O Homem do Terno Marrom

O Homem do Terno Marrom Agatha Christie
Agatha Christie




Resenhas - O Homem do Terno Marrom


48 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4


Mary Dourado 03/01/2014

Um dos melhores livros que já conheci, sempre que posso releio ele.
A história é muito envolvente, as aventuras da personagem principal, o clímax do desfecho da história, um dos melhores livros que eu já li e que me fez conhecer outros livros da Agatha Christie.
comentários(0)comente



Tata Araujo 16/02/2013

Acabei de ler o Homem do terno marrom...que livro genial,estou encantada,só demorei para ler porque estava com preguiça,mas ele é divino,não sei se vou ler outros livros da Agatha Christie ,romance policial parece não ser muito a minha praia,mas estou apaixonada por esse,só não farei resenha porque como já disse...A preguiçosa que eu sou.
Lady Nataly 08/10/2013minha estante
Estou querendo ler esse livro... Agatha é sempre espetacular em seus livros. O nome do livro, chamou muito minha atenção, e pelo que você mesmo disse deve ser uma história DIVINA :-)
Até mais Tata.


Tata Araujo 13/10/2013minha estante
Tb foi o nome que me chamou a atenção. É tão enigmático. A história é muito boa mesmo, tem romance, um pouco de suspense e muito de investigação.




Fran RW 20/05/2012

"O Homem do Terno Marrom" - Agatha Christie
Mais Romântico que Policial

(Agatha escreveu este livro, primeiramente com o título "O Mistério da Casa do Moinho", após regressar de uma volta ao mundo que teve a África do Sul como uma das paradas. A ideia de escrevê-lo veio de Belcher, um homem de temperamento difícli com quem Agatha e seu marido Archibald viajavam. Belcher insistiu para que ela o pusesse na história, assim como a casa em que vivia, a Casa do Moinho. Foi daí que surgiu Sir Eustace Pedler).

Se não fossem as inúmeras tentativas de assassinato de que a protagonista é vítima, eu poderia jurar que estava lendo um romance propriamente dito, ou seja, sem a trama policial presente nas obras da autora.
Anne Beddingfeld, uma jovem sonhadora que decide investigar a possível ligação entre um acidente numa estação de trem e um assassinato em uma velha casa, embarca em um navio com destino a África do Sul. Durante a viagem ela faz amizades e conhece pessoas que lhe parecem suspeitas, enquanto sua vida é posta à prova várias vezes por causa de uns diamantes e de um fato aparentemente esquecido, que sem saber, Anne persegue.

Dos personagens, quase todos são adoráveis. E Sir Eustace é muito engraçado. Quando ele conta em seu diário que a única fantasia que lhe serviu para a festa foi a de ursinho, logo imaginei esta cor-de-rosa, rs, mesmo que o provável é que não fosse. A Suzanne também me fez rir em alguns momentos, assim como a própria Anne. O livro é bom, mas está longe dos melhores da autora e eu só recomendo a quem gosta de ler romance misturado com mistério e/ou é fã da autora, porque afinal os fãs vão acabar lendo de qualquer jeito. Para quem quer começar a ler Agatha Christie, é recomendável que comece por outro.






(20/02/2011)
Marcelo 08/05/2014minha estante
Ainda não terminei de ler o livro, faltam 50 páginas, mas sua resenha condiz com tudo o que li até agora. Esse livro é mais romântico que policial, sem dúvida. Talvez por isso, pelo menos até aqui, perto de seu final, achei o livro um pouco monótono. Gosto dos clássicos de investigação criminal da Agatha Christie, principalmente com Poirot. Esse fugiu um pouco do meu estilo. Mas, ainda assim, é um livro de razoável para bom.




Cris Paiva 12/03/2012

Esse foi o primeiro livro da dupla Thomas e Tuppence que eu li, e me apaixonei de cara!
Os detetives da Agatha são ótimos, cada um em seu estilo. E além da investigação ainda tem o romance do casal que é muito fofo!

Adorei o livro e nunca me esqueci da descrição dos tipos de crânio! Kkkkk
Cristine 13/03/2012minha estante
tia Agatha é ótima!! e o casal realmente é fofo...




Rose 04/01/2012

ste 4º livro da autora foi lançado em 1924, eu já tinha lido quando fazia faculdade, mas confesso que não lembrava mais da história. Aqui conhecemos Anne Beddingfeld, uma jovem filha de um antropólogo que ao morrer deixou Anne sem mais ninguém e com uma grande vontade de aventurar-se. Decidida a aproveitar a vida e envolvida de uma certa forma com dois assassinatos, ela usa o pouco dinheiro que lhe restou e embarca em um navio rumo à África do Sul para descobrir quem é o "Homem do Terno Marrom", o chefe de um grupo de criminosos ladrões de diamentes.
Em uma história que todos são suspeitos, Anne consegue descobrir a verdade e ainda encontrar o seu grande amor.
Uma curiosidade neste livro é o fato da narração ser feita pela Anne e pelo Sir Eustace Pedle, ou seja você vai sentindo e conhecendo os fatos através do ponto de vista deles. Não é o meu preferido da AC, mas mesmo assim, a leitura pões nossos neurônios para funcionar.
comentários(0)comente



Dinho 01/01/2012

O romance foi publicado em 1924, o título original em inglês é: "The Man in the Brown Suit" e conta a estória de Ann Beddingfeld, filha de um famoso antropólogo. Depois da morte de seu pai ela decide morar em Londres e lá ela presencia um estranho acidente na estação de Hyde Park Corner. Na plataforma de embarque do metro um homem se desequilibra e acaba morrendo electrocutado nos trilhos. Um assassinato ocorrido no mesmo dia levanta a suspeita em Anne de que os dois acontecimentos possam estar interligados. Para a policia foi um acidente, mas Anne decide investigarr o caso e sem nada que a prenda na Inglaterra decidide encontrar o tal Homem do Terno Marrom, suspeito dos crimes, e seguindo as suas pistas decide fazer uma viagem de navio para a África do Sul, local onde acontece a maior parte dos fatos. No navio ela conhece uma dama da sociedade, um homem riquíssimo e seu secretário, um padre e um coronel. Do navio, a estória passa para um trem que percorre a África do Sul enquanto Anne percebe que virou alvo dos criminosos. O livro é uma mistura de romance policial e aventura e tem uma estrutura diferente da convencional, nela se alternam a estória, o diário de Sir Eustance Pedler e a narrativa de Anne. O enigma, as pistas, o desenrolar da narrativa torna muitas partes demasiadamente confusas, com muitas reviravoltas, o que acaba confundindo o "leitor-detetive". Agatha Christie consegue transformar o leitor em detetive e todos querem saber quem é o criminoso.
A heroina vive uma grande aventura e durante a aventura encontra o seu grande amor. Não é um dos melhores romances de Agatha Christie, mas reconheço que a trama é engenhosa e consegue prender o leitor até o desfecho final.
comentários(0)comente



Lili Machado 16/09/2011

um caso do Coronel Race - Este é um dos romances policiais de Agatha, mais românticos
Agatha Christie escreveu este livro, primeiramente com o título "O Mistério da Casa do Moinho", após regressar de uma volta ao mundo que teve a África do Sul como uma das paradas. É um thriller que tem como detetive, o Coronel Race, que aparece em mais 3 outros livros, incluindo 1 em que trabalha em conjunto com Hercule Poirot.
A jovem Ann Beddelfield viveu a vida toda numa cidade pequena, com seu pai antropólogo. Quando seu pai morre, ela veio a Londres em busca de romance e aventura – e encontrou, imediatamente. Na plataforma da estação do metrô Hyde Park, um homem magro perdeu o equilíbrio e caiu nos trilhos, sendo eletrocutado no mesmo instante. O veredito da Scotland Yard foi de morte acidental, mas Anne não concordou.
Este é um dos romances policiais de Agatha, mais românticos (deve ser resquício da fase em que escreveu romances, sob o pseudôimo de Mary Westmancott). É interessante ressaltar que o tipo de garota que Ann é, combina com o ideal para uma dama, segundo a escritora: bem nascida, criada pelo pai professor, porém não devotada, extremamente, a ele, bonita e consciente de si mesma, a ponto de usar seu charme para conseguir o que deseja, inteligente mas idealista, aventureira e sonhadora.
Ann não quer trabalhar como secretária e se casar com um executivo e ter de deixar de lado sua vida de sonhos e aventuras. O dinheiro que recebeu de herança do pai, pouco poderá mantê-la. Impulsivamente, ela compra uma passagem para a África do Sul, com todo o dinheiro que tem, esperando, confiante, que tudo irá melhorar. O que acontece depois, excede seus sonhos mais loucos, com mortes misteriosas, seqüestros, diamantes e dançarinos do ballet russo. Há muitas pessoas interessantes no navio, como a charmosa Senhora Blair, o enigmático Coronel Race, o clérigo Chichester e o excêntrico Sir Eustace Pedler. Inclusive um estranho bem apessoado invade sua cabine fugindo de alguma coisa.
Agatha descreve cenas da Africa do Sul, magistralmente, demonstrando seu amor pela natureza, e a vida na região.
O livro não tem uma trama principal, e sim, uma série de pequenos mistérios que vão se resolvendo ao longo do texto.
comentários(0)comente



