Renascença

Renascença Oliver Bowden




Resenhas - Renascença


264 encontrados | exibindo 76 a 91
6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 |


Nathalia Guerreiro 22/08/2013

História e suspense juntos ~
Leia a resenha inteira no nosso site e se gostar deixe um comentário!
http://euinsisto.com.br/?p=2892

---------------------------------

Devo dizer que estou super satisfeita por ter lido o livro! A capa e o jogo sempre me chamaram atenção, estava ansiosa para comprar e não me decepcionei. Ezio, o personagem principal, quer vingar sua família e não vai ser uma tarefa nada fácil, não mesmo. Tipo leva mais de 20 anos pra concluir. Uma coisa que me incomodou foi que as lutas que Ezio tem são praticamente sempre a mesma coisa, ele é um ninja que nunca perde e isso é irritante, então uma boa parte do livro são apenas lutas e mais lutas, isso pode tornar o livro um pouco cansativo, justamente pela repetição.

~ "– Esse foi seu último insulto – disse Ezio, esfaqueando-o nos intestinos e fazendo devagar um corte de alto a baixo com as laminas da adaga de dois gumes ao longo da barriga do Inquisidor. – " ~

As cenas são muito bem explicadas, e cada personagem, tipo, todos os personagens, são marcantes e tem uma personalidade única, e eu adorei isso. Irmã Teodora, Mario, Rosa, Caterina, Nicolau e claro meu personagem preferido Leonardo da Vinci….

~ "O artista fez uma reverência.
– Leonardo da Vinci – disse. – Sono molto onorato, signore." ~

[...]

site: http://euinsisto.com.br/?p=2892
Angel Sakura 22/08/2013minha estante
Oq dizer além de LEONARDO EU TE AMO! shsuhs




Iza 28/03/2017

Assassin's Creed - Renascença
Nossa, esse livro já tava me torturando. Eu tava louca pra acabar logo, só enrolava mais e mais pra ler, um mês quase. E me lembrei porque havia abandonado a primeira vez que li.

Achei tudo muito repetitivo e massante. Quando esperava um final incrível, não aconteceu. Só foi bem confuso e incoerente, considerando as características que construíram o personagem Ezio durante o livro e toda a trama envolvendo vingança e relíquias misteriosas. Talvez seja mais explicado em outros livros da saga, mas como o primeiro livro, achei bem fraco e me desanimou um pouco.

Por um lado, as descrições são bem precisas e a paisagem de Veneza, Florença, entre outros, bem constituídos. E o mais legal é a aparição de personagens conhecidos, como Leonardo da Vinci, Maquiavel e diversos outros que realmente já existiram (pesquisei a maioria). A aventura é bem legal, dá uma apreensão maior às vezes, há cenas mais interessantes, mas são poucas.

Enfim, coloquei bastante expectativa mas não rolou tanto. Vamos ver os outros agora!
Iris 05/04/2017minha estante
E quando ocorre de cenas nem tão necessárias serem super detalhadas e aí no parágrafo seguinte terem se passado muitos anos? Como me irritou isso :(


Iza 05/04/2017minha estante
Siiim Íris kkk Esperava bem mais!


Felipe.Silva 08/06/2017minha estante
Eu abandonei ele uma vez, e estou a ponto de fazer o mesmo... O maior problema é que a saga Assassin's é gigante e ainda não terminou. Por tanto todos os livros, são apenas uma peça do quebra-cabeça.


Iza 09/06/2017minha estante
Eu fiquei com essa mesma sensação Felipe, mas me torturei pra terminar e o final nem foi bom, foi confuso e desconexo. Acredito que seja explicado nos outros livros (tomara). Eu terminei exatamente pra ler os outros livros que, ouvi dizer, são muito melhores. Agora só ler pra ver se são mesmo rs


Felipe.Silva 09/06/2017minha estante
Boa sorte Iza, eu não pretendo encarar outros livros da seirie não kkkkk'


Iza 09/06/2017minha estante
kkkkkk Obrigada, vamos ver se vou aguentar




Guilherme 05/12/2011

Uma Sociedade de um Assassino
Embora nunca tenha jogado nenhum outro jogo da franquia Assassin's Creed além do primeiro (que ainda estou tentando zerar), me senti tentadíssimo a comprar este livro assim que soube ser baseado na história do segundo volume do jogo. E me decepcionei. Vamos lá: a história gira em torno de Ezio Auditore, um rapaz inconsequente e briguento que pode se dar ao luxo de fazer alguns serviços eventuais para seu pai, um banqueiro "novo rico" de Florença, mas nada além disso. Passa os dias brigando por aí e se pegando com uma moça da cidade. É assim que começa a história de Assassin's Creed - Renascença. Nota-se desde o princípio da história que o autor (que usa o pseudônimo de Oliver Bowden) escreve se baseando no roteiro do jogo e não o contrário. Isso é notável pelo simples fato de que a história é muito rápida, partindo de uma coisa para a outra sem explicações como se aquelas situações já tivessem ocorrido àqueles personagens inúmeras vezes, tornando tudo muito inverossímil.
Outra coisa que me incomodou muito é a falta de detalhamento da [...]
Leia a resenha completa em: http://cinefilosetc.blogspot.com/2011/12/uma-sociedade-de-um-assassino.html
comentários(0)comente

juliablack 06/12/2011minha estante
concordo contigo!as coisas meio que são colocadas aos olhos do leitor sem explicaçoes..
me deixou por vezes inquieta e decepcionada com os rumos do livro.eu esperava mais a julgar pela capa..




Nathy 04/06/2013

Assassin’s Creed: Renascença – Oliver Bowden | O Blog da Mari
Quando comecei a ler esse livro tinha uma noção bem básica do que iria acontecer por causa do book trailer que havia visto anteriormente e por causa do que tinha na contracapa, mas a história mostrou ser muito mais do que aparentava. Tudo começa com Ezio Auditore perdendo a sua família, após ser traído por pessoas que eles consideravam seus amigos. Enfurecido ele jura vingança a todos aqueles que fizeram parte desse complô e até um momento do livro você pensa que é somente mais uma história de vingança, mas se torna muito mais do que isso, não vou contar para não estragar a surpresa, mas definitivamente é bem surpreendente. A narrativa é em terceira pessoa e em alguns momentos foi bem cansativa tanto que parava e depois de um tempo voltava a ler, mas nada que prejudicasse minha leitura.

Ezio Auditore começa o livro com apenas 17anos e devido a sua pouca idade imagina-se que ele é um jovem frágil que não pensa em nada mais do que se divertir. Ele é bem assim até a traição de sua família, fiquei muito impressionada com a sua evolução durante o livro é bem visível que seu amadurecimento não é devido a sua idade, que vai passando, mas sim a todos os fatos que são praticamente jogados em cima dele. Admirei muito a sua coragem e força, além do que mostrou que ele é tão ‘humano’ quanto qualquer outra pessoa, que pode se ferir e ate morrer, mas que irá lutar até o fim pelo o que acredita. Um personagem que te conquista logo nas primeiras linhas.

“ Naquele momento , Ezio soube que sua vida anterior havia acabado – Ezio, o garoto, não existia mais. Dali por diante, sua vida estava baseada em um único objetivo: vingança.” Ezio


Continue lendo a resenha aqui: http://bit.ly/QnZHHs
comentários(0)comente



André 27/05/2012

Monótono com final interessante
No início da leitura achei a escrita do livro péssima. Talvez seja a tradução, mas não tenho como avaliar isso.

A história em si não é muito envolvente, e se resume em assassinatos, com poucos momentos onde o enredo se torna mais denso. É muito focado na ação do assassino, provavelmente por ser inspirado no jogo e, como muitos outros disseram - não posso dizer o mesmo pois não joguei esse volume - por ser simplesmente a transcrição do jogo.

Nos poucos momentos em que existe mais elaboração do contexto em que se encontra a narrativa, ela se torna interessante. O final se mostrou até surpreendente, mostrando uma visão diferente do mundo e da existência. Conseguiu manter minha atenção nessa parte, apesar de representar uma parcela muito pequena do livro.
Menndie 29/07/2012minha estante
Sua resenha conseguiu demonstrar o que eu pensava enquanto lia. E super concordo sobre o modo como se desenvolveu a história.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Marques 07/01/2016

Mesmo o Oliver Bowden ter tentado nessa obra aprofundar mais os personagens criados pelos produtores do jogo, ele não consegue.
O jogo é tão imersivo e completo, que a novelização do jogo é puramente mercadológica, pois a história já foi contada com primazia.

Quem quiser ler, vale pelos pensamentos dos personagens e mais nada.
comentários(0)comente



Lo 17/09/2013

Desta vez, prefiro o game
Em geral, quando há um livro e um filme, o livro é muito melhor. Mas dessa vez, prefiro o game. O enredo é bom, mas o livro não desenvolve muito. Algumas coisas passam muito rápido, sem riqueza de detalhes, e ao mesmo tempo parece que o livro não avança na história. Reanimei de ler por causa do jogo. Vamos ver como será o 2...
comentários(0)comente



spoiler visualizar


Livy 23/08/2011

Acesse; http://nomundodoslivros.blogspot.com
Antes de mais nada, irei falar um pouquinho da estória do livro Assassin's Creed:

A estória do livro se passa na conturbada Itália Renascentista. O ano é 1476, em Florença, onde somos apresentados ao jovem Ezio, filho de Giovane e Maria Auditore, irmão de Federico, Cláudia e Petruccio. Ezio e Federico são boêmios apaixonados por diversão, aventuras, mulheres e brigas.
O grande inimigo do adolescente é Vieri de'Pazzi, filho de um importante dignatário florentino, envolvido com a Igreja. Porém as brigas de rua travadas pelos partidários de Ezio e Vieri irão se estender para além das fronteiras de Florença, acarretando implicações políticas e religiosas que envolverão as duas famílias numa trama conspiratória de ódio, vingança e poder, cujo sangue derramado se espalhará por Veneza e chegará às portas do Vaticano. Forças ocultas estão em curso, articuladas por homens entremeados no poder temporal e religioso da época, visando o domínio do mundo conhecido. Entre eles, os templários.
Ezio se tornará um Assassino, para vingar a honra de sua família e desbaratar essa conspiração, vingando-se daqueles que fizeram trilhar por este caminho.

Resumidamente, esse é o cerne de Assassin's Creed, livro homônimo do jogo lançado pela Ubisoft. Para quem gosta de videogame, esta é uma boa oportunidade: ler o livro e jogar o game. Sem dúvida alguma, é diversão garantida.

A capa do livro é bem fiel ao game e, principalmente, retrata com perfeição o contexto do livro. Ficou bem chamativa, com as letras do título destacadas em relevo. Excelente trabalho gráfico (nota 10 para a Galera Record).
Quanto a originalidade do livro, essa fica por conta do autor que conseguiu transpor para o papel o contexto narrativo do videogame, cujo estilo esta bem focado na ação e na aventura (eu pesquisei, ok? rsrsrs) numa narrativa jovem, de linguagem moderna, fluente, que previlegia a figura de Ezio Auditore no papel de Assassino, fazendo gravitar ao seu redor diversos personagens dos mais variados tipos e performances.
Dentre os muitos que o autor utiliza para enriqueceer a trama (confira a lista de personagens no final do livro, na pág. 365), tenho que mencionar as figuras de Leonardo DaVinci, Maquiavel, entre outros personagens históricos. E este foi um fator interessante do qual o autor se valeu pra dar todo um estilo próprio para este livro. Os personagens e elementos históricos, misturados com a ficção e toda a ação do livro, deram todo um "charme" para a estória. E por falar nisso, Bowden também soube adaptar a época e os costumes renascentistas muito bem. Isso sem falar na rivalidade que havia, naquela época, entre as cidades de Florença e Veneza.

E por falar em personagens, fica difícil não se simpatizar com Ezio Auditore. Ele é osso duro de roer, destemido e persistente, o tipico um rebelde (uma versão renascentista de James Bond e Bruce Willis, rsrs). As armas que ele utiliza são bem interessantes, também. Claro que Leonardo DaVinci tem uma participação importante, pois, sem ele, Ezio "Assassin" Auditore não passaria de um simples assassino. O fato é que DaVinci era um genio, e Oliver Bowden, soube explorar essa genialidade em seu livro.

Mas não é só de assasinatos que vive Ezio. Ele também conhecerá o amargo da paixão impossível, antes e após ser celebrado herói. Apesar do autor não se aprofundar "com paixão" neste aspecto. Também Assassin's Creed carece de um pouco de dramaticidade, em algumas situações de luta e de uma carente espectativa (tensão) antes que elas ocorram. Além disso, o ritmo do livro é rápido, mas em certos aspectos este se torna um lado negativo da obra, afinal alguns acontecimentos atropelam diálogos e um pouco da profundidade da estória. ilões existem aos montes no livro, porém não chegaram a impactar. São maus e merecem o fim que terão, mas não conseguem nos fazer torcer, com uma grande expectativa, pelo fim deles.

Em suma, Assassin's Creed não é perfeito, mas apesar de alguns contras, conta com uma narrativa intensa e cheia de ação e aventura do início ao fim, o que atinge em cheio, o gosto dos jovens leitores (tanto garotos, quanto garotas que gostam do estilo ou do jogo), além de contar com cenas cinematográficas e muito bem boladas. Este é um ótimo livro pra quem adora o gênero.

E para quem gosta, tenho uma boa noticia, o livro conta com continuação!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Esther 18/08/2013

Uma relação de amor e ódio
O texto completo está no link:

Está aí um livro que causou opiniões mais diversas do que o faz a Valeska, poposuda. Leitores tem pela obra uma verdadeira relação de amor e ódio que eu nunca tinha visto nesse tipo de leitura (só em Crepúsculo e Cinquenta tons de Cinza). Isso tem um motivo simples. A questão é que basicamente a obra teve dois tipos de consumidores: os que amam a saga de jogos e queriam se aprofundar na história e os que nunca jogaram e queriam conhece-la. Eu estou no primeiro grupo e me decepcionei assim como quem está no segundo, porém em menor escala.

Quem já conhecia a série, tinha a intenção de pegar o livro e se aprofundar no enredo. Apreciar com detalhes cada momento e missão realizados no jogo. Queríamos (sim, estou me incluindo descaradamente nesse grupo) entender cada nuance da personalidade dos personagens que nos fascinavam tanto. Já quem nunca jogou queria conhecer a história, a saga e se apaixonar pelos personagens dos quais tantos comentam. Também se decepcionaram.

O primeiro livro traz a história de Ezio Auditore logo em sua juventude, em Florença, Itália. Ele é filho de um banqueiro, playboy, malandro e pra lá de carismático. A primeira cena que o livro traz é de uma disputa entre os amigos de Ezio e o herdeiro de outra família inimiga (Como em Romeu e Julieta? Não, graças a Deus).

Porém, logo Ezio descobre que essas disputas com outras famílias são peixes pequenos perto da disputa maior que o pai dele enfrenta. Isso porque os templários são como as pessoas mimimi, estão em todo o lugar. Giovanni, o pai de Ezio e na verdade um assassino, luta para que os inimigos não alcancem o poder.

É claro que nem todas as lutas se travam com espadas. Muitas são ganhas com papel e tinta como diria Twin Lannister , mas continuemos. É montada uma intriga contra os Auditores que vai mudar drasticamente a vida de Ezio e também permitir que ele se inteire do que credo ao qual descende.

Esse é o panorama que o livro e o jogo trazem. Os problemas começam a partir daí. Quem jogou, sabe exatamente o que vai acontecer e como vai acontecer. Afinal, o jogador já lutou com o Ezio, já venceu todos os “quick events”, já completou as quests, etc. O que esperar então como fã?

Você espera mais! Você espera detalhes! Você espera pensamentos e impressões! Eu imagino que alguém que tenha jogado o game, só compraria o livro porque já gosta da série. Se a pessoa já sabe a história, o texto só serviria para te dar mais informações, fazer com que você sentisse ainda mais a personalidade do personagem.
E agora quem não jogou? Quem não jogou obviamente já ouviu falar da saga (e deve ter ouvido falar bem) e quer CONHECER a história. Quer saber porque alguns jogadores se tornam tão fissurados com o mundo dos Assassinos.

Aí vem a decepção...

Serei direta: o livro é quase um script do jogo. Há momentos em que a história passa tão rápida que parece que você apenas leu os títulos das missões. Mas quem jogou sabe que não foi aquilo. Quem jogou sabe que levou mais de uns doze minutos só naquela caverna/tumba/esconderijo/whatever-cenário, talvez mesmo que só olhando pros gráficos e detalhes.

Há um trecho que eu cheguei a olhar a numeração da página pra ter certeza de que não tinha pulado alguma. Eu lembrava daquela missão! Eu lembrava o quão demorado tinha sido entrar naquele monastério! E o autor coloca tudo em poucas frases! Ah, pera aê, né!

Confesso que há partes muito boas, que me agradaram. Além disso, por eu já gostar da série, foi agradável ler o livro. Curti mesmo, apesar de todos os momentos de raiva. Acho que é por isso que muita gente amou o livro. A história, mesmo com seus altos e baixos, é boa e interessante.

Mas entendo que, para quem não conhece a história, talvez não tenha ficado claro toda aquela magia que nos atrai em Assassin’s Creed. Faltou aquela atração e fascínio que a longa trajetória dos assassinos nos desperta.

Ainda assim recomendo a leitura. Dá para passar um bom momento com Ezio e o Credo naquele livro.


site: http://cantinhodaesther.wordpress.com/2013/08/28/a-saga-assassins-creed-e-o-livro-de-oliver-bowden/
comentários(0)comente



Montagnani 27/12/2013

É melhor investir num Blu-ray
Sou um defensor dos livros como todo, sempre assisti adaptações cinematográficas com nariz torcido por acreditar cegamente que nada chega aos pés dos livros. Não sei se posso dizer o mesmo desse. Apesar de ser fã da série Assassin's Creed e ele não ser uma produção cinematográfica, o jogo no console não deixa a desejar na história. É tão mescla de áudio e vídeo quanto cinema. Os personagens modelados em três dimensões podem atuar e podem transmitir sentimentos ao telespectador. Mas a série do videogame acaba sendo muito superior ao livro, o qual comprei na expectativa de que fosse aprender algo a mais sobre a história, algum detalhe que geralmente é discorrido no livro e não na televisão. Acaba que o investimento não chega aos pés da produção - caríssima - nos consoles. O que você vai acabar lendo são os mesmos diálogos apresentados nas cutscenes ao longo do jogo. Infelizmente, nem todo mundo tem paciência para desfrutar da história ao longo do tempo, afinal são cerca de 10 horas de campanha por jogo. Mas até que ponto vale a pena gastar 10 horas lendo o livro? Prefiro a campanha no console pela proposta visual e pela liberdade em explorar as cidades que nenhum livro ou filme pode oferecer.
comentários(0)comente



MÁRSON ALQUATI 20/02/2014

Excelente aventura na Renascença!
Empolgante e maravilhoso! Não sei porque protelei tanto para ler este livro, mas digo que valeu a pena, pois adorei a história com sua narrativa dinâmica e ágil, repleta de ação ininterrupta, sangue, morte, armas incríveis, mistério, traições, reviravoltas, romance e aventura no melhor estilo Príncipe da Pérsia. Me identifiquei bastante com o Ézio Auditore, embora todos os personagens sejam bastante carismáticos e muito bem construídos, até mesmo os vilões. Só a presença de personalidades históricas como Leonardo da Vinci e Maquiavel entre os personagens principais já vale a leitura do livro. E o que dizer daquele final? Fantástico e totalmente inesperado (rsrsrs). Estou ansioso para ler os próximos livros da série.
Recomendadíssimo!
comentários(0)comente



ArmsGrega 29/07/2015

Creed
O livro e bem interessante e tudo envolvido nele e intrigante e gostei muito dos mistérios dele
comentários(0)comente



264 encontrados | exibindo 76 a 91
6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 |