Meditações

Meditações Marco Aurélio




Resenhas - Meditações


22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Leonardo_css 18/06/2020

O último dos bons imperadores romanos
O diario que acabo de terminar de ler, chamado de "meditações", foi escrito por aquele considerado como o último dos cinco bons imperadores, e que até hoje é lembrado como um governante bem-sucedido e culto.

Diferente de Epicteto (no qual Marco Aurélio cita diversas vezes), meditações puxa uma linha mais memento mori do estoicismo, ou seja, o sentimento de que devemos lembrar que um dia iremos morrer. Talvez por estar em meio a guerras, comandando um império, esse sentimento vivesse sempre no seu coração.

Fora esse elemento, o livro aborda diversas questões que nos fazem questionar as ações diárias que tomamos, principalmente como homens numa comunidade.

Recomendo a leitura, contudo peço que leiam sobre Sêneca e Epicteto antes, assim vão aproveitar melhor o livro


PS: Aqui no skoob eu atualizo o histórico de leituras com partes da obra. Sendo assim, se você gosta de ler esses pequenos trechos, me manda uma mensagem.
Flockyneo 18/06/2020minha estante
Gostei do tema do livro pelos teus vários comentários durante a leitura... Só estou na dúvida sobre ser um bom livro pra começar a ler sobre estoicismo... O que tu acha?


Leonardo_css 19/06/2020minha estante
Recomendo começar pelo filósofo Epicteto e seus livros, pois entrega os princípios básicos que regem essa filosofia :D




JLM 27/02/2010

Tradução sob suspeita
A nota baixa não é para o conteúdo e sim para a tradução, que é exatamente a mesma da edição da Madras, sendo que as duas versões apontam para tradutores diferentes. Ou uma delas ou ambas estão plagiando outra tradução.
Mari 14/02/2012minha estante
Ah JLM, não deveria ter dado sua nota pela tradução, mas sim pelo conteúdo, e fazer um adendo pela tradução ruim...


Luana Amorim 19/09/2016minha estante
Deve ser a Martin Claret, que já tem histórico de plágio em vários livros.




Valério 22/02/2019

Brilhante
O fato de ter sido escrito pelo Imperador Romano Marco Aurélio, por si só, já bastaria para tornar este livro interessante.
Some-se a isso que Marco Aurélio não conhecia Jesus Cristo - provavelmente nunca havia ouvido falar - pois nasceu aproximadamente 90 anos depois de sua morte. E nesta época o Cristianismo não havia ainda sido difundido. Apenas em cerca do ano 313 o Cristianismo foi reconhecido em Roma como religião, por força do imperador Constantino, tornando-se a religião oficial no ano 380.
Não obstante, é notória a semelhança do pensamento de Marco Aurélio com o pensamento Cristão. Logicamente, não com a mesma perfeição, objetividade e simplicidade de Cristo. Mas seguindo o mesmo caminho. Exemplo: Onde Cristo afirma que o maior mandamento é amar uns aos outros, Marco Aurélio diz que existimos com o propósito de fazermos o bem para o próximo.
Ambos pregam que não devemos nos importar com as mazelas deste mundo.
Que a tudo devemos perdoar, que devemos ser tolerantes, buscar a verdade.
Li há algum tempo atrás o livro "Sócrates, Buda e Jesus", que pretendia demonstrar (e demonstrou) a similaridade das lições dos três.
E Marco Aurélio reforça o que acredito: A verdade é uma só e todos somos atraídos por ela. É absoluta, imperturbável, eterna.
Jesus a trouxe em sua máxima expressão. Os demais são expoentes que muito se aproximaram.
Marco Aurélio é mais um a comprovar esta tese.
Em seu livro, traz lições filosóficas de sabedoria, em uma abordagem direta e simples, muito prática, aplicável ao dia a dia.
É notório que é permeada pela mesma verdade absoluta trazida por Cristo.
Um livro fantástico e muito interessante.
Vale destacar também que Marco Aurélio não escreveu o livro para ser publicado ou divulgado.
Escreve para ele mesmo. Em muitos momentos, dá ordens para si próprio. "Não aja assim. Faça de tal modo. Você está à frente de um império. Aja com justiça.. etc"
Imperdível.
Henrique 22/02/2019minha estante
Adorei suas impressões, Valério! Vou adicioná-lo à minha lista.


Valério 22/02/2019minha estante
Fico feliz, Henrique. Tomara que corresponda às expectativas que criou pela resenha. rs.
Abs




Jack 06/02/2020

Marco Aurélio
Estoicismo melhora nosso ânimo.
Lucas.Sousa 07/02/2020minha estante
Ta na lista esse ai


Jack 07/02/2020minha estante
Tu lê em 2 dias, 1 se tiver animado.




Daniel 15/05/2020

Um livro tão necessário quanto clássico
As lições preciosas retiradas desse livro são tantas, tão densas, e tão necessárias, que vejo que serão obrigatórias várias releituras para uma completa deglutição e digestão dos temas abordados.
O estoicismo deveria ser o padrão das pessoas!
comentários(0)comente



Julio.Argibay 12/07/2019

Deus = natureza
Meditações

Essa obra de Marco Aurélio, um dos grandes imperadores romanos, é parte integrante e muito importante de um movimento filosófico chamado Estoicismo. Essa escola surgiu no ano de 150 d.c. e teve como contra ponto o Epicurismo. Há outros pensadores mais antigos que também se destacaram como representantes desse pensamento grego. Dentre eles temos: Zenão, Epiteto, Sêneca (já li). O Estoicismo é uma espécie de filosofia da vida prática, do cotidiano, do cidadão comum ou não. A assimilação e execução desses conceitos leva o praticante a ter alguns resultados no seu desenvolvimento pessoal, emocional e humano. Assim, o indivíduo se torna mais resiliente, seu sofrimento e sua ansiedade diminuem. Tendo em vista um melhor equilíbrio as pessoas devem focar apenas em seus problemas onde ele eh capaz de resolver. Nesse contexto, o relacionamento com a natureza eh de fundamental importância para o equilíbrio da sociedade e se caracteriza por ser divino. Assim, a ideia central é de que Deus é a perfeição da funcionalidade da natureza. Deus está em cada um de nós, não se configurando numa entidade a parte (esse pensamento se assemelha ao Induísmo, acho eu). Agora, vamos a obra - Meditações é um registro do pensamento estoico do autor, é como se fosse um diário. A prática da atividade filosófica. Ele escreve sobre a sua vida cotidiana, abordando algumas questões importantes. Na primeira parte do texto ele comenta quem o influenciou. No desenvolvimento do texto o autor relata como a pessoa pode se tornar um indivíduo melhor, equilibrada, ética e solidária. Diante do exposto, ele conclui que as idéias estóicas permitem ao ser humano a desenvolver a negação de uma emoção ou habilidade com o objetivo de se libertar das dores e dos prazeres do mundo material. Fechando, segundo Buda a vida eh um sofrimento e evitar as grandes paixões eh uma forma de sofrer menos...
comentários(0)comente



matlima 07/09/2020

Imperdível
Sempre que leio um clássico fico admirado com o quão avançado era o pensamento de outrora. Isso me faz questionar: estamos progredindo ou regredindo?
Esse é um livro para se ter na cabeceira.
comentários(0)comente



Luiz Cláudio 25/02/2020

Meditações
"Não fale mais sobre como o homem bom deve ser, mas seja um bom homem."
comentários(0)comente



Pedro 26/03/2020

Pra quem tem interesse em Estoicismo
A leitura do presente livro foi uma dica, sempre quis entender melhor o que era o estoicismo e ler as memórias deste imperador romano foi muito instrutivo. A filosofia estoica faz falta hoje em dia. Recomendo a leitura, recomendo a filosofia.
comentários(0)comente



Giovanna 22/04/2020

Muito bom
Marco Aurélio, por seguir a filosofia estóica, apresenta uma linguagem simples e coerente em todo o livro, que facilita muito o entendimento e interpretação. Uma obra completamente atual, de grande reflexão sobre diversos assuntos e princípios da vida.

"Se não é justo e não convém, não faça. Se não é verdade, não diga."
"É próprio do homem amar até mesmo os que o magoam."
"A melhor forma de se vingar de quem lhe causou mal é não se assemelhar a ele."
"Não perturbe a si mesmo, construa a sua existência em meio a simplicidade."
comentários(0)comente



JLM 27/02/2010

Tradução sob suspeita
A nota baixa não é para o conteúdo e sim para a tradução, que é exatamente a mesma da edição da Martin Claret, sendo que as duas versões apontam para tradutores diferentes. Ou uma delas ou ambas estão plagiando outra tradução.
Mari 14/02/2012minha estante
Ah JLM, não deveria ter dado sua nota pela tradução, mas sim pelo conteúdo, e fazer um adendo pela tradução ruim...


JLM 14/02/2012minha estante
se vc prestar atenção na minha estante verá q li várias traduções e dei a nota a cada uma conforme a sua qualidade. se a edição da claret é a + vendida e aparece em primeiro no skoob ñ é minha culpa. e sim, conteúdo tem tudo a ver com tradução. vc saberia disso se tivesse lido a tradução do william li.




Ricardo1z 02/04/2016

Clássicos da literatura 4
O imperador Marcus Aurélio passou para a história como um bom imperador romano, um "imperador filósofo". Adepto do estoicismo ele tinha a moral e a certeza de não estar fazendo nada errado como a sua principal meta. O livro foi escrito para ser lido apenas entre seus íntimos, mas, acabou sendo descoberto em uma biblioteca e publicado. Percebemos através de suas reflexões sobre a vida que era uma pessoa de espírito rico, uma alma inteligente, racional, e sem vaidades. Suas reflexões sobre a transitoriedade da vida humana são notáveis. Notamos um homem satisfeito com tudo que a vida lhe deu e satisfeito de ter cumprido seu papel de ser sociável para o qual todos nós fomos criados.
comentários(0)comente



Alan R 25/08/2020

Tudo vai passar
Livro interessante que aborda principalmente como a vida é efêmera, o formato dele em pequenas reflexões sem ligação entre si torna a leitura cansativa e lenta para que em cada ponto paremos para refletir na nova linha de raciocínio e interpretar o significado. O que não deixa de tornar o livro profundo em suas reflexões.

Sobre a tradução, alguns trechos difíceis de entender e aparentemente sem sentido algum se mostraram mais fáceis lendo em outra tradução e trechos difíceis lá se mostraram melhores nessa tradução. Para quem realmente quer estudar o livro, o ideal é ter as duas traduções para comparar a diferença de significados do trecho e conseguir entender a fundo o que o autor quis dizer com aquilo.
comentários(0)comente



Victor 16/12/2016

AURÉLIO, M. Meditações. São Paulo: Martin Claret, 2012.
"A filosofia consiste em fazer com que o gênio interior de cada um seja invulnerável aos ultrajes, impassível, superior aos prazeres e às dores." (p. 25)
comentários(0)comente



Rhadassa 26/12/2016

Inspirador...para quem tem moral!
Todo cidadão deveria ler! Na verdade o que me chamou a atenção neste livro é o discernimento que ele tinha em relação às fraquezas da nossa carne e a maneira que dominava suas emoções! E também como conseguiu blindar o outro para não entrar em sua vida! Brilhante!!!
comentários(0)comente



22 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2