Luciane 28/02/2011

Adorei!!
Adorei este livro da Agatha Christie... Além do suspense, teve um pouco de romance.
Livro do grupo Livro Viajante: http://www.skoob.com.br/grupo/1284-livro-viajante
comentários(0)comente



Brenda 30/09/2010

Eu gostei e ao mesmo tempo não gostei. Achei muito confuso ;~
comentários(0)comente



Lord_Vaynard 08/08/2010

Eu considero o melhor livro da autora!

Cheio de ação, aventura e romance, com uma personagem central excepcional, foi o primeiro livro que li da Agatha, e o que mais me fascinou e me fez adorar o estilo e a própria autora.

Recomendadíssimo!
Natália 20/01/2011minha estante
Comigo foi o mesmo! Primeiro livro que li, excelente enredo, muitos detalhes, com aventura e romance, e me fez querer ler mais livros da Agatha. Show!




Newstein 30/06/2010

O Homem do Terno Marrom
Esse livro é um misto de romance policial com aventura.

Após a morte de seu pai, um renomado antropólogo, Anne Beddingfield, sozinha no mundo, resolve sair em busca de aventuras. Em Londres presencia um acidente no metro, para a polícia, mais um acidente, mas para a jovem Anne, um assassinato!

Com poucas pistas a respeito do ocorrido no metro e dinheiro, menos ainda, Anne investe tudo o que tem numa aventura e logo se encontra a bordo de um navio rumando para a África, seu objetivo? Atrás de pistas para descobrir o ocorrido na Estação de Hyde Park e outras situações como o fato de Mill House e vender a matéria para o jornal Daily Budget.

Ambiciosa, corajosa e determinada, segue firme em sua investigação, conhecendo pessoas durante a viagem e na África, onde personagens figuram em dados momentos em sua lista de suspeitos, mas no bom estilo de Agatha Christie, logo migram para a lista dos imaculados, o que torna um tanto difícil apontar para o verdadeiro chefe da quadrilha, ou o “Coronel” que comanda uma quadrilha que tem ramificações em diversas partes do mundo.

O livro é permeado com as narrativas de Anne e o que escreve Sir Eustace Pedler em seu diário. A trama acontece em torno de um antigo roubo de diamantes e o assassinato em Mill House, e “matando” essa charada, todo enigma, presa e caçador vem à tona!

O enigma, as pistas, o desenrolar, a fluidez da história, torna muitas partes demasiadamente embaralhadas, confusas, com muitas reviravoltas, o que acaba confundindo “nossa investigação”, gostei do final, a Bela Moça da cidade grande parte em busca de aventura e acaba encontrando-o, além de seu grande amor e maternidade. Não é um dos melhores da Rainha do Crime, mas merece respeito pela trama engenhosa.

Avaliei esse livro com uma nota 7,0 – Bom.

Newstein - Jairo
www.atuante.blogspot.com
comentários(0)comente



Mi 24/06/2010

Sonhos não realizados de Agatha Christie.
Adorei este livro porque acho que ele me permitiu ter um vislumbre dos sonhos e da realidade de Agatha. Enxerguei na jovem Anne, destemida, aventureira,verdadeiramente amada, quem Agatha gostaria de ter sido.A vida simples e feliz em um país exótico, despida de quaisquer convenções sociais, a história que ela gostaria de ter vivido. A mulher que já vendeu mais de 4 bilhões de livros foi publicamente traída e trocada pelo 1º marido, teve depressão profunda e, segundo alguns biógrafos, teve vontade de suicidar-se, casou-se novamente e amargou uma vida monótona até o dia de sua morte. Por isso, enxerguei na história de Anne (protagonista deste livro)todos os sonhos irrealizados, toda a melancolia de Agatha pela vida que tanto almejou, e que jamais teria. Se eu fosse Agatha, também desejaria ter tido a vida de Anne ao invés da minha própria e acho isso algo inacreditável pois quem, em sã consciência, não gostaria de ser a autora mais lida e traduzida do mundo, só perdendo o pódio para a Bíblia e para Shekespeare?
comentários(0)comente



Marquesa 25/04/2010

O livro é uma mistura de romance policial com aventura e ainda possui um toque bastante cômico em certos personagens.
Agatha Christie nos envolve, mais uma vez, com personagens extremamente cativantes, do vilão a jovem aventureira, todos eles nos cativam e nos deixam com saudades depois do término do livro. O fato dos leitores se encantarem pelo vilão se deve ao carisma do personagem, além de ser uma tarefa díficil para uma escritora construir um vilão tão genial que nos faz até gostarmos dele.
A história é contada em primeira pessoa por dois personagens; Sir Eustace Pedler, em formato de diário e Anne Beddingfeld. A narração é dividida pela visão de cada personagem sobre a história.
A escritora não deixa de nos surpreender em nenhuma de suas histórias, O Homem do terno marrom é cheio de reviravoltas e nos surpreende do início ao fim.
comentários(0)comente



Kézia 23/02/2010

O homem da Naftalina
Sinopse: Este livro é uma engenhosa mistura de romance policial e aventura. Trata de aventuras românticas e perigosas, vividas por sua protagonista, uma orfã atraente e corajosa chamada Anne Beddingfeld, que, quando menos espera, está no meio de uma enrascada, cheia de acontecimentos terríveis e misteriosos, que superam seus estranhos sonhos de levar uma vida semelhante à das mais destemidas heroínas de ficção. Escrita sempre na primeira pessoa, a narração divide-se habilidosamente entre o que Anne conta e o que no seu diário escreve Sir Eustace Pedler. O hilariante humor de Pedler, serve de contrapeso ao aceso romanticismo da jovem, que lutará contra uma quadrilha de criminosos cruéis dirigidos por um temível e enigmático personagem chamado “O Coronel”. Atrás das marcas deixadas por este enganoso coronel — fascinado, além disso, pela beleza e pelo caráter de Anne — também participa um coronel de verdade, Race, alto funcionário do Serviço Secreto, que intervém em outros romances de Agatha Christie como grande amigo de Hercule Poirot.

Lista de Personagens: Coronel Johnny Race, Batani, Anne Beddingfeld, Mrs. Suzanne Blair, L.B. Carton, Mr. e Mrs. Flemming, Anita Grunberg, Mrs. Caroline James, Jeanne, Harry Lucas, Detetive-Inspetor Meadows, Arthur Minks, Lord Nasby, Guy Pagett, Conde Sergius Paulovitch, Sir Eustace Pedler, Miss Pettigrew, Harry Rayburn

Opinião: Eu realmente adorei essa história, divertidíssima, muita aventura e romance. Adorei a implicância de Sir Eustace com Pagett, por querer trabalhar tanto, além de ele ser realmente divertidíssimo, elogiando as mulheres belíssimas e procurando a todo custo fugir das aventuras por querer uma vida calma e tranquila. Bom eu acertei o assassino de cara, só não gostei dessa parte porque achei fácil demais, mas o resto da hitória em si é perfeita. E o melhor é que não consegui odiar o vilão. Mais uma vez Agatha se superou.
comentários(0)comente



Luiza Machado 18/12/2009

Perfeito, com destaque para as viagens feitas e a parte romântica que eu não cansava de reler. Recomendadíssimo, fascinante!
Tiago Ribeiro 15/01/2010minha estante
Tbm achei ótimo Luiza, um livro com bastante ação :D Adoro livros da Agatha assim, tal como "Por que não pediram a Evans?" esse é outro que tem muita ação (L)


Luciane 28/02/2011minha estante
Luíza, adorei também a parte romântica, foi o primeiro livro que li da Agatha Christie com romance... Perfeito mesmo!




48 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 2 | 3 | 4