O Assassinato de Roger Ackroyd

O Assassinato de Roger Ackroyd Agatha Christie
Agatha Christie


Compartilhe


Resenhas - O Assassinato de Roger Ackroyd


220 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Niájera 07/12/2018

Lento
Esperava mais agilidade e pra mim foi uma leitura muito cansativa.
comentários(0)comente



@dahparra - book galaxy 05/12/2018

O charme de Poirot melhor do que nunca
Fãs de mistério, esse livro é para vocês. A dama do mistério Agatha Christie nos traz uma história afiadíssima, repleta de suspense, intrigas, desconfiança e um senso de humor sutil que deixa a leitura maravilhosa e fluida.

“O Assassinato de Roger Ackroyd” é o quarto livro da série que acompanha as aventuras de Hercule Poirot, um detetive belga baixinho e com um bigode peculiar. As histórias de Poirot são as minhas preferidas da Agatha Christie (outra protagonista das histórias da dama do mistério é Mrs. Marple, uma velhota esperta que sempre ajuda a desvendar crimes, com sua perspicácia e intuição), e esta não decepciona.

Uma das coisas boas dos livros da Agatha Christie é que você não precisa ler na ordem! Pode ir devorando um livro atrás do outro sem necessariamente seguir uma ordem cronológica (que, no caso, é o que estou fazendo, pois vou lendo um ou outro livro dela esporadicamente).

Personagens críveis e humanas
Um dos elementos que mais apreciei nesta história foi o modo como Agatha Christie analisa – para não dizer disseca e expõe – o comportamento humano através de suas personagens. Assim como no clássico jogo de Detetive, neste livro temos personagens que, aos olhos do leitor, parecem igualmente suspeitos do crime.

Todos tem uma motivação, todos parecem estar escondendo algo, e todos estão sob o olhar atento do simpático M. Poirot.

Quem conhece Agatha Christie, sabe que a autora tem um jeito maravilhoso de esconder o assassino até o fim – de todos os livros que li dela, eu nunca adivinhei o culpado! Juro. Todos pareciam suspeitos para mim, e a cada hora eu ficava mudando de opinião conforme ia lendo.

Monsieur Poirot é um personagem divertidíssimo que dá todo um charme à narrativa. Assim como o detetive Sherlock Holmes de Sir Conan Doyle e Dupont de Edgar Allan Poe, Poirot é um homem excêntrico, cheio de manias e com uma mente intrigante. Eu daria qualquer coisa para poder examinar a mente desse homem e acompanhar o raciocínio dele no desenrolar da história!

O modo como Poirot soluciona os crimes é sempre lógico e linear. Para ele, é um simples exercício de lógica e de unir os fatos. Mas, para nós, meros leitores, esse raciocínio sempre se apresenta como algo genial e surpreendente, mas também óbvio. “Mas é claro! Como não pensei nisso antes?”, é algo que muitos leitores devem se perguntar quando se deparam com alguma explicação de Poirot.

"A verdade, por mais hedionda que seja em si mesma, é sempre bela e fascinante para quem a busca."

Estereótipos justificados e bem encaixados
Outros elementos que me fizeram amar esse livro foi o apanhado de personagens caricatas que Agatha Christie criou e juntou sob um mesmo teto. Muitas personagens são estereótipos bem claros de figuras da sociedade inglesa do século XX (como Caroline Sheppard, a fofoqueira incorrigível, e a Sra. Ackroyd, a viúva fútil e facilmente impressionável), mas descritas de um modo deliciosamente divertido e com uma pitada do humor provocativo e sutil de Agatha Christie.

Todas as personagens têm um papel bem definido dentro da história – assim como cada personagem em um jogo de Detetive – e se encaixam perfeitamente no enredo e nas suspeitas de Poirot.

O final? Surpreendente e, ao mesmo tempo, crível. De fato, não pude deixar de soltar um “Ahhh, por que eu não pensei nisso?” quando foi revelado quem era o assassino.

Veredito Final: Nota 5 de 5

site: http://daniellaparra.com.br/blog/?p=284
comentários(0)comente



Sandro 30/11/2018

Meu primeiro Agatha Christie
Minha primeira experiência com Agatha e foi exatamente como se podia esperar, EXCELENTE!. Leitura em ritmo certo, com as nuances e suspenses esperados. O primeiro de todos. Vamos em frente
Christiane 30/11/2018minha estante
Esse é um dos meus preferidos dela. Estou dando prioridade a outros, mas pretendo iniciar uma coleção.




Raphael Cavalcante 22/11/2018

Quem matou Roger Acroyd?
Há quem diga que quem já leu um livro de Agatha Christie já leu todos os outros. É uma tremenda injustiça, ainda que a autora repita com frequência determinados elementos em sua profícua bibliografia. Agatha era, em verdade, uma escritora inventiva, ousada, tal qual comprova a narrativa de "O assassinato de Roger Acroyd" - uma das melhoras obras da dama do crime. E falar muito mais sobre o enredo é entregar a surpresa final que fará com que o leitor releia certas partes do romance, recheado de tipos demasiadamente humanos. Destaque para o capítulo em que um quarteto de personagens joga Mahjong. É catártico.
comentários(0)comente



Dai Angelina 18/11/2018

"Gênia" que se diz, né?
Revolta: esse é o sentimento que tenho no momento e não necessariamente por ter sido enganada, até porque já estou acostumada com essa autora me passando a perna.
A revolta é porque de todos os personagens, o que resultou ser o assassino era o que eu mais gostava, então não desejava que o final fosse esse.
Mesmo após a revelação, não conseguia acreditar no que estava lendo. Levei um tempo considerável para conseguir assimilar e ainda me sinto frustrada e acho que assim me sentirei todas as vezes que lembrar desse livro.
Na verdade, não sei dizer se esse desfecho me agradou. Ele com certeza foi o mais inesperado possível, mas acho que pela primeira vez eu desejava que Poirot estivesse equivocado. Mas é claro que ele não estava, afinal Poirot é Poirot e ele nunca se engana.

Mas deixando de lado minha revolta, só posso dizer uma coisa: UAU!!!
Que desfecho mais incrível. Sério, foi formidável. Com ele a autora apenas confirmou aquilo que todos já sabemos: as aparências enganam e quem vê cara, não vê coração.
Pois é, às vezes as pessoas podem nos surpreender, seja para bem ou para mal.

Enfim, gostei do enredo e também do desenvolvimento.
A narrativa é gostosa, embora um pouco enrolada em determinados pontos, mas isso meio que é normal em clássicos.
O tempo todo fiquei bancando a detetive, mas definitivamente não nasci para isso, rs.
A resolução do crime foi ótima e com coerência. Por alguns momentos fiquei receosa de que fosse ficar alguns fios soltos, mas isso não ocorreu, afinal estamos falando da rainha do crime e ela utilizou até última linha para dar as devidas explicações.
Essa é mais uma excelente obra dessa magnífica mulher e o fato é apenas um: mais do que nunca, ela fez os leitores de trouxa. Mas a verdade é que nem ligo, na verdade adoro quando faz isso, pois apenas demonstra sua genialidade. Só sei que não vou conseguir tirar essa história da cabeça por um bom tempo.
comentários(0)comente



dani-l 10/11/2018

O Assassinato de Roger Ackroyd, de Agatha Christie, foi o livro do mês de agosto do #lendopoirot e do #migaslendomulheres.
Não quero falar muito pra não correr o risco de dar spoiler, pois este é um daqueles livros em que o assassino surpreende muito!
Conforme fui avançando na leitura pensava "que legal se o assassino fosse a pessoa x", mas achava meio improvável, até que chegou o momento em que comecei a desconfiar a sério e achei sensacional quando descobri que estava certa (não por ter acertado, mas pelo inusitado da coisa mesmo 😛). Apesar de ter acertado, não consegui encontrar o motivo. Tiveram algumas pistas que me fizeram desconfiar, mas teve muita coisa que foi "intuição" e, sobre esse ponto, teve uma citação do Poirot no livro que fala disso e vou usar pra encerrar o post: "As mulheres observam inconscientemente milhares de detalhes, sem saber que o fazem. Seu subconsciente junta essas pequenas informações, e elas chamam o resultado de intuição."

site: https://www.instagram.com/p/BnWhz_bHgCn/
comentários(0)comente



Casa da mãe Joana 27/10/2018

Surpresa!
Já li muitos livros da Agatha, mas esse foi o primeiro onde nem de longe eu suspeitei do assassino. E a história é fluida, ela só dá detalhes que realmente são relevantes. Amei!
comentários(0)comente



May 17/09/2018

Mais uma vez eu fui feita de besta
Em primeiro lugar: Parabéns Agatha Christie pelos 128 anos, em segundo: eu já não aguento mais ser feita de idiota por essa mulher.

O milionário Roger Ackroyd foi apunhalado pelas costas com sua própria adaga tunisiana, esse crime se juntou a outro que tinha ocorrido no mesmo dia. Hercule Poirot está passando férias na cidade quando recebe um pedido de ajuda para auxiliar a polícia no caso. Ele vai contar com a ajuda do médico James Sheppard para descobrir quem matou Ackroyd. Esse caso pode parecer muito fácil já que as evidências apontam para um suspeito de em potencial, mas as coisas não acontecem exatamente como é esperado.

Esse foi o meu quinto livro da Agatha Christie e eu sinceramente gostaria de dizer que descobri quem era o assassino mas a coisa definitivamente não foi assim. A Agatha passa o livro todo jogando a suspeita para determinado personagem, mas eu como uma pessoa desconfiada não acreditei muito nisso. Só que o personagem que eu achava que tinha cometido o crime também não foi.

Durante toda a leitura Poirot vai descobrindo alguns segredos que os personagens estavam guardando, mas mesmo com esses segredos sendo revelados não ajuda muito para a descoberta do mistério. Na verdade isso só serve para confundir a cabeça da pessoa.

A leitura flui muito rápida, o ritmo é acelerado, durante os capítulos a Agatha vai colocando soluções que as vezes tem efeitos e outras só servem pra deixar o leitor louco.

O final do livro deixa as pessoas completamente doidas. Eu duvido, D-U-V-I-D-O que alguém consiga descobrir quem é o assassino. É completamente impossível, quando eu descobri o que tinha acontecido fiquei olhando pra frente tentando entender o que tinha lido. Esse livro é a prova de que não se pode confiar em ninguém, absolutamente ninguém.

Foi um livro incrível, um dos meus preferidos da Agatha com toda certeza. Se vocês querem brincar de detetives e errar recomendo muito esse livro. A rainha do crime não está para brincadeiras.

site: instagram.com/meperdinoslivros
comentários(0)comente



Lucas 16/09/2018

Agatha Christie é sempre excepcional. Esse foi um dos raros casos em que li um livro dela já sabendo quem era o assassino, e isso foi bom para eu dar uma analisada no seu método de escrita e ver se existia alguma possibilidade de o leitor adivinhar o assassino. E não, não há.

Como é comum em seus livros, todas as personagens da trama possuem seus segredos, o que faz com que sejam todas suspeitas. Dessa forma, obviamente, o assassino sempre será uma surpresa (e, aqui, é uma surpresa ainda maior!), já que, para o leitor, qualquer pessoa ali possui motivos e oportunidades para cometer o crime. Esse é um método narrativo interessante (e típico da autora), porém um pouco decepcionante, já que nos priva de "investigar" o crime em conjunto com o detetive.

De qualquer forma, no geral, a leitura foi muito agradável. Saber quem era o assassino desde o início não atrapalhou em nada a minha experiência. A única coisa que me incomodou bastante foi a necessidade de o capítulo final mostrar que existiam, sim, dicas de quem era o assassino, como se nos dissesse "ei, veja só, você poderia ter adivinhado tudo logo no começo".

Além de ser algo semelhante com o que os filmes hollywoodianos fazem ao apresentar flashbacks nas cenas finais para explicar seus plot twists, as dicas são tão superficiais que não fazem diferença nenhuma (principalmente quando comparadas aos misdirection's para outros suspeitos). Acho que, no final das contas, esses artifícios são uma ofensa à inteligência do leitor/espectador.
comentários(0)comente



Deia 13/09/2018

Poirot volta
Neste livro Poirot esta de volta e aposentado,pode?
Bem, como sempre Agatha me deixou surpreendida, quem eu menos esperava foi o gênio do mau.
Incrível como ela leva a narrativa solta, sem excessos de palavras, flui tão bem quem mal sentimos o tempo passar.
Os personagens são profundos, dá para imaginar suas vidas antes do acontecimento fatídico.
O gênio do mau premeditou o crime, não foi um assassinato de ocasião, fez tudo minuciosamente, poderia ser um crime perfeito se Poirot não estivesse por perto.
Otimo!!!!!
comentários(0)comente



Andreika 02/09/2018

Surpreendente!!
Como sempre Agatha nos pega desprevenidos e joga aquele final duplo twist carpado na nossa cara!! Em certas horas eu até levantei algumas teorias, mas eram tantas pistas que fiquei perdida, confesso. O único porém são alguns detalhes da trama que achei levemente previsíveis, mas nada que atrapalhe a leitura. Com certeza um dos melhores dela!
comentários(0)comente



Victorrodriw 21/08/2018

21/08/2018 - data do término
comentários(0)comente



Vanessa 03/08/2018

QUE FINAL
Uma das obras primas da autora. Um assassinato, um mistério, um romance policial normal, como sempre ela escreve muito bem, e o tempo todo vc fica imaginado quem é e o final é simplesmente maravilhoso, surpreendente; quem gosta do estilo deve ler com certeza.
comentários(0)comente



Marina 30/07/2018

Surpreendente mesmo!
Que livro é esse, minha gente?! Já tinha lido vários da Agatha Christie, mas esse foi o único que realmente me deixou de queixo caído. Eu não tinha ideia de quem seria o culpado e fiquei muito surpresa com o final. Mas a melhor parte é ler uma história toda amarradinha, onde todos os detalhes vão pouco a pouco se encaixando até você descobrir a verdade. Adorei!
comentários(0)comente



arantex 29/07/2018

Agatha e seu talento
Sempre existem mistérios que te tornam um detetive ao ler os livros de Agatha Christie.
Leitorapaixonada 02/09/2018minha estante
undefined




220 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |