Declínio e a Queda do Império Romano Vol. II

Declínio e a Queda do Império Romano Vol. II Edward Gibbon




Resenhas - Declínio e Queda do Império Romano


7 encontrados | exibindo 1 a 7


Moitta 20/10/2020

Notas
Trajano ambicionava fama, e enquanto a humanidade continuar a prodigalizar mais aplausos aos seus destruidores do que aos seus benfeitores, a sede de glória militar continuará a ser sempre o vício das personalidades mais enaltecidas.

A política dos imperadores e do Senado, no que respeitava à religião, era felizmente secundada pela opinião do setor esclarecido e pelos hábitos do setor supersticioso de seus súditos. As várias formas de culto que vigoravam no mundo romano eram todas consideradas pelo povo como igualmente verdadeiras, pelo filósofo como igualmente falsas e pelo magistrado como igualmente úteis. E assim a tolerância promovia não só a mútua indulgência como a concórdia religiosa.

Os poderes visíveis da Natureza, os planetas e os elementos, eram os mesmos por todo o universo. Os invisíveis governantes do mundo moral foram inevitavelmente vazados num molde fictício e alegórico semelhante. Cada virtude e cada vício adquiria seu representante divino, cada arte e ofício o seu patrão, cujos atributos, nas mais distantes épocas e países, derivavam uniformemente do caráter de seus devotos peculiares.

Nas repúblicas de Atenas e Roma a modesta simplicidade das casas particulares anunciava a igualdade de cidadania, enquanto a soberania do povo estava representada nos majestosos edifícios destinados a uso público;

As estradas públicas eram acuradamente divididas por marcos miliários e se estendiam em linha reta de uma cidade a outra, sem muito respeito pelos obstáculos da natureza ou da propriedade privada. Perfuravam-se as montanhas, e arcos audazes franqueavam os rios mais largos e mais caudalosos. A parte mediana da estrada erguia-se num terraço que dominava a região adjacente; consistia em várias camadas de areia, cascalho e argamassa e era pavimentada com pedras grandes e, em lugares próximos da capital, com granito.

Uniam os súditos das mais distantes províncias num intercâmbio fácil e familiar, mas seu objetivo primeiro era facilitar as marchas das legiões; a nenhum país se considerava completamente subjugado enquanto todas as suas partes não estivessem acessíveis às armas e à autoridade do conquistador.

e a mesma liberdade de intercâmbio que disseminou os vícios difundiu igualmente os melhoramentos da vida social.

A todos estes avanços se pode acrescentar uma assídua atenção às minas e à atividade da pesca que, com empregar abundante de mão de obra, serviu para acrescer os prazeres dos ricos e a subsistência dos pobres.

Mas na atual condição imperfeita da sociedade, o luxo, conquanto possa advir do vício ou da estultícia, parece ser o único meio capaz de corrigir a desigual distribuição da propriedade. O obreiro diligente e o artífice engenhoso, que não obtiveram quinhão algum na repartição da terra, recebem um tributo voluntário dos proprietários rurais; e estes se veem instigados, por uma questão de interesse, a desenvolver as suas propriedades a fim de, com a produção delas, poder adquirir prazeres adicionais. Este processo, cujos efeitos específicos são perceptíveis em toda sociedade, atuava com vigor muito mais difuso no mundo romano. As províncias teriam sido em pouco exauridas de suas riquezas se as manufaturas e o comércio de artigos de luxo não fossem aos poucos devolvendo aos súditos industriosos as somas que lhes haviam sido extorquidas pelas armas e pela autoridade de Roma.

Na religião romana, os lares eram espíritos malignos ou benignos; estes últimos, cultuados nas lareiras domésticas, se incumbiam de proteger a casa e seus habitantes, sendo invocados em determinados dias do mês e em ocasiões especiais, como nos casamentos.

Um Monarca fraco será sempre governado por seus criados.

A maior parte dos crimes que perturbam a paz interna da sociedade são produzidos por coerções impostas aos apetites da humanidade pelas necessárias mas desiguais leis da propriedade, que confinam a uns poucos a posse dos objetos cobiçados por muitos. De todas as nossas paixões e apetites, o amor ao poder é o de natureza mais imperiosa e insociável, pois a soberba de um homem exige a submissão da multidão. No tumulto da discórdia civil, as leis da sociedade perdem a força e o lugar delas raramente é preenchido pelas leis da humanidade. O ardor da disputa, a arrogância da vitória, o desespero do êxito, a lembrança de injúrias passadas e o temor de perigos vindouros, tudo contribui para inflamar o espírito e calar a voz da piedade. Por tais motivos, quase todas as páginas da História estão manchadas de sangue civil;
comentários(0)comente



Leandro.Santana 09/07/2020

Clássico do século XVIII
Livro escrito pelo historiador inglês do século XVIII Edward Gibbon. Não obstante sua longínqua publicação, 1778-1788, Declínio e queda do Império Romano continua a ser um livro de referência sobre o tema.

O livro começa com o auge do Império Romano, isto é, as dinastias Nerva-Trajana e dos Antoninos, período que vai de 98 d.C. até 180 d.C., que culmina na fatídica ascensão de Cômodo ao trono, marco do início do declínio do Império. E vai até até a invasão da Itália por Alarico, passando brevemente pela queda do Império Romano no ocidente, em 476. d.C.

Trata-se de um período de 378 anos, descritos detalhadamente em quase 600 páginas. Fato que pode tornar o livro um pouco massante. Porém, isso ocorre em benefício da profundidade e qualidade da análise feita por Gibbon.

Algumas lições tiradas do livro são:

a qualidade da liderança foi determinante na definição do destino do Império Romano.
à medida que imperadores ineptos se perpetuavam no ocidente, o centro econômico e de poder se deslocava cada vez mais para o oriente, dando sobrevida a esta banda do Império.
as conquistas foram ao mesmo tempo o auge e a derrocada do Império.
fronteiras porosas, habitadas por povos hostis, ou, no mínimo, não comprometidos, ao poder central, permitiram que horas bárbaras invadissem e se miscigenassem com os povos romanos, enfraquecendo ainda mais a unicidade do império.
de fato a Idade Média é um período de trevas comparada às instituições, cultura e administração romanas.

É um livro que vale a pena ser lido, mas conhecimento prévio sobre o tema contribui para o melhor aproveitamento da leitura.
comentários(0)comente



MPontes 12/07/2019

A história nada mais é que " o registro dos crimes, loucuras e desventuras da humanidade."
Livro simplesmente fascinante, a incrível história de queda de um dos maiores impérios da humanidade é muito envolvente.
Gibbon escreve de maneira brilhante como o império do oriente e ocidente desmoronou sobre o próprio peso, e como foi o triunfo da barbárie e da religião sobre o povo romano.
comentários(0)comente



Gean, com g 08/09/2017

Crepúsculo romano.
A queda do Império Romano não se resume a uma só causa, mas de acordo com Gibbon, várias. O autor discorre sobre as possíveis e muitas causas do crepúsculo romano, começando em 98 d.C., com os Antoninos e terminando o livro muito além de 476 d.C., com a queda de Rômulo Augusto. O texto termina no século XV, com as ruínas de Roma. Um livro fantástico, de linguagem acessível e que vale muito ser lido
comentários(0)comente



fabianelima 14/01/2013

A escrita de Gibbon é uma delícia. Épica, fluída. Mais interessante é ver os preconceitos e juízos de valor do autor e seu ethos refletidos nas páginas do livro, como quando, em uma nota de rodapé, o autor fala com desprezo da homossexualidade dos imperadores romanos.

A edição da Companhia das Letras é condensada, o que causa uma certa decepção. Trata apenas da queda do Império Romano do Ocidente, uma pena. Um dia ainda vou ler a obra completa.
Raul Ribeiro 22/11/2013minha estante
Gostaria de saber se a edição consta a parte que fala de Hipátia. Se souber me responder agradeço.


fabianelima 22/11/2013minha estante
Faz tempo que li, mas pelo que me lembre fala um pouco dela sim, e de como o cristianismo fez a ciência retroceder.




Fimbrethil Call 29/08/2012

magnífico e abrangente
Um livro magnífico, realmente esplêndido, muito abrangente e detalhado, mas que requer muita paciência e força de vontade. Se esse Edward Gibbon era professor de história, coitados dos alunos dele.
Edras 04/07/2015minha estante
É realmente muito difícil a leitura desse clássico.




Monocromatico 24/02/2009

Não dou cinco estrelas porque esta é a versão resumida da obra, que omite análises pormenorizadas de grandes lacunas da história romana contidas no original. Embora muitos conceitos e dados estejam superados, é uma leitura muito agradável.
comentários(0)comente

Ana 09/10/2011minha estante
É uma pena que seja apenas o resumo desta obra maravilhosa de proporções tão colossais quanto seu objeto de estudo. Recomendarei sempre.




7 encontrados | exibindo 1 a 7