Starllite

Starllite Franco Alencastro




Resenhas - Starllite


3 encontrados | exibindo 1 a 3


Paulo 22/10/2020

A Plutão realmente consegue me surpreender no que diz respeito à escolha de materiais publicados. Não digo isso agora que sou parceiro deles, afinal eu sou um dos caras que li tudo o que a editora já publicou. E eu não conhecia o trabalho do Franco Alencastro. E eu curti bastante a maneira leve e descontraída, mas que revela uma quantidade enorme de críticas sociais embutidas com a qual ele leva sua narrativa. Não se engane pelo absurdo da situação que é o planeta Terra possuindo consciência e um controle sobre várias coisas e sendo entrevistado por um ser humano. Tem muito mais nesse caldo.

A narrativa é em primeira pessoa, contado do ponto de vista da Leena Kapoor, nossa protagonista. Isso é importante porque ela está tão confusa quanto nós acerca de toda a situação. O fato de ela tentar a todo o momento buscar racionalizar aquilo que está se passando com ela é o que nós faríamos se estivéssemos em seu lugar. Acerto para o autor. A escrita não é difícil... apesar de tratar de diversos temas científicos como consciência, transumanismo, lar, civilização, o autor consegue traduzir em uma linguagem fácil e acessível. Qualquer leitor pode chegar e ler numa boa. Não é preciso familiaridade com o gênero. Acho até que Starllite combina com o atual contexto social em que vivemos. Pode ser uma boa porta de entrada para a ficção científica.

Leena Kapoor é uma jornalista que vive em Starllite, uma enorme estação espacial que serve como habitat para a humanidade. Há muito tempo atrás houve um desastre sem proporções que fez com que a humanidade precisasse se abrigar no espaço. A Terra se tornou um lugar inóspito. Mesmo passando por inúmeras dificuldades a humanidade se adaptou e sobreviveu. Depois de enviar algumas sondas para investigar a qualidade do ar e da superfície da Terra, parece que é hora de retornar. E Leena foi escalada para cobrir esse evento emblemático. Mas, um acidente acontece e sua nave parte sem direção em relação à Terra. Só que parece que tudo não passou de um plano do próprio planeta... porque a Terra ama Leena.

Boa parte da narrativa é uma conversa entre a Terra e Leena. Isso porque o planeta criou consciência e detesta a humanidade. A protagonista tenta convencer o planeta a desistir de seu plano de destruir a estação. Os diálogos que eles tem são sensacionais e vou abordar alguns dos temas abaixo. Mas, me incomodou algumas coisas. Entendo a questão da Terra ganhar consciência e guardar rancor contra a humanidade. Mas, daí a possuir super poderes já começa a fazer eu coçar a minha cabeça. Não havia necessidade disso. Asimov tratou bem desse tema de um planeta que ganha consciência em Fundação e Terra. E ele trata de uma maneira bem parecida, claro que com temáticas bem diferentes. Me pareceu um deus ex machina para justificar determinados elementos do plot para fazer com que a narrativa caminhasse em uma direção. Sei lá, eu achei desnecessário e mais prejudicou do que ajudou. Porque o ponto mais importante eram os diálogos. A própria ideia de que a Terra estaria dentro de cada um de nós (e não vou falar mais do que isso) já era uma justificativa suficiente para ser ameaçadora.

É óbvio que em tempos como os atuais estamos pensando no futuro da humanidade. Uma pandemia como a do coronavírus, o desmatamento da Floresta Amazônica, a poluição dos rios, o desequilíbrio climático, tudo isso demonstra o quanto o ser humano alterou a constituição do planeta. Estamos sentindo na pele hoje o quanto o planeta está se voltando contra nós. Agora imaginem se o planeta tivesse uma voz? Será que ele nos perdoaria por nossos atos? Fico pensando e a narrativa do Franco me colocou nessa dúvida. Porque mesmo a argumentação da Leena fazendo total sentido, nós sempre buscamos na justificativa do "somos apenas humanos" todos os erros que cometemos. Chega um momento em que essa desculpa não cola mais. E é a isso que o planeta se refere.

Outro tema bom é o do que significa o lar: aonde você nasceu ou onde você foi criado. Nature x nurture. As pessoas que nasceram em Starllite são terráqueos ou são pessoas de Starllite? E o que define a humanidade? E se surgisse outra raça senciente na Terra, poderíamos chamar essas pessoas de humanos? Mesmo que eles tivessem outra conformação? Leena se faz essa pergunta ao chegar na Terra porque ela acaba percebendo o quanto ela via as coisas diferentes do lugar de onde ela veio. Ao mesmo tempo havia uma sensação de familiaridade que se espalhava em sua memória inconsciente. Algo que perpassava por seu instinto.

Starrlite é um romance de ficção científica bem construído. Escondido por trás de uma narrativa leve, existem temáticas profundas que nos levam a questões filosofais. Um livro que ecoa ao contexto atual em que questionamos o papel nocivo do ser humano em relação ao meio ambiente e ao planeta Terra.

site: www.ficcoeshumanas.com.br
comentários(0)comente



Thiarlley 13/10/2020

Uma boa surpresa!
Não tenho costume de ler ficção científica, enquanto escrevo essa resenha, penso que Starllite é o primeiro livro que tive a oportunidade. Acho que foi uma boa maneira de começar o gênero, a escrita é fluída e dá para ler o livro de uma única vez. Como fã de filmes de heróis, pude imaginar cenas como Guardiões da Galáxia Vol. 2, por exemplo, o que deixou o livro ainda melhor. Parabéns ao autor! Precisamos apoiar a ficção científica brasileira, pois temos muitas boas histórias por aí :)
comentários(0)comente



Lucas dos Reis @EstanteQuadrada 20/09/2020

Uma história grande para um espaço pequeno
Em Starllite conhecemos essa história de ficção científica perfeita para quem gosta de histórias envolventes e enigmáticas!

O que mais gostei foi o início, em que somos apresentados a essa premissa da Terra estar entrando em contato com os últimos humanos vivos, que estão vivendo em uma sociedade, fora da órbita.

No caso, de fato é a própria Terra que manda a mensagem. Descobrimos que na verdade o nosso planeta é um ser inteligente, um organismo vivo.

Essa premissa me chamou muita atenção e abre margem para muitas discussões, principalmente os temas abordados quando estão discutindo os motivos que levaram a fuga do planeta, há quase um século do início da história.

Eu senti que se essa história fosse mais longa poderia ser mais interessante ainda, tendo mais tempo para desenvolver alguns pontos soltos.

O início me lembrou muito a trilogia Lembranças de Um Passado da Terra, do Cixin Liu, porém, a conclusão foi superficial em alguns aspectos, dando explicações mais simples, mesmo podendo explorar de maneira mais técnica e lógica, como no início.

É uma leitura divertida para tirar da zona de conforto, mesmo podendo ser mais audaciosa e ácida nas críticas sociais.
comentários(0)comente



3 encontrados | exibindo 1 a 3