A Prometida

A Prometida Kiera Cass




Resenhas - A Prometida


135 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Mari 04/06/2020

Não é para mim
Definitivamente esse não é um livro para mim. Nenhum personagem teve uma construção que me encantasse, achei a escrita comum, sem diferencial e, resumidamente, achei um livro insosso.

Até 90% do livro eu não me importava com ninguém e nem sentia vontade de continuar a história. O final começou a ficar mais interessante, apesar de até o momento eu não estar conseguindo acreditar naquele desfecho.

A autora deixou um gancho para uma continuação que não funcionou para mim, porque provavelmente não lerei a continuação. A sensação que tive é que a narrativa só começou de fato no final e se a autora ia conduzir a história por este caminho, por que não fazer desde o princípio? Seria até mais interessante.


Sara Hayasaka 04/06/2020

Os momentos mais marcantes estão nas páginas finais, o que me faz acreditar que a continuação tem tudo para ser melhor.
comentários(0)comente



tetê 03/06/2020

Um inicio entediante para um final interessante
Ao ler as primeiras páginas dava como certa um enredo sem arrancar calafrios. Uma mocinha confusa, um rei que não se esforçava para encantar e uma "amiga" chata e invejosa. No entanto, na metade do livro quando tudo caminhava para o óbvio o inesperado acontece, uma mocinha interessante com vontade de saber mais. Acredito que os próximos livros serão melhores do que esse primeiro livro que parece ser mais uma introdução.
comentários(0)comente



Mandy 03/06/2020

Lady Hollis cresceu no castelo e faz parte da corte de Coroa, é uma personagem extrovertida, dedicada, que cuida de quem ama. É uma das pretendentes do rei, que se declara a ela, e como é encantada nele fica radiante achando que teria seu final feliz, mas nem tudo são flores. Na história do país as rainhas sempre se destacaram mais com seus feitos e ela está disposta a fazer jus a isso, mas percebe que Jameson (o rei) só a quer como um enfeite.
Eu achei que no relacionamento deles tudo aconteceu muito rápido e não se portam como um casal, ele continua tratando ela como uma súdita e um objeto por todo o tempo e ela o venerando e querendo o agradar, fica óbvio que ela só quer estar com ele devido o fato de ele ser rei, além de não ter química nenhuma entre os dois.
O terceiro membro do triângulo amoroso é introduzido na chegada de uma nova família do reino vizinho (Isolte) na corte de Coroa, mas percebe-se que ela está interessada nele de um modo bem amor a primeira vista, o que eu achei uma forma forçada. Em sua primeira conversa com a lady pensei que ia torcer pros dois, o que também não aconteceu. Entretanto, na minha percepção ele é a representação de uma vida livre da nobreza e não apenas um amor para Hollis
o primeiro terço do livro é basicamente a Hollis encantada com o rei e a apresentação e chegada de novos personagens. Da metade pra frente parece que a principal fica menos sonhadora e começa a botar o pé no chao, enxergando coisas que antes era conto de fada na cabeça dela, e a partir daí a leitura ficou bem mais interessante para mim. Ao decorrer do livro nota-se um autoconhecimento da Lady Hollis e eu acabei gostando demais dela, a evolução da personagem me agradou demais.
minha única frustração foram as relações rasas, não só amorosas, mas familiares e de amizades também, havendo uma rivalidade feminina no meio que achei bem aleatória e desnecessária.
Apesar desses pontos, gostei das amizades que ela fez durante a história e apreciei mais ao decorrer do livro, só ficou faltando uma construção mais profunda para nos conectarmos realmente
não achei que o destaque do livro foi o romance, apesar de estarem presentes por todo decorrer da história o reino e as relações políticas me marcaram bem mais. Não é um livro que te prende pelos acontecimentos, que te surpreende e que marca sua vida, mas a escrita é incrível e muito fluida.
Mesmo com muita decepção e críticas negativas sobre A Prometida eu recomendo sim, achei o livro gostoso e divertido, além de ter um plost que eu realmente não esperava. E o final me deixou ainda mais esperançosa para o segundo da duologia
comentários(0)comente



Amanda Araujo 03/06/2020

Espera mais desse livro/autora
A história estava legal, até que houve uma mudança de casal principal e não senti que houve a conexão entre o novo casal, que a autora tentou mostrar. Não houve química alguma entre eles e não me encantou. Porém, ainda assim, a mensagem sendo ensinada por trás dessa mudança foi interessante e me prendeu. No entanto, o final acabou me decepcionando por completo e levou de vez qualquer chance de achar que o livro é bom. Esperava muito mais!


Lara.Bia 03/06/2020

Sofrida
Comecei a ler por curiosidade e esse é o famoso livro denominado perda de tempo. Com personagens mais rasos que o laguinho da minha cidade e com um casal que se apaixonam instantâneamente e que não possuem química nenhuma você tem o resultado de uma história fraca.
Tentou trazer um lado mais politizado que não funcionou, principalmente por causa da cabeça de vento que é a personagem principal.
Só dei um pouquinho mais de estrela por causa da reviravolta no final, e espero q ele realmente não volte


Gabi 02/06/2020

#desafioSKOOB
Uma coisa tem que ficar clara, o livro não é sobre um triângulo amoroso kk.
A história é sobre uma menina que não se conhece bem, é desprezada pelos pais e de uma hora pra outra consegue a atenção de um rei. Ela vê na coroa uma chance de agradar os pais, a sociedade, provar o seu valor e tanana....
Quando ela encontra um rapaz e com ajuda dele começa a se conhecer melhor, isso entra em conflito com o que todas as pessoas que ela conhece espera dela. Essas pessoas dependem do possível status dela de rainha para ter a "felicidade" que tanto desejam.
Eu achei interessante esse tema do livro, é uma questão ainda atual, até onde podemos chegar pra receber a aprovação das pessoas? E será que teremos coragem de jogar tudo pro alto e ir atrás do que realmente importa pra nós? Acho que esse tema podia ter sido melhor explorado.
Enfim esperava mais. Mas eu gostei sim, e a escrita da Kiera é muito boa!
comentários(0)comente



spoiler visualizar


Ingrid (@leiturasdaingrid) 01/06/2020

Uma bomba (?)
Primeiramente eu queria falar que não tinha nenhuma expectativa para este livro. Já tinha visto várias críticas terríveis, mas sem ler, então eu sabia que o livro não estava agradando mas não sabia o porquê.
A opinião geral, com a qual eu concordo, é que a história foi muito mal construída, mal desenvolvida. Parece que já começa no meio. Sem contar que não conseguimos notar a evolução da Hollis, não deu pra ver onde foi que a garota que começou o livro fazendo guerra de amora cresceu ao ponto de deixar tudo pra trás para seguir sua nova família.
Pra mim também não fez sentido nenhum o Jameson. Eu queria entendê-lo, queria gostar dele, mas eu não conseguia compreender nem sentir o personagem, saber os motivos dele, não deu para conhecê-lo nem um pouco! O mesmo para o Silas, não engoli aquela paixão a primeira vista, simplesmente não deu pra ver a magia acontecendo.
No fim, numa tentativa de clímax, ela repete o que fez em A Escolha e explode tudo, o que pra mim é um truque MUITO RASO para resolver problemas para os quais ela não tem solução. Foi tão jogado que eu ri de tão perplexa nessa cena, cuja intenção era provocar lágrimas, aposto.
Eu li até o final e vou ler o 2 porque escrita da Kiera é sensacional na forma, mesmo que nos últimos livros esteja deixando muito a desejar no conteudo. E bom, se você souber que tem falhas de desenvolvimento do começo ao fim pode até curtir, querer saber onde vai dar...
comentários(0)comente



Sil 31/05/2020

Um romance para quem não procura outra A Seleção
Kiera Cass anuncia um novo livro, do nada, e claro que a internet vai praticamente abaixo. Expectativas foram criadas e elevadas a cada dia após a revelação de capa e sinopse e o hype da editora, não é para menos... uma autora muito querida pelas leitoras de YA e fantasia não poderíamos esperar outra coisa. Então imaginem a minha surpresa quando a Seguinte liberou o e-book do livro para seu parceiros e os que finalizavam a leitura não estavam felizes com a história que a autora nos entregou? Eu como não sou boba e nem nada fui logo lendo para tirar minhas próprias conclusões.

A PROMETIDA, assim como o grande primeiro sucesso da autora A Seleção, se passa em um mundo de monarquia e, consequentemente, patriarcado. Hollis, a protagonista, é uma jovem que vive no palácio e chamou a atenção do rei Jameson após ele se cansar de outras garotas que estava cortejando. Pessoalmente ela não acredita que chamaria a atenção do rei mas ao mesmo tempo deseja toda essa atenção pois quer ser respeitada como uma rainha e fazer parte da história de Coroa (o nome do país deles) como as outras rainhas da história. E isso é basicamente tudo o que vimos de Hollis durante uma grande parte da história, infelizmente. Eu gosto muito quando leio um livro e, mesmo não amando a protagonista, ou algo assim, eu ainda sinto empatia e simpatia por ela e no fim das contas torço para que ela seja feliz, mas com Hollis foi diferente. Claro que não fiquei torcendo para ela se dar mal, mas eu não consegui me conectar de verdade com ela. Enquanto Hollis dizia estar apaixonada pelo rei eu nunca senti de verdade lendo suas palavras de paixão e sensações que isso era real, da mesma forma que eu também não senti isso quando ele teve Silas (sim, temos novamente um triangulo amoroso). Apesar de a sinopse prometer uma personagem de opiniões fortes ela foi somente uma personagem comum, principalmente se colocarmos em contraste com Delia Grace (a melhor amiga e dama de companhia das Hollis); que sempre foi vista a margem daquela sociedade e sempre se dedicou para ser uma pessoa bem vista conforme suas virtudes. Delia Grade estudava línguas, politica, história e tudo o mais e ela sim poderia ter nos apresentado opiniões fortes, mas foi ofuscada pela sua amiga que era preguiçosa e só pensava em vantagens que a realeza poderia lhe dar.

Sobre os demais personagens, infelizmente, também não tem profundidade. Eu me pergunto como um livro com cerca de 350 páginas conseguiu não se aprofundar em nada na história de seus personagens. Mesmo quando Silas apareceu com sua família, sendo refugiados de um reino vizinho, demorou muito tempo para uma pequena explicação sobre eles ser dadas a nós e o que me deu mais raiva nisso foi a falta de curiosidade Hollis, mesmo percebendo que tinha algo errado. Talvez isso prove o ponto que eu disse no paragrafo anterior a respeito dela. Mesmo a história do rei Jameson, que teoricamente ela deveria saber por viver dentro do palácio ainda assim foi um mistério grande parte da obra (mesmo que não tenha grandes coisas a serem reveladas nesse quesito). E por falar no rei eu preciso aplaudir a Kiera por saber fazer reis tão insuportáveis em seus livros. O rei Jameson até parece ser um homem legal no inicio do livro, mas aos poucos algumas de suas falas revelam parte da sua personalidade, que por acaso é a personalidade que um rei deve ter ainda mais em uma sociedade patriarcal como Coroa é, então não deveria haver surpresas nisso, entretanto por ser um romance é claro que eu queria ele fosse um fofo.

Ao contrário do que parece, em um contexto geral, eu gostei do livro. Mesmo sem nos mostrar muito sobre os personagens a autora me conquistou com a história em si, mostrando um preconceito que as pessoas tem por estrangeiros e com desejo de ser algo maior do que é. O livro em si tem um clima bastante alegre e é muito gostoso de ler (eu terminei em um dia), e por se tratar de uma duologia é claro que o final tem surpresas que abrem debates para as leitoras criar teorias sobre o futuro das personagens. Eu vou sim ler a sequencia quando sair e vou torcer para que a autora não volte atrás em algumas decisões, mas que ainda assim seja um final digno de princesa para Hollis.

site: https://www.kzmirobooks.com/
comentários(0)comente



Leitorajovem 31/05/2020

O que dizer de A Prometida, além do óbvio, que é péssimo, sim, Kiera parece ter parado no tempo e escrito algo para novos leitores, e não para os antigos, desde A Seleção, eu por exemplo li a trilogia com 15 anos e AMO, e acredito que a prometida venha a agradar mais quem tá nessa faixa etária de 12 a 15 anos, não sei, é somente o que acho

Kiera, pelo visto, não cansa de usar a fórmula de triângulos amorosos, alô queridaaa isso não agrada ninguém kkkk

Temos aqui a Hollis, uma protagonista que não sabe o que quer, que se importa muito com ela mesma e vive na própria bolha, sempre chateada com problemas bobos que ela sendo privilegiada tem, as motivações dela são bem rasas, ela tem um problema com a família que pra mim é injustificável, sabe, não vi motivo pra todo aquele ódio que eles sentiam, a Hollis não tinha um pingo de respeito com os pais. Ela não é uma personagem divertida ou cativante, as tentativas da Kiera de descrever situações engraçadas foram totalmente falhas, porque esse não é um livro divertido, nem emocionante, nem inspirador, é somente entediante.

Não consegui gostar de nenhum personagem, o enredo é fraco. Pra mim, ficou claro que a Hollis não sabe nem o que é amor, em um momento ela está total e perdidamente apaixonada por Jameson, no outro ela já não consegue viver sem o Silas, e tipo, isso acontece num piscar de olhos, em questão de duas páginas mais ou menos, daí da pra ver o quanto os relacionamentos aqui são mal desenvolvidos, passei a leitura toda revirando os olhos por que nada me fazia acreditar que o que tava acontecendo ou as emoções dos personagens eram reais, porque são todos totalmente artificiais e eles podiam ser muito bem aproveitados, mas não foram.

Voltando ao triângulo amoroso que aqui é tão horrível e desnecessário que eu preferiria que a Hollis se relacionace com o Ethan, eles começaram com uma impressão nada legal um do outro, então, acredito que um desenvolvimento para eles serem um possível casal seria bem melhor do que ela com o idiota do Jameson e o entediante Silas.

Ressaltando, as relações tanto de amizade, familiares e amorosas nesse livro são rasas, sem desenvolvimento, eles só foram jogados na história e gostar de qualquer um deles se tornou impossível.

Eu já não tinha expectativas com essa leitura, e li mais pelo fato de que a própria autora falou que era uma história mais sombria, a parte em questão, foi descrita de forma bem mixuruca, não senti emoção alguma ao ler e nem me surpreendi, resumindo foi mal descrito. Apesar de não ter esperado muito dessa leitura, me decepcionei e nem sei se quero ler a continuação, a Hollis não tem muita personalidade, então no próximo livro ela tem que encontrar uma pra eu poder vir a gostar kkkkkk


Ahhh um adendo, eu não me senti lendo algo que se passa no século XVI, onde a história é retratada.

Ok, ok, eu só falei mal, mas foi a realidade kkk porém, a Kiera tem uma escrita legal e os capítulos são curtos


Ana 31/05/2020

A injustiça com esse livro ¥
Vou ser direta: tava rolando um hate gigante nesse livro pela história ser rasa, sem aprofundamento nos relacionamentos da personagem principal, nos momentos, que os leitores não estavam conseguindo se prender na história e quando aconteceu o plot twist (que eu não vou contar qual é para não dar spoiler), esses leitores não sofreram com nenhum sentimento, pois não tinham se apegado aos personagens.
Eu gostei muito desse livro! Até pode ser um pouco raso, mas nada gritante. Eu acho que a Kiera Cass (autora do livro) deixou alguns fatos em aberto para detalhar e explicar bem o quê aconteceu nos próximos volumes da coleção. E sobre a talvez falta de apego aos personagens, não aconteceu comigo, eu me apeguei tanto neles que, na parte do acontecimento triste da história ( plot twist) eu chorei, sim, eu chorei e não foi pouco.
É isso que eu tenho para dizer sobre esse livro que já tá quase virando polêmica, kkk.

Beijinhos, ass: Ana.


Ali 31/05/2020

Decepcionante, mas, mal posso esperar pelo próximo!
Há muito tempo eu vinha aguardando a Kiera lançar algo novo, estava quase acreditando que ela não iria lançar mais nada e viver dos rendimentos de A Seleção, mas, ela resolveu nos presentear com um novo livro e claro que eu não iria deixar de ler de forma nenhuma porque Kiera é uma das minhas autoras favoritas.

Eu fiquei tão feliz em reencontrar a escrita da Kiera, porque uma das qualidades dela como autora é a forma como ela consegue fazer seu texto fluir independente do que ela esteja narrando, a leitura dos livros dela é sempre fácil e agradável e isso acontece nessa leitura. A Kiera geralmente entrega ótimos personagens e até mesmo os vilões impactam, mas, não posso dizer o mesmo dos personagens desse livro, a maioria é sem personalidade e de construção rasa.

Hollis a protagonista é uma garotinha sem personalidade, ela até tem algum amadurecimento no livro, mas, nada impressionante. O rei Jameson não surpreende muito, ele na verdade é mais do mesmo, ainda que ele seja uma pessoa compassiva. Delia Grace tinha tudo para ser a melhor personagem, mas, a Kiera não soube trabalhá-la bem. Silas foi o personagem que eu não consegui gostar, tudo nele me fazia revirar os olhos. E então chegamos a Valentina a rainha do reino de Isolte, ela apareceu por pouco tempo, mas, me conquistou por completo, a narrativa da personagem é interessante e faz a gente querer saber mais, e é exatamente isso o que falta nos outros personagens.

Devo dizer que eu fiquei mais perdido que cego em tiroteio com a leitura desse livro, a forma como a história caminha me deixou confuso tudo acontecia abrupta e desconexa. Eu não sentia muita química no relacionamento de Jameson e Hollis, — durante toda a leitura achei Delia Grace um par melhor para ele — mas, ao menos era algo palpável e fácil de visualizar. O desenvolvimento da relação de Hollis e Silas foi ainda pior, porque em nenhum momento me passou verdade e nem me fez criar simpatia pelo casal, eu aceito bem amor à primeira vista em livros, mas, achei super forçado a forma como foi colocado para Hollis e Silas

Kiera se aprofundou mais em política nesse livro e bom, era melhor ela ter seguido o ritmo dos livros da A Seleção e usar a política apenas como pano de fundo, o que faltou em desenvolvimento de personagem sobrou em política. Um ponto positivo do livro é que ele aborda um pouco sobre xenofobia, como tanto os povos de Coroa e Isolte vê com maus olhos suas culturas e tradições, que claro logo cai por terra quando há convivência. Esse não foi o meu melhor livro da Kiera, mas, já estou ansioso — junto as minhas teorias — pelo próximo livro.

site: https://eitajali.com/


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Mila F. @delivroemlivro_ 31/05/2020

Desapontada
Nesse primeiro volume de A Prometida somos ambientados em um reino chamado Coroa, que é onde nossa protagonista Lady Hollis Brite vive. Hollis sempre viveu uma vida privilegiada e cresceu no castelo de Keresken e, portanto, já conhece o rei Jameson, que é tido como um conquistador de mulheres.

No entanto, no princípio do livro, já ficamos a par de que o rei Jameson está dando atenção a Hollis, o que a torna uma forte candidata a se tornar rainha, só que Hollis, conhecendo a fama do rei nunca levou muito a série a perspectiva de ser a escolhida do rei, até perceber que está no centro das atenções dele.

Jameson está cortejando Hollis e ela também está flertando com ele e querendo se manter a altura para ser uma boa rainha, afinal, todas as rainhas coroanas eram famosas por serem inteligentes e corajosas, mas, no desenrolar dos acontecimentos, ela vai percebendo que Jameson, pode estar interessado nela apenas pela sua beleza, querendo que seja praticamente um troféu a ser mostrado e apresentado na corte, ou seja, não quer que ela opine e tenha ideias próprias.

Hollis já, relativamente abalada por essa constatação, acaba se deparando com a família Eastoffe, que são de Isolde (outro reino, governado por um rei considerado tirânico), que se dirigem ao o rei Jameson (considerado um rei justo e corajoso) para pedir asilo no reino.

Jameson aceita que essa família vá morar em Coroa e o mais esquisito é que os coloca na corte (como pode, hein? Estrangeiros, de Isolde e plebeus e são convidados a ficar na corte? Se eu já tinha revirado os olhos milhares de vezes até aqui, neste momento eu fiquei: Kiera Cass, o que você está fazendo?). Então, quando Hollis põe os olhos em Silas (um dos filhos dos Eastoffe) se apaixona sem nem sequer perceber (SIM, TEMOS UM INSTALOVE).

Obviamente, quando Silas e sua família ficam na corte, significa que vai haver encontros de Hollis com Silas e sua família, então uma amizade vai surgindo e Hollis vai percebendo o quão maravilhoso Silas é e o quanto ele a vê como ela é realmente.

É assim que Kiera constrói o triângulo amoroso mais sem noção de todos os livros! Mas também é partir da introdução de Silas (que demora muito acontecer, diga-se de passagem) que o livro começa a ficar um pouquinho melhor, mas não melhora grande coisa.

Infelizmente, meus queridos, em A Prometida, estamos diante de um flope da Kiera Cass, no entanto, a narrativa da autora segue sendo bem fluida e constituída de dos muitos diálogos (vários bem desnecessários), fazendo com que seja possível ler o volume bem rápido.

A Prometida é o tipo de livro e de história que a gente lê sem precisar pensar muito, não tem nada surpreendente. O que é bom, mas também é ruim porque significa que o livro carece de uma construção de narrativa com mais detalhes, mais descrição de ambiente e de personagens melhor construídos.

Em momento algum temos uma descrição ou detalhes mais profundos sobre Coroa ou Isolde (tem algumas pinceladas sobre a história de Coroa, mas nada tão UAU assim), Os personagens também não foram bem construídos, são fracos e unidimensionais, dificilmente algum deles poderá emocionar ou empolgar qualquer leitor. Você nem sequer consegue saber o que eles estão pensando e sentindo realmente.

Outro pecado de Kiera Cass foi na construção do romance. A Prometida, vem com a proposta de ser um romance, certo? Então o mínimo que eu esperava era que o romance me arrebatasse, porém, não tem como shippar nenhum casal nesse livro, o romance ficou longe de ser envolvente e interessante. Se houve amor aqui, como foi que isso aconteceu? E olha que não tenho nada contra a Instalove, mas mesmo eles precisam ser bem estruturados, não acha?

Kiera Cass coloca Hollis apaixonada por Silas e disposta a tudo para ficar com ele, mas em momento algum mostra Silas sendo honesto com Hollis, além de dizer que a amava, o rapaz nunca chegou a falar sobre o que levou ele e sua família a saírem de Isolde, nunca falou de sua posição naquele país e tão pouco esclareceu o que eram os Cavaleiros Negros. Nem ele, nem a família dele, foram 100% honestos com Hollis, o que tornou as decisões dela bem aleatórias e precipitadas.

Uma coisa que me chateou muito é que em 70% do livro nada acontece (li em e-book), ou seja, é nos 30% finais do livro que um monte de coisa começa a acontecer numa velocidade assustadora, sem justificativa, sem explicação e, sobretudo, quando a história não dava sinais de estar caminhando para o que de fato aconteceu nesses 30% finais do livro.

Obviamente que foi nesses 30% finais do livro que ocorreu um verdadeiro plot twist que apesar de super chocante, não salvou o livro.

Na realidade, o plot desse livro já me fez visualizar várias coisas para o próximo volume (tenho várias teorias a respeito) e vai ser difícil a escritora "escapar" da previsibilidade, no entanto, talvez, por conta do que eu imagino que poderá ter na sequência, eu possa - quem sabe - ler o próximo livro só para ter certeza.

Honestamente, depois de 50% do livro já tinha perdido a esperança de gostar de A Prometida (tanto do enredo, quanto dos personagens) e pude comprovar isso depois de tudo o que aconteceu no plot: eu não liguei para NADA DO QUE ACONTECEU.

Isso é bastante incomum, veja bem: quando você lê um livro e está gostando, você se importa com alguma coisa, seja com o enredo (o que será que vai acontecer, hein?) ou com os personagens (tomara que ela fique com ele, tomara que eles não morram, tomara que ninguém atrapalhe o romance, etc.), mas eu nunca fui tão indiferente lendo um livro, para mim, tanto fazia o que fosse acontecer com os personagens ou com o rumo da história. Lavei minhas mãos em 50% da leitura.

Para completar, na minha humilde opinião, esse livro poderia ter começado e terminado em um único volume, mais de 50% do livro não aconteceu nada relevante, então se tivesse sido melhor trabalhado, dava para ter sido um livro muito melhor e completo. Começo, meio e fim. Teria sido menos doloroso ler. Sério.

Já falei que a fluidez dos livros da Kiera são um ponto muito forte da escritora, mas em A Prometida, tenho que falar de outra coisa que melhorou em relação a seus livros anteriores. Kiera escutou seus leitores e trouxe um desenvolvimento melhor em relação a abordagem dos aspectos políticos.

Nisso ela deu uma baita melhorada, porque a gente vê o desenvolvimento de aspectos políticos em potencial, na parte da visita dos reis de Isolde, a forma como Hollis vai se envolvendo com a rainha e algumas pistas que ela vai pegando sobre aquele governo, são fundamentais para o que pode vir a se delinear no próximo volume.

site: www.delivroemlivro.com.br
comentários(0)comente



135 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |