Fairest of All

Fairest of All Serena Valentino




Resenhas - Fairest of All


5 encontrados | exibindo 1 a 5


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Raissa.Bonon 13/05/2016

Uma nova rainha má, malvada, amorosa e totalmente envolvente
Eu adoro quando recontam esses contos de fadas de outra forma, e apesar de odiar branca de neve adorei o livro. Me vi apaixonada por essa versão de uma rainha má humana, buscando sempre a aprovação do pai e tendo uma historia trágica, mas humana por trás. Esse livro me fez refletir, sobre como pessoas mudam e como os sentimentos como perda e inveja podem se apossar de nos tão fácil. Ao contam essa clássica historia pelo lado da bruxa, a Disney continua seu projeto recente de ninguém é totalmente mal e necessitamos ver os dois lados da historia e essa visão se torna clara na rainha, mas não nos outros personagens. a Branca De Neve, igualmente em todos os contos de fadas, ainda é a princesa perfeita, e as três irmãs, a imagem do mau. Portanto, esse livro me decepcionou um pouco por ter um conflito entre a visão maniqueísta e a desconstrução dela no mesmo livro, o que talvez tenha tornado um pouco paradoxa a historia. porem a personagem principal foi tão bem descrita e desenvolvida, que esses detalhes ficam de lado e o leitor se vê pro ao livro querendo termina-lo o mais rápido possível. A origem do espelho, dos feitiços,da vaidade e da rainha como conhecemos, são bem explicados e nos faz ter grande empatia por ela.
Talvez seja pelo fato do livro não se reter somente na historia que ja conhecemos, com a maça envenenada , ou pela explicação de varias pontas soltas que o conto da Disney deixa, mas o livro realmente é cativante e me surpreendeu em questão de historia e profundidade. ja que quando vi esse livro e li que era da Disney, imaginei uma historia mais pra crianças ou adolescentes. Porém o livro se mostra muito mais que isso. A única reclamação que tenho desse livro, além de ser um pouco paradoxal é a falta de explicação para o fim da rainha e alguns elementos muito fantasiosos na narrativa, que impedem eu de acreditar que a historia realmente possa ter ocorrido em algum lugar, porém isso é um conto de fadas e deve ser tratado como tal.
O real problema é a inacessibilidade do livro para muitos, por ser em inglês e não se vender no Brasil, porém quem tem um nível intermediário de inglês conseguira le-lo pois é uma linguagem bem fácil e a leitura de torna dinâmica depois de algumas paginas.
Então, se esta disposto a ultrapassar os desafios da língua, e é fa como eu dos contos de fadas e suas novas versões , recomendo e te incentivo a ler “ the fairest of all” e a entrar nesse novo e instigante mundo da Branca de neve”
comentários(0)comente



Clau @meuescapeliterario 13/05/2015

Team Evil Queen
Devo dizer que o começo da história, com a rainha amável e boazinha não me conquistou.
Sou super fã da Branca, mas em nenhum momento consegui "comprar" o amor que ela tinha por sua madrasta. Ok, a rainha era boa e, em um estilo once upon a time, se tornou má após péssimas escolhas seguidas de acontecimentos pessoais.
Creio que a partir do ponto em que a rainha passou a invejar a beleza da -ainda criança- Branca de Neve, o livro ficou bom.
Achei interessante ela não ter de certa forma nascido má, além de suas inseguranças serem motivadas por traumas da infância, mas, de novo, a rainha boazinha não me convenceu.
Não se tornou meu livro favorito, porém gostei de saber do "outro lado da moeda", já que a Branca de Neve é minha princesa favorita.
E por fim, vale constatar que é uma leitura bem rápida, afinal o livro é pequeno e segue um ritmo bom.
comentários(0)comente



Mariana Knorst 04/02/2015

A Tale Of The Wicked Queen
Fairest Of All: A Tale of The Wicked Queen não possui ainda versão em português e conta a história da Branca de Neve através da visão da Rainha Má.

A história começa mostrando como a futura Rainha, que era humilde e trabalhadora, conheceu o Rei e como de imediato se apaixonam e casam. A Rainha, então, passa a morar no castelo e a valorizar muito a relação com Branca de Neve, pois entende muito bem o que a pequena princesa sente em relação à ausência materna, pois também perdera a mãe muito cedo.

Importante referir, que o Rei, sabendo que o pai da Rainha era um talentoso artesão de espelhos, deu a ela como presente de casamento um lindo espelho. Porém, logo que recebeu, notou que algo havia de errado com o presente, mas para não ser indelicada, aceitou de bom agrado.

Com o passar dos anos, a Princesa e a Rainha construíram uma relação extremamente forte, principalmente em razão da ausência do Rei, durante os períodos de guerra.

Durante um dos períodos em que ficam sozinhas, a Princesa e a Rainha receberam a visita de três primas distantes do Rei, que, tão logo chegaram, despertaram medo e angústia na pequena sucessora real. A Rainha, dominada pelo instinto materno, tentou proteger a filha de todas as formas, inclusive ao expulsar as três mulheres da sua propriedade.

Algum depois, o Rei perde a vida em batalha e em seu velório, a pequena família recebe novamente a visita das três irmãs. A Rainha atordoada começa a ouvir os conselhos das experientes primas e descobre que o seu presente de casamento era mágico e que nele habitava o espírito de seu pai, que, quando indagado, sempre dizia a verdade.

Assim, a Rainha, que entrou em uma profunda depressão, passou a depender emocionalmente das coisas que o espelho lhe dizia sobre sua beleza, sobretudo porque o pai quando em vida, se recusava a lhe proferir qualquer tipo de elogio. E nesse momento, começa a nascer o que conhecemos sobre a Rainha Má.

A história aborda muito o lado emocional da personagem e a sua necessidade de auto afirmação em razão da insegurança causada pelo repúdio do pai e como processou de forma negativa e exagerada a absorção dos bons sentimentos que sempre sonhou em possuir.

Portanto, ao conhecer a versão, descobrimos um lado mais humano da vilã e entendemos a origem da necessidade de eliminar a Branca de Neve e todas as consequências emocionais que esse episódio lhe causou. Por óbvio, esta história é uma adaptação daquela que conhecemos e procura trazer respostas e proporcionar uma defesa eficiente aos atos maléficos e desonrosos da Rainha.

site: http://gargalhandopordentro.blogspot.com.br/2014/08/livro-fairest-of-all-tale-of-wicked.html
comentários(0)comente



Júlia 30/06/2013

Mirror mirror on the wall
Esse é um daqueles livros que já chama a sua atenção pela ilustração da capa - ou melhor, das capas. O rosto perfeito da Rainha Má que compõe a jacket do livro dá lugar às feições assustadoras assumidas por ela na hora de oferecer uma maçã envenenada à Branca de Neve. Essa é provavelmente uma das capas mais bonitas que eu já vi, bem com uma das mais impactantes. Mas um livro não se julga pela capa e o caso de Fairest of All não poderia ser diferente - mesmo que a capa tenha um grande efeito sobre o leitor.

A primeira metade do livro é um tanto quanto maçante. Trata de eventos aparentemente não relacionados à história conhecida do conto de fadas. A Rainha descrita logo nas primeiras páginas é bondosa e amorosa, em nada parecida com a figura vingativa e rancorosa presente no imaginário popular. O que me prendeu ao livro foi justamente a curiosidade em saber como alguém tão bom poderia se transformar a ponto de envenenar a enteada que assumiu verdadeiramente como filha.

A figura da Rainha é muito bem construída, principalmente na segunda metade do livro. Sua transformação é surpreendente (ainda que seja obviamente esperada) e bem trabalhada. Encontram-se explicações para sua obsessão pela própria beleza, seu envolvimentos com magia negra e a origem do intrigante Espelho Mágico. Branca de Neve fica em segundo plano, mas também ganha contornos psicológicos mais complexos do que na animação da Disney. Seu Príncipe, inclusive, aparece em mais do que duas cenas esporádicas e, ainda que sem grande participação, sua relação com Branca é mais explorada.

A leitura de Fairest of All vale a pena pela preciosidade com que a autora se dedicou a reconstruir uma história tão conhecida, cuidando para que pequenos detalhes dessem coerência a sua narrativa, bem como pelo grande valor atribuído ao psicológico dos personagem, em especial da Rainha. Afinal, sempre existe um outro lado de toda história.
comentários(0)comente



5 encontrados | exibindo 1 a 5