Os Sofrimentos do Jovem Werther

Os Sofrimentos do Jovem Werther Goethe




Resenhas - Os Sofrimentos do Jovem Werther


249 encontrados | exibindo 46 a 61
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 |


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Mu 03/05/2011

“Não sou o único: todos os homens estão sujeitos a sofrer dores e desilusões, e ver seus sonhos frustrarem-se.”
Werther, pág. 101
Quem conhece um pouco a história desse livro sabe que um dos fatos ‘curiosos’ e aterradores em volta dele é que, à época de seu lançamento no século 18, causou uma onda de suicídios entre multidões de leitores, absolutamente identificados com o jovem Werther.
Gostei muito do livro apesar da tristeza e do desespero alucinado do personagem. Acredito que a capacidade de se identificar com um personagem ou com um sentimento que uma obra transparece é um dos determinantes de sucesso e apreço de um livro. O tema é muito complicado e controverso e acredito que identificação de fato seria no mínimo preocupante.
A taxa de suicídio no Brasil, dentre as três causas de morte violenta, foi a que mais subiu (17% na população total e na faixa etária de jovens entre os 15 e os 24 anos) no período de 1998 a 2008. Entre os índices mais elevados de suicídio encontram-se muitas áreas de assentamentos indígenas, como em Amambaí e Paranhos, no Mato Grosso do Sul, que são o topo da lista de suicídios da população total e Dourados no mesmo estado e Tabatinga, no Amazonas, que lideram a lista da população jovem, segundo o Mapa da Violência/2011, divulgado em fevereiro. Contudo, em comparação com outros países o nível de suicídios no Brasil é considerado baixo, ocupando a posição de número 73 na lista dos 100 países pesquisados, com o índice de 4,9 suicídios a cada 100 mil habitantes.
Apesar das estatísticas e do perigo de uma identificação exageradamente apaixonada como aconteceu quando o livro foi lançado, a própria história que inspirou ‘Os sofrimentos do jovem Werther’ (história real acontecida com o próprio Goethe, que se apaixonou por Charlotte Buff, que já estava comprometida e se casou com outro) mostra o outro caminho do sofrimento. Caso Goethe tivesse sucumbido do mesmo mal de seu intenso Werther, o mundo e a Alemanha teriam sido privados de obras como Fausto, Ifigênia e das cartas intensas e melancólicas do jovem Werther.
É impressionante a intensidade, subjetividade e cuidado da descrição, nas cartas do personagem ao amigo, como um jovem de espírito livre, intenso e com imenso apreço pela vida, a natureza e as pessoas sensíveis, vai se eclipsando e sendo engolfado pela iminência de uma decepção profunda: ver a pessoa amada se juntar a outra. A diferença das primeiras cartas para o período em que o noivo da doce Lotte retorna a cidade vai radicalmente se pronunciando a ponto de o jovem sensível e apaixonado de antes se tornar um pobre atormentado por todo e qualquer acontecimento infeliz ligado diretamente ou não a sua vida.
A leitura não é difícil, mas chega a ser aflitiva quando, se aproximando do clímax final o leitor sabe o que está por vir e alguns dos personagens também o sabem, mas espera e até deseja que haja um imprevisto, talvez alguma intervenção inesperada. Em livros assim, envolventes e intensos, é impossível deixar de torcer para um final diferente e acho que é isso que mantém um clássico: a leitura que se renova e provoca quem lê.
“A natureza humana – continuei – é limitada: podemos suportar a alegria, o sofrimento, a dor, mas só até certo ponto; quando ele é ultrapassado sucumbimos. Portanto, aqui não se trata de sabe se um homem é forte ou fraco, mas se é capaz de suportar a medida de seu sofrimento, seja moral ou físico. Considero tão absurdo dizer que um homem é fraco porque se mata quanto chamar de covarde aquele que morre de uma febre maligna.”
Werther, pág. 63

Fontes que ajudaram a escrever essa resenha:
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/taxa+de+suicidio+no+brasil+sobe+17+em+10+anos/n1238111374748.html


Visite: http://animaelibri.blogspot.com/
comentários(0)comente



Thatá 14/03/2013

Não tem como não se apaixonar pelo Werther!
Aline 02/05/2013minha estante
Vem ni mim, Werther!!




paulargm 31/01/2017

Sofrimento...
Enfim, livro lido! Ele é super pequeno, mas me enrolei bastante para ler.
Isso porque o máximo que eu aguentava era umas cinco páginas por vez.
Achei interessante. Pensando na época em que foi lançado até poderia aumentar a classificação... mas achei melhor deixar assim, porque é melodrama demais para o meu gosto.
zeleandromasi 04/10/2017minha estante
Finalmente eu encontrei um comentário parecido com o que eu achei do livro.
Eu tive que pular algumas passagens, principalmente aquele texto final que ele leu para a Lotte.
Foi tão angustiante terminar esse livro. Eu achei bem interessante o sentimento que ele colocava nas cartas que ele endereçava para o amigo dele. Mas depois da metade do segundo livro, tudo o que eu queria mesmo era acabar de vez com o livro.




Gláucia 28/06/2012

Os Sofrimentos do Jovem Werther - Goethe
O livro é bem escrito, cheio de poesia e lirismo. Não fosse isso teria recebido de minha parte menos estrelinhas pois não achei nada de extraordinário na história, o protagonista não é marcante. Também achei bem exagerados os preparativos finais de Werther, tudo muito teatral, talvez até mesmo para a época. Espero que já não seja inspirador como foi considerado na ocasião de seu lançamento.
comentários(0)comente



Cássio 01/12/2012

A história do livro é bastante linear e simples (e chata também), desde a primeira página você já sabe o que vai acontecer no final( ainda mais se você ler a edição da "Martin Claret" onde eles fazem spoiler logo na sinopse do livro)

Os únicos pontos positivos do livro na minha opinião são as reflexões que Werther faz sobre o espirito humano

e aposto que se o Werther( puta cara insuportável)não tivesse se matado , o amigo dele para quem ele escreve as cartas teria o feito...
comentários(0)comente



Raffert 07/10/2009

Esta coisa louca chamada amor.
Quando Werther diz: "Eu tenho tudo. Sem a presença dela, tenho nada."
Confessem, quem já não se sentiu assim alguma, ou algumas, vez. A solidão dele é identica a de Don Juan. Seria polêmica minha afirmação?
Werther se suicida por não ter seu objeto de desejo. Don Juan se deixa suicidar por não encontrar seu objeto de desejo, a perfeição do humano. Excelente.
Rogerio 26/11/2012minha estante
spoiler cara!




Maya 22/04/2011

Apenas bom.
Não sei se minhas expectativas foram altas, mas, achei o livro apenas bom. Foi muito bem escrito e com passagens lindas, porém, não consegui enxergar ou sentir todo esse fascínio das pessoas em relação a este livro.
Paty 23/12/2011minha estante
Poxa, senti a mesma coisa. Acho que foram as expectativas e toda a polêmica que gerou. Já não me sinto mais estranha depois de ver tantas avaliações positivas enquanto a leitura se seguiu arrastada para mim --




Ave Fantasma 17/04/2012

Os pensamentos e questões discutidas por Werther são magníficas cheias de esperança e ao mesmo tempo com muita tristeza. Ele se entrega tão apaixonadamente por Lotte que cega sua razão crescendo a loucura do amor por ela de uma forma que ultrapassa o amor próprio, ele não pode viver sem Lotte e assim a história termina de forma chocante. Não sei se o admiro pelo fascínio de seu louco amor ou se o desprezo por ter se acabado de tal forma.
comentários(0)comente



Gabriel Leite 29/04/2013

Considero o romance como uma grande justificativa para o pecado imperdoável de acabar com a própria vida.
Aline 02/05/2013minha estante
A moral religiosa não é o foco do livro.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Jeanne 06/02/2017

Finalmente reli o tão odiado Werther. Sim, na primeira vez que o li eu odiei; fiquei com raiva da trama, detestei o fato do personagem ser tão apaixonado, de amar tanto Charlotte a ponto de morrer por isso. "A vida é mais do que amar alguém. Como pôde ser tão tolo?" Isso foi o que passou pela minha cabeça de 16/17 anos. Após 5 anos eu considero que enfim eu soube ler Goethe e deixar-me levar por esta história.
Acredito que haja inúmeras boas resenhas sobre esse livro que discorram sobre a trama e o contexto histórico, então eu não irei me estender quanto a esses aspectos.
O livro é magnífico, envolvente, comovente. Para mim, uma das melhores e mais belas coisas que eu pude ler e, finalmente, compreender.
"Acho tão espantoso chamar de covarde um homem que se suicida, como seria impertinente chamar de covarde alguém que está morrendo de uma febre maligna." (p. 56)
comentários(0)comente



Lady Araujo 24/07/2011

O sofredor apaixonado
*Retirado de antenaliteraria.blogspot.com


Imagine um livro que de tão profundo e real provocou milhares de suicídios por toda a Europa no século 18, Os Sofrimentos do Jovem Werther foi esse livro. Em 1771 Goethe, um escritor alemão, deu início a um movimento chamado Sturm and Drang (Tempestade e Ímpeto) este culminaria no Romantismo. Durante essa fase de descobrimento de uma nova escola literária, o jovem Goethe conhece Charllote Buff, noiva de um amigo seu. Esse caso de amor impossível renderia um livro um ano e meio depois, que torno Goethe conhecido por toda a Europa a posteriormente pelo mundo.

Os Sofrimentos do jovem Werther (1774) é o marco do Romantismo europeu. O autor apresenta muitas artimanhas para tornar a trama cada vez mais verossímil e real. As datas, a preocupação em modificar o nome das cidades citadas no romance e até o cunho quase autobiográfico torna a história mais emocionante e real. O enredo é contado através de cartas que o Jovem sofredor Werther escreve ao amigo confidente Wilhem. Werther relata toda sua paixão avassaladora por Charllote, noiva de Albert. Ao longo do romance Werther faz reflexões a respeito da vida e dos sentimentos humanos que levam o leitor a pensar.

Werther, nosso personagem principal é um jovem de classe média-alta muito amigo da vida. Sempre muito intelectual Werther gasta seus dias entregue a leitura de grandes clássicos, a pintura e observação de paisagens. Muito sentimentalista, ele chama de tolos àqueles que usam muito da razão em suas escolhas, apresenta algumas questões filosóficas que intrigam o leitor. Werther é considerado um personagem do tipo redondo, pois no decorrer da leitura ele apresenta mudanças de caráter e humor muito significativas. Werther que antes era uma alma vívida e feliz, agora aparece como um triste e pavoroso vulto de vida.

Todo sofrimento do nosso herói problemático é causado pelo amor impossível deste por Charllote, a amada perfeita. Aqui uma característica marcante do Romantismo fica bem clara, a exaltação da mulher. Charllote é uma moça muito delicada e doce, por ocasião da morte da mãe ela tem que cuidar de seus irmãos, característica que chama muito atenção de Werther.

Albert é o vilão bonzinho, ele é noivo da Charllote, um moço muito sensato e respeitoso. Nosso antagonista é um pouco diferente dos normais, ele é muito estimado por Werther e os dois vivem uma grande amizade, unida pelo amor que ambos sentem por Charllote. E por fim Wilhelm, o amigo confidente. É ele quem orienta (ou tenta orientar) Werther. Wilhelm aparece como o lado pensante de Werther, a Wilhelm que Werther escreve as cartas relatando sua trágica história de amor, este por sua vez as reúne e transforma-as em livro.

Para os apaixonados ou para os que perderam a fé no amor, Os Sofrimentos do jovem Werther te leva à beira do abismo que é a paixão desenfreada, dali você poderá ver o que o amor é capaz de fazer com uma pobre alma.
comentários(0)comente



Re 02/07/2014

OS SOFRIMENTOS DO JOVEM WERTHER
MOVIMENTO LITERÁRIO:Romantismo Alemão
AUTOR:Johann Wolfgang Von Goethe
ANO DA PUBLICAÇÃO:1774
TIPO DO ROMANCE:Romance Romantico
FOCO NARRATIVO:Romance narrado em 1ª e 3ª pessoa.Como a obra é dividida em 2 partes na primeira tem-se as cartas de Werther narrando os acontecimentos em 1ª pessoa.Na segunda a narrativa aparece em 3ª pessoa com relatos mais explicativos da história amorosa

PERSONAGENS PRINCIPAIS

Werther: o protagonista da obra passa a viver uma vida de sofrimento e melancolia quando se depara com a impossibilidade de viver com seu grande amor (Charlotte).Na verdade desde o começo ele já estava ciente que esse amor seria impossível,porém essa questão só recai sobre ele com força quando o noivo de Lotte (Albert) retorna. A partir desse momento a vida de Werther foi só tormento.Toda dor, tristeza e pessimismo foram descritos pelo protagonista em suas cartas que eram endereçadas a um amigo chamado Wilhelm.

Charlotte ou Lotte: amada de Werther e noiva de Albert, Charlotte é a idealização de mulher romântica, educada, culta e delicada, embora não apresente uma paixão avassaladora por Werther ela nutria um profundo sentimento de amor e respeito pelo rapaz, entretanto esse amor não foi suficiente para salvá-lo do suicídio.

Albert: noivo de Lotte é graças a ele que a dor de Werther aumenta, o protagonista sente uma certa apatia por Albert mesmo assim o mesmo admirava e respeitava muito Werther. Após o casamento com Lotte Albert acaba tornando-se mais frio com o jovem protagonista a ponto de pedir a Charllote que proibisse as vindas do rapaz em casa. Essa foi uma decisão que magoou Werther profundamente contribuindo no desejo de morrer.

Os Sofrimentos do Jovem Werther, foi publicado em 1774 pelo escritor alemão Johann Wolfgang Von Goethe.Nessa obra é possível perceber com clareza as características românticas, como a sensibilidade, o sentimentalismo o idealismo (representado em Lotte) e o apego pela morte, isto é, a morte passa a ser vista como uma saída para as dores e os sofrimentos.
Uma passagem da vida de Goethe foi que o motivou a escrever essa obra, pois o autor nutria um amor ardente por uma jovem chamada Charlotte (nome da personagem da obra),porém essa moça era noiva de um amigo e com isso o amor de ambos (Goethe e Charlotte) tornou-se impossível, tal fator quase o levou ao suicídio
Esse romance é dividido em duas partes a primeira é filosófica e apresenta um auto grau de lirismo a segunda é mais descritiva e narra os acontecimentos finais dessa história amorosa. Essa é uma obra marcada pela melancolia e pela tristeza de Werther que depois de se cerificar da impossibilidade de estar com a sua amada passa a desejar cada vez mais a morte:

Permaneço aqui entregue as lágrimas, esperando a manhã.Abram a sepultura, amigos dos que morrem, mas não a fechem até que eu chegue(GOETHE,2000,p.106)

O autor não deixa na obra relatos de que Werther tenha sido feliz antes de encontrar Lotte, entretanto após encontrá-la e perceber que a mesma nada mais era do que um objeto inalcançável, sua felicidade passa a ser transparecida em quase todas as suas cartas:

Não posso pedir a Deus: “Faça com que ela seja minha!” E, todavia, parece-me, às vezes, que ela é minha.Mas ela pertence a outro. Brinco com minha própria dor e, se não conseguisse me controlar, faria uma ladainha de antíteses.(GOETHE,2000,p.86)

Entretanto mesmo com toda melancolia, para Werther seria mais fácil tirar a própria vida do que a vida de alguém que o desagrada,esse fator fica bem evidenciado na passagem em que ele cogita tirar a vida de Albert e em seguida desconsidera tal pensamento:

“Quando mergulho, assim, nos meus pensamentos, não consigo evitar esta ideia:” Que aconteceria se Albert morresse? Você seria...Sim, ela seria... “E então persigo essa fantasia até que ela me conduza a abismos, e estremeço e recuo (GOETHE,2000,p.76)


Também é possível perceber a ideia do amor que nunca morre, do amor que vai alem da morte, que é uma outra característica romântica.Werther acredita nesse amor com isso almeja morrer para esperar Lotte em outra vida

Desde aquele momento,você é minha, minha Lotte! Parto antes.Vou ter com meu Pai, o seu Pai! Dir-lhe-ei as minhas penas e ele me consolará até a sua chegada.Então correrei ao seu encontro, abraçar-te-ei, e ficaremos,em face do Eterno, unidos por um abraço eterno (GOETHE,2000,p.113)

Em toda a obra é possível observar a profunda tristeza,dor e sofrimento do personagem protagonista que remete a leitura as mais profundas características românticas.Com isso a morte passa a ser enaltecida, pois ela é mencionada em boa parte das cartas como um refúgio para Werther.Além da própria idealização da mulher vista em Lotte.Charlotte representa o ideal de mulher romântica, bela,frágil e educada para ser uma boa esposa.
Contudo não somente a mulher é idealizada nessa obra como também o amor, isso porque o amor ideal para um romântico é aquele que além de puro deve ser imortal e para ser imortal alguém deve morrer. Essa é a ideia do amor espiritual que jamais pode ser carnal.Tem-se como exemplo disso as obras Amor de Perdição e Eurico o Presbítero em que as personagens principais embebidas pelo amor e ciente da impossibilidade do mesmo encontram refúgio na loucura ou na morte.Nessa obra ocorre o mesmo com Werther que no desespero de um amor não correspondido, suicida-se
Entretanto as cartas do jovem Werther geraram um grande impacto na sociedade da época.Segundo relatos essas cartas foram proibidas de serem publicadas pois causaram uma onda de suicídio entre os jovens daquele período.Essa questão também foi abordada por Moisés de maneira seguinte:

Em 1774 Goethe publica Werther, símbolo acabado dos males da imaginação que levam ao suicídio e que se tornaram verdadeira mania na Europa do tempo,chegando até a refletir-se entre nós (MOISÉS,1982,p.140)

Com base nesses relatos é possível afirmar que era típico dos românticos da época colocarem a emoção a frente da razão sendo esse o fator principal que os levavam a depressão, a loucura e até a morte. Werther apresenta claramente esse perfil de homem romântico frágil e incapaz de lutar contra os próprios sentimentos encontrando a solução apenas na morte.

REFERÊNCIAS


GOETHE,Johann Wolfgang Von.Os sofrimentos do jovem Werther.3.ed.São Paulo:Martin Claret,2000

MOISÉS,Massud.A literatura portuguesa.18.ed.São Paulo:Cultrix,1982
comentários(0)comente



Mara Vanessa Torres 31/08/2009

Paixão, morte e tormento.
Qual é o limite do amor? Em 'Os Sofrimentos do Jovem Werther', Goethe não questiona; ele responde. E a resposta soa como os augúrios que tanto caracterizam o mal-do-século: morte.

Obra prima bem detalhada e representativa de toda uma geração, mas me dou a liberdade de presenteá-la com apenas 3 estrelas (um pouco mais da metade, eu diria), justamente por se tratar de uma temática/opção que eu não aprecio e onde acredito que deveria ser melhor direcionada.

Quanto à estética: excelente! Normativismo, liberdade, subjetividade, idealização da figura feminina... Perfeita representação de uma época.
comentários(0)comente



249 encontrados | exibindo 46 a 61
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 |