O plano perfeito para dar errado

O plano perfeito para dar errado Cameron Lund




Resenhas - O plano perfeito para dar errado


25 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Mila.Maluka 13/05/2021

O Plano Perfeito para dar Errado
Romance bonitinho. Bem colegial. Achei que poderia ter mais ação, mais aventura. Achei um pouco fraco o conteúdo.
comentários(0)comente



Anaysa 08/05/2021

Esse livro é puro romance adolescente, uma história leve e divertida onde Keely acha que já está na hora de perder a virgindade. A história acontece no último ano do ensino médio, onde todos se conhecem desde o jardim da infância. Kelly sempre se sentiu deslocada quando o assunto é menino, acha que os garotos não a enxergam como mulher e sim como mais um "cara". Porém tudo muda quando ela conhece Dean e como ela não tem experiência em assuntos amorosos, acaba pedindo ajuda para Andrew, seu melhor amigo. Keely acha que tem um plano para que tudo seja perfeito, porém o plano é perfeito para dar errado.

💭 "Não é perfeito, porque como eu poderia esperar que fosse? Eis o que compreendi a respeito dos momentos: você não consegue planejá-los. Os melhores são sempre os que nos pegam de surpresa."
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



dayukie 21/04/2021

Resenha completa no blog DaYukie!
"[...]
A história do livro é realmente em volta disto, e passamos a refletir (pelo menos comigo foi assim) a importância de respeitar o seu tempo, de entender que cada coisa tem o seu momento e não tentar acelerar as coisas para “agradar” uma sociedade que quer você moldada a ela, mas que não te dá muita coisa de volta.
A história em si é leve, fluida, dá muito esse momento reflexão, mas no geral é muito gostosa, você se vê em várias situações iguais aos que os personagens estão passando e fica lembrando, é uma viagem, sem contar que isso é positivo, porque te conecta aos personagens.
No quesito capa, eu achei fofa e combina bem com a história. Revisão e diagramação, a editora não deixou a desejar também.
Os personagens são cativantes, envolventes e até engraçados, algo que não é sempre que encontramos.
Por fim, o livro está mais do que recomendado, principalmente se gosta de um young adult. Eu com certeza recomendo esse livro! Sei que vão gostar e até querer mais da autora, pois no fim você fica pensando: já acabou? Passou tão rápido."

Resenha completa no blog DaYukie

site: http://bit.ly/OPlanoPerfeitoparaDarErrado
comentários(0)comente



Rafa 05/04/2021

o plano perfeito para dar errado.
tudo falta de comunicação, se esses pirralho só tivessem conversado entre si nada disso teria acontecido, o final foi o melhor com certeza acho que mais por isso o livro é bom mesmo
comentários(0)comente



Beta Oliveira 16/03/2021

É o último ano do ensino médio dos alunos de Prescott. Keely tem uma festa surpresa de aniversário que rende ainda mais surpresas. Acostumada a ficar sempre à parte, ela se vê desejando Dean, com quem trabalha em uma videolocadora.
No entanto, por ser virgem, Keely teme que ele não a queira ao saber disso. E a partir de uma sugestão, pensa ter encontrado a solução perfeita.
A partir disso, é eita atrás de eita, com as confusões sentimentais, a necessidade de pertencimento, as rivalidades, incertezas, dúvidas e competições, antes do baile de formatura e do fim desta etapa da vida deles.
Os personagens são mais do que aparentam, o que faz a gente se lembrar de que temos uma visão parcial sobre os outros – o que abre espaço para muitas surpresas e reviravoltas.
Gostei do jeito da autora contar histórias, das referências cinematográficas, do relato machista e misógino que ainda vemos por aí, dos micos e situações constrangedoras e do fato que há planos que podem dar errado para apontar o caminho onde dão certo, né?

O texto completo está no Literatura de Mulherzinha.

site: https://www.literaturademulherzinha.com.br/2021/03/cap-1751-o-plano-perfeito-para-dar.html
comentários(0)comente



Bea 15/03/2021

Sessão da tarde
Eu raramente leio livros do gênero então achei que não iria gostar, mas acabei me surpreendendo. É o clichê que todo mundo espera, porém os personagens são verdadeiros e as circunstâncias são honestas. Livro super rápido e gostoso de ler.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Lulu 28/02/2021

O clichê perfeito!!
O típico romance de sessão da tarde!!

Logo que vi a sinopse fiquei louca para ler esse livro e que livro bom!! Aquele tipo de leitura que você fica suspirando pelos cantos enquanto lê, sabe?
Andrew entrou pra lista de personagens favoritos, a forma como ele trata a melhor amiga, e o seu jeitinho doce meio galinha, é muito fofo!!!

Sem contar, que embora seja bem clichê, da pra se surpreender com esse livro. Por isso, se quer uma leitura rápida, romance adolescente, que te dê um quentinho no coração, que você se apaixone pelo personagem e seja um clichê maravilhoso, esse livro é o ideal!!
comentários(0)comente



Prólogos da Fer 18/02/2021

O plano perfeito para dar errado em @prologosdafer
"- Eu não sou sempre parte da história? Quer dizer, tudo o que fazemos se torna parte do passado no instante em que fazemos."

Quando eu li a sinopse pensei que seria mais um livro clichê de romance adolescente. Ai como fui enganada.
Keely é uma típica adolescente, com problemas de adolescente. Só que o maior problema, para ela, é ainda ser virgem. Ainda mais que de todas as suas amigas ela é a única nessa "terrível" condição.
Keely não quer ter esse nível de intimidade com nenhum dos meninos que estudam com ela, afinal elas os conhece desde o jardim de infância.
Então, surge Dean e ele é a pessoa perfeita para resolver a situação de Keely. Lindo, universitário e ainda por cima está interessado nela.
Keely tem um amigo de infância, o Andrew, as famílias são amigas e os dois adolescentes compartilham muitas coisas em comum.
Para que Keely possa entrar sem preocupação na faculdade ela precisa perder a virgindade, mas Dean não sabe que ela é virgem. E ela quer muito dormir com ele, mas não tem ideia de como fazer e precisa de ajuda com isso. Ela precisa de alguém confiável e por quê não seu amigo Andrew?! Afinal ele tem experiência, né?!
.
.
Eu simplesmente me surpreendi com essa história. Tinha tudo para ser bem boba, bem comédia adolescente. Só que há muitas coisas por traz da perda da virgindade do de Keely.
.
A autora tocou em questões que afligem mulheres ao redor do mundo. Aquelas que são abertas ao que querem e não tem medo podem ser taxadas como vulgares ou outras palavras muito piores.
Mas claro que existe o romance, com uma boa dose de enrolação que vai te fazer querer sacudir os personagens. Mas o que seria da nossa vida amorosa sem um pouco de drama?!

"Dean não é bom demais pra mim. Eu sou boa demais pra ele."

site: https://www.instagram.com/p/CLaOuvcD2O9/?utm_source=ig_web_copy_link
comentários(0)comente



Babih (@nurseliteraria) 16/02/2021

Fofo e leve
Keely está no último ano do ensino médio, sempre teve Andrew como seu melhor amigo e todas as suas primeiras vezes foi com ele.

Na sua festa de 18 anos, sua amiga Danielle acaba perdendo a virgindade, tornando Keely a última virgem da turma. Ela não quer ser a única virgem, mas também não quer dar esse momento para qualquer um. Estando no último ano ela é obrigada pelo pais a trabalhar depois da aulas, e é nesse novo emprego que ela conhece Dean. Um calouro da faculdade que parece ter saído de um filme clichê e está interessado nela.

Temendo que ele perca o interesse se descobrir que ela é virgem, Keely decide pedir ajuda a Andrew, para que eles transem e ela deixe de ser virgem. Podendo assim demonstrar experiência para Dean. Porém, a amizade entre eles precisa se manter intacta após isso. E é aí que as coisas começam a dar errado.

"O Plano Perfeito Para Dar Errado" trás aquele velho conflito que se instala como um vírus no ensino médio: ser ou não virgem. Se você ainda é virgem como Keely, te julgam como medrosa, sem sal, te chamam de a esquisita da turma. Se excersse sua liberdade sexual, te chamam de vagabunda, oferecida, etc. E esse é o paralelo vivido por Keely e Danielle. Ambas sendo julgadas por exercerem sua liberdade de escolha de ser ou não virgem.

Cameron trás o lado mais tóxico dessa questão, onde você se ver pressionado a tomar uma atitude em prol dos outros em ver de ser por você mesma. Para não ter que carregar um rótulo e sofrer com isso. E devo confessar que essa é a pior fase para qualquer adolescente seja menino ou menina. Me fez lembrar muito o meu próprio ensino médio e lembrar de quantas amigas perderam um momento que é único pela pressão das pessoas.

O que mais gostei foi a amizade de Keely e Andrew. Queria muito ter uma relação como a deles. Andrew é um fofo, ajuda e faz tudo por Keely. Ele é visto como o pecador pela escola e mal sabem eles que não é bem assim. Além de trazer mais para final a pressão sofrida também pelos meninos em ter que ser o pecador, se não é considerado fraco e menos homem pelos colegas.

Keely me irritou algumas vezes com sua constante obsessão por Dean. Meu Deus, se eu era assim na adolescência peço desculpa a quem teve que me aguentar. Tudo dela é o Dean. Mas quem nunca pensou no crush 26 horas por dia que atire a primeira pedra.
Me identifiquei com ela na questão de não ser vista como a descolada. Assim como ela eu cresci com meninos, então agia como um boa parte da minha vida além de que a aparência era a última coisa que me preocupava assim como acontece com Keely. Indico para quem ama YA e que adora relembrar a adolescência. Uma leitura leve e fluída para seu Carnaval.
comentários(0)comente



Livros da Julie 15/02/2021

Quando a amizade encontra o amor
-----
"Para quem não está pronto ou sente que está ficando para trás. Lembre-se, não é uma corrida."
-
"Sexo e amor devem caminhar juntos (...) Mas qualquer pessoa que se apaixona está ferrada."
-
"em outras partes do mundo, em culturas diferentes da nossa, a religião desempenha um papel muito maior na formação de ideias de sexo e pureza. Para algumas pessoas, o sexo só vem com o casamento. Não é embaraçoso aguardar. Isso é esperado. O sexo é uma demonstração de amor, algo sagrado."
-
"Não estou à espera do casamento. Nem sequer estou à espera do amor. O que quero é respeito e confiança."
-
"'Espere até estar pronta' (...) Mas como saber quando estamos prontas? A gente acorda um dia e de repente se sente mais crescida, mais adulta?"
-
"Nós fizemos amor. Juntos. Mas, por algum motivo, eu sou a vagabunda. Sou a vagabunda porque transei uma vez com uma pessoa."
-
"O amor não é isso? Outra pessoa se ligando ao seu cérebro, corroendo seu coração, sua alma, consumindo você inteiramente? O amor é apenas um parasita."
-
"é mais fácil paquerar e perdoar do que ficar brava; afinal, como garotas, fomos treinadas a vida toda para dar aos homens o que eles querem, para pedir desculpas quando o que realmente queremos dizer é 'foda-se'."
-
"Por que é tão difícil ser honesta sobre o que você quer quando está nua?"
-
"quando os rapazes machucam uma garota, eles querem o crédito. As garotas são melhores em golpes abaixo da superfície: mordidas que você não vê chegar até ser arrastado debaixo d'água."
-
"Não há como vencer, não é? Você é uma vagabunda se transa, uma provocadora se quase dá, uma puritana se não dá e uma vadia se se defende."
-
"Eis o que eu compreendi a respeito dos momentos: você não consegue planejá-los. Os melhores são sempre os que nos pegam de surpresa."
-
"é isso que o amor é: essa dor constante pelo resto da minha vida por medo de que alguém ou alguma coisa possa tirá-lo de mim."
-
"talvez sejamos mais malvadas com as pessoas que amamos porque queremos acreditar que elas vão nos amar aconteça o que acontecer."
-----
O plano perfeito para dar errado foi o livro do mês de janeiro da leitura coletiva da Faro Editorial promovida pelo Clube Literário FerAvellar (@clubeliterarioferavellar #ClubeLiterarioFerAvellar).

Quando flagra sua amiga Danielle na cama com Chase, Keely percebe que agora é a única virgem que restou na turma. Isso não seria exatamente um problema, se todos da escola também não soubessem disso. De todo modo, Keely não precisava se preocupar muito, pois nenhum dos seus colegas demonstrava qualquer interesse por ela.

Ao sair em busca de um trabalho de meio período, ela acaba conhecendo Dean, um rapaz mais velho e descolado, que já estava na faculdade e parecia um ator de cinema. Para o completo espanto de Keely, ele começa a paquerá-la e tudo indica que ele tem algo mais sério em vista do que um namorico de adolescentes.

Porém, ela não se sente preparada para dar esse passo, principalmente porque acha que vai acabar decepcionando Dean com seu desconhecimento e sua falta de jeito. Por que então não ter a primeira vez com seu melhor amigo, Andrew, com quem convive desde a infância e compartilha tudo? Não seria excelente ter essa experiência com alguém que lhe conhece melhor do que qualquer outro e que lhe deixaria mais à vontade? Parece uma ótima ideia, mas será que Keely não passaria a ver seu amigo de outro modo, a sentir algo mais por alguém que sempre esteve ao seu lado? Essa é uma das grandes ironias da vida, seja aos 18 ou aos 80.

Confesso que não esperava gostar tanto do livro, mas qualquer receio que eu pudesse ter se desvaneceu já nas primeiras páginas. É uma leitura super rápida, gostosa e descompromissada, que daria um ótimo filme de tão empolgante, com todos os ingredientes de um bom romance e com direito a todas as confusões e problemas de comunicação possíveis. A gente fica com o coração na mão, se sentindo na pele dos personagens, torcendo por eles, passando raiva, querendo gritar e sacudi-los pra ver se eles se entendem.

O livro retrata de forma impecável a descoberta do amor entre os jovens, aquele mágico momento em que você descobre que está verdadeiramente apaixonado. Porém, ele não deixa de representar os sofrimentos, as dúvidas e as desilusões de um primeiro relacionamento, o balde de água fria que é notar que atração é um sentimento completamente diferente de amor.
.
Várias outras questões também são abordadas, como a existência de amizades tóxicas, a insistência em relacionamentos fadados ao fracasso e, principalmente, a nossa incapacidade como sociedade de lidar com o tema da primeira relação feminina sem tabus, pressões ou preconceitos. Vemos claramente todos os rótulos que insistem em infligir às mulheres e que fazem de algo tão maravilhoso como o início da vida sexual um tormento sem fim.

Nesse terreno pantanoso de incertezas, não é difícil se deixar levar por uma baixa autoestima. Ela nos faz ignorar a verdade e enxergar a realidade de forma distorcida. É um veneno para a vida, minando oportunidades de forma silenciosa e destruindo vislumbres de um futuro promissor. Dá pena pensar em cada possibilidade perdida, em cada história que nem teve a chance de começar, simplesmente por medo, por falta de coragem ou iniciativa de ambas as partes.

A autora fez a mágica de me transportar para esse período de transição para a vida adulta e me fazer recordar todas as desventuras que também vivi, trazendo à tona cenas, vozes, emoções e sentimentos tão bem guardados. Parece que nunca deixamos o passado totalmente para trás.

É com leituras assim que me pego refletindo sobre o impactante poder da literatura em nossas vidas. Com os livros nos reconhecemos, nos redescobrimos, revivemos, choramos e seguimos em frente, felizes por termos em nossa estante mais desses bons companheiros que nos tocam fundo e lembram que as dificuldades não duram para sempre, que há esperança e tudo vai ficar bem: o final pode ser feliz.

site: https://www.instagram.com/p/CLQBreAjtQe/
comentários(0)comente



Marianinha 14/02/2021

Incrível!!
Amei este livro, amei mesmo, ele fala sobre primeiros amores, primeiros amigos, sobre escolhas que temos que fazer nos últimos anos do ensino médio, que temos que fazer na nossa adolescência e como, às vezes, nos deixamos levar pelos outros! Acho uma leitura muito legal principalmente pra quem está ingressando na vida adolescente, para entender que nem tudo se trata de corrida e muito menos de ficar para trás. Supeeeer indico!!! ???
comentários(0)comente



Bru | @umoceanodehistorias_ 04/02/2021

Aquela lembrança gostosa da adolescência
Comecei esse livro sem esperar muito e me surpreendi pela forma como a autora trabalhou a trama e os personagens. É uma história sobre primeiras vezes, amizade e respeito, principalmente com nós mesmos.

Esse livro teria conversado muito com a Bruna adolescente.
comentários(0)comente



Nathi 04/02/2021

Se pode dar errado...
Melhores amigos é receita certa para coração quentinho, sempre!

Keely é uma adolescente um tanto quanto insegura e com uma vocação para fazer escolhas duvidosas.

Andrew é o melhor amigo dela desde sempre, afinal suas mães se conheceram quando ainda estavam grávidas.

Em comum eles tem, o vegetarianismo dos pais, o gosto por filmes, a paixão por pizza e Hitchcock e a amizade de Hannah.

Hannah é a melhor personagem secundária de todos os tempos. Do que tem de leal aos amigos e shippadora oficial do casal, tem de gosto péssimo para homens.

A amizade de Drew e Keely é linda e fica u tanto quanto confusa, quando ela conhece Dean.Sabe aquele cara gato, motoqueiro e com jeito de que é problema? Dean é a personificação do sonho adolescente de Keely e em meio as suas inseguranças, ela acaba mentindo e falando que não é virgem.

Melhores amigos não são para nos ajudar a resolver problemas?

Keely também pensa isso e pesa ajuda a Drew para dar um jeito na questão virgindade dela e é aí, que tudo começa a desandar.

Por mais que tenha achado o livro muito divertido, ele também aborda questões seríssimas, como por exemplo:
?Apressão de fazer algo que no fundo não que;
?Como as pessoas podem ser cruéis, manipuladoras e intimidantes;
?O machismo,
?A insegurança,
?E as relações tóxicas.

Todos as assuntos abordados de forma leve que vai nos conduzindo a uma análise, nos faz refletir sobre amizade, família, expectativas e amor.

Amei a forma como me vi envolvida na leitura e principalmente que no final fiquei com o meu coração quentinho.
comentários(0)comente



25 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2