).

Vale ressaltar que o segundo livro conta com belas ilustrações de varias cenas. E ambos os livros são cheios de referências e piadinhas. Molotov’s/Valescas são um exemplo (você terá de ler para entender)....

Também devo deixar o aviso que o livro em alguns momentos têm linguagem, cenas e diálogos explícitos e as vezes grotescos. Não recomendo a leitura para publico juvenil. Por fim, agradeço mais uma vez ao autor Tiago Toy, por todo o interesse nessa análise e na postagem das capas. Estou esperando pelo terceiro livro, espero que não demore a sair…

site: http://corujasdebiblioteca.com.br
comentários(0)comente



Vanessa 28/09/2016

Zumbis, Ação e Sangue no Interior de São Paulo
Que jogue a primeira pedra quem nunca torceu o nariz ao ouvir as palavras “escritor”, “brasileiro” e “zumbis” na mesma frase. Eu torci, mas resolvi ler só por curiosidade. Nessas horas fico feliz por ser assim. Eu adoro zumbis! Se for aquele clássico no estilo The Walking Dead, lento, que passa o virus por mordida e só morre por ferimento na cabeça, é melhor ainda. Mas não sou nenhuma Xiita aceito pequenas mudanças se elas tiverem fundamento na história, ou não afetarem a mesma. Em Terra Morta eu não tive do que reclamar. Tá… Os zumbis não morrem apenas com ferimento na cabeça e são rápidos. Mas tudo isso só ajuda na trama. Quando você for ler “Terra Morta: Fuga” prepare-se para ficar sem fôlego. O autor, Tiago Toy, não dá brecha para os personagens descansarem e nem você tem tempo pra isso.
(Continue Lendo no Dica do Leitor...)

site: https://dicadoleitor.wordpress.com/2016/08/30/zumbis-acao-e-sangue-no-interior-de-sp/
comentários(0)comente



Lu, Blog Estranhos Como Eu 21/09/2016

Vale a Pena?
Já queria ter começado a ler livros com esse tema há tempos, mas nenhum me chamou a atenção justamente por eu não achar que valeria a pena. Afinal, nunca tinha lido livros do gênero antes, mas já tinha assistido a muitos filmes, então pensei que Terra Morta seria apenas mais um livro de zombie. E, meus queridinhos, não era nada disso que eu estava pensando. Eu, sinceramente, esqueci da vida lendo o e-book.

Enquanto lia, me perdi um pouco nas cenas de luta corporal, parece que elas foram rápidas demais. Acredito serem as mais difíceis de descrever. Algo que me chamou muito a atenção foi a forma que os zombies eram descritos. Eu consegui imaginar a figura. Dava medo (Não é brincadeira gente kkkk Tanto que evitava ler antes de dormir kkkkkk).

O autor demonstrou, na minha humilde opinião, muito talento! Ele tinha tanto controle sobre as situações descritas que foi capaz de me prender com correntes e cadeados (kkkkkkk) Não queria largar até descobrir o final de tudo aquilo.

Terra Morta: Fuga tem uma continuação chamada Terra Morta: Infecção. Espero ansiosamente a oportunidade de lê-lo em breve!


site: http://estranhoscomoeu.com/2016/09/15/1o-episodio-de-american-horror-story-6-temp-resumo-e-tema/#disqus_thread
Glecio Ramos 23/09/2016minha estante
Se gostou de Terra Morta deveria ler a série Apocalipse Z de Manuel Loureiro. Conhece? É eletrizante e aterrorizante também :)
Ótima resenha.


Lu, Blog Estranhos Como Eu 23/09/2016minha estante
Oiee! Conheço não, mas obrigada!! Já anotei a dica ;))




Daniel.Martins 14/09/2016

Questão de referências
Tudo na vida é referência: O apocalipse zumbi chegou. Pessoas estão se transformando em criaturas mortais e o mundo não é mais o mesmo. É cada um por si.
Esse plot seria considerado genial se visto pela primeira vez, porém o tema já está um pouco saturado depois de tantos filmes, livros e séries sobre o assunto. Isso tira um pouco do interesse.
Por outro lado, o fato de a história se passar no interior de São Paulo nos aproxima dos personagens e do ambiente aguçando novamente a curiosidade.

Mais do mesmo, mas com novidades: Todos os elementos já conhecidos estão presentes. Zumbis, destruição, desespero e pessoas correndo por suas vidas. Ainda bem que o autor resolve arriscar algumas novidades colocando elementos que eu não havia visto em outras obras.
O protagonista ser praticante de Parkour ajuda a explicar ele ainda estar vivo e foi uma boa sacada.
Bastante interessante o personagem principal ser uma representação clara do autor.
Como a maioria das obras dessa temática, os personagens vem e vão, sobrando o protagonista e alguns coadjuvantes.

Estrutura e técnica: Se a intenção do autor era preparar uma narrativa de tirar o fôlego, ele conseguiu. O perigo está sempre à espreita, mesmo nos poucos flashbacks que explicam o que aconteceu no primeiro dia de contágio.
Tiago opta pela ação, deixando o horror e o suspense em segundo plano. É alta tensão o tempo todo.
Essa característica cobra o seu preço na parte descritiva do livro. Narrado em primeira pessoa, o foco está sempre na ação dos personagens, deixando o ambiente a segundo plano.
Pequenos problemas de continuidade e erros de digitação foram encontrados como tem sido na maioria das obras de autores nacionais.

Avaliação: Ganhou três estrelas no Skoob. Um bom livro que marca o início de uma saga de um autor que ainda tem muito a mostrar num futuro próximo.
Leia se você gosta de ação, não leia se a sua praia são cenários e personagens mais profundos.

site: www.desinformadoss.blogspot.com
Ana Luiza Lanari 23/09/2016minha estante
Também percebi os problemas de continuidade, achei que era eu que tava ficando ruim da cabeça!




Elizandra 02/09/2016

Zumbis em São Paulo
Adorei a história clichê de zumbis. O que mais me chamou a atenção foi a fuga da cidade de Jaboticabal para a capital de São Paulo. Tiago é o personagem principal (e um pseudônimo do autor e também passa a impressão de ser seu alterego). Nesta fuga ele conhece pessoas que não sabe se são amigos ou inimigos. Uma trama fascinante e muito bem delineada, com personagens marcantes.Há uma dúvida que permanece: Tiago foi vítima da experiência de um laboratório? Isso é assunto para o segundo livro da série. Para os fãs do gênero é sem dúvida um prato cheio.
comentários(0)comente



fabio 31/08/2016

Comentários: Fuga (Terra Morta #1) - Tiago Toy
Tudo começa quando um misterioso vírus infecta os moradores de jaboticabal, uma pequena cidade no interior de São Paulo. Tiago, um garoto introspectivo, se vê no meio dessa epidemia, precisando reorganizar todos seus pensamentos para a única necessidade do momento: sobreviver. Com a ajuda de outros sobreviventes, ele tenta entender o fenômeno que faz as pessoas se comportarem como zumbis. Mistério e Ação se encontram em "Fuga", livro de estreia do autor nacional Tiago Toy.

Comentários:

Quando me deparei com a sinopse de Fuga, primeiro volume da saga Terra Morta, fiquei com a pulga atrás da orelha. Um livro narrando um apocalipse zumbi em São Paulo? Interessante. Minha meta era terminar todas as séries em andamento antes de começar uma nova, mas a curiosidade matou o gato e lá fui eu.
Logo nas primeiras páginas o livro me prendeu pela ação. Se tem uma palavra pra resumi-lo, é Eletrizante. Em momento nenhum o autor deixa a leitura ficar chata; você termina um capitulo ansiando pelo próximo. O exagero de detalhes e nomes de parkour ficaram meio desconexos do resto da estória, mas nada que atrapalhe a leitura.

Os personagens me agradaram bastante. Senti certa profundidade neles; cada um tem sua própria personalidade e um proposito final na estória. Por muitas vezes, o protagonista me irritou bastante; seja por seu jeito exageradamente rabugento ou pelas suas atitudes idiotas e impensáveis, tive vontade de mata-lo eu mesmo mais de uma vez. Mas, felizmente, os outros personagens conseguiam equilibrar e amenizar as coisas. No geral, o ponto forte foi definitivamente Daniela. Apesar de narrado em primeira pessoa pelo Tiago, ela foi a única personagem na qual me conectei. Com uma personalidade afiada, fica difícil não simpatizar com a mesma.
Por outro lado, senti que eles evoluiram pouco. Sejam os protagonistas ou os antagonistas, começaram e terminaram a estória do mesmo jeito. A falta de explicações deixou um grande buraco pendente na personalidade deles; o que causou o virus? Qual o interesse dos militares nisso? O que os personagens tem em comum com essas pessoas? Essas são algumas das perguntas que ficaram pendentes para as continuações.

Sobre a premissa, achei bem pensada e consistente. A escrita objetiva do autor só ajudou o fácil intedimento. Mas senti falta de uma explicação mais detalhada dos cenários. Ficou bem dificil imaginar alguns lugares já que autor só usou "muro", "portão" e "rua" pra identificar as coisas. Também não entendi quando uma oposição entrou em cena, sem mais nem menos. Novamente, a falta de explicações no final pode atrapalhar o julgamento geral. Mas, como é uma saga, respostas não se tornam tao essencial quanto em um stand alone.

Resumindo; gostei bastante do livro. Pode não ser tão original, ou tão bem escrito, mas me prendeu até a última página. Vou ler o restante da saga porquê acredito que o autor tenha capacidade de corrigir os erros desse no próximo. Recomendo para os amantes de The Walking Dead, já que o livro mantém o mesmo clima tenso da série.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Adriana 03/05/2015

Maravilhoso
"Não, não são zumbis no sentido que estamos acostumados a ver em filmes de Hollywood (isso você vai entender no segundo livro). Esse é o primeiro livro da série Terra Morta de Tiago Toy que conta a história de (tchanan) Tiago que esta fugindo dos infectados que atacaram Jaboticabal. E obviamente eu li, porque obviamente gosto de livros com sangue e coisas esquisitas, que para nossa sorte, não acontecem na vida real. Ao meu ver a história não ganharia um prêmio literário, mas ganhou minha atenção ao ponto de comprar o e-book (e com esse dólar em alta meu bem, é triste).

É clichê, é solitário, é acelerado e até em alguns pontos engraçado. Te chama para ler algo legal, enquanto a indústria não lança nada novo e suficientemente bom como foi Resident Evil 3… Ou bem por aí."

site: http://euinsisto.com.br/terra-morta-fuga-tiago-toy/
comentários(0)comente



Carla 25/12/2014

A Morte sempre chega...
"Não me lembro de que dia é hoje.
Nas últimas semanas sobreviver se tornou mais usual do que olhar calendários. Os dias ficaram mais longos e cansativos enquanto espero uma salvação, ou pelo menos o fim.
Mas, pensando bem, o fim sempre chega. Cedo ou tarde.
Não acredito que essa história seja contada novamente algum dia, visto que encontrar pessoas se tornou um acontecimento raro. Acho difícil alguém durar do jeito que as coisas estão. E quando digo pessoas, me refiro às de verdade, que respiram e conversam, e não a esses malditos canibais que espreitam a cada esquina, em cada construção abandonada, repleta de moscas atraídas pelo mau cheiro que tomou conta do ar. Esse cheiro de morte."
... E foi assim que me apaixonei logo de cara, posso dizer que foi amor a primeira vista logo nas 3 primeiras linhas lidas. Não foi a primeira vez que tive contato com o autor Tiago Toy, pois já li todos os contos lançados por ele, inclusive pra quem não o conhece, indico o conto "Teoria e Prática de Como Ser um Zumbi"... Terra Morta é um livro super frenético, onde os "infectados" não são as únicas ameaças temidas pelos envolvidos na trama. A História gira em torno de três personagens, Tiago, Daniela e Ricardo, ambos sobreviventes de uma infestação até então desconhecida. Eles se unem em uma jornada alucinante para sobreviverem em meio ao caos iniciado no interior de São Paulo. A vontade de viver é a única arma com que estes três poderão contar, porque nem tudo é o que parece ser e a amizade pode ser algo a mais a favor da esperança escondida atrás daqueles olhares amedrontados... Um livro que merece sem dúvida nenhuma, 4 infectados da minha parte.
Tiago Toy ™ 02/01/2015minha estante
Obrigado pela sua resenha, Carla :)




"Ana Paula" 05/11/2014

Conheci este livro através do autor de O Vale dos Mortos, Rodrigo de Oliveira. Depois, a Andréa do blog Fundo Falso, ressaltou que o livro era muito bom. Ainda não contente, li alguns contos do Tiago e, ai sim, me arrisquei a comprar o livro. Foi uma das minhas melhores aquisições!

Terra Morta tem a pegada zumbi que tanto me fascina, uma história bem elaborada e escrita. Tiago trás a narrativa em primeira pessoa, pelo ponto de vista de Tiago, o personagem principal, mas tbm com alguns capítulos em terceira pessoa. A história não é a mesma: aqui, a infestação acontece nas pequenas cidades do interior de São Paulo. Jaboticabal, cidade do personagem, é onde se passa praticamente todo o enredo. Terra Morta - Fuga, vai acompanhar Tiago e Daniele, dois sobreviventes que tentam desesperadamente chegar a São Paulo e se livrar da infecção que matou a cidade. Mas... será que eles vão conseguir?

"Me pego pensando se um dia tudo voltará a ser como antes. Se os carros transitarão pelas ruas, poluindo a atmosfera, em cidades habitadas por pessoas egoístas e preocupadas unicamente com suas vidas, enquanto acumulam dinheiro e desilusões... Se... É, acho que o mundo não mudou tanto assim. Os poucos sobreviventes que encontrei ainda são egoístas e pensam unicamente em seus rabos. Agem como animais irracionais, tanto os vivos quanto os "mortos" andantes".

Outro ponto importante na história, é que eles não terão que fugir apenas dos zumbis, os seres humanos já são ruins, imagina quando acuados? Pois é... bandidos, militares, doutores, família... todos, zumbis ou não, entrarão no caminho de Tiago e Daniele até São Paulo, se eles conseguirem chegar vivos!

Em TWD, não há explicação de como o vírus começou. Em O Vale dos Mortos, foi um planeta que instalou o caos. Terra Morta ainda não mostrou uma versão significativa, mas deu sinais de que a bomba é grande! Tiago tem um papel fundamental neste apocalipse zumbi, e só descobriremos mais em Terra Morta - Infecção.

"Num misto de adrenalina e alívio, grito um palavrão tão alto que assusto Daniela. Trocamos olhares e rimos com vontade. A sensação de encarar a morte de frente e escapar para contar a história é indescritível. Espero nunca me acostumar."

Devo parabenizar a edição do livro. A capa está linda, com uma foto da igreja da cidade de Jaboticabal na frente, durante o apocalipse, e atrás, a mesma foto em condições melhores. Por dentro, o livro não perde a beleza: Folhas amarelas que facilitam a leitura e uma cor mais escura nas páginas quando o protagonista relembra como tudo começou. A divisão de capítulos também está perfeita: Páginas pretas com número e título - o que acabou dando uns spoilers, mas tudo bem, eu até gostei! rsrsrsrsrsr

Não encontrei nenhum erro de revisão, o que fi maravilhoso! A leitura é gostosa e contínua, vc realmente só consegue parar qdo vira a última página! Este é o primeiro livro da editora que leio, e gostei muito de todo o trabalho feito com ele, parabéns!

Para quem, como eu, adora uma boa história com zumbis, ação, mentiras e descobertas assustadoras, deve com certeza ler Terra Morta! Eu recomendo e claro, quero logo meu próximo exemplar que ainda não foi publicado.... fica a dica Tiago e Editora Draco! rsrsrsrsrsr
"Que droga! Quando parece que o pior aconteceu, algo novo vem e supera tudo. É como se Deus e o diabo estivessem competindo para ver quem ganha. E me escalaram para o jogo sem me consultar. Vão à mer..."

site: http://www.livrosdeelite.blogspot.com.br/2014/11/resenha-terra-morta-fuga-tiago-toy.html#.VFn7A_nF9Ig
Tiago Toy ™ 02/01/2015minha estante
Obrigado pela sua resenha, Ana Paula :)




Noris 19/08/2014

Muito bom!
Como nesse ano terá o lançamento de Terra Morta: Infecção, decidi que já estava mais do que na hora de eu ler o primeiro livro da série e mergulhar nessa história de zumbis criada por Tiago Toy em 2008.

Terra Morta: Fuga nos apresenta Tiago, um rapaz de vinte e poucos anos que leva uma vida tranquila no interior de São Paulo, onde alterna sua vida entre o trabalho numa loja e a prática de parkour. Sua vida vira de ponta cabeça quando uma "doença" infecta a população de Jaboticabal, deixando as pessoas violentas e sedentas por carne fresca.

Em sua busca por sobreviver, Tiago encontra Daniela, uma garota de Araraquara que estava na cidade para uma partida de handebol contra o time local quando tudo começou. Ao contrário do protagonista, ela é simpática e tenta manter o bom-humor apesar de tudo. Juntos eles tentarão não apenas buscar segurança, mas entender o que houve.

***

Não consegui entrar rápido na história de Terra Morta: Fuga, o fato dele fazer parkour é algo que não aceitei tão fácil (assim que acabei de ler a obra fui pesquisar por "parkour Jaboticabal" no Google, engoli minha descrença ao descobrir que desde 2008 existe uma galera que pratica o esporte por lá) e o personagem principal é bem antipático. No entanto, Tiago Toy conduz muito bem a evolução do personagem, tornando-o alguém menos egocêntrico conforme os problemas vão surgindo. O "engraçado" é que parece uma balança, quando Tiago sobe, Daniela desce e se torna uma personagem mais sinistra.

O livro é menos de terror e mais de ação, menos A Noite dos Mortos-Vivos e mais The Walking Dead. Eu pessoalmente gosto dos dois tipos de narrativas, então não tive problemas com isso.

Leia o restante da resenha no blog Coisas Horrorosas.

site: http://www.coisashorrorosas.com.br/2014/08/resenha-terra-morta-fuga.html
Tiago Toy ™ 02/01/2015minha estante
Obrigado pela sua resenha, Rafael :)




Marcos 19/02/2014

Resenha: Terra morta
Para quem é brasileiro e fã de zumbis, esse livro é um prato cheio. The Walking Dead é incrível, mas se passa em Atlanta, lugar com costumes e tradições diferentes das nossas. Agora, imagine um monte de zumbis no Brasil, mais especificamente em São Paulo. Isso sim dá um up da história.

Tiago Toy relata a história de Tiago, um morador do interior de São Paulo que, um dia, após sair do trabalho, encontra sua cidade ensandecida. Pessoas mordem umas as outras, atrancam-se, transformando Jaboticabal em um cenário de filme de terror. Na luta pela sobrevivência, o protagonista utiliza-se do parkour, um esporte não muito conhecido no Brasil, para sobreviver.

“Os infelizes parecem não se cansar. Seus olhos vazios, sem brilho. Os grunhidos que emitem me fazem sentir pena, admito. Mesmo não querendo, imagino qual deve ser a sensação de ser devorado por essas coisas com seus dentes podres, mas poderosos, enquanto me dilaceram brigando por minha carne.”


Durante uma fuga de um morto-vivo, Tiago encontra-se com Daniela, que acaba por salvar sua vida. Enquanto ele é quieto e introvertido, ela é irreverente e brincalhona, causando um choque inicial entre ambos. Contudo, a luta pela sobrevivência os une, transformando-os em aliados.

Os dois buscam por armas, comida e água, mas a cada passo que dão, suas vidas parecem piorar. Quanto mais tentam se livrar do pesadelo, mas ele se torna apavorante. O autor cria uma trama incrível, onde vida e morte se relacionam intimamente, trazendo suspense e inquietação a cada página.

“Sua amiga estava caída próximo aos armários, sentada. A cabeça pendia sobre o ombro, o pescoço havia sido completamente dilacerado. A poça de sangue ao redor lembrava uma muralha escurecida, opaca. Partes do seu braço haviam sido arrancadas também, deixando vários músculos a mostra. Que animal havia feito aquela barbaridade?”

Sinceramente, esse foi um dos melhores livros sobre o gênero que já li. Os personagens foram muito bem construídos e a narração em primeira pessoa possibilitou um conhecimento mais profundo sobre a personalidade do Tiago. As cenas foram muito bem construídas e nos faz entrar no texto.

Apesar de o livro ser narrado pela visão do Tiago, a minha personagem preferida foi Daniela. No começo, achei que ela morreria logo, porém ela cresceu de uma forma que, na minha visão, se tornou mais forte que o protagonista. O seu temperamento e impulsividade tornam a obra mais imprevisível e deixa o fim em aberto.

"– E se aquelas coisas aparecerem? – Jean já vira os infectados e quase borrara as calças de medo. – Eu não vou sair daqui. Ele que quis descer.
– Belo soldado você, hein – caçoou Erico. O piloto já presenciara cidades tomadas pelos infectados, mas vê-los de uma altura segura é diferente de ser cercado por um bando deles.
– Antes um merda de soldado vivo do que um soldado corajoso morto.”

Achei muito interessante, também, o fato de o autor ter colocado o protagonista como praticante de parkour. Esse esporte, apesar de pouco popularizado e reconhecido no Brasil, é bem popular em alguns países. Como tal prática consiste em transpor obstáculo, a sacada foi enorme e merece meus parabéns. Afinal, qual a melhor forma de fugir de um zumbi além de pular um muro e deixar ele igual bobo do outro lado?

Certamente, se você é fã de fantasia ou distopia, adorará esse livro. Não perca essa oportunidade de prestigiar o romance de estreia do Tiago Toy.

site: http://desbravadoresdelivros.blogspot.com.br/2014/02/resenha-terra-morta-fuga.html
Tiago Toy ™ 02/01/2015minha estante
Obrigado pela sua resenha, Marcos :)




39 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3