Baixo esplendor

Baixo esplendor Marçal Aquino




Resenhas - Baixo esplendor


27 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Marcus.Vinicius 10/05/2021

Literatura brasileira contemporânea
Uma grata surpresa. Marçal Aquino é um dos escritores brasileiros contemporâneos, que depois de um longo tempo sem publicar nada, volta à baila com Baixo Esplendor. O enredo é cinematográfico: Miguel, um policial, infiltra-se, em missão, numa quadrilha especializada em roubo de cargas. Só que a missão sofre a interferência de uma paixão avassaladora e carnal, entre Miguel e Nádia, essa última, irmã de Ingo, chefe da quadrilha. Será que o envolvimento amoroso de Miguel com Nádia atrapalhará os rumos da missão? Com uma narrativa rápida, direta, crua, a história se desenvolve num ótimo ritmo, com cenas de tensão, sexo, intrigas, e vários ingredientes que compõem um excelente thriller policial. Recomendo fortemente!
comentários(0)comente



Dri - @leiturainsone 15/05/2021

Um bom romance
Miguel é o codinome de um policial infiltrado numa quadrilha de ladrões de cargas. Sua missão era simples: conquistar a confiança de Ingo, o chefe do bando, e passar as informações pro delegado acabar com a quadrilha. Porém, Miguel se apaixona perdidamente pela irmã de Ingo e essa relação pode colocar a missão em risco.

O livro é classificado como romance policial. Mas eu não concordo, é a história de um romance. Eu não sou muito fã de romance água com açúcar, só me interessei por esse livro porque conheço a escrita do autor e sei que as histórias dele nunca se limitam a uma única temática.

Então se você gosta de romance, crimes, investigação, e uma pitadinha de mistério, vai fundo nesse livro.

Mas não leia a sinopse fornecida pela editora, porque ela engana: promete uma trama eletrizante com a ditadura brasileira como cenário de fundo. Porém, a ditadura aparece muito diluída na história, dá quase para ler sem perceber que se passa naquela época. A história é muito mais sobre um homem solitário que se perde num personagem e se vê arrependido de ter que voltar para sua vida real. É um drama contado numa narrativa que vai e volta no tempo, te oferecendo migalhas de uma história para vc interpretar o que realmente aconteceu ali. É muito mais sobre conflitos humanos envolvendo amor, amizade, tensão, paixão e traição, do que ditadura.

Para quem já leu Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios: esse livro é beeem mais leve, com uma história mais bonita, mas igualmente incômoda por mostrar que nem sempre as coisas acontecem no melhor momento da nossa vida... [Aquele final...]
comentários(0)comente



Rafael V. 23/07/2021

Leitura leve
Para que gosta de romance policial com uma leitura leve e bem fluída, além de se passar no Brasil e ser escrito por um brasileiro já reconhecido no meio literário e cinematográfico, vai gostar muito deste livro.
comentários(0)comente



Ana Bellot 17/09/2021

Um bom livro
Livro de rápida leitura, flúida. Junta coisas que amo: anos 70, Brasil e histórias de crimes.

PORÉM....

Senti que faltou ousadias. Matar e morrer é algo esperado em tramas policiais, não senti que aconteceu muito por aqui.
O romance principal só me cativou mesmo nas últimas páginas, achei a personagem Nádia muito rasa.
comentários(0)comente



Claudio 21/05/2021

Livro policial pra devorar!
Um livro policial cheio de sensualidade. Um personagem principal incrível e personagens secundários que não ficam atrás.
comentários(0)comente



Mari 25/05/2021

Incrível, mas...
Eu adorei muito! Super fluido, sensual e cativante!

Mas estava esperando algo como Os Infiltrados com Leonardo DiCaprio e Matt Damon, já que é um romance policial onde o Miguel se infiltra em uma gangue. Porém, não rola o medo de ser pego, os tiroteios, o medo de ser pego e o medo de ser pego e morto.

Foca mais no romance. Fica mais um romance com policial.

Apesar disso, a história continua incrível! Os personagens secundários são cativantes!

A Nádia incrível!

O final?! Esperando uma resposta!

Gostaria de saber o que aconteceu com outros personagens!

Uma leitura incrível!
comentários(0)comente



MarciaCannecchia 30/06/2021

Sensacional.
Incrível. Eu sou muito fã de Marçal aquino.
Neste livro, Miguel, nádia, ingo e outras fazem parte de um romance com escrita fluída. A vontade é de não parar de ler. Indico tanto. Sentirei saudades de todos.
comentários(0)comente



André Vedder 26/08/2021

Romance policial de primeira qualidade!
Sou um admirador de romances policiais, mas não qualquer um. E aqui Marçal Aquino nos brinda com um ótimo livro desse gênero. Sua escrita é afiada e pontual, e vai nos conduzindo por uma narrativa intercalada de passado e presente muito bem amarrada pelo autor, e que dessa forma prende a nossa atenção do início ao fim.

"O acaso é o jeito que Deus encontrou para escrever seus poemas."
comentários(0)comente



Ana 26/07/2021

Definitivamente, Marçal Aquino, nunca me desapontou ao falar de amor.
"O acaso é o jeito que Deus encontrou para escrever seus poemas."(p.235)
Assim começa a última parte de "Baixo Esplendor," de Marçal Aquino, mas poderia ser esse o título do livro. Oras! Assim, ficaria lado a lado com o lindo título, do lindo romance "Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios." Enfim! Deixa o meu palpite furado pra lá, eu preciso mesmo é te contar que "Baixo Esplendor" supera todas as expectativas, porque te enlaça do início ao fim, e você termina a leitura querendo uma continuação da história, termina a leitura rezando para que esse seja o primeiro de uma trilogia. Haja vista, que os personagens são tão envolventes, e tão apaixonantes… Quer dizer, o fato de não serem perfeitos (alguns são imperfeitos até demais), torna difícil o desapego à eles, não tanto pelo papel que cada um desempenha na história, e sim, pela personalidade que cada um apresenta; o autor não criou nenhum personagem raso, e acho que esse é um dos pontos que mais admiro na escrita de Aquino: ele contempla a complexidade de gente que conhecemos.
Dia desses, um amigo literário ( assim gosto de pensar, e de me referir, a cada pessoa que conheci por causa da leitura), comentou que teria um pôster dessa capa no quarto.
Te conto: eu também, eu também, teria um pôster dessa capa pra lembrar do quanto sou fã da escrita de Marçal Aquino e colocaria ao lado de pôsteres de filmes que amo e de bandas que adoro, deixaria à mostra, da maneira em que se deixa as coisas de que gostamos, que nos lembram quem somos.

Miguel, Bibi, Kaká, Nádia, Cauby, Lavínia, Seu Careca, Marinês e outros. Definitivamente, Marçal Aquino, nunca me desapontou ao falar de amor.
comentários(0)comente



Dri 22/04/2021

É bom, mas...
Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios é um dos meus livros favoritos, então estava com muita expectativa para Baixo Esplendor.

Tecnicamente, ele é muito bom. Os diálogos são realistas, a ditadura é bem pontuada e acrescenta uma claustrofobia para a trama, os personagens são convincentes, as cenas são bem narradas, a escrita do autor continua excelente. Toda a questão da marginalidade e jornadas cíclicas da vida do crime foi o ponto alto do livro pra mim.

Mas eu acho que ele não vai muito além da sinopse, tudo é muito simples, o romance é a questão principal de tudo e achei até divertidas algumas cenas, mas enjoa ser só isso. E tem algumas cenas tensas no grupo de criminosos, mas parece que nenhuma vai pra frente e dá em alguma coisa.

Eu estava esperando uma história mais ousada, tendo em mente que o cenário é a ditadura e um policial que se infiltra em uma quadrilha de bandidos pra conseguir prendê-los e ainda se apaixonada pela irmã do chefe do bando.

Mas vale muito a pena pra quem já admira o trabalho do autor e gosta de romances em cenários perigosos com fundo histórico.
comentários(0)comente



MãeLiteratura 25/08/2021

Marçal continua ótimo!
Baixo Esplendor é um romance policial ágil e envolvente. Marçal Aquino continua dono de uma prosa afiada e dinâmica.

Nesta trama vamos conhecer Miguel, um "codinome" usado por um policial, infiltrado numa quadrilha de ladrões de carga.

Tudo caminha bem até que ele se envolve com Nádia, irmã de Ingo, o chefão da quadrilha. O que começa com muito sexo e desejo, caminha para uma relação amorosa e que tem tudo para dar errado.

Quem é mocinho? Quem é bandido? Quem é da polícia? Marçal criou personagens muito humanos, num cenário interessante e reflexivo.

Ambientado na época da ditadura, adorei as referências dos anos 70, que marcaram minha vida, como o carro Opala e o programa de TV Almoço com as Estrelas (que eu assistia com a minha avó). A história é muito visual e com certeza daria um filme muito bacana.

Meu destaque vai para Bibi, uma cachorra que sempre teve muita sorte na vida, que era do pai de Miguel e trouxe certa leveza à trama.

Escrita fluida, mergulhei na leitura e devorei o livro. O final...me fez refletir muito! Uau, daqueles que a gente fica literalmente sem ar.

Desde a leitura de Eu Receberia as piores notícias dos seus lindos lábios, um dos meus livros favoritos da vida, aguardo novos livros do Marçal!

Então quando soube deste lançamento, depois de tantos anos, não tive dúvidas, solicitei na hora. Uma dica, tente não comparar os dois livros, pois ler com expectativa costuma ser muito complicado.

Recomendo!


site: https://www.maeliteratura.com/2021/08/resenha-baixo-esplendor-de-marcal.html
comentários(0)comente



Malé 07/06/2021

Venci o preconceito
Estava com receio de ler esse livro, já que não tinha curtido muito ?eu receberia...? do mesmo autor.
Gostei bastante e foi bem gostoso e rápido (pra mim) de ler.
comentários(0)comente



Anderson 12/06/2021

Impossível largar.
Marçal Aquino mais uma vez mostrando ser um dos grandes escritores contemporâneos brasileiros, construindo uma trama que nos prende do início ao fim.

Miguel, um investigador da polícia civil, se infiltra em uma quadrilha de roubo de cargas, mas ao conhecer a irmã do chefe da quadrilha, se apaixona loucamente e inicia um relacionamento que pode vir a atrapalhar os rumos da investigação.
comentários(0)comente



valteralvees 02/10/2021

Amor marginal
Baixo Esplendor é mais uma excelente obra de Marçal Aquino. A história, que se passa durante o período de ditadura militar, traz vários aspectos já familiares em seu outro romance, ''Eu receberia", como a disposição dos acontecimentos na história, que é muito bem pensada, hora trazendo eventos passados, hora futuros, deixando o leitor curioso. Em matéria de personagens, o livro também traz personagens muito cativantes, mas, ao meu ver, não tanto quanto os da obra anterior. O grande ponto forte da trama é o suspense acerca da identidade do personagem principal, Miguel, que acaba se envolvendo emocionalmente com os principais investigados, e, sobretudo, com Nádia. O romance entre os dois é deveras idealizado e utópico em diversos momentos, mas ainda assim, muito bem escrito e explicado. Não é tão bom quanto "Eu receberia...", mas, ainda assim, como já disse, um excelente livro.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



27 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR