Morte de Tinta

Morte de Tinta Cornelia Maria Funke




Resenhas - Morte de Tinta


104 encontrados | exibindo 61 a 76
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Will 21/05/2015

De palavras é meu corpo. Corre tinta em minhas veias. Somos todos uma história!
"O que aconteceria se o caminho que não escondeu surpresas
Durante tantos anos decidisse não
Nos levar pra casa, mas andar em zigue-zague
Como o rabo de uma pipa, tão simples
E sem cerimônias! Se a pele de alcatrão
Fosse apenas uma longa bola de tecido
Que se desenrola e se adapta à forma
Do que está enterrado sob ele?
Se ele mesmo se propusesse novos caminhos
Por cantos desconhecidos, pelas montanhas,
Que depois se escalam ao azar;
Quem não desejaria ir para lá, de qualquer jeito?
Quem não gostaria de saber como termina uma história
Ou para onde se dirige afinal um caminho?"

- Sheenagh Pugh, What if this road

Morte de Tinta se inicia imediatamente após os calorosos acontecimentos de Sangue de Tinta. Com Ombra sem um governador legítimo no trono, Cabeça de Víbora - agora imortalizado pelo livro das páginas em branco encadernado por Mo - pôde finalmente estender suas garras para o outro lado da Floresta. Orfeu, usando o livro e as palavras de Fenoglio, começará a moldar o mundo como bem entende, seguindo seus próprios desejos e ambições. Mo, junto com Resa, Maggie, Príncipe Negro e os ladrões, precisam fugir para algum lugar onde estejam seguros, antes que Cabeça de Víbora descubra que sua imortalidade não será tão agradável assim. E então, quando o destino de Mo se cruza com o do Gaio, papel que Fenoglio o atribuiu inconscientemente, o Mundo de Tinta e nossos personagens se encontrarão em uma batalha que decidirá o futuro de cada um deles, bem como de todos os seus habitantes.

Bem, começarei dizendo que virei a última página do livro e o fechei, abraçando-o, com lágrimas nos olhos, sentindo essa variação de amor que à tanto descobri nos livros. Era minha despedida ao Mundo de Tinta, Mo, Meggie, Resa, Dedo empoeirado, Farid, Fenoglio, Elinor, aos ladrões e tantos outros personagens. Acompanhei todos eles durante quatro meses, muito tempo, confesso. Mas talvez seja mais sábio dizer que foram eles que me acompanharam, em um momento não muito positivo. A narrativa não se foca em um só personagem, diversas vezes mostrando locais diferentes ao terminar seus capítulos, como nos outros livros. Isso é fantástico! De certa forma, isso nos aproxima mais deles. A profundidade com que Cornelia trata cada um, nos faz ter momentos de pico entre amor e ódio. Tive momentos em que quis deixar o livro de lado tamanha minha irritação com o que acabara de acontecer.

Cornelia com certeza sabe conduzir a história. Cheguei a comparar Morte de Tinta a um relógio que marca a meia-noite. Como doze badaladas, os momentos realmente importantes, acontecem distribuidamente do começo ao fim do livro, e a cada um deles, você se surpreende, pois não são de forma alguma previsíveis. Morte de Tinta é como uma máquina, e seus acontecimentos, pequenas engrenagens que vão te cercando aos poucos. No final, ficamos divididos entre dois locais, e enquanto tudo acontece ao mesmo tempo, você teme pois não tem nada que te assegure que as coisas darão certo.

No fim, Cornelia te faz questionar: Será que palavras são apenas palavras? Será que todos esses mundos existem, em algum lugar? Não seremos nós, também, personagens de um livro que está sendo escrito por alguém? O meu profundo sentimento de amor por tudo isso que ela criou me faz sentir que nesse exato momento, eles ainda estão lá, pelas ruas de Ombra, entre as árvores da Floresta Sem Caminhos, nas praças assistindo a menestréis e ao Dançarino de Fogo fazerem suas performances. Vivendo suas vidas em um lugar com fadas, homens de vidro, elfos de fogo, ninfas e gigantes. E sempre que eu encarar um livro e desejar abrir uma porta e entrar por suas palavras, invadir seu mundo, lembrarei que Elinor um dia também passou por isso, e que conseguiu. Compartilhamos nosso amor por livros, Elinor! Estarei aqui, do outro lado das palavras, sempre torcendo por vocês! o/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Natálie 14/05/2014

Alma de letras...
O desfecho de uma fantasia cheia de aventuras, "Morte de Tinta" é a narrativa da última aventura de Mo, sua filha Meggie - e todos os seus amigos - que devem deter o cruel Cabeça de Víbora, que vem espalhando cada vez mais caos por Ombra e todo o Mundo de Tinta.
Na luta contra a Víbora, Mortimer se vê forçado a interpretar mais de um papel no universo de Fenoglio, e tem que se lembrar de nunca mistura-los, pois mesmo o Gaio existindo dentro dele, suas virtudes e erros sendo as mesmas, elas tem potências diferentes. Gaio tem o instinto de salvar proteger e o coloca acima de tudo. Já Mo, apesar de ter este instinto, é mais prudente e responsável. Mas será que ele conseguirá lembrar-se de quem ele é - ou quem ele realmente, no seu mundo? Ele precisa, mesmo sem saber que isto terá o poder de livra-lo do tormento das palavras futuramente lidas.

"A última canção já havia sido lida."
Meggie nossa heroína, não só terá que lidar com as tristezas e alegrias do seu primeiro amor, mas com seu magnífico dom, e sua imensa coragem ela terá também um papel decisivo.

Desgastado, fedido e com a carne podre, Cabeça de Víbora quer vingança, tanto contra o Gaio, quanto a todos os seus amigos ou conspirantes; isso faz com que nossos secundários tenham cada vez mais destaque na trama. Os ladrões, crianças-soldado, e todos os dispostos a acabar com o reinado a da Víbora vão lutar, não só espada a espada, mas de todas as formas possíveis. Pois, nesta história, o que vale uma espada contra papel e tinta?
Dentro de um mundo mágico, na presença de homens de vidro, mulheres de musgo, fadas, gigantes, elfos de fogo... cada detalhe ao lado de nossos companheiros é importante, cada detalhe que vai da Toca da Víbora as distantes Montanhas do Norte. Prepare-se pois lutaremos contra soldados, veremos as palavras acabarem com vidas (ou as dar), perderemos amigos, recuperaremos amigos e selaremos um acordo com a Grande Mutação. A única habitante de todas as histórias, de todos os mundos e páginas. A Morte.

- Você é a morte. [...]
- Sim, é como me chamam [...] Eu sou o início e o fim, isso sou eu [...] Passado e renovação. Sem mim, nada nasce, porque nada morre sem mim."


Meu humilde resumo não consegue explicar bem os acontecimentos, nem os outros assuntos a serem resolvidos neste (incrível) desfecho.
A história certamente é uma das melhores que já li - se não a melhor -, desde o primeiro livro, que li quando era criança, me encanto com o universo criado por Cornelia. Eu já disse que ela é uma maestra excepcional conduzindo uma orquestra com a maior perfeição possível. Disse em outras palavras, mas agora, explicadamente posso afirmar isto, seu universo é perfeito, incrível, mágico e maravilhoso. Não vou poupar elogios a história, nem as mensagens incríveis passadas entrelinhas.

"Quando se visitava a morte, provavelmente esquecia-se o que era o medo."
O final foi mágico, não esperava isto, foi realmente muito imprevisível. Por exemplo, eu que já estava satisfeitíssima com a quantidade (e tipo) de fantasia da história, fiquei impressionada com o modo como a autora acrescentou mais coisas a ela, praticamente criando uma espécie de 'mitologia própria', eu admiro muito isso, o como ela (Rowling, Tolkien e outros) introduziu suas próprias e únicas idéias ao livro é uma coisa notável. E apesar do Mundo de Tinta ser um universo fantasioso - digno dos sonhos de qualquer criança - ele não é somente assim, nesta história o mal nunca é irreal. Ele pode estar escondido, mas ele sempre estará ali. A passagem de um livro da trilogia para o outro mostra isso. Em Coração de Tinta nós vemos uma crueldade imensa, mas 'suportável' (se é que podemos dizer isto), já em Sangue de Tinta começamos a ver que ela não está só em um mundo, mas em todos, e em Morte de Tinta não temos NADA a esconder. Ódio, brutalidade, crueldade, ganancia, inflexibilidade, vingança, violência imensa... O mundo mágico não é formado só por fadas e seres maravilhosos, os vilões tem também seu papel, e infelizmente o interpretam muito bem. Não só em um, mas em todos os mundos. E neste ultimo livro, a maldade está bem aparente, e muito bem personificada em atos. Achei que isto amadureceu a história, desde Sangue de Tinta para cá nada é escondido. Objetivos maldosos são postos em batalha e a luta entre o bem e o mal é sangrenta e tensa.
"Eles não eram feitos de nada além de escuridão, de maldade para a qual não havia esquecimento ou perdão, até que eles se apagassem, consumindo-se a si mesmos, levando consigo tudo o que haviam sido um dia."
Indo a escrita da autora... continua a mesma, explicativa mas sem ser massante, agradável e faz com que devoremos rapidamente o livro (que é um monstro). Fora que nos faz imaginar perfeitamente o que é descrito, pois realmente, Funke sabe escrever bem, e o modo e mostrar o ponto de vista de cada personagem faz tudo ficar mais rápido e interessante.
Achei também muito bom o desenrolar da história, o grande acordo de Mo com A Grande Mutação, a volta de um personagem querido, e a adição de personagens coadjuvantes. Esse último fator foi essencial, percebemos que o motivo dessa história possuir tantos personagens não é encher linhas e páginas, e sim o papel que eles vão ter. Todos eles tiveram um papel importante na história, principalmente os coadjuvantes que foram elevados, como Violante, Príncipe Negro, Elinor, Baptista... e o descarado, infeliz, filho de uma mãe do Orfeu. Sim, Orfeu, aquele ser insuportável que não é minimamente amado por ninguém (tanto por leitores quanto por personagens), eu odeio ele, mas tenho que admitir que o papel dele foi super importante e que ele 'amadureceu' - não é exatamente esta a palavra. A única coisa que eu não achei legal foi a mudança drástica de um romance maravilhoso que eu shippei com todas as minhas forças desde... sempre eu realmente NUNCA imaginei este fim, e nunca vou me conformar com ele.
Agora os cenários são uma coisa inexplicável, Ombra já é uma coisa maravilhosa de se imaginar, e seus arredores são impagáveis! Cornelia cobre os pontos cardeais de Norte a Sul com maravilhas inimagináveis. O novo castelo, as Montanhas ao Sul, tudo, definitivamente tudo foi feito para lhe encantar.
"Talvez, no final, este mundo fosse feito de sonhos, e um velho homem apenas havia encontrado as palavras para eles."
Vou observar também o trabalho da editora com o livro; Eu esperava um livro impecável, assim como seus antecedentes, mas a Cia. das Letras (Seguinte), deixou erros de português aqui e ali. Fora isto, o resto está de acordo, boas texturas, figuras e capas incríveis e seus capítulos iniciais com as frases escolhidas da autora.
Preciso parar de falar, então vou logo ao ponto mais importante da resenha.
No primeiro livro nós imaginamos como deve ser o Mundo de Tinta, como Resa viveu lá, mas fazemos isto enquanto estão todos no nosso mundo. No segundo Meggie, Farid, etc... são transportados ao lugar que queriam, Ombra, para dentro do universo de Fenoglio. E neste último volume eu percebi uma coisa maravilhosa. Cornelia não levou só seus personagens para lá, mas a mim também. Eu não percebi de cara, mas quando me dei conta eu já estava lá. Vivendo no universo de tinta. Um livro dentro de um livro.
"A realidade quase sempre é diferente do que contamos sobre ela, mas você sempre trocou as palavras e o mundo real [...] Você nunca soube diferenciar o seu desejo da realidade."
Outra das coisas lindas que ela passa é que nós nunca, NUNCA, estaremos completamente satisfeitos com a nossa realidade. Quem nasceu no Mundo de Tinta tem uma curiosidade imensa sobre o nosso mundo, e assim como nossos protagonistas iniciais, se possível eles mudariam para cá. É uma coisa sem noção mas... é a verdade. Não estamos satisfeitos com o que está a nosso alcance.
Quero encerrar isto com palavras bonitas, mas enigmáticas. Se você ler a trilogia vai entender esta minha finalização.
E a mensagem primordial - Dúvida primordial - depois de tudo que é passado para nós ao decorrer dos livros é a mesma do próprio Fenoglio:

" Não seremos também, personagens de um livro que está sendo escrito por alguém? "

site: http://www.nossosmundos.com/2014/05/resenha-24-morte-de-tinta-cornelia-funke.html#.U3QpzYFdUlA
comentários(0)comente



Rubens 11/04/2014

O mundo de tinta
Foi realmente um desafio ler todos os livros pelo fato de olhar pra grossura deles, mais aceitei ler eles e não me arrependo e super recomendo! A história é tão interessante em algumas partes que eu fiquei tão concentrado no estava lendo que me desligava do mundo totalmente.
Uma história de uma pessoa que tem o dom de tirar aquilo que se esta lendo em um livro, isso é fantástico, me imagino tirando todos os meus personagens preferidos dos meus livros preferidos :D fora esse, ele também consegue escrever a propria história; quantos não gostaria de escrever a propria história do jeito que sempre imaginara ? Isso seria muito legal !!
Em algumas partes a leitura se tornara muito cansativa, a historia demora muito pra poder se desenvolver, mas finalmente consegui terminar todos. Gostei demais !
comentários(0)comente



Jacqueline 09/03/2014

Língua Encantada
Encontrei muitas coisas na trilogia Mundo de Tinta...Aventuras únicas, personagens apaixonantes, desfechos surpreendentes. Cada aflição na fuga,cada mundo, cada palavra dita em voz alta que faz tudo acontecer. Tantos personagens, seus apelidos épicos, o ódio dos vilões, o amor e união dos protagonistas. Protagonistas que fogem do padrão, fico sem saber quem é o protagonista afinal: o pai e a filha? o amigo do pai? a mãe com sua história surpreendente? o amor da filha? o escritor do mundo? A tia? Não sei dizer, todos se entrelaçam...
Um livro que fala sobre livros, a magia das palavras, o poder da colocação das frases.
Quando a trilogia acaba, quando fechei meu livro: ressaca literária. Dias sem ler até absorver todos os acontecimentos, a partir desse dia ler em voz alta não é mais a mesma coisa...
Anna 10/05/2014minha estante
também tive uma baita ressaca literária desse livro, passei dias pensando e repensando sobre todos os fatos




Sheila 27/02/2014

Resenha: "Morte de Tinta" (Cornelia Funke)
Por Sheila: Olá pessoas! Como estão? Hoje trago a vocês a resenha do último livro da trilogia Mundo de Tinta, de Cornelia Funke. O primeiro e o segundo livro da trilogia já foram resenhados pelo blog aqui http://www.dear-book.net/2013/04/resenha-coracao-de-tinta-cornelia-funke.html e aqui http://www.dear-book.net/2013/06/resenha-sangue-de-tinta-cornelia-funke.html. Como vou fazer um "resumão" e começar no ponto onde o segundo livro acabou, quem não leu ainda, e não gosta de estragar a surpresa pode parar de ler por aqui ...

Aos que continuaram, avante! Confesso que gostei muito mais do fim do primeiro livro do que do segundo. Afinal, o primeiro livro realmente ACABA. O segundo foi escrito, a sequência da estória ficou muito boa, mas se a autora quisesse ter parado no primeiro, poderia sem problemas.

Agora, ao fim do segundo livro, as coisas terminam tão INACABADAS, que escrever um terceiro para fechar a trama é uma obrigatoriedade. Mas, enfim, para quem não lembra, muitas coisas aconteceram: Meggie, que não consegue parar de pensar no mundo encantado de "Coração de Tinta", se lê junto com Farid para dentro do livro, onde já esta Fenoglio, seu criador - e que foi parar na estória ao fim do primeiro livro.

Dedo Empoeirado, que nunca conseguiu se adaptar ao mundo de Mo, finalmente encontra um leitor - Orfeu - que o lê de volta para sua estória. Nesse meio tempo, a Gralha, mãe do vilão do primeiro livro, encontra Mo e Resa e também os lê para dentro do livro - pensando nele encontrar seu filho vivo. Mas o mesmo não acontece, e o reino encontra-se uma bagunça, com a estória "se contando", o que irrita Fenoglio a ponto de tentar, junto com Meggie, recontá-la.

Mas as coisas não acontecem como Fenoglio previra: ao fim do livro, temos um reino dizimado pela guerra; um vilão cruel e, agora, imortal, que os persegue sem descanso; Mo transformado em um herói de canções e fora da lei com a cabeça a prêmio; Dedo Empoeirado morto; e Fenoglio arrasado com a quantidade de sangue (por isso "Sangue de Tinta") que suas bem intencionadas palavras acabaram por derramar sobre o povo inocente.

No início do terceiro livro, vemos o romance entre Meggie e Farid se desenrolar, assim como uma inversão entre os papéis de Mo e Resa: se no segundo livro causa-lhe dissabor ver a forma como sua mulher e filha sentem-se fascinadas por este mundo (as vezes nada encantador, apesar de seus seres fantásticos e paisagens exuberantes) agora é Mo quem não que ir embora, e Resa quem apela para que retornem.

Afinal, a insegurança de não se ter onde dormir, o que comer, e ser constantemente caçados por um tirano cruel e imortal, faz com que a estadia neste reino - mesmo que encantado - não se torne mais tão prestigiada assim. Até por que Mo as vezes fica estranho; já não é mais só ele. Dentro de si carrega Gaio, o herói fora-da-lei que, se protege os fracos, também se expõe a riscos, o que não passa despercebido a sua mulher.

"Mo olhava para suas mãos como se fossem de outra pessoa. Quantas vezes Meggie vira como elas cortavam papel, encadernavam páginas, esticavam couro - ou colocavam um esparadrapo sobre uma ferida em seu joelho. Mas ela sabia bem demais do que Mo estava falando. Ela já o observara o suficiente, quando ele treinava com Baptista ou com o Homem Forte atrás dos estábulos - com a espada que ele carregava consigo desde o Castelo da Noite. A espado do Raposa Vermelha. Ele a fazia dançar, como se suas mãos estivessem tão acostumadas a ela como ao cortador de papel ou uma dobradeira.
Gaio."

Enquanto isso, Orfeu, que também foi lido para dentro do livro, cada vez mais perde-se em criações bizarras e modificações a seu bel-prazer no mundo criado por Fenoglio, sem que este faça nada para impedir; afinal, Fenoglio já não escreve mais, talvez por medo do lugar onde as palavras o fizeram chegar há bem pouco tempo ...

"Com um gemido, ele se esticou sobre o seu saco de palha e fixou o olhar no ninho de fadas vazio. Haveria uma existência mais triste do que a de um escritor cujas palavras se extinguiram? Haveria destino pior do que ser obrigado a ver como outro torce nossas próprias palavras e decora o mundo que criamos com esparadrapos coloridos de mau gosto? Nada mais de quartos em castelos ... apenas o quarto no sótão de Minerva. E era um milagre que ela o tivesse aceitado mais uma vez - depois de suas palavras e canções terem cuidado para que ela não tivesse mais marido nem um pai para seus filhos."

Já Dedo Empoeirado, este continua perdido para as Damas Brancas, sendo pranteado por todos mas, principalmente, por Farid, que acaba virando servo de Orfeu com a promessa de que este escreva as palavras que o tragam novamente à vida, muitas vezes decepcionando Meggie que se sente em segundo plano em sua vida.

"Havia dias que esperava por Farid. Ele prometera voltar. Porém, no pátio estavam apenas seus pais e o Homem Forte, que lhe lançou um sorriso quando a viu na janela (...)
- Quanto tempo faz que Farid foi embora? Cinco dias, seis?
- Doze - Meggie respondeu com a voz chorosa e escondeu o rosto em seu ombro ..."

A maior parte da leitura do livro é tensa, principalmente por que, depois do segundo livro - onde Dedo Empoeirado morre, assim como Cosme, o Belo - e tudo dá errado no final, é de se esperar que qualquer coisa aconteça. Afinal, nem sempre o final feliz acontece sem perdas, o que Cornelia parece deixar claro desde seu primeiro livro.

Por mais que o livro seja o relato de um mundo encantado, a maldade, a mesquinhez, o egoísmo são humanos demais para que não nos toquem de maneira profunda, sendo responsáveis por uma espécie de mal estar e desassossego durante a leitura das mais de mil páginas da trilogia. Agora, se eu gostei dos livros? Não, gostar seria pouco: eu AMEI cada frase, cada descrição belíssima, cada nuance, cada cor, cada cheiro criado pelas palavras divinamente utilizadas pela autora.

Nem preciso dizer que eu recomendo, não é? Abraços

site: http://www.dear-book.net/2014/02/resenha-morte-de-tinta-cornelia-funke.html
comentários(0)comente



Juliana 23/01/2014

Maravilhoso!
Último volume da trilogia Mundo de Tinta. Diferente do que acontece entre o primeiro e o segundo volume, a história prossegue com os acontecimentos do segundo livro, sem um desfecho, como ocorreu no fim de Coração de Tinta, o que faz com que, muitas vezes, a história de um se confunda com a de outro, principalmente para quem já leu a trilogia há algum tempo. O livro é excelente, certamente melhor do que o primeiro, embora eu não saiba dizer se é melhor ou pior do que o segundo, digamos que seja tão bom quanto.

Nessa história, a maior parte dos personagens se mantém, praticamente não havendo inclusões importantes, exceto por Doria, um jovem personagem bem “fofo” que começa quase sem nenhuma importância, mas que no fim, consegue alguma por suas ações e relações. O desprezível Orfeu consegue aumentar seu papel, se tornando ainda mais desagradável, apesar de Cabeça de Víbora continuar como vilão principal, enquanto Mo, se torna ainda mais participativo na história como herói da trama. Resa também é outra que ganha algum destaque nessa continuação, enquanto Meggie e Farid ficam um pouco mais passivos.

Um ponto negativo da história são os capítulos que falam de Darius e Eleanor, a gente quase pode perder a paciência com os lamentos da última que perduram desde Sangue de tinta, até quase metade do último volume. Devido aos acontecimentos do final do volume anterior, Fenoglio também se torna um pouco mais chato e reclamão, pelo menos até a metade livro, quando ele e seus escritos começam a ter uma participação maior.

A inclusão de alguns personagens secundários serve para quebrar um pouco a distinção tão clara entre o bem e o mau do volume anterior, mostrando que nem sempre o “lado dos bons” é totalmente altruísta, o que dá certa maturidade à narrativa. O desfecho da trilogia termina com os personagens felizes, como é de se esperar, mas não completamente ausentes de problemas, dando, inclusive, brechas para uma possível continuação, mas dificilmente esta poderia ser tão agradável quanto a narrativa recém-encerrada.

Excelente livro, excelente trilogia, nos faz pensar, em vários momentos, na importância dos livros e das palavras, além de ser, de certa forma, um elogio tanto aos autores quanto aos leitores, além de, é claro, aos tão amados livros!

site: http://fantasticosmundosdepapel.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



FabyTedrus 02/11/2013

Morte de Tinta - Cornelia Funke
Acabei de ler as ultimas páginas da série do Mundo de Tinta, vou sentir saudades! Oq da pra dizer desse livro sem soltar nenhum spoiler é o seguinte! É uma história onde tudo muda muuuito rápido, as coisas dão errado e dai surge uma ideia e dentro de poucos capítulos já mudou tudo e você mal vai se lembrar do problema anterior pq tem um novo! É... esse livro é bem criativo no quesito crueldade! Da vontade de jogar ele na parede as vezes, mas como me acostumei com isso de que tudo muda eu já ficava esperando como iam resolver aquilo.
É encantador, mágico! Dá vontade de viver dentro de um livro tbm, apesar de todos os apesares hahaha!
Eu recomendo muuuito, vale a pena.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Leidiane 18/02/2013

Coleção perfeita
Depois de sofrer nas mãos de Capricórnio em "Coração de Tinta", e quase morrer nas mãos de Mortola, além de ser obrigado a ajudar os vilões em "Sangue de Tinta", Mortimer volta em "Morte de Tinta", como o herói de todo o mundo de tinta, exaltado em Ombra e imortalizado nas canções; ao assumir o papel do Gaio, ele se torna o único capaz de mudar a história do mundo de tinta.
Uma coleção muito gostosa de ler, dá para sentir a paixão pelos livros em cada palavra de Cornelia Funke.
Só um conselho: se quiser ler o "Coração de tinta", não assista ao filme! É um filme fraco, e não mostra nem um terço da magia do livro, que Brendan Fraser fique apenas em "A Múmia"!
Boa leitura!;)
comentários(0)comente



Julianna 01/02/2013

Meu mundo de tinta...
Depois de ter me transportado para o Mundo de Tinta por algumas semanas, confesso que quando cheguei ao final da história eu me sentia parte dela... Sinto muita falta de Dedo Empoeirado e de Mortimer... Parecia que faltava alguma coisa na minha vida por dias depois que terminei minha leitura... Recomendo aos que ainda não leram e aviso aos que viram o filme que a viagem para este mundo é na realidade muito mais misteriosa do que pode parecer e muito mais mágica do que eu esperava encontrar...
comentários(0)comente



Bia 26/12/2012

Triste Desfecho Incrível!
Fim da história realmente? Essa trilogia é tão impressionante que me faz até acreditar de verdade na história. Acreditar nas palavras de Fenoglio , como quando ele diz algo do tipo: "E se existem outros mundos, E se nossa história também não foi escrita da mesma maneira como o Mundo de Tinta?" E não é só isso, enquanto você está lendo este e os outros livros antecessores, você está mais do que em qualquer outro livro envolvidíssima com a história de Cornélia.

Agora que terminei de ler, ainda é difícil me desapegar do mundo de Tinta. Não sei se só eu, mas fui obrigada a perder algumas lágrimas com os dois últimos livros. Não que o primeiro não seja tão bom quanto os outros, mas foram os que mais me envolveram.

Os personagens então, Não sei por onde começar! Meggie ainda é minha personagem favorita, mas Farid, Dedo Empoeirado, Mo, Resa, Elinor, Príncipe Negro... Ah, todos são perfeitos, até os vilôes! Não tinha como ser melhor. Até o Jacopo foi incrível.

Quando acabou eu desejei que tivesse mais capítulos, mais história, mais aventura, mas logo me dei conta que se tivesse, estragava, porque Cornélia soube exatamente como terminar o livro sem nos abalar tanto, Pois o desfecho que ela criou para a trilogia foi o que eu, e o que provavelmente todos os amantes do Mundo de Tinta desejavam.

Agora falta ressaltar uma coisa que me fez pensar muito... Em algum capítulo do final do segundo livro, "Sangue de Tinta", Dedo Empoeirado pensou algo que, pareceu fazer muito sentido pra mim. "Se eu lhe dissesse que há palavras escritas que formam o nosso destino como uma linha invisível, certamente ele não acreditaria." Então eu comecei a refletir sobre isso, que o nosso Destino pode estar escrito, mas assim como ele pôde mudar o dele, nós também podemos, nós temos as nossas próprias escolhas, caminhos a decidir, mas não quer dizer que não exista um destino "escrito" para nós.

Cornélia agora é minha escritora preferida, graças a esta maravilhosa trilogia, com citações maravilhosas, aventuras, romances, tragédias, alegrias, heroísmo, coragem, literatura, e com uma outra grande paixão minha: a Filosofia oculta nas palavras!

Com certeza, recomendo mais que qualquer outro, vale a pena muito ler essa trilogia.
comentários(0)comente



Rouge 23/10/2012

Sensacional
É uma série de livros extraordinária, com personagens muito bem tratados e muito carismáticos. Diria que é impossível até mesmo escolher um preferido. Apesar de ser um livro de fantasia, suas páginas estão cheias de realidade, pois as pessoas mudam, as situações as mudam, elas não são um retrato pintado, mas seres cheios de complexidade com seus medos e orgulhos e sentimentos dúbios.

Além disso o relacionamento com os livros e as palavras é encantador.

Recomendadíssimo, mesmo para quem não gostou do filme. Indispensável para quem gosta muito de ler e sempre quis que uma história se tornasse realidade.
comentários(0)comente



104 encontrados | exibindo 61 a 76
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7