O Homem do Terno Marrom

O Homem do Terno Marrom Agatha Christie
Agatha Christie




Resenhas - O Homem do Terno Marrom


48 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Ratinha de biblioteca 11/09/2019

Inspiração para Nora Roberts
Quem gosta dos livros da Nora Roberts (Tesouro Secreto/Virtude Indecente) irá adorar esse romance de Agatha Christie. Aventura, romance e uma pitada de suspense com bastante bom humor recheiam as páginas desse romance publicado em 1924, o quinto da carreira da dama do crime.
Esse livro traz uma história que é, em alguns pontos, uma repetição da fórmula de "O Adversário Secreto". Temos uma protagonista feminina, bastante forte e decidida: Anne Beddingsfield, que se tornou órfã recentemente e, ao invés de se resignar a uma difícil vida de dificuldades financeiras ou um casamento arranjado e sem afeto, sai em busca de aventuras e acaba se envolvendo em intrigas internacionais, assassinato e uma quadrilha internacional (comandada por um gênio do crime, o Coronel).
O cenário muda um pouco: se em "O Adversário Secreto" o enredo se passa na Inglaterra, aqui a trama se desenrola na África do Sul, o que adiciona algum exotismo ao enredo. No entanto, achei um pouco confuso em alguns momentos e, definitivamente, a protagonista é tapada! Em momentos de grande perigo age como se nada estivesse acontecendo ou que fugir de bandidos fosse algo trivial e fácil. Ainda que a autora tenha começado a desenvolver melhor as características psicológicas das personagens, o amor é um sentimento que é despertado rápido como um raio. Acredito ser um livro que funcionará melhor para quem gosta de romances mais açucarados.
comentários(0)comente



Aline Teodosio 14/08/2019

Difícil avaliar mal um romance de uma autora que tanto admiro. Mas de todos os livros da Agatha que já li, esse foi o que menos me cativou.

Anne Beddingfield, após a morte de seu pai, um famoso antropólogo, resolve aventurar-se em Londres, logo envolvendo-se em uma trama de assassinato e mistério. A fim de resolver esta causa ela ruma para a África e já no caminho se relaciona com um grupo de pessoas que a acompanharão e a ajudarão a desvendar mais um caso da rainha do crime.

Embora a história traga alguns pontos machistas no que concerne o papel do homem e da mulher, muito bem definidos e totalmente coerentes com a época em que o livro foi escrito (anos 20), Agatha nos apresenta uma personagem bem a frente do seu tempo. Gostei da atitude da Anne e do seu ar altivo.

Entretanto, a trama em si não conseguiu me envolver. Muitos personagens, que por vezes deixaram a narrativa arrastada e cansativa. Diferente de outros romances dela, nesse o desenrolar se dá entre uma aventura tropical e um romance jovial. Podia ter sido bom, mas pra mim não funcionou.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Luz Literária @luz.literaria 26/04/2019

Romântico.
?Nós, pobres seres humanos, nada queremos perder.?

TRAMA:
Anne Beddingfield é uma jovem animada, que vive uma vida monótona ao lado de seu pai, um pesquisador da era paleolítica. Anne sonha viver uma grande aventura. Um dia, o pai dela falece, e a moça agora precisa decidir o que fará de sua vida.

Após várias propostas nada satisfatórios à jovem, a moça enfim conhece alguém que propõe a ela uma viagem a Londres, que ela aceita com alegria.

Um dia, Anne está na estação de trem, quando percebe um homem, que, aterrorizado com alguma coisa que viu, cai da plataforma. Chega então um médico e avalia-o, dizendo que está morto. Anne não pode acreditar. Quando por fim, está indo embora, percebe que o médico, ao sair, deixou cair de seu terno marrom um pequeno papel. Anne logo desconfia do médico, do papel, da morte súbita, e decide então que investigará o caso.

Ela embarca em um navio rumo à África do Sul, atrás do misterioso homem do terno marrom, onde conhecerá pessoas excêntricas e viverá sua tão sonhada aventura.

A história envolve um certo Coronel, que parece
ser o cérebro de uma máfia de roubo de diamantes. Ele não faz nada com suas próprias mãos, o que torna a trama um mistério que solicita ao leitor muita sagacidade.

Narrado em primeira pessoa por Anne, a história se passa na África, no meio de uma Revolução. Anne é uma jovem forte, carismática e muito autêntica.

OPINIÃO
Um dos pontos que mais me agradou foi a boa dose de romance que a história carrega, misturada com muito bom humor.

É um dos meus favoritos de Agatha até agora. Já havia me esquecido de quase tudo da história, o que contribuiu para que eu me divertisse e me apaixonasse novamente. ?
Nesta leitura, Agatha brincou novamente com minha mente, e me simpatizei por todos os personagens.

A obra lembra bastante o segundo mistério de Agatha (O Inimigo Secreto), tanto pela personagem principal, quanto por ser uma história que traz ao leitor um chefe secreto, no qual age sempre através de outras pessoas.

Recomendo muito a leitura.
comentários(0)comente



Emilia Yumi 18/03/2019

Um acidente, um assassinato, e uma anotação em um pedaço de papel...
Anne Beddingfield testemunha um acidente, o homem pareceu assustado quando caiu da plataforma numa estação de trem. O homem do terno marrom que se declarou ser médico parece somente revistar o morto. E finalmente um pedaço de papel com uma data e local... Esses fatos mais um assassinato em uma casa vazia levam a nossa protagonista a embarcar em uma aventura a bordo do transatlântico rumo a África do Sul. Outros fatos estranhos continuam a acontecer a bordo o que leva Anne a desconfiar de todos os seus colegas de viagem.
Quem será o homem do terno marrom? E quem será o Coronel, mentor de uma quadrilha capaz de roubar e de assassinar? Vale a pena conferir as aventuras de Anne...
comentários(0)comente



Casa da mãe Joana 26/12/2018

Romântico
História cheia de aventuras, romances, viagens, totalmente diferente do que estava acostumada a ter de Agatha. Parece um livro de outro autor.
comentários(0)comente



Luana 13/11/2018

Agatha Christie mais uma vez me mostrando que mesmo sem tempo e com uma leitura muito esparsada, suas histórias ainda conseguem segurar o leitor até o fim. Que delícias de personagens femininas com teor certo de sarcasmo e paixão.
Não se engane se o ritmo do livro começar a ficar lento de repente, é aí que a reviravolta acontece e os fatos surgem.
Silvestarley Oliveira 13/11/2018minha estante
? Agatha sensacional.


Luana 14/11/2018minha estante
Me impressiono como, até agora, não consegui encontrar um livro ruim dela! Haha




Cintya Plem 02/09/2018

O misterioso
É incrível o quanto eu consigo me apaixonar cada vez mais pela nossa rainha do crime, com uma história completamente inusitada onde não há nenhum detetive famoso ou com essas pretensões no meio da trama, contamos apenas com a Jovem aventureira e destemida Anne, que após a morte de seu pai se vê obrigada a procurar emprego, pois a situação financeira não e nada boa. Ela é uma mulher que sonha com aventuras, uma vida agitada e quer um amor verdadeiro no momento certo, nada de conveniência e no meio dessa busca de trabalho ela acaba presenciando um homem morrer nos trilhos do trem. No outro dia uma mulher é morta em uma velha casa o que deixa Anne desconfiada de ambos os casos. Determinada a descobrir o que aconteceu ela embarca em uma jornada cheia de aventuras começando em um navio rumo a cidade do Cabo, onde muitos personagens essenciais são colocados na história.
Anne acaba chamando muita atenção para o que está fazendo o que leva a trama não perder o ritmo e deixa toda a trajetória eletrizante.
Impossível não perceber o quanto essa personagem é empoderada e determinada a fazer o que quer já nessa época cheia de limitações para as mulheres.
Apesar de descobrir o mistério o final não perdeu nenhuma graça, e como sempre a rainha reservou uma baita surpresa para esse desfecho.
comentários(0)comente



Elisabete Bastos @betebooks 23/08/2018

Romance policial perfeito
Agatha Christie sempre surpreende os leitores. O romance tem ingredientes a mais: a narrativa, no qual personagens fazem uma espécie de diário. Em que se percebe: a mesma situação e os personagens percepções diferentes, como os seres humanos.
Anne será a investigadora por ser envolver casualmente com uma morte. Ela é testemunha de um acidente com homem que morre caindo sobre os trilhos elétricos. Ela começa a se interessar sobre o caso e vai se inteirando do quebra-cabeça.
Sim! Ela correrá risco de vida. Mas, ela é tinhosa e corajosa.
Ela não descansará para saber toda a verdade.
O final surpreende o leitor e a corajosa Anne.
É aquele romance com muitas reviravoltas, que o leitor ama.
comentários(0)comente



Deia 13/08/2018

Sem nenhum conhecido
Nessa história Agatha mostra uma nova faceta. Claro que há assassinatos, tramas diabólicas, mas há também uma pegada mais romântica.
Gostei muito da trama, mas não gostei muito da historia toda., me causou arrepios na nuca o machismo em algumas situações que a personagem feminina Anne passava, mas pudera na época que foi escrito, mesmo Anne se comportando como uma mulher a frente de seu tempo. A impressão que me deu foi que não parecia a Agatha que escrevia. Foi um pouco decepcionante, parecia um romance de banca.
comentários(0)comente



leila.goncalves 15/07/2018

A Casa Do Moinho
Em 1924, após retornar de uma viagem ao redor do mundo, Agatha Christie se inspirou na África do Sul para escrever seu quarto romance. Inicialmente intitulado "A Casa do Moinho", a narrativa chegou às livrarias como ?O Homem do Terno Marrom", sem dúvida, uma escolha mais sugestiva.

Essa alteração não agradou ao chefe do marido da escritora, Major Belcher, que não só tinha encomendado o título rejeitado (vivia num local com esse nome) como convocara a escritora para incluí-lo na história. Pessoa de temperamento difícil, ele serviu de inspiração para o hilário e irascível Sir Eustace Pedler e comenta-se que Mrs. Christie ficou satisfeitíssima com o resultado.

O Coronel Race, agente do Serviço Secreto Britânico e amigo de Poirot, é quem assume a função de detetive neste episódio. Contudo, ele tem uma participação um tanto discreta e para quem pretende conhecê-lo melhor, indico três livros; "Morte no Nilo", "Um Brinde de Cianureto" e "Cartas na Mesa".

Na verdade, quem rouba a atenção é Ann Beddingfield, filha de um famoso antropólogo. Após a morte do pai, sem parentes e com umas poucas de libras no bolso, ela resolve deixar a cidadezinha onde vivia e ir viver em Londres, deixando para trás uma insípida rotina em busca de uma vida repleta de aventuras. Porém, o que ela não suspeita é que acabará metida num caso de alcance internacional, arriscando sua própria segurança.

Aliás, seus problemas começam, quando ela presencia a morte de um homem, eletrocutado ao cair nos trilhos do metrô. Um estranho bilhete que estava com a vítima vem parar nas suas mãos, ligando esse acidente ao assassinato de uma bela mulher numa velha casa desabitada. Quando a polícia decide não dar ouvidos às suas suspeitas, Ann resolve investigar as duas mortes, tendo que enfrentar um dos mais sugestivos vilãos criados por Agatha Christie.

Quanto a narrativa, boa parte do livro transcorre durante uma viagem de navio rumo à Cidade do Cabo e com inúmeras personagens, atenção aos nomes para não perder o fio da meada. Curiosamente, Agatha Christie optou por dois narradores: Ann e trechos do diário de Pedler que com algumas passagens hilárias, conquista a todos.

"O Homem do Terno Marrom" não está entre os principais sucessos da escritora e o que mais atrai os leitores é justamente seu caráter atípico. Ele pouco se assemelha as demais narrativas da Rainha do Crime e com inúmeras surpresas e reviravoltas, o gênero policial cede espaço para o romance e a aventura. Enfim, se você está disposto a arriscar, aposte na sonhadora Ann Beddingfield, você irá passar horas agradáveis ao seu lado.
comentários(0)comente



leila.goncalves 15/07/2018

A Casa Do Moinho
Em 1924, após retornar de uma viagem ao redor do mundo, Agatha Christie se inspirou na África do Sul para escrever seu quarto romance. Inicialmente intitulado "A Casa do Moinho", a narrativa chegou às livrarias com outro nome, "O Homem do Terno Marrom", sem dúvida, uma escolha mais sugestiva.

Essa alteração não agradou ao chefe do marido da escritora, Major Belcher, que não só tinha encomendado o título rejeitado (vivia num local com esse nome) como convocara a escritora para incluí-lo na história. Homem de temperamento difícil, ele serviu de inspiração para o hilário e irascível Sir Eustace Pedler e comenta-se que Mrs. Christie ficou satisfeitíssima com o resultado.

O Coronel Race, agente do Serviço Secreto Britânico e amigo de Poirot, é quem assume a função de detetive. Contudo, ele tem uma participação um tanto quanto discreta e para quem pretende conhecê-lo melhor, indico três livros; "Morte no Nilo", "Um Brinde de Cianureto" e "Cartas na Mesa".

Na realidade, quem rouba a atenção é Ann Beddingfield, filha de um famoso antropólogo. Após a morte do pai, sem parentes e com umas poucas de libras no bolso, ela resolve deixar a cidadezinha onde vivia e ir viver em Londres, deixando para trás uma insípida rotina em busca de uma vida repleta de aventuras. Porém, o que ela não suspeita é que acabará metida num caso de alcance internacional, arriscando sua própria segurança.

Aliás, seus problemas começam, quando ela presencia a morte de um homem, eletrocutado ao cair nos trilhos do metrô. Um estranho bilhete que estava com a vítima vem parar nas suas mãos, ligando esse acidente ao assassinato de uma bela mulher numa velha casa desabitada. Quando a polícia decide não dar ouvidos às suas suspeitas, Ann resolve investigar as duas mortes, tendo que enfrentar um dos mais intrigantes vilãos criados por Agatha Christie.

Quanto a narrativa, boa parte do livro transcorre durante uma viagem de navio rumo à Cidade do Cabo e com inúmeras personagens, atenção aos nomes para não perder o fio da meada. Curiosamente, Agatha Christie optou por dois narradores: Ann e trechos do diário de Pedler que com algumas passagens hilárias, conquista a todos com seu carisma.

"O Homem do Terno Marrom" não está entre os principais sucessos da escritora e o que mais atrai aos leitores é justamente seu caráter atípico. Ele pouco se assemelha as demais narrativas da Rainha do Crime e com inúmeras surpresas e reviravoltas, o gênero policial cede espaço para o romance e a aventura. Enfim, se você está disposto a arriscar, aposte na sonhadora Ann Beddingfield, você irá passar horas agradáveis ao seu lado.
comentários(0)comente



Suliany 09/04/2018

Emocionante!
Livro bom e diferente da Dama do Crime.
História policial, romance, aventura. Foi bom!

Anne, a protagonista, se mete em uma aventura atrás de um crime, pois, acidentalmente se vê envolvida. A história se reveza com a protagonista e com um diário de Sir Eustace, o dono da casa, aonde foi cometido o assassinato.
As passagens de Sir Eustace são bem divertidas, ele é cômico.
Adri 28/06/2018minha estante
Eu gostei desse,não está entre os melhores da autora,mas é uma boa história.


Suliany 12/07/2018minha estante
Sim Adri, Dama Christie sempre maravilhosa!




Ana 19/02/2018

Diamantes, intrigas, muito romance e mistério
Este foi um dos melhores livros que já li na minha vida, e sem dúvida, um dos melhores da Agatha.
A personagem principal, também narradora, é muito ativa na história e me identifiquei com seu espírito de aventura.
Enredo:
Ann Beddingfield,a narradora e protagonista desse livro, mora com o pai, um antropólogo famoso, mas que não liga muito para dinheiro, e eles passam por muitas dificuldades financeiras por conta disso, volta e meia.
O pai dela morre, e Ann se vê um pouco desamparada a princípio, mas também logo se sente desafiada pelas circunstâncias a correr atrás de seu destino.
Então, com umas poucas libras no bolso, Ann deixa a cidadezinha onde vivia e vai para Londres, deixando para trás sua rotina medíocre, em busca de aventuras. Porém, ela mal sabe que acabará envolvida em um caso misterioso de alcance internacional, arriscando sua própria vida.
Para começar, estando no lugar errado e na hora errada, ela testemunha a morte de um homem eletrocutado ao cair nos trilhos do metrô. Um estranho bilhete que estava com a vítima vem cair em suas mãos, ligando esse acidente ao assassinato de uma beldade numa velha casa desabitada. Quando a polícia não lhe dá ouvidos, Ann resolve investigar as duas mortes por conta própria.
Boa parte da narrativa acontece em um navio rumo à Cidade do Cabo, na África do Sul, e há muitos personagens que aparecem nesse navio, tantos que quase perdi o fio da meada na primeira vez em que li, mas isso não tira o encanto da história. Dentre esses personagens está um misterioso e charmoso homem, por quem Ann se encanta. Admito que, da forma como ela o descreveu, também gamei um pouco nele. Artistas da palavra sabem como enfeitiçar os leitores mesmo, e Agatha era um gênio.

comentários(0)comente



J R Corrêa 12/02/2018

O Homem do Terno Marrom
A jovem e bela Anne vai a Londres atrás de aventuras – e as encontra no local mais corriqueiro possível: a estação de metrô Hyde Park Corner. Ela está na plataforma quando um sujeito magro, com cheiro de naftalina, se desequilibra e cai nos trilhos, morrendo eletrocutado. O veredito da Scotland Yard é de morte acidental. Mas Anne não está convencida. Afinal, quem era o homem do terno marrom que examinou o corpo? E por que ele saiu correndo, deixando atrás de si uma mensagem enigmática? Publicado originalmente em 1924, este romance de mistério que mistura thriller, espionagem e paisagens africanas é um dos preferidos dos fãs de Agatha Christie.


“(...) escrito com verve e humor.” The Observer
comentários(0)comente



48 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4