A Canção do Súcubo

A Canção do Súcubo Richelle Mead




Resenhas - A Canção do Súcubo


91 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Camila 02/08/2010

A Canção do Súcubo
Uma excelente história para quem curte temas sobrenaturais, com direito a demônios, vampiros, duendes, anjos... e outros seres! rs... O livro conta a história de Georgina Kincaid. Ela é um súcubo (demônio que retira a força vital de suas vítimas através de relações sexuais), mas que tenta levar uma vida normal de humana! Mas nada pode ser normal quando se é imortal e seus melhores amigos são vampiros ou duendes!! Georgina vai enfrentar uma série de desafios, que incluem descobrir quem está atacando os imortais!

www.leitoracompulsiva.com.br
comentários(0)comente



Pandora 14/09/2010

Delicioso!
Mais resenhas em www.trocaletras.wordpress.com

Eu já conhecia a autora por sua série Vampire Academy e havia gostado bastante de sua narrativa. Richelle Mead cria personagem com humor afiado, personalidade forte e muito erotismo.

Em "A canção do súcubo" não poderia ser diferente!
A galeria de personagens é fascinante!

Confesso que no início torci o nariz para a sinopse, afinal, ela misturou súcubos, anjos, demônios, vampiros, duendes...enfim, uma infinidade de criaturas divinas e outras nem tanto. Mas a autora não perde o ritmo e consegue mesclar toda essa sorte de criaturas de maneira ímpar. A leitura flui rápida e gostosa.

Sobre a história em si:
Georgina é um súcubo, mas não gosta de usar seus poderes contra homens de boa índole. Então, apesar de ser extremamente atraente, ela rejeita todos que se aproximam. Ela é muito engraçada, com uma língua afiada, sempre pronta para conversas de duplo sentido.
Seus amigos vampiros são estranhos e engraçados também, cada qual com uma personalidade distinta.
Tudo caminha bem até que um escritor do qual é fã aparece em sua vida. Seth é o oposto de Georgina: bom na escrita, péssimo para conversar. Mas a súcubo precisa manter distância dele.
Há na história também o magnífico Roman. Personagem forte e carismático, que vem para abalar as estruturas de Georgina.
Entrelaçando tudo e todos, há o mistério central do livro: imortais estão sendo assassinados e Georgina precisa correr, se quiser manter seus amigos a salvo.

O livro é muito erótico, carregado de cenas quentes. Bem diferente de tantos livros virginais que estão entrando no mercado ultimamente. Ponto para o livro, é uma delícia de ler.

O único ponto fraco do livro foi o rumo final que ele tomou. Mas isso é uma questão de preferência hahaha (ok, sem spoillers!!).
Também não gostei da capa, outro detalhe pessoal =P

Encerrando, essa é uma série e aguardo mega ansiosa para o próximo volume! E fica a dica: leiam! Tudo que Richelle Mead escreve é inteligente e erótico :)

Dani Rodrigues 16/10/2010minha estante
Oi Pandora!
Ainda estou lendo esse livro, mas acho que já posso dizer que estou adorando!
Não sei se torço pelo Roman, por Seth, por Carter...rsrs


Lorrampi 02/03/2011minha estante
Ótima resenha Pandora... ^^
O livro é muito bom, eu realmente preferiria que a capa fosse como a da versão americana do livro... =/


ninde 23/03/2011minha estante
Carter Dani?? xD Carter não cairia, nem por Georgina... =p

O ponto bom das capas, foi q mantiveram as originais... A de succubus on top ainda é minha favorita! =D


Carol 14/07/2012minha estante
Aaah, tudo bem que Carter não cairia nem pela Georgie, mas mesmo assim, eu queria muuuuuuuuito que ele fosse um personagem romântico na série, ou que tivesse uma série só pra ele. Gostei demais do anjo u.u
Ah, acho que as editoras americanas andam perdendo de lavada pras nacionais, estamos tendo capas muito mais bonitas ultimamente, acho que se tivessem modificado e colocado o toque brasileiro nas capas da série Georgina Kincaid, a coisa seria um pouco mais bela.




Fulana Leitora 23/04/2013

http://fulanaleitora.blogspot.com.br/2012/08/resenha-cancao-do-sucubo-de-richelle.html
A Canção do Súcubo é o primeiro livro, de uma série de seis, da minha autora preferida, Richelle Mead.
O livro conta a história da Súcubo Georgina Kincaid que não gosta de ser uma Súcubo.

Georgina mora em Seattle com sua gatinha e tem o emprego dos sonhos de qualquer leitor, trabalha em uma livraria. Passa seus dias entre os livros e a base de muito café. Quando a veem, enxergam apenas uma bela jovem levando sua vida cotidiana, mas não sabem da missa a metade.
Georgina, sendo uma filha de Lilith, é uma boa funcionária do inferno. Seu “chefe”, o Arquidemônio Jerome, tem a cara do John Cusack. O seu trabalho é corromper a alma de homens virtuosos e leva-los para o inferno. O que ela já não esta mais tão disposta a fazer.

Georgina é uma grande fã do escritor Seth Mortensen, lê seus livros como se fossem a única fonte de alegria de sua vida. Quando Georgina finalmente tem a oportunidade de conhecê-lo os acontecimentos no submundo a atrapalham. Alguém esta matando os imortais e Georgina acaba sendo acusada de ser responsável pelas mortes. Nesses momentos difíceis Georgina pode contar com seus amigos imortais, Hugh o duende, Peter e Cody os vampiros. E sempre contando com os conselhos do anjo Carter.

Enquanto tenta solucionar o mistério que a ronda, Georgina se vê envolvida pelo encantador Roman e apaixonada pelo seu escritor favorito Seth Mortensen.
Não, nada na vida de Georgina é fácil, mas ela dá conta de tudo e ainda consegue tirar boas risadas de nós, leitores, com seu sarcasmo e suas ironias. Georgina é uma mulher de personalidade forte, geniosa e graciosa. É realmente uma personagem cativante.

Richelle consegue criar uma boa trama, com personagens diversificados e bem estruturados. A narrativa em primeira pessoa, muito bem colocada, dando voz ao presente e ao mesmo tempo voltando aos tempos remotos da Grécia antiga quando Georgina não passava de uma jovem mortal.
Tenho que bater palmas para essa escritora por conseguir balancear uma gama de personagens fantásticos numa história envolvente e caliente. Sim, muito caliente. Georgina é uma súcubo, seu trabalho é drenar a energia vital dos homens através do sexo, então vocês já devem imaginar que tem uma boa quantidade de cenas envolvendo o assunto. E mais uma vez devo bater palmas para a Richelle por desenvolver tão bem o tema sem torna-lo vulgar.

Georgina Kincaid virou uma de minhas series favoritas, junto com Academia de Vampiros, também da Richelle Mead.
comentários(0)comente



Tati 22/08/2010

PERFEITO
Com a leitura de "A canção do súcubo" fica claro por Richelle Mead é uma das maiores escritoras de livros com tema sobrenatural da atualidade. Esse livro tem td de vampiros a duentes passando é claro por anjos.
"A canção do súcubo" traz a estória de Georgina uma sucubo que não gosta de prejudicar as pessoas (bem dificil devido ela ser um sucubo) a trama do livro é envolvente, cheia de personagens que se envolvem de uma forma muito interessante, nesse livro tem de tudo na medida certa, amor, suspense, ação, e faz com que o leitor fique louco para ler a contunuação das aventuras de Georgina Kincaid.Simplesmente adoro essa série.
comentários(0)comente



ka macedo 28/11/2011

A Canção do Súcubo
Bom, acho que eu preciso começar dizendo que peguei esse livro para ler por duas razões: primeiro por que a sinopse me intrigou muito, já que acho os súcubos criaturas magníficas (e mal aproveitadas) e por que estava super curiosa para ler alguma coisa da Richelle Mead. Eu comecei a lê-lo ainda na livraria e não consegui parar mais. E só não virei a noite lendo-o porquê tinha aula no dia seguinte.

Foi assim que a Richelle começou a me conquistar.

Ela criou um mundo tão complexo e convincente que você quase acredita que ele é real. A escala de poder que existe entre cada empregado do inferno, o modo como todos trabalham e são escolhidos para o trabalho, a rivalidade entre eles e as regras que todos têm que seguir. Eu não consegui encontrar nenhuma falha nesse sistema. A Richelle soube misturar Súcubos, Vampiros, Duendes (ou Imps), Anjos e Demônios sem se perder ou deixar a estória confusa.

Mas o melhor ponto dela não é esse. O que ela melhor faz é criar personagens. Eles são tão únicos, fortes, cativantes e, principalmente, hilários. A Georgie é com certeza uma das melhores personagens femininas de todos os tempos. Ela se arrepende de muitas das coisas ruins que já fez - tanto quanto humana, quanto como súcubo -, mas não fica se lamentando pelos cantos por conta de todas elas. Na verdade, ela tem um ótimo humor. Sem contar que não tem medo de investigar todos os mistérios loucos do mundo demoníaco em que vive.

Depois temos Seth. Ah, o Seth. É impossível não ter um tombo por ele. Ele é todo envergonhado, fofo, nerd, homem e até mesmo sexy. E Georgina já começa pagando um mico daqueles quando o conhece. Mas é só no começo que existe algum desconforto entre eles. Depois? Ele parecem já se conhecer há séculos e vivem flertando descaradamente. Mas, claro, ela não pode nem beijá-lo sem tirar uma pequena parte de sua vida.

E tem o Roman também. O moreno sexy que está sempre aparecendo por aí e encantando a todas nós e à Georgie também. Nesse primeiro livro eu gostei muito mais do Roman do que do Seth (apesar dele ser completamente apaixonante também). Nós não conhecemos Seth o suficiente, em minha opinião. A autora poderia trabalhado-o um pouco mais, mas estou feliz por ela ter deixado a melhor parte dele para os outros livros.

Agora, sobre o enredo. O livro tem esse mistério sempre presente e você não consegue largá-lo antes de saber por que e o que está exatamente acontecendo. E a Richelle, apesar de ser óbvia em certos pontos, é completamente surpreendente em outros. Eu fiquei de queixo caído quando o mistério foi revelado, mesmo que já tivesse descoberto parte dele. Foi realmente genial. E ela ainda conseguiu colocar uma certa “ação” nele, o que deixou tudo ainda melhor.

Sei que algumas pessoas tem medo de ler essa série por conta do sexo (que, confesso, está sempre presente), mas, apesar de conter sim o sexo casual e os mais variados tipos dele, não chega a ser vulgar ou exagerado. E o modo como o livro tenta mostrar que preconceito é algo errado é lindo. Eu amei ver como a Richelle nos fez lembrar de coisas que estão presentes do nosso dia-a-dia, mas que muita gente tenta negar ou não enxergar.


http://lalalajustme.blogspot.com/2011/11/resenha-cancao-do-sucubo-o-poder-do.html
comentários(0)comente



Laura 05/11/2010

Amo todo mundo!
Tipo assim, de inicio não era exatamente o que eu pensava. Mas depois a coisa toda engrena e coisa fica boa. Amo todo mundo, Georgie, Cody, Carter, Doug... Tooodo mundo *-*. E claaaro, o Seth! Sempre suspeitei do Roman - resquicios de Agatha C.I need moreee. Preciso saber como a relação deles vai se desenvolver. Georgie, meu apoio é seu. ;P
juliablack 22/12/2010minha estante
suspeitei do roman no momento em que carter foi investigar a assinatura no neflin no outro lado da cidade e ele como quem nao quer nada aparece na porta da georgina.vamos convir,muito suspeito!


Laura 23/12/2010minha estante
Né? O Roman sempre teve algo, e ai nesse ponto ele deu a cartada final.




Lu 06/10/2010


Apesar da capa sinistra, "A Canção do Súcubo" poderia ser descrito como um chicklit sobrenatural, já que a história gira bastante em torno das (des)aventuras amorosas da protagonista, a simpática Georgina Kincaid. Só que com um detalhe: os personagens são imortais e há um mistério envolvido.

Eu demorei inacreditáveis três semanas para lê-lo, sendo que li mais dois livros nesse meio tempo. É por essa razão que o livro da Richelle vai receber 4 estrelas ao invés de 5. A história não me prendeu. Eu gostava do que lia, mas não conseguia ler várias páginas de uma vez. Pelo menos, não da mesma forma como eu devoro cada volume da série Academia de Vampiros que por acaso pare nas minhas mãos.

Talvez a culpa seja da própria sinopse, que entrega um pouco demais as coisas. Eu torcia pelo Roman e tudo parecia invitavelmente inclinar-se pro Seth, que, para ser franca, é um cara fofo. Mas que não tem pegada. Ele é muito cheio de esquisitices pro meu gosto. E tudo isso tornava a leitura um tanto quanto frustrante.

Entretando, a Richelle Mead é uma escritora competente o bastante para reverter as coisas com um final muito bom e que me fez desejar ler o livro seguinte. Talvez não com o mesmo fervor que eu quero ler o Blood Promise, mas ainda assim, uma série que eu desejo acompanhar.

Recomendado.
Joice (Jojo) 01/01/2011minha estante
Ah, amiga! O Seth é tão fofo! Rs... Adorei sua resenha!


Lu 01/01/2011minha estante
O Seth pe fofo, mas faltou aquele tchan. Acho que pessoalmente, ele é o melhor tipo de cara e bem difícil de encontrar. Mas como mocinho, acho que faltou um pouquinho de pimenta ali, ainda mais com a Georgina como protagonista. Mas é uma opinião pessoal, é claro.

Obrigada pelo comentário. Fico feliz que tenha gostado da resenha.




Bianca 07/09/2011

Mais uma resenha do http://redomadecristal.com.br/blog/
Georgina é um súcubo numa realidade recheada de seres sobrenaturais. Temos vampiros, demônios, duendes, anjos e outros.

Sua função é seduzir e dar prazer a homens mortais em troca da energia vital deles. Um simples beijo é capaz de sugar vida. Tudo parece ser muito lindo do ponto de vista demoníaco, mas ela não gosta desta vida. É triste, quase melancólica, apesar de esconder isso de todos através de diálogos sagazes e irônicos. Tenta se aproximar apenas de homens caracteres duvidosos ou completamente maus, assim não sente remorso depois. É claro que nem sempre ela consegue resistir.

Ela tem uma vida humana em paralelo com a vida demoníaca. É muito interessante como são tratadas suas relações pessoais.

Richelle Mead soube trabalhar com todos os seres sem confundir o leitor.

Para mim, a história foi morna até a metade. Continuei a ler apenas pelo temperamento de Georgina e por querer saber mais de Roman. É… Ele me ganhou! *_*

Daí para o fim, a leitura esquenta cada vez mais e fui convencida a ler as continuações.

Outro ponto muito interessante e que me manteve entretida foi o modo como Georgina se relaciona com livros, especialmente com a série escrita por Seth Mortensen, um autor que se comunica lindamente de forma escrita, mas trava na oral. Acredito que a maioria dos leitores se identifica com o sentimento dela pelos livros.

É uma obra sobrenatural adulta, com direito a muitos palavrões e cenas de sexo.

A leitura não é cansativa, na verdade, tem uma fluência muito boa. Com uma narrativa repleta de sagacidade, devido ao uso da primeira pessoa e a personalidade da protagonista, Richelle Mead descreve lindamente o seu universo e torna o leitor dependente de seus livros.

No fundo, Georgina é uma pessoa como todas as outras. Tem sentimentos reais e intensos. Vive à sombra de um erro do passado e quer muito deixar tudo para trás, apesar de saber que talvez seja impossível. Mesmo sendo uma mulher lindíssima e altamente sensual, seu maior desejo é uma vida comum.

“Sinceramente, meu anseio mais profundo era poder ter uma relação normal, amar e ser amada sem complicações naturais. Uma coisa tão pequena, pensei com tristeza, comparada com os exemplos que ele dera. Não era algo louco, apenas impossível. (…) Ser desejada e adorada era algo fascinante, e a maioria dos mortais e imortais ansiava por isso. Mas amar e desejar não eram a mesma coisa.” – pág. 91 e 92.

Não canso de dizer é que um livro é bom quando passa realidade mesmo lidando com elementos fantásticos. Por mais que a personagem seja um súcubo, a ligação com o leitor é intensa. Quem nunca errou e pagou um preço caro demais? Pode ser um erro tão grande a ponto de condenar por toda a eternidade sem direito a perdão? Estas são apenas algumas das questões levantadas.

A humanidade e realidade de sentimentos dos personagens foi o que mais gostei.

Recomendo.

“Era estranho falar com alguém sobre isso, alguém que sentia o mesmo. Fiquei imaginando quantas pessoas no mundo rodavam por aí com uma bagagem invisível, escondendo-a dos outros. Mesmo enquanto arrumava essa bagagem, eu sempre a mantive escondida. Tinha uma necessidade premente de manter as aparências, daí a tal ‘cara alegre’. Eu sorri e acenei com a cabeça ao passar pelos piores momentos de minha vida, e quando essa reação superficial não foi suficiente, eu finalmente fugi, mesmo que isso tenha custado a minha alma.”
comentários(0)comente



Celly 21/09/2010

A Canção do Súcubo
Muito bom!!!!!!!!!!!!!!!!!
Surpreendente, sexy, misterioso, emocionante.
Enfim, não tem como não se apaixonar.
E não consigo evitar de torcer pelo Roman!!!!
Dani Rodrigues 16/10/2010minha estante
Gosto do Roman... mas torço tanto pelo anjo Carter...rs




Vivi Martins 07/09/2010

Muito interessante!
O livro é surpreendente, cheio de tiradas engraçadas, levando-se em consideração que Georgina, a protagonista, é um súcubo que sempre sabe o que dizer e quando dizer, além de possuir um humor mordaz, irônico e afiado. Uma mulher linda, sexy, inteligente, charmosa, divertida, mas em profundo conflito consigo mesma, por ser um súcubo que gostaria de ser uma humana mortal, que ainda não se perdoou pelos erros cometidos no passado. Ela conhece o escritor que idolatra,Seth Mortensen e não pode dar vazão aos seus sentimentos por ele, sob o risco de coloca-lo em perigo. Intrincado a isso, encontra-se o fato de que outros imortais (vampiros, duendes, demonios, anjos) estão sendo assassinados e as suspeitas recaem sobre ela e ela termina se envolvendo em uma interessante e perigosa investigação a fim de descobrir quem está cometendo os crimes.
É um livre divertido, inteligente, entremeado de cenas de suspense e perigo, em que o leitor não vê a hora de virar a próxima página para saber o que vai acontecer! Eu recomendo!
comentários(0)comente



Paula Juliana 23/02/2013

A Canção do Súcubo
Georgina é uma mulher linda. Super desejada tem uma vida maravilhosa que toda mulher pediria a Deus.Subgerente de uma super livraria de Seatlle, Georgina poderia ter todos e tudo a seus pés. Só uma coisa assombra o mundo dessa magnífica mulher: ela é um Súcubo.

    Um Súcubo, mulher extremamente sedutora e bela que enfeitiça a qualquer homem; porém tem um problema, ela suga a energia vital de quem se relaciona intimamente.

    Assim, ela resolve seguir sua triste vida somente se envolvendo com homens cafajestes, ao qual não se sentiriam tão mal ao ter relações mais íntima com ela. E estava tudo indo muito bem ate ela conhecer seu autor preferido em todo o mundo, Seth; tímido e calado o escritor acaba por dividir o coração da bela com o misterioso dançarino Roman, homem que Georgina conheceu em um episódio muito engraçado do livro.
    
   Porem, Georgina se vê em uma rua sem saída, se ela tiver algum contato com um dos dois, até mesmo um beijo, ela poderia sugar a vida deles ou até mesmo levá-los a morte, se ela não conseguir se controlar. 

 O que Faria ela agora?? 
 Se deixaria levar??
 Coloraria seu coração a frente da razão uma vez em um século??

   Nossa história começa quando Georgina apos ''se alimentar'' de um virgem de 34 anos, como um favor a seu amigo Hugo, um duende, ao qual sua função é resgatar almas para o inferno, deixa o pobre mortal desmaiado  durante semanas, tem um desentendimento com o vampiro da região Duane, este apos um dia aparece assassinado com uma estaca no coração; Despertando suspeitas para nossa protagonista.

  Este seria um primeiro ataque de muitos que viriam, juntamente com Jerome e Carter,  um demônio e um anjo; Georgina vai ter que descobrir quem esta fazendo isso com os imortais inferiores, Teria ela ainda tempo para lidar com os problemas de seu coração??
  
  Uma História muito boa, que prende o leitor até o final com inúmeros imortais. Um mundo onde mortais, anjos, demônios, vampiros, duendes, súcubos ( è claro ) convivem juntos e tentam desvendar esse maravilhoso mistério.

  A canção do Súcubo  é um primeiro livro de uma série de seis. Com uma escrita engraçada e sexy Richelle Mead, autora de academia de vampiros,  se supera e leva o leitor a uma leitura de outro mundo.
comentários(0)comente



Dani Rodrigues 20/11/2010

Vamos combinar, a capa desse livro deixou muito a desejar... Em contrapartida, o título é intrigante e é capaz de chamar a atenção do leitor. Afinal, o que vem a ser um “súcubo”??


Engana-se quem pensa que a palavra faz referência à coisa ou a um ser do sexo masculino. Richelle Mead conseguiu criar um ser imortal dotado de uma estupenda habilidade: fascinar os homens! Georgina, o súcubo dessa história, é cheia de charme e simpatia. E para garantir uma dose de energia vital precisa copular com seres mortais. Resumindo: é de sexo que ela precisa. Mas nem tudo são flores. O súcubo carrega consigo uma resistência a essa sua habilidade...


Vampiros, anjos e um duende também são encontrados na trama. Achei um certo exagero a reunião de tantos seres sobrenaturais ao mesmo tempo. Aliás, desde quando duende faz parte do lado negro da coisa? Mas confesso que, mesmo com a diversidade de personagens, a autora conseguiu criar uma história dinâmica, dosando algumas passagens com um certo erotismo. A leitura não é nada cansativa.


Por fim, vale dizer que Richelle foi generosa com as leitoras. Trouxe à baila diversos homens, com características bem distintas, mas todos com um certo charme. Seth? Roman? Carter? Difícil de decidir! O livro, de fato, traz uma história gostosa de se ler. Não é à toa que os direitos autorais foram adquiridos pela Fox.

www.notamosque.blogspot.com
comentários(0)comente



Daniela Tiemi 26/11/2011

Georgina Kincaid é um súcubo que tenta viver um vida normal – dentro do possível – em meio aos seres humanos. Ela gosta de dançar e ler, trabalha em uma livraria como subgerente e sente uma vontade enorme de ter um relacionamento sério, mesmo sabendo que isto não seria possível de acontecer entre ela e um ser humano.
Em sua função como súcubo é considerada por seu chefe, o demônio Jerome, uma péssima subalterna por evitar corromper a alma de bons moços e sugar toda a energia vital deles. Por ser inevitável tomar a energia vital ao se relacionar é que Georgina há séculos não tem um relacionamento estável que tanto deseja. Claro que por conta de sua estonteante beleza, não falta homens aos seus pés.
Até que em uma manhã em que Georgina deveria estar de folga, mas se vê obrigada a cobrir a falta de um funcionário no Café da livraria, ela conhece – numa situação um tanto constrangedora – o escritor Seth Mortensen por quem é grande fã. Surge a atração entre eles, mas Georgina sabe quais são os limites: um simples beijo poderia matá-lo.
Contudo, parece que não é apenas por Seth que ela se encontra envolvida: Roman surge de forma inesperada com todo o seu galanteio e tanta insistência que Georgina mal pode resistir. Há ainda o colega de trabalho, Doug, que nutre uma nada secreta paixão por ela, e o dono da livraria, Warren, que é amante de Georgina e fonte da energia vital que necessita, já que Warren é um grande cafajeste e, por tanto, já possui a alma corrompida, então não há problemas que eles se relacionem.
Sim, a lista é grande! E, enquanto a sua quase vida amorosa está um verdadeiro caos, diversos seres sobrenaturais são assassinados e Georgina é injustamente acusada – até seus amigos sobrenaturais (o duende Hugh e os vampiros Cody e Peter) em alguns momentos desconfiam do envolvimento dela nestes misteriosos assassinatos. Determinada a descobrir o verdadeiro autor destes crimes, Georgina começa a investigar e assim “pisa em terrenos proibidos” dos quais seu chefe-demônio em parceria com o anjo, Carter, tentarão impedir que ela avance.

Um livro sobrenatural com romance, suspense e grandes doses de humor, assim é simplesmente bem difícil de não gostar.
Para as leitoras que gostam de encontrar personagens para se apaixonar vão encontrar bastantes opções neste livro. A protagonista é tão cheia de pretendentes que tem para todo o tipo de gosto. Eu confesso que finalizei a leitura ainda na dúvida entre o escritor Seth e o anjo Carter, apesar deste não fazer parte da lista de pretendentes já que Georgina o detesta. Mas eu fiquei meio que torcendo para que surja um romance entre eles nos livros seguintes.
Rose 03/10/2010minha estante
Ainda não li nenhum livro desta autora, mas depois do teu comentário, o qual ressalto que foi muito bem escrito, fiquei com muita vontade de ler este livro... Bjkas :)


Dani Rodrigues 16/10/2010minha estante
Dani, não é que eu tb torço pelo anjo Carter? rsrs Torço por eles!




Tha Prado 16/10/2010

Em A Canção do Súcubo somos apresentados à Georgina, uma mulher bela e sedutora que trabalha como subgerente de uma livraria.

É claro que esse é só um emprego de fachada, pois na verdade Georgina é um súcubo e trabalha para o arquidemônio, Jerome, corrompendo e roubando a alma de homens mortais.

"O inferno não conhece fúria pior que a de um demônio puto da vida"

Porém, Georgina não se sente muito a vontade com essa situação. Afinal, para ela é impossível se envolver com qualquer homem sem deixá-lo a beira da morte.

Seu maior passatempo é ler os livros de seu autor favorito, Seth Mortensen, a quem ela tem a chance de um dia conhecer pessoalmente e por quem vai sentir seu coração bater mais forte.

Entre cenas divertidíssimas de Georgina se esquivando dos homens de sua vida e suas neuroses e crises existênciais, coisas mais sombrias começam a acontecer.

Alguém está assassinando seres imortais, que para todos os efeitos não deveriam morrer rs E o pior é que a principal suspeita desses ataques parece ser a pobre Georgina.
Dani Rodrigues 16/10/2010minha estante
Oi Tha! Estou lendo e gostando muito desse livro! A Georgina é engraçada, né? Em breve vou postar uma crítica lá no Notamos! Bjs!




spoiler visualizar
Morgana 06/07/2012minha estante
Perfeito! É exatamente o que estou vivendo agora, a caça de todas as outras sequências.




91 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7