Correr ou Morrer

Correr ou Morrer James Dashner




Resenhas - Correr ou Morrer


436 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Kynsk 19/11/2017

Dê uma chance.
O autor nos leva a torcer pelos Clareanos (moradores da clareira) ardentemente, tem cenas de suspense, cenas de ações, algumas bem violentas, salvamentos, amizades, perdas e até o início de um romance. A descrição dos verdugos, que são os monstro do labirinto, é bem angustiante, como vencer uma "coisa" daquelas? E como fugir do labirinto em que as paredes se movem toda noite? O que significa CRUEL? por que todos os adolescentes não tem nenhuma memória anterior à chegada na clareira? e por que não há adultos? Sabe aqueles filmes em que você não consegue ver uma solução para os mocinhos? Vale a pena ler!
comentários(0)comente



warley torres 05/11/2017

Filosófico
Esse livro me fez lembrar uma matéria que estudei em filosofia na faculdade, sobre o comodismo, o que ocorria com o vilaozinho que há dois anos se acostumei aquele maneira de ser e não arriscava em conhecer o novo, até a chegada de Thomas...
comentários(0)comente



Jão de Batata 15/10/2017

Clichê...mas bom?
Apesar de algumas partes bem clichês, a ideia da franquia Maze Runner , em geral, é muito inovadora!
comentários(0)comente



Ana Caroline 20/08/2017

Resenha | Maze Runner
Conquistada sem imaginar, foi assim que me senti com Maze Runner Correr ou Morrer. Uma história criativa e bem fundamentada, já sinto que vem uma ótima série pela frente. Até porque o final daqui: é de tirar o fôlego.

Um Labirinto. Uma Clareira. Thomas — que até então será a única informação que ele lembrará — é enviado para um local totalmente desconhecido, onde só vive meninos. Nenhum deles tem memórias passadas: não sabem quem são direito, não sabem onde nasceram, quem os enviou ou o que fazem ali. Obrigado a conviver naquele meio e entender como funciona, como é o trabalho e quais informações possuem, sua personalidade curiosa sempre o fará questionar tudo que deve ou não fazer. Porém sua situação não será nada fácil. Após a chegada de um fator inédito, uma garota, tudo está prestes a mudar e terá ligação fundamental com ele e suas lembranças. Afinal, que mundo é esse? O que é o Labirinto? Quem é Thomas?

É muito difícil falar de uma distopia sem soltar spoilers, ainda mais o primeiro de uma trilogia. Iria ressaltar alguns pontos positivos, onde podemos ver que se o autor souber amarrar o enredo, teremos um grande história. Temos já um pontapé brilhante, e percebemos logo nas primeiras páginas. Com um domínio próprio do universo criado — temos palavras sendo criadas, gírias usadas, termos diferenciados, trabalhos adaptados ao que eles vivem — nota-se uma importância em primeiramente conhecê-los. Teremos uma demora na narrativa relacionada aos acontecimentos e reviravoltas, justamente por tentar fazer-nos entender o que é tudo.

E a partir daí, ao mesmo tempo que continuamos conhecendo o local com o Thomas, seremos surpreendidos junto com ele quando começar a surgir os acontecimentos. Vai ser uma leitura fluída a quem conseguir captar e se interessar pelos assuntos abordados, além de fazer-nos levantar vários questionamentos. Teremos muitas perguntas e poucos respostas, e foi um recurso fundamental usado. Vamos ser instigados a querer mais, a saber mais e entender.

"A sua perda de memória era estranha. Conseguia se lembrar de muita coisa da vida, porém faltavam os dados específicos, os rostos, os nomes. Como um livro intacto, mas em que faltasse uma palavra a cada dez, tornando a leitura cansativa e confusa." pág. 17

Dos personagens, que será um grupo grande, os que se destacam em minha opinião, são dois: Minho e Thomas. Acho que os dois irão ter um crescimento e evolução enorme pela frente. É um grupo diversificado, em que captaremos as diferenças, onde eles mesmos são opostos, entretanto que também dá uma abertura maior para qualquer leitor se identificar. Fiquei meio triste em não ter apego ao Newt, que apesar da importância no livro, no filme tem uma aparição maior.

O final é onde chegaremos ao topo da surpresa. Após algumas cenas que muda bastante o rumo das coisas, temos um epílogo que te deixará de queixo caído e te explica que quase tudo que você venha a saber pode ser mentira, além de trazer uma morte que vai abalar bastante as coisas. É angustiante e instigante você, assim como o personagem principal, querer saber o que é verdade. O que é isso tudo?!

Confesso que não é uma narrativa para todos. Eu mesma demorei a engrenar na obra porque tenho problemas com pontos de vistas em 3° pessoa e no momento inicial só surge dúvidas. Por conhecer o gênero, sei que ao passar essa barreira temos uma avalanche de informações contudo, quem não conhece fica tentado à desistir. Não desistam! É um dos melhores exemplares do gênero.

Quando fazemos a comparação do volume com o filme, ficaremos surpresos em ver diferenças nítidas. Tanto físicas — acho correto porque algumas coisas são difíceis de transpassar para as telas — quanto das ações. Neste segundo ponto é tão visível a diferenciação que pode incomodar, só que ao meu ver não anula nenhum dos dois. Tanto a adaptação quanto o original tem suas qualidades. Particularmente gosto dos dois, principalmente do filme por me ter feito conhecer esse universo.

"— Pense nisso. As nossas lembranças são apagadas. Vivemos num lugar que parece não ter saída, cercado por guardas monstruosos sedentos de sangue. Não lhe parece algum tipo de prisão?" pág. 75

Na parte física gosto bastante da capa e o único problema é que minha edição é sem orelha — por fazer parte de um box. Então especificamente neste formato, acho que a diagramação é muito próxima da lombada, fazendo com que eu tenha que ler quase fechado a brochura para não quebrar a mesma. É horrível e acabou que uma hora optei por ler no Kindle. Não sei como é a edição "normal", mas acredito que seja melhor. Não encontrei nenhum erro ortográfico e de concordância na maneira geral.

Como foi algo não esperado ler o mesmo — o que já vem acontecendo comigo tem um tempo — não sei quando pretendo pegar o segundo pois o final deixado te faz querer o próximo urgente, só que me falta tempo. Foi bom voltar a distopias, o que confesso que estava sentindo falta.

site: http://diariasleituras.blogspot.com.br/2017/08/resenha-maze-runner-correr-ou-morrer.html
comentários(0)comente



Bia 11/08/2017

Correr ou Morrer
A história é muito boa mesmo, ela prende o leitor desde o inicio. A curiosidade para descobrir os segredos da série é muito grande. Todavia é uma história muito confusa, na qual o leitor tem que prestar muita atenção para não se perder na história. Recomendo muito!!
comentários(0)comente



Israel.Nogueira 03/06/2017

Cruel é bom
Livro muito bom
comentários(0)comente



Thananda 16/05/2017

Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come!
Esse é um caso de livro que coloquei na minha lista mas o filme saiu primeiro e acabei vendo antes de ler o livro (o que não gosto de fazer). Só consegui ler Maze Runner agora, e para aqueles que como eu, viram o filme antes do livro, digo que a experiência da leitura não fica prejudicada. Na verdade até que dá um certo direcionamento na nossa imaginação. Foi relaticamente fácil imaginar a escala de tamanho e aparência do Labirinto, da Clareira e dos verdugos graças ao filme.

Ponto para o cinema.

Maze Runner é interessante, de narrativa leve e rápida, sem se ater exageradamente à detalhes de ambiente e personagens que só servem para engrossar o volume. A ação já rola desde o primeiro parágrafo, com pouca margem para dramas excessivos e alívios cômicos. Pena que foi lançado justamente na época em que as modinhas eram distopias com adolescentes, e por isso não foi devidamente apreciado.

É um livro até legal. Se eu tiver a oportunidade de ler as continuações, lerei, mas não é aquele tipo de saga que você surta pra ler o resto e fala "noooossaaaa! Preciso ler as continuações o mais rápido possível. Não vou dormir direito enquanto não descobrir o que aconteceu com os clareanooooos!!!".

Se você quer um livro de aventura que não caia na monotonia, mas que não seja tão profundo a ponto de  despertar reflexõe, então eu recomendo a leitura. Mas se você não gostou de histórias de futuro distópico protagonizada por adolescentes como Jogos Vorazes e Divergente, então desista porque Maze Runner também trilha este caminho tão batido entre 2010 e 2015.

Recomendo :)
comentários(0)comente



Duda Mel @epifania_literaria 02/04/2017

CRUEL - Catástrofe e Ruína Universal: Experimento Letal
Esse foi o primeiro livro do autor que li. De início já gostei da escrita dele, apesar de, por algumas páginas, o desenvolvimento da história acabou sendo um tanto lento demais. Não nego, me frustrou um pouco. Por sorte, uma atitude de ímpeto do personagem fez as coisas realmente se mobilizarem e ficarem cada vez mais interessantes.
Thomas é um calouro na Clareira, um lugar aparentemente simples e desprovido de tecnologias avançadas (como televisão) cercado por um enorme Labirinto. Tirado de uma caixa escura, assim como todos outros garotos, só consegue se lembrar do próprio nome.
O local se desenvolveu por período estimado de dois anos, onde os Clareanos foram divididos e designados para atividades para manter a vida ali, desde plantio até criação de animais. Claro que tinham aqueles que tinham que correr muito e enfrentar o Labirinto na tentativa de encontrar uma saída - os Corredores.
Como se a insegurança de se perder em meio aos enormes muros de pedra cobertos por hera não bastassem, tinham que enfrentar bichos enormes e medonhos que ficavam entre alguma mutação de ser vivo e máquinas com garras e uma capacidade de matar latente nomeados de Verdugos. O maior medo para aqueles que conseguiam escapar essas criaturas era ter sido picado e passar pela Transformação.
Nessa Transformação (caso ministrado certo soro), a pessoa poderia sobreviver, contudo os flash's de realidade a mudavam para sempre.
Para fechar com chave de ouro, a Caixa novamente sobe ao encontro dos Clareanos trazendo não somente mais um "Trolho", mas sim umA caloura - Teresa. Com ela, o Término é destravado.
A Clareira está sujeita a mudanças que podem ser letais!
Apesar de ter empacado por um tempo na leitura, assim que retomei (me cobrando um pouquinho a findar o livro) entrei num ritmo excelente, pois a história fluiu com bastante facilidade. A escrita do autor, narrando em terceira pessoa, destaca bem os detalhes do lugar (em certas situações detalhes minuciosos até demais), os pensamentos e observações do protagonista em meio a mudança súbita de realidade assim como os cenários pelos quais passa.
Dentre vários pontos de curiosidade, sempre há aquele detalhe que algo descobrir se pega admitindo que nunca imaginaria que seria pelo motivo X que o autor teria feito aquilo. Nesse livro, um desses pontos que me chamou bastante atenção foi a origem dos nomes dos próprios personagens.
Minha impressão dos personagens foi variando aos poucos, contudo nada muito grande. Em síntese, Thomas é esperto, contudo um tanto bobo. Não fui muito com a cara de Teresa e entrei num relacionamento de carinho enorme com Minho e Newt.
Eu tenho uma queda grande por distopias e, mesmo parecendo ter algumas pontas soltas, o que eu espero que seja explicado no segundo livro, Correr ou Morrer deixou uma ligeira curiosidade em saber mais sobre o CRUEL e o Fulgor, que aparentemente teria dominado a civilização humana e toda forma de vida a ponto de quase levar ao fim dos tempos. Claro que, para saber mais sobre isso, é preciso enfrentar as forças e artimanhas dos Besouros Mecânicos, Verdugos e o misterioso Labirinto.

Instagram: www.instagram.com/epifania_literaria
comentários(0)comente



Glaucinha 06/03/2017

Uma aventura
Fiquei tão curiosa após vê o filme que precisava conhecer em detalhes a história e valeu muito a pena, correr ou morrer mostra em detalhes a sagacidade e apreensão em sobreviver ao labirinto
comentários(0)comente



Allan Carvalho 23/02/2017

Otimo livro
Um ponto do livro que gosto é quando o personagem sabe tanto quando eu, nada kkkkk.

Cada descoberta que o livro trás a sensação de um mistério ainda maior, desta forma prende o leitor em cada ponto. para aqueles que não leram, recomendo ler o livro um pelo menos, pois existe adaptação para cinema o que muitos ficam comparando, mas pode-se usar para ajudar a imaginar ainda melhor, e não pensem que está fiel, pois o livro enconde um mistério ainda melhor.

O livro se passa em uma clareia, onde quando chegam somente se lembram do nome, tudo que aprenderam lá foi devido a tentativa e erros. Mas tudo muda com a chegada de Tomas pois sua curiosidade está alem dos demais, e como se não basta um, em seguida aparece Teresa.

Um lugar onde somente homens chega, a primeira mulher mostra que o labirinto mudou. Se você adora um suspense com ação recomendo este livro.
comentários(0)comente



Mi 08/02/2017

Um ótimo início. ..
Um jovem acorda em um elevador, sem se lembrar de nada sobre a sua vida.
Nada.
Apenas o seu nome: Thomas.
O desespero o toma.
O elevador começa a subir
Subir.
Vozes.
Parecem de jovens? Sim.
Várias.
Não há nenhuma lembrança de te-las ouvidos antes.
O elevador para.
Garotos e mais garotos o observam.
Diversificação de idades.
Uma corda vai ao encontro de Thomas.
Alívio.
Bem vindo a Clareira.

Ao sair do Elevador, Thomas achava que finalmente tudo entraria nos eixos. Que ele iria descobrir o motivo de não se recordar de nada, como : sobrenome, idade. Que ganharia explicações , sobre o porquê de ter parado naquele lugar, a Clareira.
Nenhuma resposta.
Tudo que lhe é falado, é o seguinte:
Fique calado.
Tente sobreviver.
E em poucas semanas, você estará Feliz.
A nova vida começa amanhã.

Thomas finalmente consegue resposta, tovadia não são nada animadoras.
Nenhum dos garotos sabem como foram parar na Clareira( um espaço aberto , cercado por muros), não sabem o motivo, o propósito
O que apenas sabem, é que ao raiar do sol, todas as manhãs , as portas de pedra do Labirinto que os cercam se abrem, e ao anoitecer, se fecham.
E , que a cada 30 dias , um novo garoto. Um Novato. É entregue pelo o Elevador, a Clareira.
E por aí, se acaba as explicações.
A única coisa que todos os garotos da Clareira tem em mente é : Resolver o mistério do Labirinto , e acharem o caminho de casa.
O mais estranho de tudo isso, é que Thomas sente que ja esteve na Clareira antes. Um pressentimento. Não sabe bem como explicar.

A história toma rumos diferentes, quando um Som estridente, toma conta do local.
Um alarme avisando que há um novo novato.
O que no caso é bem. ..estranho. Pois a chegada de cada um , é de 30 dias de diferença do Novato anterior.
Fora, que é a primeira vez ,que um Novato é uma garota.
Ela ainda trouxe consigo uma mensagem para todos os Gladers ( habitantes da Clareira )
Nada continuará como antes.

E de alguma forma, Thomas participará do processo.
Alem da sensação de familiaridade com o local. Ele realizadou um dos maiores feitos , para alguém com tão pouco tempo de Clareira.
Algo nunca visto.
Ao realiza-lo foi considerado um "deus" para alguns , por outros alguém a quem se devesse tomar cuidado.
As suspeitas sobre ele não ser um simples Novato só aumentam, quando cada membro da Clareira, que passou pela Transformação ( So lendo pra saber mais do processo povão ) , que levaram uma picada do animal do Labirinto, além da Novata , mencionaram o seu nome. Tiveram alguma lembrança, " visão " , com a sua pessoa.
Mistééééério kkkk

Bem, Correr ou Morrer foi um livro que, admito, enrolei bastante pra ler.
E sendo sincero com vocês......Não me arrependo de te-lo lido. Gostei bastante da história.
Teve uma coisa ou outra que me incomodou ( coisa boba. Chatisse minha kkk ), mas nada que me fizesse desistir do livro, ou querer larga-lo.
O livro me prendeu do início ao fim.
Uma ótima leitura.
Que Super indico à vocês ; ) :)
Fabi 10/02/2017minha estante
olha olha, quem n dava mt crédito ao livro kkkkkkkkkkk
vai ler a continuaçao?


Mi 10/02/2017minha estante
Ainda não sei kkkkkkkkkkkkkk
Quero um romance agora kkk #ProcurandoUmBadBoy kkkk


Fabi 11/02/2017minha estante
vixi, isso ta raro de achar kkkkk




Bartolotto. 03/02/2017

Aiiii, achei o final mega triste, já sabia e tal mas mesmo assim, quase chorei. Gostei de ler de novo com um pouco mais de atenção dessa vez, me fez pegar detalhes que passaram desapercebidos. Esse é um dos únicos livros que é diferente do filme mas não de uma maneira ruim, eu gosto mais do filme, mas o livro é legal de uma maneira diferente, com certeza vou ler o segundo, estou bem curiosa pra saber o que acontece. :)
comentários(0)comente



Midori 28/01/2017

Quando o importante é sobreviver...
Distopia que nos leva a uma análise interessante e esse segundo livre traz novas perspectivas do que se pode chegar a fazer prla sobrevivência.
comentários(0)comente



Bruninha 20/01/2017

Recomendo! Amei o livro!

Antes de tudo, adorei a ideia. É um futuro apocalíptico mesmo, onde as esperanças estão quase no fim. Também gostei o motivo. Não é algo fantasioso, como zumbis e cia. É uma teoria, ou seja, realmente pode acontecer. Ficção, mas com aquele toque de realidade.

Logo no início, James capta nossa atenção. Com sua narrativa boa, é uma leitura fácil e agradável. Misturada como todo o mistério (tem bastante suspense, o que é ótimo) da história... Bum! Você termina o livro rapidinho. A narração é em terceira pessoa, nos dando uma visão geral do que acontece, mas o narrador também foca nos pensamentos de Thomas, então não fica aquela coisa impessoal. Gostei disso, porque ficamos num meio termo. Visão geral e pessoal ao mesmo tempo.

Os personagens são cativantes (não muito, mais são), principalmente Chuck. Ele é a fonte de felicidade da história. Gostei bastante de Thomas, Minho, Newt e Chuck. Caras bem legais. Não gostei da Teresa porque a criatura foi a que menos ajudou na fuga e tals, e ainda sai viva (como eu queria trocar ela de lugar com o Chuck!).

Mas uma coisa que eu achei desnecessária foi o romance entre o Thomas e a Teresa. Não a conexão mental, o romance. Porque, ok, James quis colocar um casal e tals... Mas eu não senti motivos para isso. Sei que tem aquele papo de "não escolhemos por quem nos apaixonamos", mas, se você comparar, teria muito mais sentido um romance entre o Thomas e o Newt do que entre ele e a Teresa! É sério! Há varias passagens (eu até fiz uma lista), onde Thomas sente-se bem ao ver Newt e coisas do tipo. Mas não tem isso com a Teresa. Achei meio forçado.

Mas tudo bem. Sempre tem aquela personagem que você não gosta porque só serve pra atrapalhar.

Outra coisa que achei legal, é que os "Clareanos" tem suas próprias gírias. Não são impossíveis de entender, são até legais. Faz parecer mais real - afinal, até parece que existe um lugar que a população habitante não tenha suas gírias. Além disso, aquele lance dos nomes (Thomas Edison, Albert Einstein)... Simplesmente genial! Palmas para James.

Leia o livro que você não se arrependerá.
comentários(0)comente



Erikinha 15/01/2017

Desesperador
Estou desesperadamente louca atrás de respostas.
Cada página é uma dúvida que brota, estou tão louca quanto o Tom quando faz suas perguntas e ninguem responde.
Comecando o segundo livro me sentindo desesperada por respostas.
comentários(0)comente



436 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |