Cem Anos de Solidão

Cem Anos de Solidão Gabriel García Márquez




Resenhas - Cem Anos de Solidão


1345 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Honeyina 24/08/2010

Solidão Compartilhada
Em Cem Anos de Solidão tem-se uma história cheia de fatos e personagens, na qual o leitor, ao final do livro, já se sente um Buendía (família protagonista). Ao lê-lo, percebemos o tamanho da solidão humana, que é irremediável, porém, adiável. Que atire a primeira pedra quem nunca disse que não quer morrer só, pois uma uma vida só é só uma vida, mas ao final percebemos que muitas pessoas vão e muitas vêm, só você fica. E essa é a intenção do livro, mostrar a solidão como algo inerente ao ser humano, que não é necessariamente um motivo de tristeza, mas sim de reflexão. É válido doar sua vida aos outros, apesar de tudo? Neste livro, o leitor não consegue pensar em mais nada, cem anos se passam, e nada fica. Um dos melhores livros de todos os tempos.

"E choveu por quatro anos, onze meses e dois dias".

Já sou uma Buendía.
Evelyn Ruani 26/09/2010minha estante
Adorei esse livro e sua resenha está ótima! Parabéns! :)


Duda de Lemos 16/07/2011minha estante
Adorei sua resenha!
Também tive a mesma sensação... me sinto uma Buendía!


Gab Wonka 13/02/2012minha estante
É o melhor Livro que eu já li em toda a minha vida.
Ótima resenha ^^


Luana Silva 04/04/2012minha estante
Eu estou para ler este livro há um tempo, mas depois de ler a sua resenha ele será priorizado.
Se ele for tão bom quanto suas palavras é, sem dúvida, uma obra prima.
Parabéns!


Lucas 20/07/2012minha estante
Gabriel García Marquez sempre perfeito.Um livro que fantaseia as culturas latinas americanas de um modo direto e com impressão de que foi contada por um de seus avós.


Valdemar 13/10/2012minha estante
Livro muito bom e a resenha não fica atraz.... Parabens!


Marcelle 23/11/2012minha estante
Meu livro de cabeceira... Já perdi as contas de quantas vezes já li! Grande Gabriel Garcia Marquez!!!


Vanessa 28/03/2013minha estante
No momento que alguém diz q quando leu este livro diz que é a sua cara, oq a pessoa quer dizer?


Augusto Buendia 06/06/2013minha estante
Adorei seu comentário. Realmente o livro é ótimo!
Tenho orgulho de ser um Buendia!


Firmino 13/07/2013minha estante
Melhor livro que ja li na vida até hj!!


gabriella 03/11/2013minha estante
2º melhor livro que já li, até agora só perde para Os miseráveis.


diLkinha 26/01/2014minha estante
Alguém vai me apedrejar se eu disser que estou achando a história muito sem graça? =/


Caroline 12/02/2014minha estante
Só eu que não gostei? Achei muito cansativo não me prendeu, forcei ler e fui até a metade mas desisti.


Raquel 08/04/2014minha estante
Para quem não gostou, guarde o livro e tente ler futuramente. Comprei o livro há seis anos e, na época, não gostei. Guardei na estante. Olhava-o e dizia a mim mesma: "ainda vou ler esse livro". Em janeiro deste ano decidi que era a hora. E se tornou um dos melhores livros que já li.


Juliana 27/04/2014minha estante
Comprei esse livro hoje e estava e, dúvidas sobre ler ou não! Depois de ler sua resenha não me restam mais dúvidas!! Será minha próxima leitura.


Victor Monteiro 28/05/2014minha estante
A história me prendeu bastante, porém, a questão da repetição dos nomes começou a me incomodar. Por exemplo, quando preciso interromper a leitura por dois, três dias, já volto todo enrolado pra saber quem é quem.


Canarinho 13/11/2014minha estante
Sua resenha é deliciosa!


Marcos 04/02/2015minha estante
Só por esse pequeno texto já dá vontade de ler o livro :)


Jéssica 06/08/2016minha estante
Ótima resenha !
Cem anos de solidão já estava na minha lista de 'quero ler', e depois de ler sua resenha aumentou a vontade de ler.


Rosa Santana 01/04/2017minha estante
Moro em Macondo desde que li,pela primeira vez, esse belíssimo livro. Eu amo José Arcadio Bundia... E seu filho, o fazedor de peixinhos de ouro. Até escrevi um conto em que a personagem feminina tem todo um caso de amor com ele.


Adriana @livrosedevaneios 04/01/2018minha estante
Sua resenha é fantástica! Amei esse livro.


Erika 03/07/2018minha estante
Sua resenha me fez querer ler desesperadamente este livro. Já comprei e já está em mãos, pronto para ler. Parabéns!


Mima 10/06/2020minha estante
Um romance espetacular


Andy 20/09/2020minha estante
Esse livro me fez reavaliar muito como eu via o envelhecimento/o passar dos anos. É sensacional!


Rafinha 21/11/2020minha estante
Boa resenha, livro mais marcante que já li


Eda 28/12/2020minha estante
Também não me apaixonei, achei cansativo..talvez precise voltar a ele em algum momento...


Marcia 28/12/2020minha estante
É um livro perfeito.
Há dez dias, cada vez que abro as janelas, imagino que o Rio de Janeiro virou Macondo... Como chove neste Natal!




Renata CCS 05/03/2013

Ler cem vezes não é suficiente para compreender a grandeza desse livro
(...) Porém, antes de chegar ao verso final já havia compreendido que não sairia jamais daquele quarto, pois estava previsto que a cidade dos espelhos (ou das miragens) seria arrasada pelo vento e desterrada da memória dos homens no instante em que Aureliano Babilônia acabasse de decifrar os pergaminhos, e que tudo estava escrito neles era irrepetível desde sempre e para sempre, porque as estirpes condenadas a cem anos de solidão não tinham uma segunda chance sobre a terra.

CEM ANOS DE SOLIDÃO é um comovente relato sobre a solidão, o isolamento em que uma família e cada indivíduo que a ela pertence se mantinha perante o mundo. O livro conta de forma apaixonante a saga da família Buendía durante um século, narrando uma realidade tão crua que parece que aquilo aconteceu de fato. Gabriel García Marques é o mestre do chamado realismo fantástico, e é isto que a estrutura do livro incorpora: o fantástico e o inacreditável, mesclando momentos mágicos e extraordinários. Dono de um estilo único, o escritor nos transporta para além do tempo da própria narrativa. É incrível como este livro provoca diversas reações: de um parágrafo a outro, nos leva da tristeza ao riso. O livro mescla revoluções e fantasmas, incesto, corrupção e loucura, tudo tratado com grande naturalidade. A história começa quando as coisas não tinham nome (como dito pelo próprio autor), e vai até a chegada do telefone. Macondo é uma aldeia que a gente fica morrendo de vontade de visitar, embora seja fictícia. Foi fundada por José Arcadio Buendía, o patriarca dessa história, e por Úrsula Iguarán, a matriarca, mas não por alguma escolha estratégica: depois de homens, mulheres e crianças caminharem por 26 meses, decidem parar por ali para não ter que retornar. E começam a nascer os Buendías: as páginas são recheadas de Josés Arcadios e Aurelianos, que dão origem a novos Josés Arcadios e Aurelianos, que dão origem a mais... seria preciso ler este livro novamente para construir a árvore genealógica da família, porém são todos inconfundíveis em suas identidades. Suportaram doenças, períodos intermináveis de chuva, pragas de insônia, greves, guerras e mistérios que surgem do nada. Assim a história vai crescendo diante de nossos olhos, e a cada página revelando personagens únicos e tão bem construídos que dão saudades cada vez que algum parte para nunca mais voltar, ou outros que voltam depois de anos, quase irreconhecíveis, ou ainda aqueles que se ficam, criam seus filhos e netos, envelhecem e morrem. Há também seus momentos felizes, de reencontros, de casa cheia de família e amigos, de música e de pessoas apaixonadas. E de solidão! Esta sim é a carga que todos os Buendía carregam nos ombros, não importando a união ou desunião da família.

O livro é único e inesquecível, e qualquer repertório de adjetivos é incapaz de descrevê-lo, e claro que não será esta mísera resenha capaz de fazer isso (nunca tive esta pretensão). São tantos temas, tantas percepções do mundo e do humano, que a gente termina o livro amando e sem entender o porquê, sem conseguir explicar a história ou apontar alguma moral. CEM ANOS DE SOLIDÃO me deu essa liberdade incomum nunca vista em nenhum outro livro que tive em mãos. É leitura obrigatória para esta vida e para as próximas.
Mona 26/02/2013minha estante
Gostei muitíssimo de sua resenha. Você escreve muito bem, e parece apaixonada por este livro, assim como eu.


Renata CCS 27/02/2013minha estante
Obrigada Mona. Realmente este livro é muito especial para mim.


Maria Luísa 04/03/2013minha estante
Uma resenha apaixonada para um livro apaixonante.


Renata CCS 05/03/2013minha estante
Realmente sou apaixonada por este livro, Maria Luísa. Obrigada pelo comentário!


Hellen 22/03/2013minha estante
Parabéns pela Resenha Renata! Sempre ouvi ótimos comentários sobre as obras do Gabriel García Márquez, mas fiquei com receio de não gostar deste livro em específico. Agora fiquei com vontade de ler, haha.


Renata CCS 22/03/2013minha estante
Leitura mais que recomendada minha cara Hells! Leia sim, vc vai gostar muito! Obrigada pelo comentário.


VICKY 26/04/2013minha estante
Está história fantástica, a saga dos Buendía, me tragou completamente deste mundo, me sentia uma habitante de Macondo, nascida e criada!
Uma bela resenha, parabéns!


Daniel 17/06/2013minha estante
Acho que este é o livro que mais reli, faço isso de tempos em tempos, e ele sempre me emociona, me surpreende, me diverte... Uma obra Prima da literatura, sem dúvida.


Renata CCS 18/06/2013minha estante
Olá Daniel, este livro é uma grande paixão para mim. Único! Preciso revisitá-lo.


sonia 28/10/2013minha estante
Tão doido e tão verdadeito...adoro literatura fantástica! Quem vem de família espanhola conhece um pouco dessa maluquice...muito inteligente e engraçado.


Paty 18/11/2013minha estante
Arte por meio da escrita é o que fez Gabo com esta obra-prima!


Rafa P. 28/03/2014minha estante
Renata belíssima resenha !! Eu fiquei abobalhada com esse livro. A minha vontade era que todas as pessoas do mundo tivessem a oportunidade de conhecer uma obra tão incrível como essa.
Eu terminei o livro um sentimento de inquietação, felicidade, tristeza , muitas emoções. PERFEIÇÃO é pouco para definir essa obra prima !!


Renata CCS 31/03/2014minha estante
Rafa, vejo que temos este livro como uma paixão em comum! Saudades de Macondo... preciso viajar para lá novamente.
Obrigada pelo gentil comentário!


Aline Mari 21/04/2014minha estante
Renata, depois desse relato apaixonante do livro, coloquei ele no topo das minhas prioridades de leitura!


Bricia.Carpenter 10/01/2016minha estante
Renata , sua resenha está à altura da fantástica obra , obrigada !!!


Juliana 23/09/2016minha estante
Resenha tão boa, que fui "obrigada" a investigar sua estante...kkkkk
Parabéns, Renata!


Matheus Caixeta 12/10/2016minha estante
O que você disse traduz muito do que tenho sentido lendo o livro. Estou na metade, lendo no tempo que o livro pede (afinal, seria um pouco destoante viver 7 gerações em poucas sentadas) e acho que vai ser tornar meu livro preferido. Adorei sua resenha!


18/05/2017minha estante
Foi exatamente o que senti, amei cada página do livro, mesmo sem saber direito o porquê. Com certeza, o meu favorito de todos os favoritos!




Denise 21/04/2018

Que bobajada
Comecei esse livro super animada pela quantidade de elogios e também por ter lido que um livro que gosto muito,seria uma cópia deste.
No inicio estava gostando da história,até começar a nascer os filhos dos personagens principais e todos terem o mesmo nome isso já me confundia toda aí quando veio a parte da guerra eu "buguei" de vez e me perguntei,mas que porcaria é essa? O livro não fazia o menor sentido pra mim.
Parei de ler em uns 40% porque pensei que poderia ser um momento ruim para essa leitura e então deixei passar uns meses,para quem sabe ser acometida de um surto de genialidade e apreciar a obra. Esse mês participando de um desafio de concluir um livro inacabado resolvi retomar e caramba que livro chato,umas bobajadas sem fim,coisas sem pé nem cabeça,foi um custo terminar a leitura.
Ni Figueiredo 21/04/2018minha estante
Melhor resenha kkkkkkkkk


Diane 22/04/2018minha estante
Hahahahaha otima resenha!


Diane 22/04/2018minha estante
Kkkkkk melhor titulo de resenha!


Denise 23/04/2018minha estante
kkkkkkkkkkkkkkkk


Silvia 23/04/2018minha estante
Jamais entrará na minha lista kkkkkkkkkkkkkkkkkk


SERGIO 29/05/2018minha estante
Eu não li, mais acredito que essa leitura é muito superior aos seus conhecimentos. Não adianta ficar brava e brigar comigo. Sou um gênio e você não compreenderia.


Denise 20/06/2018minha estante
Sergio, com certeza eu sou apenas uma pobre dona de casa que adora ler,genialidade esta muito alem da minha capacidade.Mas pelo menos leia o livro para ficar ainda mais genial ou seria genioso? Aff não sei dizer... meus conhecimentos são muito inferiores.A diferença entre nós é que eu li o livro e falo por experiencia e não pela opinião dos outros.


Andrea 14/07/2018minha estante
Sérgio, ninguém tem condições de dar opinião sobre algo que não leu, baseado apenas em achismos.
Se você fosse um gênio saberia disso.


Majuza 16/07/2018minha estante
Ganhei esse livro de presente, meu marido me deu pq estava na minha lista há séculos e foi a maior decepção da vida. Eu vim ler as resenhas procurando alguém que tivesse odiado tanto esse livro quanto eu, e te achei. kkkkk A sua resenha me definiu! Pq, em nome de deus, colocar tanta gente com o mesmo nome? hahahaha E o resto... bom não vamos dar spoiler, mas vc tem razão: bobajada pura.


Denise 13/08/2018minha estante
Majuza "tamo juntas" hahahahahahahahaha


Do Amaral 10/08/2019minha estante
Excelente livro, siga a árvore genealógica que entenderá melhor, o interessante dele e a ilógica que te prende e te faz voar no mundo das interpretações!!! Este livro e uma relíquia com varios prêmios literários.


Denise 11/08/2019minha estante
A mim não prendeu achei um monte de besteira e tempo perdido


Dirce 14/11/2019minha estante
Ri muito com o humor do Sérgio . Não critico você, Denise. Eu a compreendo. Foi exatamente o que achei , quando li essa obra há décadas. Lendo-a há poucos dias, debrucei-me de amor por ela. Eu acho que se faz necessário maturidade literária. Pode ser que , daqui a algum tempo, ocorra com você o que aconteceu comigo . E não sou gênio como o Sérgio diz ser (risos), mas não gostaria que você ficasse brava comigo. Boas leituras.




Craotchky 09/09/2017

Sensações, percepções
Acho que este é um livro sobre o qual é bem difícil falar. O que segue abaixo são algumas anotações, observações e/ou interpretações que fiz durante a leitura. Tão somente isso.

A introdução é fantástica, sobretudo quando trata sobre como o livro foi escrito; saber do confinamento parcial dele durante todo o período (de catorze meses) que durou o processo de produção; saber dos "bastidores".

Fico pensando: Qual é a direção? Qual o objetivo? A história caminha para onde? Mesmo não tendo um horizonte, é fascinante como o livro prende a atenção e consegue manter a vontade de virar as páginas.

Bem diferente dos outros dois livros dele que li; ou vai ver seja eu que estou diferente.
Parece que a história é narrada toda de uma vez; passa a impressão que o autor conta tudo de um só fôlego.

Cacete! Contrariando o que eu achava, acabei gostando desse tal de Realismo Mágico, parece que ele tempera a história, além de possibilitar interpretações diversas ao leitor. Acho que é o primeiro livro desse tipo que leio. Não conhecia este estilo literário então tive que pesquisar o termo no google. Gostei ainda mais deste estilo por ter sua gênese na América latina, e fiquei surpreso por ter surgido tão recentemente.

Algumas descrições de cenas de sexo presentes no livro lembram muito o estilo empregado por Nabokov em outro livro dos mais importantes do século XX: Lolita. Ambos narram essas cenas de forma camuflada, encoberta, indireta e quase poética na escolha das palavras.

E este final? Não sei se entendi bem, mas sei que gostei.

Posso dizer uma coisa sobre este livro: ele é único em sua singularidade.

"[...] a história da família era uma engrenagem de repetições irreparáveis, uma roda giratória que teria continuado dando voltas até a eternidade, se não fosse o desgaste progressivo e irremediável do eixo."
Wagner 10/09/2017minha estante
Excelente. Parabéns.


Craotchky 10/09/2017minha estante
Obrigado, amigo.


Márcio_MX 11/09/2017minha estante
Dentro do realismo mágico, os maiores expoentes são Cortázar e Borges. Ambos estão programados para 2018.
Ótima resenha!

PS: Não sei se pode colocar Murakami nessa escola de realismo mágico, porque me parece ser um movimento latino-americano, mas a obra de Murakami é surrealista e acho que isso é uma afinidade. Qualquer dia desses leia Kafka à beira-mar e faça um paralelo, para ver se essa minha opinião procede.


Craotchky 11/09/2017minha estante
Valeu pelas indicações. Borges já estava no meu radar, Cortázar praticamente desconheço, e Murakami pretendo ler mais vezes.


Lua Durand 12/09/2017minha estante
Cem Anos de Solidão é um marco na literatura latino americana, e no conjunto da obra de Gabriel.
E particularmente foi um divisor na minha vida de leitora também.
Me vi como Ursula Iguaran e sua vida centenária, e sua sabedoria silenciosa.
"Úrsula se
preguntaba si no era preferible acostarse de una vez en la sepultura y que le echaran la tierra
encima, y le preguntaba a Dios, sin miedo, si de verdad creía que la gente estaba hecha de fierro
para soportar tantas penas y mortificaciones; y preguntando y preguntando iba atizando su
propia ofuscación, y sentía unos irreprimibles deseos de soltarse a despotricar como un forastero,
y de permitirse por fin un instante rebeldía, el instante tantas veces anhelado y tantas veces
aplazado de meterse la resignación por el fundamento, y cagarse de una vez en todo, y sacarse
del corazón los infinitos montones de malas palabras que había tenido que atragantarse en todo
un siglo de conformidad.
-¡Carajo! -gritó.
Amaranta, que empezaba a meter la ropa en el baúl, creyó que la había picado un alacrán.
-¡Dónde está! -preguntó alarmada.
-¿Qué?
-¡El animal! -aclaró Amaranta.
Úrsula se puso un dedo en el corazón.
-Aquí -dijo."
-
Gratidão por compartilhar suas impressões e sensações sobre o livro Craotchky. Você terá novas e variadas sensações se reler ele algum dia. Eu desde 2013 leio/releio de uma a duas vezes por ano. Ok, é um dos, ou o único, dos meus favoritos.
Dica de leitura de mais livros de realismo fantástico: Cronica de uma Morte Anunciada de Gabriel também, e Pedro Paramo do escritor Mexicano Juan Rulfo.
Se tiver facilidade recomendo a leitura em espanhol, são bem interessantes!
-
Boas leituras para ti!
Cheiro


Craotchky 12/09/2017minha estante
Obrigado! Obrigado! Obrigado! Eu que sou grato por você ter me proporcionado essa leitura. Já li sua primeira indicação e a segunda já está anotada. Boas leituras para você, e mais um muito obrigado.


Márcio_MX 13/09/2017minha estante
Opa! Pedro Paramo já está na minha meta desse ano \o/
Depois de "Labirinto dos Espíritos" já está engatilhado.




Cintia.Oliveira 05/04/2021

Chaatooo
Chocadaaaa com esse livro, mas de um jeito ruim, desculpe quem gosta mas eu odiei com força, não vou passar pano por ser CLÁSSICO. Terminei a leitura só porque se alguém viesse me falar algo tenho várias "provas e motivos" para não ter gostado. Essa nota foi por ter achado algumas partes engracadas ou seria menos que isso.Pode ter SPOILER.

1° ponto: o enredo: ao mesmo tempo que o personagem estava no presente nos contando algo ele lembrava algo do passado e o autor nos dava "spoiler" do futuro. Olha só o começo do livro a primeira frase " Muitos anos depois(futuro), diante do pelotão de fuzilamento(presente), o Coronel Aureliano Buendia havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer o gelo(passado)". Nisso o autor foi genial. E como não ligo com spoilers isso não me incomodou muito, só a loucura que tem haver com tudo isso. Tem uma parte que fulana está morrendo com o próprio sangue, o autor vai e muda totalmente de assunto e volta falando que a falecida era boazinha, uma ponte entre as irmãs. Oiii??? Calma aí.kkkkk
Ahhh fora que o cara quer casar com uma menina de 9 ou 10 anos sendo que tem irmãs mais velhas.
Incesto??? Temos tbm, filho dando de cima da mãe(Ahhh mas ele não sabia que ela era a mãe, MAS ELA SABIA QUE ELE ERA FILHO).  O Sobrinho decide que ama a tia e dão uns beijos até ela cair em si e não aceita. E vem me falar que isso é poesia. ONDEEE????? ME EXPLIQUEM PQ PERDI ALGO SÓ PODE.
Racismo temos também mais no final do livro, mesmo que um pouco difícil de decifrar, mas tem.
Fora umas mortes nada haver com nada, do nada o povo resolve se matar. Aí vc não entendeu o livro é sobre solidão todos se sente solitários. Me faça um favor me poupe.

2° ponto: personagens: são ao todo 6 ou 7 gerações e uns casam com primos e por aí vai, mas não tem UM personagem que você ame ou odeie, são todos indiferentes/insignificantes para mim. Morreu ok, foi tarde kkkk. Sumiu Ahh q bom menos um kkk. Gente sério o povo chatooooo.
Para não ser totalmente injusta a matriarca da família é a que chama mais atenção por ser inteligente, esperta, enfrenta todo mundo.
Pilar é outra mulher forte, que usa seus meios para ser forte e independente, mesmo que não seja muito certo. Mas fazia o que queria.

3°ponto: final: Fiquei super feliz de acabar esse livro, por me ver livre dele. E fingir que nunca ouvi falar.
Essa frase define bem esse livro:
" Não havia nenhum mistério no coração de um Buendía que fosse impenetrável para ela, porque um século de cartas e de experiência lhe ensinara que a história família era uma engrenagem de repetições irreparáveis, uma giratória que continuaria dando voltas até a eternidade,se não fosse pelo desgaste progressivo e irremediável do eixo."

Depois de todo esse texto digo que vou passar longe de Gabo, e que não recomendo esse livro, massss se quiser tirem suas próprias conclusões.

Se forem rebater o que escrevi sejam educados. Obrigada ????
Fernanda.Marques 05/04/2021minha estante
Olá! Sério que não gostou? Eu amei kkkk mas acho fantástico isso nos livros, a experiência de leitura é única e individual mas não significa que vc está errada!


Cintia.Oliveira 05/04/2021minha estante
Simm, cada um vai ter uma leitura, comigo não funcionou kkkkk. Que bom vc ter gostado, tbm queria fui com altas expectativas, cai do cavalo kkkkk


Haime 05/04/2021minha estante
Tem como favorita uma resenha .


Cintia.Oliveira 05/04/2021minha estante
Haime amg estamos juntas no ranço kkkkk


Haime 05/04/2021minha estante
Estamos ?


space lion 06/04/2021minha estante
Chocada estou eu kkkkkkkk




Marcio Fabula 26/06/2020

" Cem anos de Sofrimento."
" O primeiro da estirpe está amarrado a uma árvore e o último está sendo comido pelas formigas." ( Profecia do Livro Sagrado de Melquíades)

As leituras seguem a todo vapor e no domingo dia 24/05/2020 terminei a leitura do consagrado livro CEM ANOS DE SOLIDÃO. E pra minha tristeza não foi um livro tão marcante, estava mais para CEM ANOS DE SOFRIMENTO literalmente, me perdoem os apaixonados pela obra.
Mais tenho que dizer que o começo e o final da história são geniais, obra prima mesmo. Em mim só essas partes foram marcantes o começo por ser algo além da fantasia. Uma verdadeira homenagem as veias abertas da América latina.
O final me passou a sensação de que o autor colocou tudo de si na construção da obra, amarrou todos os acontecimentos, digo pra vocês foi coisa de linda de se ler, mais ainda por ser o fim, porque bem o meio do livro, foi pra mim muito desinteressante, cheguei por vezes
pôr em dúvida se eu conseguiria chegar ao final. Minha motivação foi saber que o próximo seria o livro O JOGO DO ANJO do escritor Carlos Ruiz Zafón, ah esse me ganha fácil. Gabriel lhe darei outra oportunidade em outra obra. Por hora quero distância de Macondo.
Fernanda.LuA 26/06/2020minha estante
Absurdo você dá duas estrelas a esse livro maravilhoso. É um dos melhores livros que já li e altamente consagrado. A única coisa chata do livro é que ele acaba, mas ele não acaba no final, o começo do fim é com a chegada da Fernanda a casa. Enfim, gosto é gosto!


Marcio Fabula 26/06/2020minha estante
Olá Fernanda.
Tentei amar essa obra. Tinha quase certeza que seria uma das minhas preferidas. Só que aconteceu o contrário.

Se tiver que ler de novo só lerei os 2 primeiros capítulos e o último. Pra mim o melhor foi o final.

Foi um alívio terminar esse livro. E com esse comentário nem desmereço o autor Gabriel Garcia Marques e sua escrita. Foi mais uma avaliação pessoal mesmo. 50 anos bastariam pra contar a história. hahaha

Me foi maçante praticamente todo o desenvolvimento da história. E olha que ele contém ingredientes que aprecio muito em uma história:
Simbolismo, passagem do tempo, fantasia e outras coisas mais.

Dizem que Cem Anos de Solidão é um livro pra ser lido e relido por ser um livro onde os eventos acontecem em uma espécie de maldição eterna. Tem uma escrita muito densa que certamente em outras leituras o leitor encontrará novas revelações e talvez até novos encantos.

Por ser um livro que compreende um século a personagem mais recorrente é a morte que chega a ser até natural. Captei vários desses detalhes na obra. E quando imagino sua criação a vejo como grande. Mas nesse momento não me vejo voltando em Macondo. O tempo dirá. Por hora minha nota é essa.
" E me dizeis, amigos, que não se discutem gostos e sabores?
Mas toda a vida é discussão sobre gostos e sabores! ( Friedrich Nietzsche, Assim falou Zaratustra)


Dani 30/06/2020minha estante
Acho bem engraçado a condenação que vem quando não gostamos de livros consagrados pela crítica. Muitas vezes medimos demais nossas palavras pra falar de algo que deveria ser simples.
Pra mim a literatura, como qualquer outra arte, é super pessoal, e o mesmo livro não fala comigo do mesmo modo que fala com outro leitor com vivências e experiências diferentes. E é aí que está a magia da coisa.
Sou do time que gosta da obra, mas te entendo quando aos cem anos de sofrimento (rsrs). Apesar da linguagem simples, não é um livro fácil. Tenho a sensação que não dá pra cortar uma frase sem que algo importante seja perdido. Enfim, ainda não consegui organizar os pensamentos e sentimentos com respeito a essa obra, mas sua resenha me proporcionou mais algumas reflexões. Obrigada por compartilhar :)


Melaine 06/07/2020minha estante
Concordo com sua análise,Macondo não me deixou saudades.


Marcio Fabula 07/07/2020minha estante
Haha que bom que foi destruída hahaha


Andrea 11/09/2020minha estante
"Absurdo você dar duas estrelas a esse livro maravilhoso" foi tenso hein!
Temos uma nova categoria de militantes agora: 'Fiscal de resenha '
Querida, cada um acha o que achou. Respeite a opinião de todos.




Renilde 02/06/2020

Como Nossos Pais
Ouvir essa música é automaticamente lembrar dessa leitura incrível que foi Cem anos de Solidão, a história de um lugar que está intimamente ligada a história de uma família, sua ascenção e queda, enfim, Macondo é um lugar que vale a pena conhecer, um lugar onde o tempo passa de maneira diferente, e a sua medida é contada de uma maneira diferente. É uma leitura muito gostosa de fazer, fluída e que dá espaço para nossa participação, amamos e odiamos seus personagens, mas nos identificamos um pouco com cada um...
Recomendo fortemente essa leitura!
Bia 02/06/2020minha estante
lê crônicas de uma morte anunciada, é do mesmo autor é um livro interessante


Renilde 02/06/2020minha estante
Oi Bia quero ler sim, não só esse como O Amor nos tempos do Cólera, enfim esse autor é incrível e quero demais conhecê-lo através de suas obras, obrigada pela dica!


Silvinha 02/06/2020minha estante
Amei a associação do livro com a música!! ?amo os dois!!!!


Renilde 04/06/2020minha estante
Silvinha diz se não combinam super


Silvinha 05/06/2020minha estante
Demais!!!




Michele 21/06/2017

Leitura Obrigatória?
Cem Anos de Solidão (Editora Record, 448 páginas) é um romance obra do escritor Gabriel Garcia Marques, e é praticamente um must read de muitos leitores, e não foi a toa que o autor ganhou o Premio Nobel de Literatura em 1982, principalmente por causa deste livro.

O Romance é elaborado de forma peculiar pelo autor, tendo em vista que desde a primeira página se pode se depreender a forma única de Garcia em aplicar sua grande imaginação à fatos reais, cotidianos e (na maioria dos casos) trágicos. E é através desse modo inusitado de escrita que o autor nos apresenta a estirpe dos Buendía e à vida cada personagem desta família na fictícia cidade de Macondo.

O maior paradoxo da obra está exatamente na linhagem desta família. Nesta edição já no começo da história vemos um mapa genealógico da família, e a primeira coisa que vem a sua cabeça é: ué, mas é tanta gente assim? A verdade é que com esse título, estaríamos nós a imaginar algo como um monólogo ou páginas e paginas sobre pensamentos e conflitos internos de um personagem. Mas esta infeliz contradição não está estampada em nossas vidas? Principalmente com o advento das comunicações (unicamente) digitais? Não é esse o sentimento mais descrito exatamente por pessoas rodeadas de amigos?

A família Buendía é enorme, o que não falta são personagens, a ponto de você se perder nos nomes (o tempo dá voltas), mas a solidão acompanha cada um independente do nº de filhos, amantes ou amigos. Os acompanha a tal ponto que chegamos a conclusão, assim como Úrsula, que isto se trata de uma verdadeira condição genética.

O livro não é necessariamente algo extremamente rebuscado, porém com seu vocabulário diferenciado e seus parágrafos longos, também não é possível dizer que se trata de uma leitura fácil, não houve uma só vez ao retorno da leitura em que não estive, poucos minutos depois, caçando os significados de algumas palavras. Já ouviu falar na palavra retrete? Desdita? Mortalha? Pessário?

No meu caso foi bem cansativa, excetuado por pequenos momentos quando enfim fui cativada por algum personagem especial e mesmo assim tais lapsos não demoravam muito. Ressalvado isto, a sucessão de infortúnios e fadários na vida dos personagens não me deu qualquer estimulação além da pura curiosidade de saber como seria a sua conclusão, afinal como dito acima este é um livro que é celebrado mundo afora, então algo deve estar a caminho. Algo ótimo, maravilhoso e único deve acontecer nesta história que mude por completo a minha impressão até o momento. Não houve. A realidade é que fiquei bem desapontada ao chegar no término do livro e perceber que uma das obras mais faladas e elogiadas da América latina não tenha tido sobre mim qualquer fascínio.
Nick 26/06/2017minha estante
Com havia dito, me senti ofuscado pela beleza de suas palavras, uma resenha que vai além de falar bem ou mal e explora o que foi sentido e transmito na conexão entre o leitor e o livro.


Elionai 18/07/2017minha estante
Michele gostei de sua resenha, parabéns! É indiscutível a importância deste livro para America Latina. Um livro muito bem escrito e foi um marco na nossa literatura, mas como dito por você no último parágrafo, ao final do livro fiquei esperando ser arrebatado por algo diferente e que justificasse, pelo menos pra mim, todos os elogios e indicações, mas infelizmente a leitura não me prendeu.


VKirsten 09/08/2017minha estante
undefined


Talita 06/10/2017minha estante
Achei um porre, nem terminei de ler


Viruga 30/10/2017minha estante
Resenha incrível Michele. Foi exatamente o que eu senti ao me deparar com uma obra mundialmente reconhecida. Infelizmente eu também tive a mesma sensação. Quem sabe eu aprecie melhor os outros livros de Gabo que inclusive ele mesmo em entrevista revela ter escrito melhor em outras obras.




Henrique Oliveira 18/05/2020

O melhor livro que já li
Segundo Schopenhauer, filósofo alemão, só a arte reduz o sofrimento inerente ao humano. Pude comprovar isso lendo este livro, que me fez viajar para a fictícia Macondo, e, principalmente, esquecer desse momento de cataclisma social, com o advento da pandemia.

Sem mais delongas, sobre a análise do livro: o escritor é uma virtuose da literatura, não é a toa que o livro lhe rendeu o Nobel, consegue conduzir a estória com maestria, de modo que o leitor é imerso num misto de realismo e magia( realismo mágico), e ainda tratando sobre um tema inerente a todos nós: a solidão. Na estória, não restrita somente a nós, mas abrangendo a própria cidade fictícia de Macondo, distante do resto do mundo ( alude à America).

Ao longo do livro, nós somos colocados diante da família Buendia, família esta, uma das fundadoras do povoado de Macondo. Do primeiro casal Buendia, que é de primos( Úrsula Iguarán e José Arcadios Buendía), sucedem-se 6 gerações.
Boa parte das características tanto físicas como psicológicas dos personagens, e até mesmo seu destino, sempre parecem se repetir nas gerações seguintes, e, pasmem, até os nomes são parecidos: Aurelianos e José Arcadios. E, assim, vamos vendo a triste história dos Buendia, até o fim da estirpe, numa ciclicidade que não parece ter fim. E só no final teremos acesso a verdades recônditas.

O escritor tem habilidade de nos antecipar um acontecimento importante de determinado personagem, ou até mesmo seu destino final, sem que a estoria perca a beleza, ou a importância, somos a todo o instante, bombardeados por situações. Ademais, a leitura, malgrado não seja erudita, não é tão simples, tendo em vista a complexidade de fatos e emoçães que vão se formando no transcorrer da estória, além do amplo vocabulário. Em resumo, um livro muito bem escrito, que vale a pena ler.

Sobre a edição: paupérrima, inexiste nota de rodapé, ou textos complementares expondo sobre o contexto em que foi escrita. Se comparado a Editora 34, por exemplo, fica bastante aquém. Não entendo o fato de uma obra dessa magnitude, não ter outras edições.
gabriella.malta 21/05/2020minha estante
Amei a resenha!


Henrique Oliveira 22/05/2020minha estante
Obrigado, Gabriella.


Elaine 27/05/2020minha estante
Acabei de ler este livro e gostei muito! Eu já tinha lido outros 2 livros dele, mas Cem Anos de Solidão os superou. Vi que Grande Sertão Veredas está na sua meta deste ano, e é o melhor livro que já li até hoje! A linguagem é bem difícil, mas depois um tempo a compreensão melhora.


Henrique Oliveira 27/05/2020minha estante
Sim, Elaine. Vou lê-lo para falar sobre ele em um clube de leitura da minha cidade. Já ouvi falar sobre a dificuldade. Mas creio que valha a pena qualquer esforço, né? Afinal, clássicos são clássicos, nos elevam.


Elaine 27/05/2020minha estante
Clube de leitura??? Que maravilha!!! Vale muito a pena, tem gente que desiste pela dificuldade, mas a gente se envolve muito!




Monica 29/12/2018

Clássico Bom, Mas não fluiu comigo ?
Um clássico com direito a prémios, na lista dos 1001 livros para ler antes de morrer.E É claro que fui com uma imensa expectativa, porem este livro não fluiu de maneira nenhuma comigo, foi cansativo e muitas vezes me sentia na obrigação de termina-lo, foi uma leitura maçante pra mim, e acreditem eu REALMENTE queria amar a historia, enfim demorei 30 dias num livro se 427paginas e isso porque em alguns momentos finais do livro precisei fazer leitura dinâmica porque eu ansiava terminar pois não aguentava mais esse enredo que não me prendeu em nada.
Recomendo o livro pretendo por ser um clássico fazer uma releitura no futuro mas por hora não é o meu livrinho favorito do Gabo.
Mari 27/02/2019minha estante
Hahaha! Me identifiquei demais!


Nedja 28/04/2019minha estante
Vc ainda foi uma guerreira lendo em um mês. Levei 3 meses!


samaratav 30/04/2019minha estante
Ia fazer uma resenha, mas vc já escreveu o que pensei.
Ainda bem que li ?amor nos tempos de cólera? antes desse rs


Fernanda 28/05/2019minha estante
Eu levei 2 meses pra acabar. Me senti contemplada com sua resenha


beatriz 20/06/2019minha estante
Vim olhar as resenhas torcendo para alguém comentar isso, obrigada! Hahahaha.




Janaina Rico 28/05/2010

Cem anos de solidão
O cara que recebe o Nobel de literatura não pode ser fraco! E Gabriel García Marquez demonstrou isso com clareza em Cem Anos de Solidão (Cien Años de Soledad).

A obra, considerada uma das mais importantes da literatura latino-americana me envolveu, me encantou, me hipnotizou. Sou obrigada a usar a frase clichê dos escritores, mas é o livro que eu gostaria de ter escrito. E é o livro que eu mais gostei de ler.

Confesso que em algumas passagens ele se tornou meio confuso aos meus olhos. Um monte de Aurelianos, José Arcadios e Amarantas algumas vezes me confudiram e eu tinha que voltar na história para me situar. Sorte a minha que eu só leio com um lápis, marcando tudo que acho importante. Facilitou a compreensão e recomendo para quem vai iniciar a leitura.

Mas o enredo é perfeito. Passei duas noites sem conseguir dormir, querendo saber de Macondo e da família Buendía. Criei um carinho muito especial por Úrsula, que foi a mais inteligente em todo livro. Não me identifiquei com nenhum personagem, e fiquei muito feliz por isso, pois Gabriel García Marquez retrata em seu realismo fantástico seres que prefiro que só existam nas páginas de um livro, mesmo sabendo que no nosso mundo estão todos habitantes daquela aldeia.

No último capítulo me arrepiei de emoção, que foi crescente e me fez chegar na última palavra com lágrimas nos olhos. Não somente pela história, mas principalmente pela felicidade de saber que o ser humano é capaz de inventar algo tão sensível como Cem Anos de Solidão.
Rafael Moss 30/06/2010minha estante
O Nobel está cheio de escritores comuns e fracos (como José Saramago) que foram laureados.


Marcos Carvalho 03/07/2010minha estante
Não necessariamente. William Golding ganhou nobel e acho-o fraco.


Bruninha Silva 29/10/2010minha estante
O parágrafo final da sua resenha é perfeito!


Janaina Rico 25/11/2010minha estante
Obrigada Bruninha


Érica 12/01/2011minha estante
Reconheço isso, porque eu também também tenho esse tipo de felicidade: "de saber que o ser humano é capaz de criar algo tão sensível como Cem Anos de Solidão".




