A Escolha de Cada Um

A Escolha de Cada Um Regina Monge




Resenhas - A Escolha de Cada Um


39 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3


Leandro | @obibliofilo_ 21/08/2011

Antes de tudo, quero parabenizar a autora pela sua forma de narrar à estória, que em nenhum momento ficou cansativa ou arrastada. O livro é bem fininho, em uma noite eu o li. Enfim, foi um dos livros mais surpreendentes que eu li, este ano. Ele é dividido em duas partes: I e II.
A parte I narra à estória de um escritor chamado J.Hubert, que se tornou mundialmente conhecido, pelo seu Best-seller, que foi um sucesso de público e crítica. Mas, ele não estava devidamente preparado, para a repercussão que iria acontecer consigo e com sua vida, depois de publicado o livro. Então, no auge de sua fama, ele larga tudo e parte em uma viagem com sua mulher, para tentar retomar sua vida de antes. Hubert e sua mulher, durante a viagem, conhecem novas culturas, novos lugares e retomam suas vidas de antes, com seus antigos amigos. Mas Hubert percebe que ainda pode escrever um segundo livro. E escreve. Mas este livro é um fracasso nas vendas e na crítica. E é a partir daí, que vários acontecimentos tomam rumo na estória.

Para continuar lendo a resenha, acesse o blog "Palavras ao vento..."
http://www.leandro-de-lira.blogspot.com/
comentários(0)comente



Lili 23/08/2010

Após a leitura o que posso dizer caro leitor senão que o livro é uma bela surpresa? Tanto a história, os personagens, a mensagem transmitida, muito embora a experiência não possa ser adquirida da noite para o dia. Mas, que nos impulsiona a refletir a vida, as nossas escolhas e a coragem de mudar! Eu estou ainda deslumbrada com o que li...

A forma como a autora Regina Monge dividiu o livro é simplesmente genial! Eu não vou dizer para não estragar a surpresa, mas com toda certeza o leitor se surpreenderá com a originalidade do tema e criação da autora. E não se engane pela capa, o livro não é auto-ajuda! Apesar de motivar a reflexão, ele engloba de tudo um pouco, desde romance, drama, surrealismo, espiritualidade, enfim, instigo você a ler e descobrir!

Em suma, o livro tem uma linda lição de vida, com uma viagem fascinante através do nosso mundo interior. Enfatizando a importância de nossas escolhas e que somente através do amor alcançamos o nosso verdadeiro propósito. E afinal o que queremos é ser felizes não é mesmo? E se o caminho que escolhermos não nos levar a isso, então algo tem que ser mudado! E isso, dependerá somente de nós e de nossas escolhas! Como a própria autora cita no livro: "A grande lição é crer em todas as possibilidades oferecidas pela vida e ter a coragem de fazer nossas escolhas."

Para terminar, não poderia deixar de citar um trecho do livro, tem muitos, mas somente para uma pequena degustação literária, deixo com vocês um diálogo entre os personagens Anna e John:

"Enquanto percorriam seus corredores, admirando e comentando suas valiosas e belíssimas obras, John e Anna também aproveitavam para conversar.
- Você já parou para pensar na vida como uma tela em branco, na qual se vai pintando o seu transcorrer? Na infância, você dá as primeiras pinceladas, na adolescência começam a aparecer os traços, na idade adulta começa a dar forma às imagens e na velhice tem a obra inteira, por completo... Não é magnífico isso? Nós podemos criá-la, desde o iníncio - comentou John.

- Isso é muito profundo, nunca a imaginei dessa maneira. Somente às vezes temos o total controle das tintas e das formas registradas nessa grande tela. Mas, talvez, faça algum sentido. Eu agora estou colocando forma na minha tela, estou moldando-a, e posso dizer que ela está ficando linda! - completou Anna.

- A vida é isso, uma obra de arte, porém simples de executar: cada um, com o talento recebido, pode pintá-la. Mas as pessoas querem fazer algo complicado e acabam borrando tudo, estragam sua obra de arte. Viver é simples, conviver é mais simples ainda. Basta deixar-se levar e não interferir nos direitos do outro, respeitar a pessoa ao lado, seus defeitos, suas qualidades, suas emoções, seus prazeres, enfim, tudo. Cada um é cada um, e somos todos diferentes ..."

Ainda preciso dizer que esse livro será lido e relido por mim muitas vezes?
Com toda certeza recomendo!

http://www.nossosromances.com.br/
Berg 04/09/2010minha estante
Acabei de ler o seu livro. Parabéns. Muito criativo e bem escrito. Gostei muito.
Futuros leitores: Adquiram o livro e mergulhem no universo literário com Regina Monge.

Clarice Eizenberg






Herick 19/12/2012

Eu realmente não sei que nota dar a este livro.
Sinceramente, eu não gostei muito. É uma história muito irreal e cheia de crenças que não me apetecem. Nós observamos a realidade do mundo, se o que é bom viesse tão fácil, já teríamos alcançado isso.

Como literatura, também, não tem grande valor. A história é rápida, sem artimanhas narrativas inteligentes e com diálogos extremamente mecânicos e fora do comum. Parece que o único objetivo era passar a mensagem de que o "Universo" conspira somente para o nosso bem, de que nós é que complicamos tudo e, que se quisermos e nos abrirmos para isso, podemos mudar nossa realidade pois o "Universo" será conosco!

A ideia é interessante e o que a autora quer transmitir é muito bem vindo, mas realmente não me agradou. É irreal demais. No fim, este livro pode ser classificado, sim, como um auto-ajuda.
comentários(0)comente



Cley 07/11/2011

RESENHA - A ESCOLHA DE CADA UM
RESENHA:

“Tudo se resume a algumas palavras, como confiar, acreditar, abrir-se. Antes de acreditar na possibilidade de ter um amor, você precisa acreditar nele; isso se aplica a tudo: à profissão, às posses materiais, tudo, enfim. Você quer poder algo? Então creia, pois aí, sim, você atinge seu objetivo.” p. 128
O livro A Escolha de Cada Um, simplesmente me encantou.
Já gostei dele pela capa. No começo fiquei pensando o motivo de ser um olho verde o destaque do livro. Me surpreendi.
A Escolha de Cada Um, nos traz uma visão totalmente diferente do amor e do caminho que estamos escolhendo. Eu destacaria ele como um belo romance. Pois o livro traz a mensagem de luta pelos sonhos e sempre, sempre ter esperança.
Ele é dividido em duas partes. Na primeira, o livro, sim, o livro é o narrador da história. Ele conta seu processo de criação, fala do seu criador, de seus sonhos e de todo o processo que ele teve que passar para se tornar um Best seller, incluindo rejeição, críticas, esquecimento, até que um dia, Richard, um homem apaixonado por livros, porém um pouco decepcionado com a vida, o comprou. Depois de lê-lo, ele tinha certeza que esse livro revolucionaria a mente de muitas pessoas, assim como fez com a dele. Mostrou-o para sua sobrinha, Suzan, uma jornalista, que foi o ponto de desenvolvimento para o livro se tornar tão famoso.
O livro fala de seus sentimentos, suas lutas, suas esperanças de uma forma muito envolvente, falando com o leitor.
Na passagem da primeira para a segunda parte, o livro ressalta:
“Atualmente, vivo rodeado de amigos na biblioteca de Suzan, pois ela não me devolveu para o tio Richard. De vez em quando, alguém me pega para ler. Então, recomeço a contar a minha história, como farei para você, agora.”p. 61
A segunda parte conta a história do livro que cativou tantas pessoas.
Ele fala de uma mulher, Anna, bem-sucedida profissionalmente, porém, sua vida sentimental não vai nada bem.
Após ter perdido o namorado em um acidente, ela, acaba criando um bloqueio, e não é mais capaz de amar de verdade. Assim, passaram-se vinte anos. Sua amiga, querendo ajudar, convence ela a procurar uma pessoa muito especial, um terapeuta, que a ajuda, pela primeira vez a questionar vários pontos de sua vida e perceber que nunca é tarde para o amor.
Anna pretende viajar para a Petra, a cidade de pedra e depois para Paris, a cidade Luz.
Em determinado momento Anna conta que vem tendo sonhos com uma pessoa que tem olhos verdes e...

PARA CONTINUAR A LEITURA, ACESSE:http://palavrasaventureiras.blogspot.com/2011/11/resenha-do-livro-escolha-de-cada-um.html
comentários(0)comente



Tielle | @raposaleitora 22/10/2010

Resenha Livromaníaca
"A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios...
Por isso, cante, ria, dance, chore e viva intensamente cada momento de sua vida, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos."
Charlie Chaplin

A Escolha de cada Um foi escrito por Regina Monte e publicado pela Editora Novo Século, pelo selo Novos Talentos da Literatura Brasileira. Contém 157 páginas, e é dividido em duas histórias que estão interligadas:

1º Parte - A primeira parte foi uma completa surpresa pra mim, uma surpresa maravilhosa na verdade, pois é narrado por um livro. Isso mesmo, a primeira narrativa é de um livro que não obeteve muito sucesso quando foi publicado, mas que sabia do seu potencial e ansiava pelo momento de ser um best-seller.

Esse livro é a segunda obra publicada por J.Hubert, a primeira foi um sucesso instantâneo, portanto para a segunda obra todos tinham espectativas e ansiavam por uma continuação do primeiro. Como a história era diferente do que os leitores aguardavam, a midia "caiu matando" e criticou o livro até este ser esquecido. Até que um homem o compra em um sebo e sua jornada para o sucesso começa...

A narrativa do livro é maravilhosa, se eu já tinha problemas em pensar que os livros tinham sentimentos, agora então... Regina Monge conseguiu narrar os pensamentos que um livro teria, caso este pensasse, e seus objetivos. AMEI

2º Parte - Nessa segunda parte conhecemos a história da segunda obra de J.Hubert. Sim, o livro que é o personagem da primeira parte.

Nessa narrativa conhecemos Anna, que vive exclusivamente para sua vida profissional e não se importa de ficar sem companhia. Isso pelo menos é o que ela demonstra aos pais e também aos amigos. Ela tem um trauma terrível pela morte de seu primeiro amor em um acidente, desde daquele momento ela não se "abre" para um relacionamento e se esconde em seu trabalho.

Mas vinte anos depois, com uma dose certa de terapia e uma viagem inesquecivel, Anna finalmente começa a se libertar e viver intensamente. Lá ela conhece John e se apaixona.... finalmente ela se liberta de seu medo de amar e está pronta para se apaixonar quantas vezes for necessário para finalmente ser feliz!

A narração da luta da personagem para ser feliz e se libertar de um amor passado é encantador e motivador. Quem ler esse livro realmente passa a ver a vida de outra maneira. E a frase de Charlie Chaplin é bem adequada para a mensagem que o livro nos passa.
comentários(0)comente



Ju Oliveira 05/11/2010

Terminei a leitura do livro a dois dias. E até agora estou extasiada com a belíssima história criada por Regina Monge. O livro se divide em duas partes. A primeira parte o narrador é um livro. Isso mesmo, um livro que possui sentimentos. Narrando sua tragetória desde sua criação, quando começava a ser escrito por seu autor até suas não tão bem sucedidas vendas nas livrarias. Parece um pouco surreal, mas a narração do livro é tão tocante, tão sentimental, que agora sempre que vou ler um livro, começo a imaginar… e se esse livro tivesse também sentimentos? O livro sofre muito com as críticas e com a má aceitação dos leitores. Fica encalhado durante vários meses nas prateleiras da livraria. Até que um dia tudo isso muda…

Na segunda parte conhecemos a história de Ana, uma bem sucedida editora de uma revista de finanças. Aos 42 anos e desiludida com sua vida amorosa, desde que um trágico acidente tirou a vida de seu grande amor, 20 anos atrás. Ela acaba se acomodando com sua situação e se fecha totalmente para o amor. Até que em uma viagem a Petra, tudo se transforma em sua vida. E seus olhos voltam a brilhar novamente… Acho bom parar por aqui, senão eu me empolgo e acabo contando toda a história. O final é surpreendente, maravilhoso. Definitivamente, eu amei esse livro. Regina, muito obrigada por me permitir conhecer essa belíssima história de amor, superação e escolhas. Eu super recomendo esse livro.

http://juoliveira.com/cantinho
Yuko 10/11/2010minha estante
Fiquei mais empolgada para ler o livro~!!!\(^^)/




Juliana Vicente 11/11/2010

Resenha no blog As meninas que leem livros
Quando peguei esse livro para ler, já havia lido resenhas dele em outros blogs e pensava ter uma visão geral e precisa do que aconteceria dentro de suas pginas. Em primeiro lugar o livro é totalmente original para mim, isso mesmo nunca li nada como ele. Não sou fã de livros de auto-ajuda e fiquei com um pouquinho de receio desse livro me levar por esse caminho, mas em nenhum momento senti que existiam “lições” de moral. Claro que algumas partes do livro nos fazem rever alguns conceitos e refletir sobre aspectos da vida, mas não senti como se eu fosse “obrigada” a sentir ou pensar isso. Simplesmente aconteceu.

O livro é dividido em duas partes. Na primeira temos um personagem inusitado e muito querido, um livro. Ele nos conta como se deu seu processo de criação, edição, impressão, divulgação e milhões de outros detalhes que nem imaginamos ser necessários para tornar um livro um sucesso. Todo livro deseja ser comprado e levado para casa. Deseja ser lido e fazer o leitor se emocionar com ele, independente de qual seja a emoção.

Com esse livro eu chorei, tive medo, esperança e por fim um sentimento tão grande de contentamento que precisava saber qual história esse livro contava. Uma história capaz de mudar a vida de tantas pessoas.

A segunda parte de A escolha de cada Um foi mais difícil de ler, pois aqui me encontrei com Ana, uma mulher que esqueceu o que é o amor, que apesar de ter uma vida satisfatória, já não consegue lembrar o que é felicidade. Em algumas coisas me identifiquei muito com ela, acho que por isso a leitura dessa parte do livro demorou a ser concluída, afinal reconhecer nossos problemas nunca é fácil.

Agradeço a Regina por me possibilitar a leitura desse livro e permitir que eu conhecesse personagens que me encantaram e fizeram-me crescer um pouquinho mais.

Eu convido vocês a conhecer um pouco mais desse livro e dessa autora que só começou a nos encantar.
comentários(0)comente



Dominique 20/01/2011

Poder revitalizador!
"A Escolha de Cada Um" foi um dos livros que mais me surpreendeu, com um final espetacular e com uma história única. Confesso que demorei dois meses para terminá-lo e explico o porquê. O livro é dividido em duas partes. A primeira parte, eu devorei tão rapidamente, que quando me deparei com a segunda parte, que para mim, nada tinha a ver com a primeira, me decepcionei e comecei a ler outros livros. Mero engano.

Com a chegada das férias, olhei resignadamente para ele e disse: querido, desse ano você não passa, por mais que você tenha me decepcionado. Já ouviram falar na expressão: e tomou um tapa com a luva de pelica? Sim, foi exatamente isso que me aconteceu. Eu não somente li a segunda parte, como adorei o final que a autora nos preparou. Mas deixe-me falar um pouquinho da história, acredito que todo leitor, amante de livros vai se emocionar.

A primeira parte do livro fala sobre um personagem muito próximo a nós, leitores. Ele conta a história de um livro, que aliás, é narrado em primeira pessoa. A desventura do nosso precioso narrador, começa quando seu autor o lança ao público, mas diferente do livro anterior, este não é devidamente apreciado e alvo constante de críticas cruéis. O resultado é lastimável. O livro é esquecido e relegado as mais escondidas prateleiras de sebos. Seu autor entra em um depressão profunda, antes famoso por seu livro anterior, agora difamado pelo novo, que ele confiou tanto que teria o poder de transformar vidas.

Nosso querido livro narrador, aproveita os momentos para falar sobre os críticos literários, o cruel mercado editorial e o poder da mídia em derrubar ou levantar um determinado produto. Ele também nos conta, as histórias dos livros a sua volta, cada um com um significado especial, com uma função, mas todos querendo o mesmo destino: ir para as mãos preciosas de um leitor.

Certo dia, entra no sebo um senhor que vagarosamente passeia de estante em estante, folheando livros, lendo trechos, separando alguns, deixando outros. Nosso amigo livro, exulta, torce para que ele repare nele, lá no final do corredor, quase na última prateleira, escondidinho... e és que o instante de felicidade chega!

Eu poderia contar muito mais sobre a primeira parte e sobre a segunda também, mas acredito que somente você, caro leitor, tem o direito de embarcar e descobrir por si mesmo, os segredos que Regina Monge escondeu nas linhas desse livro. Convido você a lê-lo, tenho certeza de que não irá se arrepender.

Veja mais: http://www.livrosfilmesemusicas.com.br/2010/12/escolha-de-cada-um-de-regina-monge.html
comentários(0)comente



Talita 28/12/2010

Esta obra de Regina Monge é dividida em duas partes:
A primeira parte conta a história de um livro, dotado de emoções e sentimentos,que narra sua trajetória desde seu nascimento, até seu reconhecimento.
Primeiramente,começa com o livro falando do seu criador,de como ele tinha feito sucesso com seu primeiro romance, ganhando muito dinheiro, e consequentemente sofreu grande pressão da mídia para lançar outro livro tão fantástico como aquele.

Mas ele não escrevia por obrigação e sim por puro prazer, então decidiu se afastar de tudo e viajar com sua mulher por vários países.

Neste tempo escreveu outros livros, mas não queria publica-los por medo da mídia,Porque o que a mídia faz crescer e virar sucesso , ela destrói completamente.

Porém, vinte anos depois, ele decidi lançar um livro e para sua surpresa o livro foi um grande fiasco.
Destruiram sua imagem com todas as críticas sem ao menos ter lido o livro até o final, e assim,o livro ficou lá largado na última prateleira de uma livraria, sem ninguém nunca te-lo tocado.

O livro já não tinha mais esperanças de ser lido, até que um dia tudo mudou com a chegada de um grande leitor que spoderia ser a ponte para o sucesso daquele pobre livro abandonado.
Mas o que aconteceu com o livro ?

Ele realmente vai ser lido ? Ou só mudará de lugar?

Será que ele vai ser reconhecido como um best seller, como ele tanto sonhava?

Leia e descubram!
A segunda parte conta a história de Anna,uma jornalista , editora de uma revista de negócios , totalmente voltada para o trabalho, quase não tem tempo pra si mesma.

Anna foi promovida no trabalho e estava feliz e preocupada ao mesmo tempo, tinha uma vida quase perfeita,exceto pelo vazio que existe em sua alma, provocada por uma grande perda, que ainda à impedia de amar novamente.

Após a promoção no trabalho , Anna decidi viajar em férias por 15 dias, e decidi ir para Petra, na Jordânia, e depois passar por Paris.

Com receio de viajar sozinha, convida a amiga Dany para ir junto, mas a amiga não pode ir.Anna pensa em cancelar a viagem, mas depois de algumas sessões com seu novo terapeuta idicado pela amiga, toma coragem para viajar sozinha mesmo, pois acredita que precisa de um tempo só dela e sente que algo muito bom está par acontecer com ela nessa viagem.

Então em Petra, em um de seus passeios turisticos, Anna tem uma grande surpresa,ela conhece John, um turista americano e surge uma grande paixão entre eles, mas John não é quem ela pensa , ele ..

Leia mais aqui:
http://mundoportrasdaminhaparede.blogspot.com/2010/10/resenha-12-escolha-de-cada-um-por.html

comentários(0)comente



naniedias 14/10/2010

A Escolha de Cada Um, de Regina Monge
Na primeira parte do livro temos uma história bem diferente, narrada de um ponto de vista inusitado: um livro é o narrador de sua própria trajetória. A princípio, ele e seu criador - o autor - estavam prontos para o sucesso, assim como havia sido com o primeiro livro dele. Mas as coisas não foram por esse caminho. O pobre livro ficou esquecido em uma das prateleiras de fundo de uma livraria... Até que um dia, um homem misterioso, que perdeu grande parte do seu dia analisando os livros, comprou-o. E assim, a vida do pequeno livro esquecido começou a mudar...
"Maio de 2003, São Paulo, Brasil. Nesta data eu nascia ou, melhor, começava o meu processo de editoração. Algo já me dizia que, no futuro, eu seria um dos grandes best-sellers brasileiros."
"Uma experiência muito rica para mim foi acompanhar a minha p´ropria produção. Lembro-me de como surgi na imaginação do meu criador, e de todo o processo pelo qual eu passei na editora, para que fosse finalizada a minha concepção."
"Eu estava convicto de meu sucesso, pois minha alma, digamos assim, estava com essa certeza otimista em seu íntimo. Ignorava, porém, a ordem das coisas. Meu sucesso não seria tão retumbante assim e [...] eu enfentaria um fragoroso fracasso."
A segunda parte conta a história de Ana, uma mulher forte, decidida, batalhadora - que acaba de conseguir se tornar a editora chefe da revista onde trabalhava. O cargo mais alto de sua empresa - uma posição invejada por muitos. Mas ela, na verdade, é uma mulher vazia, sozinha, que guarda no coração um grande ressentimento do passado. Mas uma viagem à Petra irá mudar a vida de Ana para sempre.
"- Você criou um ciclo de energia negativa e não se permite quebrá-lo. No seu subconsciente, você não quer desfazer-se dele. Rompimentos energéticos são difíceis de concretizar, pois você não se imagina preparada para enfrentar outras situações e prefere enganar-se, com a pseudo-satisfação no trabalho, uma mera ilusão; serve, somente, para provar a cristalização do medo em entrar em contato com as verdadeiras emoções e desejos."

O que eu achei do livro:
O livro é muito interessante, contado de uma maneira muito diferente, inesperada. Me cativou de verdade.
Eu não pude deixar de me incomodar, mesmo que muito pouco, com o caráter levemente de auto-ajuda passado pelo texto. Mas como é algo bem sutil, misturado na história, então não prejudicou a leitura e nem me desagradou.
"-Você já parou para pensar na vida como uma tela em branco, na qual se vai pintando o seu transcorrer? Na infância, você dá as primeiras pinceladas, na adolescência começam a aparecer os traços, na idade adulta começa a dar forma às imagens e na velhice tem a obra inteira, por completo... Não é magnífico isso? Nós podemos criá-la, desde o início."
A forma como a autora aborda os assuntos que deseja tratar é realmente maravilhosa e leve. A forma como as duas partes do livro se conectam é perfeita e o final do livro é simplesmente surpreendente!
Uma leitura muito agradável e altamente recomendada.

Nota: 8
Dificuldade de Leitura: 6

Veja mais resenhas em: http://naniedias.blogspot.com
comentários(0)comente



Vanessa Meiser 19/09/2010

LINDO, LINDO, LINDO!

Foi um belíssimo presente a leitura deste livro que merece ser saboreado beeeem devagarinho, palavra por palavra. Duas histórias, cada qual com suas peculiaridades, a primeira totalmente inusitada contada pelo próprio livro que, demonstra seus sentimentos, anseios e esperanças, nunca havia lido nada assim e foi surpreendentemente bom.
Um livro contando a sua própria história? Para nós, leitores aficcionados, é deleite puro e ainda por cima tem romance?

Idéia criativa e muito feliz da autora que tenho orgulho em dizer que é "brasileira".

Na segunda parte temos Anna e toda a evolução pela qual passa a sua vida, do vazio à uma nova vida cheia de novas expectativas. A executiva rica e ambiciosa ao descobrir o valor dos sentimentos em Jonh, um turista americano, descobre o sentido de tudo e tem a opção da escolha de driblar os obstáculos e viver uma vida mais plena e realizada ou seguir com sua vida de ambição, sucesso e poder e totalmente desprovida de sentido.

Este livro nos traz a feliz mensagem de que devemos estar sempre aberto às oportunidades que se apresentam, sempre receptivos, pois, o mundo conspira sim a nosso favor, só temos que saber reconhecer quando a oportunidade acontece e não deixá-la passar.......
Definitivamente a nossa literatura nacional, se ainda não alcançou, está muito perto do topo de "os melhores autores da atualidade", merecem com certeza o máximo de divulgação e todo o sucesso que procuram.

Eu mais do recomendo, eu "exijo" que as pessoas leem!!!!!!!
comentários(0)comente



sentilivros 26/09/2010

resenha de A escolha de cada um
Como o próprio nome diz, trata-se da escolha que cada ser faz para si mesmo. Suas consequências, seus rumos, suas dúvidas, etc. Demonstra que o sentimento transformador é o "Amor".
A 1ª parte traz a história de um livro, como ele capta as emoções ao seu redor, como foi impresso, ele conta sobre seu autor, seu aparente fracasso, sua redescoberta e sobre seus leitores;E ainda como ele age através de sua história.
A 2ª parte, trata da história de Anna, como ela deixou-se levar pela dor da perda de um amor. Deixando de redescobrir esse sentimento, investindo somente em seu lado profissional, afastando-se de pessoas que poderiam se tornar muito queridas, mas como todos temos nossos limites, ela chega ao dela.
Tentando compreender o porque dessa situação, ela procura um psicológo, sai de férias e seu mundo toma outra forma, se redescobrindo.
O final é intenso, surpreendente e apaixonante. Só posso dizer que essa minha "escolha" em ler o livro, só me trouxe satisfação, e me fez pensar na minha vida e em minhas escolhas.


site: http://sentimentonoslivros.blogspot.com.br/2010/09/escolha-de-cada-um-regina-monge.html
comentários(0)comente



Viquinha 14/09/2010

Por evocar imagens e conceitos tão particulares, certos livros requerem leitura minuciosa. Frase por frase, palavra por palavra. Comigo aconteceu assim.

O livro se estrutura em duas partes. E não há capítulos. Cabe ao leitor decidir por si mesmo quando deve interromper ou prosseguir a leitura. Bem apropriado ao contexto da obra. Aliás, integralmente feita para intensificar sua mensagem. Sinal de muito zelo.

Então temos a capa. A imagem do olho cor de esmeralda parece revelar esperança. Fiz uma associação imediata com a simbologia do olho como espelho da alma e também com a mitologia. Porém, meio incerta quanto às implicações da descoberta, iniciei a leitura a fim de testar as hipóteses.

A primeira parte do livro nos apresenta um evento inusitado: o próprio livro que eu tinha em mãos me contava a sua história. A sua gênese e os desdobramentos da sua existência até sagrar-se Best Seller. A história que conta de si mesmo é comovente. Linda!

Conheço alguns insólitos narradores. O defunto Brás Cubas e a Morte, aquela mesma que contava uma história que eu devia para ler, são alguns deles. Livros-personagens nunca vi. Não que eu me lembre. A minha maior surpresa foi a de perceber que o narrador-livro falava de mim. Assim como acontecera a Richard, a Suzan, a Rachel e a tantos outros, encontrei a mensagem do livro dentro de mim mesma. E assim é a leitura. Feita do que sabemos.

Livros assim são de um valor inestimável!

A primeira parte é a preparação do que há por vir: Anna.

Sua vida, seus sucessos, suas perdas, suas escolhas.

Executiva bem sucedida, mas com um vazio imenso dentro de si, Anna ignora que a vida lhe reserva grandes bênçãos. Ela é a figura emblemática da era exponencial em que vivemos. Muito trabalho, muito afã por sucesso, também muito medo e insegurança. Essa conta não pode dar certo. O saldo negativo pesa. E Anna o sabe bem ainda que não compreenda a razão de tanto medo de amar. Aos poucos, descobre-se: estar ausente ou presente é uma questão de escolha. Uma conquista diária. E quando age, Anna descobre uma vida nova e um novo amor. Não sem mistérios e beleza, devo dizer.

A impressão que tive da demora para que a mudança na vida de Anna acontecesse, foi um ponto marcante na leitura. A impaciência, tão característica de nossos dias, queria ditar o ritmo da narrativa. Por fim, compreendi: a sucessão de eventos se dá em conformidade às emoções de Anna. Muito bem sacado, Regina Monge! E o fim da história demonstra que vale a pena esperar.

Falando em final, humildemente, peço licença para discordar de um pensamento dito no finalzinho do livro: “Somos pequenos deuses com poderes”. Que fique bem claro: em nenhum momento da história há a negação da condição e da natureza humana. Contudo, acredito que frases, como a citada acima, falam às convicções pessoais. Respeito as convicções e crenças diferentes das minhas. A minha intenção não é a de ser doutrinária, porque não é esse o propósito do blog. Por outro lado, ler é também discutir as idéias do autor como em um diálogo. Por isso, em resposta, digo: Dadas as limitações próprias da condição humana, dado o nosso sentir finito e moral, o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza. O poder humano tem origem divina, sim, uma vez que todo poder vem de Deus, mas não creio que sejamos deuses.

Isso posto, ressalto a beleza da narrativa. O seu caráter universal diz respeito a todos nós. É o que eu chamo de livro de sentimentos. Enquanto algumas histórias fazem com que nos afastemos por alguns momentos da realidade de nossa vida, A escolha de cada um de Regina Monge nos mantêm lá. Fala do que muitos já sabem, mas do que poucos sentiram.

Não posso encerrar sem mencionar o roteiro de viagem escolhido por Anna: Petra. Situada no berço do mundo! A cidade rosa! Terá algo a ver com a capa? Fui de carona na viagem e aprendi tanta coisa a boa. Lugares como Petra explicam muito da criação e do mundo. Metafórica ou literal, essa é a viagem! Com direito ao romantismo no pacote.

Voltando à capa, estou quase certa de que minhas hipóteses não são de todo infundadas. (Regina Monge disse que realmente não são ;D)

Boa leitura!

PS: Agradeço imensamente a Regina Monge e também a Lili, querida amiga, pela oportunidade de desfrutar de tão rica leitura. Essa conexão não foi por acaso.
comentários(0)comente



39 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3