Os Donos do Poder

Os Donos do Poder Raymundo Faoro




Resenhas - Os Donos do Poder


5 encontrados | exibindo 1 a 5


Cleilson G. Tor 25/05/2009

Livro muito bom. Ele é quase completo quando o assunto é poder político brasileiro. Utilizei ele para fazer a revisão de literatura do meu projeto de monografia que irá falar principalmente sobre representatividade política. Com ele consegui fazer um histórico da guarda nacional até a sua desativação, e o que os cargos dela deixaram de herança para a população pobre, analfabeta e sem conhecimento politico algum, que é justamente as praticas do "voto de cabresto", praticados pelos "coronéis".
No geral a obra é boa.
comentários(0)comente



Lista de Livros 23/12/2013

Lista de Livros: Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro – Raymundo Faoro
“A história, uma vez aberta ao dinamismo, não contempla atos gratuitos e inconsequentes – ela devora, segundo uma ideia que seria cara a Hegel, homens e instituições.”
*
“Em todos os tempos, as culturas, quando se encontram, combatem, com o sacrifício de uma, num permanente processo de trituramento interior, com a sobra da nostalgia idealizada da civilização perdida e soterrada, longínqua e morta.”
*
“‘Entre as instituições militares e o militarismo vai,’ – dirá Rui Barbosa, em 1909, com a correção quase sociológica dos termos – ‘em substância, o mesmo abismo de uma contradição radical. O militarismo, governo da nação pela espada, arruína as instituições militares, subalternidade legal da espada à nação. As instituições militares organizam juridicamente a força. O militarismo a desorganiza. O militarismo está para o Exército, como o fanatismo para a religião, como o charlatanismo para a ciência, como o industrialismo para a indústria, como o mercantilismo para o comércio, como o cesarismo para a realeza, como o demagogismo para a democracia, como o absolutismo para a ordem, como o egoísmo para o eu’.”
*
Mais em:

site: http://listadelivros-doney.blogspot.com.br/2011/12/os-donos-do-poder-formacao-do-patronato.html
comentários(0)comente



Diego 12/09/2018

Por que ainda somos subdesenvolvidos
Este livro é importantíssimo nos estudos do subdesenvolvimento brasileiro e suas razões históricas. Mesmo que atualmente haja discordâncias acadêmicas com suas hipóteses (haja vista as obras recentes de Jessé Souza), sua leitura permanece relevante.

A tese fundamental de Faoro é que o Brasil herda dos portugueses o Estado com suas características hibéricas "sui generis": um capitalismo patrimonialista orientado pelo Estado. No topo da pirâmide social não está uma elite formada pelos melhores (mais capazes, mais bem-sucedidos, mais ricos, enfim...). Não; no topo está o ESTAMENTO BUROCRÁTICO.

Esta classe em particular é patrimonialista (o que é público na verdade é dela) e também aristocrática (estão no topo do poder e hermeticamente fechados ali). Faoro explica ao longo de seu enorme "tijolão" de quase 900 páginas como o estamento sobreviveu ao longo de 500 anos de história brasileira. Mesmo com pressões liberalizantes dos irmãos desenvolvidos do norte, ou o canto da sereia socialista do leste... Nada mexeu com a classe estamental. Firme em seus cargos públicos (e controlando politicamente a nossa economia), orientando a sociedade de cima para baixo, dando uma migalha ali e outra acolá, assim o estamento burocrático brasileiro se manteve.

Fica-se triste ao terminar a leitura do livro. Confesso.

Percebe-se que as amarras sociais que nos asfixiam são grossas demais porque são antigas demais.
comentários(0)comente



TalesVR 01/06/2019

Raymundo Faoro desenvolveu um trabalho GIGANTESCO em conteúdo para explicitar a natureza patrimonialista do poder no Brasil. Ele vai atrás das raízes portuguesas da questão e passa por 6 séculos da história do país, até chegar em Vargas. É simplesmente louvável e lindo esse livro. A crítica final depois de passar por toda essa aula é uma coisa que você lê e só consegue balançar a cabeça concordando, é muito bem referenciado.

Experiência pessoal: ''Os Donos do Poder'' requer dedicação e tempo. Achei puxado 913 páginas, mesmo tendo devorado em poucos dias pela qualidade do que estava lendo. Enfim, é uma contribuição enorme aos estudos históricos e uma base para se entender muitos ''porques'' da vida política nacional. Me resta agradecer: obrigado pela companhia, Faoro.
comentários(0)comente



Élida Mercês 19/01/2019

Texto denso que aborda seis séculos de história do Brasil e Portugal, de D.João I a Getúlio Vargas, e me acompanhou durante 15 meses. Gratificante concluir esta leitura/estudo essencial para compreender o Brasil.
comentários(0)comente



5 encontrados | exibindo 1 a 5