Contente em Ler Cineastas

Contente em Ler Cineastas Cacá Diegues...




Resenhas - Contente em Ler Cineastas


2 encontrados | exibindo 1 a 2


sentilivros 03/11/2010

resenha de Contente em ler: Cineastas
É um livro com textos de 20 cineastas, que falam não somente sobre a sétima arte, mas sobre tudo. Faz parte de uma coleção com 5 volumes, onde cada um contará com um grupo de diferentes áreas criativas (autores, atores, músicos, jornalistas e cineastas). è um projeto que visa ajudar quem precisa, onde R$1,00 de cada livro vendido é revertido em benefício de uma instituição, nesse casoa p Instituo da Criança.
Bem, como já disse, o livro trata de contos , crônicas dos 20 maiores cineastas brasileiros. É muito díficilfalar sobre o livro, pois são vários temas abordados, desde a miséria, até o elitismo, passando lógico, pelo cinema.
Eu particularmente adorei a crônica do Arnaldo Jabor (sou fã dele, então...) "O Malabarista", te leva a "pensar" a situação. Adorei também a do Bruno Barreto " A ImaGinação com Música".
A do Cacá Diegues, foi uma enorme coincidência, eu comecei a ler o livro em um domingo e na quinta-feira anterior, minha irmã trouxe um filme do qual ele fala no texto "5 X favela - agora por nós mesmos", que assisti e gostei muito...Vale muito a pena assitir e ver como relamente são as relações uma favela...
Voltando ao livro...outro texto maravilhoso é do Claúdio Torres "Gigantes, mamutes, arte e indústria cinematográfica", amei esse parágrafo:

"...Cinema é a forma de arte mais cara que o homem já concebeu. Talvez porque seja a junção de todasas formas de expressão do homem: literatura, pintura, pintura, arquitetura, música,fotografia, dança e teatro eternizadosem um espaço de tempo definido - em geral, 2 horas." pg. 25

A do Daniel Filho sobre Marlon Brando é MARAVILHOSA...
E por fim, a do Zelito Viana "Nosso Espelho" que discute o valor que damos ao "produto nacional".

"Como exorcizar esta herança maldita, num país que não dá a menor importância a ssua cultura? De que adianta educação formal e informativa sem cultura? Só o desenvolvimento cultural da imensa maioria da população pode nos tirar deste abismo..." pg. 131

"...vivemos num país invadido e dominado do ponto de vista cultural." pg. 133

Ao terminar com essa crônica, fiquei pensando nas discussões da revista Fantástica, em que perguntava porque preferimos autores estrangeiros aos nacionais. Não é só no cinema, ou na literatura, mas em quase tudo damos mais valor no que vem de fora ao que é produzido aqui no nosso país.



site: http://sentimentonoslivros.blogspot.com.br/2010/11/contente-em-ler-cineastas-varios.html
comentários(0)comente



Fê Gaia 15/02/2011

A criatividade do cinema posta no papel
Gostei muito da proposta do livro. Além de contribuir para uma boa causa, nós dá a oportunidade de conhecer um pouco mais dos principais ícones do cinema brasileiro, não só por seus textos, como através de uma curta biografia que antecede cada um dos escritos. Fiz breves comentários sobre cada um deles, então lá vai:

O livro é estreado por Arnaldo Jabor, num texto q mostra toda a hipocrisia e covardia da elite brasileira, que se mostra indignada quando se vê obrigada a olhar de frente a miséria, observando de cima o abismo social q a separa da massa que sobrevive na total ausência de perspectivas.

Seria Bruno Barreto um músico que tropeçou e caiu de cara no cinema? é essa a pergunta que fica quando passamos a conhecer seu processo criativo.

Cacá Diegues incita a sociedade a dar a palavra à favela, para que os moradores possam de livrar de seus estereótipos, mostrando a rotina e os sonhos reais da comunidade. Depoimento direto e realista que põe em cheque nossos juízos de valores.

Claudio Torres faz uma ode à sétima arte e questiona a crítica cinematográfica que faz uma dissociação quase obrigatória entre indústria e arte no cinema, sendo que esta não consegue se manter sem aquela e vice-versa.

Daniel Filho escolheu neste livro enaltecer a figura de quem ele (e muitos) considera o melhor ator de cinema que já existiu, o desconcertante e inesquecível Marlon Brando.

Esmir Filho tece suas divagações em forma de blog, discursando sobre a vida e sobre o tempo. Como o amadurecimento é triste quando se pensa nele como o momento da perda das ilusões e o auge além do qual só se enxerga a decadência.

O conto de Fellipe Barbosa é uma delícia de ler. Simples, despretensioso e divertido, me ganhou sem fazer nenhum esforço nesse sentido.

José Joffily exibe um apanhado geral do seu "Ano do Boi", fazendo algumas reflexões e contando episódios ocorridos em sua vida a cada mês. Texto sucinto e agradável.

José Padilha discorre em seu artigo sobre a elaboração de um documentário, desmentindo a idéia geral de que os fatos narrados podem perder parte da verdade quando expostos com carga emocional; ao contrário, esse recurso muitas vezes ajuda a despertar nosso interesse pelo conteúdo exposto.

Lírio Ferreira nos apresenta um pré-roteiro de curta muito doido e interessante, um curta que nunca foi filmado, mas deveria ter sido.

Mauro Lima faz uma crítica feroz à supervalorização dos filmes “cult” em relação aos sucessos de bilheteria. é claro que existe muita hipocrisia no meio, mas achei seus comentários um tanto exagerados.

O texto que Murilo Salles escolheu para esse livro é como uma aula de cinema. Nele, o cineasta mostra o passo-a-passo do processo cinematográfico e indica os caminhos que julga mais adequado seguir em cada etapa. Interessante, sobretudo para os que desejam saber o que precede a exposição do filme finalizado.

Roberto Farias faz um relato curioso sobre seu primeiro apartamento pós-casamento, um de quarto e sala conjugados, mas COM cozinha!rs

O moçambicano Ruy Guerra declara todo o seu amor pelo Brasil num texto com o tom da negritude e o cheiro da manga.

Sandra Werneck fala como as portas do cinema se abriram para ela: a necessidade de superar a perda, exorcizando-a através da criação de imagens.

Sergio Rezende faz um comentário espirituoso a respeito de sua memória seletiva, que só registra os anos em que seus filmes são lançados.

Walter Carvalho nos presenteia com o diário de filmagem de Budapeste, filme baseado no livro homônimo de Chico Buarque. Apesar de alguns erros inexplicáveis de concordância e gramática, o texto prende o interesse e nos faz querer conhecer um pouco mais sobre a Hungria, esse país tão misterioso aos brasileiros. Sem contar na vontade que dá de assistir logo ao filme.

Walter Lima Jr. fala um pouco sobre como a união de uma equipe traz a força e a energia necessárias para enfrentar as maiores dificuldades.

Walter Salles escolheu dar uma indicação de filme: “Memórias do Subdesenvolvimento”, que retrata a Cuba do período pós-revolução pelos olhos de um jovem burguês que decidiu não abandar a ilha junto com sua família. Boa dica, pretendo assisti-lo.

Zelito Viana faz um discurso que, entre outras coisas, condena a supervalorização da “cultura” estrangeira em detrimento da cultura nacional. Discordo de algumas de suas opiniões, mas ele tem meu apoio entusiástico em duas colocações:
1- A cultura é o único poder realmente eficaz para retirar jovens de periferia da criminalidade
2- “A arte é o pão da alma”
comentários(0)comente



2 encontrados | exibindo 1 a 2