Polly 20/06/2017

Chove em Macondo (#006)
Confesso que demorei bastante para ler Cem Anos de Solidão. Foi com este livro que aprendi que nem sempre uma leitura lenta é um leitura ruim.
Indiscutível é a qualidade da escrita do Gabriel Garcia Marquez, me senti em Macondo em cada página do livro. Vi diante dos meus olhos a cidadezinha crescer, passar por guerras, chover por anos a fio sem nenhuma trégua. Ler Cem Anos de Solidão é viver em Macondo, é fazer parte da família Buendía.
E por falar na família Buendía, a trama gira em torno dela. Você vai ver essa família crescer e se despedaçar em um ritmo tão preguiçoso quanto cresce Macondo. São sete gerações dos Buendía retratadas no livro e uma repetição de nomes e personalidades a cada uma delas que a gente se pergunta quem é quem e que destino é esse dos Buendía. Quanto a repetição de nomes e a confusão que ela causa (que acho que é proposital mesmo), aconselho usar uma árvore genealógica. Fica mais fácil.
Enfim, se você pegou Cem Anos de Solidão para ler e está em uma leitura meio arrastada, fica tranquilo(a), você não é o(a) único(a). Mas não desiste não, porque mesmo nesta leitura "arrastada" eu adorei o romance. Vale a pena chegar até o final. Cem Anos de Solidão é um ótimo livro e me deixou morrendo de vontade de conhecer outras obras do Gabriel Garcia Marquez.

site: https://madrugadaliterarialerevida.blogspot.com.br/2017/02/cem-anos-de-solidao-gabriel-garcia.html
Gabriel.Oliveira 16/07/2017minha estante
Haha minha leitura está arrastada também xD vou seguir filme nela


Polly 29/07/2017minha estante
Pode seguir, Gabriel! Você não vai se arrepender! Cem Anos de Solidão é um baita livrão!!


Carine.Peter 12/10/2017minha estante
To tonta já com tanto Aureliano e Jose Arcadio. Confesso que está difícil!


Polly 12/10/2017minha estante
Dá um nó na cabeça mesmo, Carine! Hahaha Mas acho que é proposital, acho que é pra mostrar que a geração posterior é uma cópia da anterior. Você pode ver que até às personalidades são parecidas. Se a tua edição não tem a árvore genealógica, dá uma procurada na internet. Fica mais fácil usando a árvore. E não desiste não, que é um livro muito bom!!


Carine.Peter 16/10/2017minha estante
Obrigada pela dica, Polly!!! Vou procurar pela árvore, na minha edição nao tem.




Roger Ruiz 27/01/2018

Uma bela viagem!
100 anos de solidão conseguiu me prender de tal forma que em certos momentos esqueci de tudo e a minha vida era a estória. Os contornos das palavras e os detalhes das personagens trouxeram uma fantasia misturada com realidade difícil de explicar. Certamente relerei este livro, pois ele merece mais do que uma leitura.
Clara 12/02/2018minha estante
Tive a mesma sensação de fantasia misturada com a minha realidade! Ainda não terminei de ler, mas já tenho a certeza de que o lerei de novo!


Roger Ruiz 15/02/2018minha estante
Claro, com certeza uma segunda leitura proporcionará uma experiência diferente, afinal, a cada minuto que passa, não somos mais a mesma pessoa.


Roger Ruiz 15/02/2018minha estante
Clara, com certeza uma segunda leitura proporcionará uma experiência diferente, afinal, a cada minuto que passa, não somos mais a mesma pessoa.


Clara 17/02/2018minha estante
Verdade!




Bart 27/07/2019

Cem Anos de Solidão
*Gabriel Garcia Márquez*

Depois de uma sofrível era de mil anos lendo no celular, graças à mha família, volto a ler com prazer ?!

Cem Anos de Solidão é um livro que certamente vale a curiosidade e ainda bem que li com a mente mais "madura" (eu chego lá!), acho q o problema p/qualquer leitura é qnd vc é forçado a ler, qnd se ler por prazer o ganho é de 100%.

O livro conta a história de um casal de primos que se casam, Úrsula Iguarán e José Arcadio, numa época em q as pessoas eram ainda mais superticiosas do q hoje em dia, e diziam q por serem primos, o filho deles nasceria com rabo de porco (acho q já ouvimos outras versões por aqui!), e por causa disso já acontece uma morte (leeeeeeeiaaaaaa...), e o fantasma desse morto vai provocar a saída do casal para a cidade q eles vão fundar com outras famílias tbm.

A cidade cresce, Úrsula e Arcadio tem 3 filhos (spoiler: nenhum deles tem rabo de porco), e eles ainda vão adotar Rebeca e junto com ela chega a "epidemia de insônia" q acaba causando a "epidemia de esquecimento".
Tem gnt q morre, mas depois volta a viver (basta ler p/saber!). E ainda vem a guerra civil.

O Garcia Márquez mostra prq influencia tanta gnt até hoje, por exemplo: Úrsula é sempre a primeira a saber que o tempo em Macondo (a cidade) é cíclico, passado, presente e futuro acontecem ao mesmo tempo... não falo mais nada kkkkkkkkkk!

Ótimo livro(prêmio Nobel de literatura)! Tem q prestar atenção mesmo prq a trama é encantadora e sedutora pela riqueza de tudo q o autor tem p/nos oferecer.
Bia 27/07/2019minha estante
esse livro é ótimo mesmo


Bart 28/07/2019minha estante
O autor é um arrombado mesmo kkkkkkkk!
Que livro massa!!


Cláudia.Canazart 30/07/2019minha estante
Perfeito esse livro.
Amoooo os Buendias.... amooooo


Bart 31/07/2019minha estante
Eu passei a ficar curioso por Gabriel Garcia Márquez por causa do escritor espanhol Carlos Ruiz Zafón. Ele sempre dizendo em seus livros q Garcia Márquez foi qm inspirou o jeito dele de contar histórias! Show de bola!




lola (@lorenzalendo) 10/05/2020

Todo mundo tem o mesmo nome eu fico confusa
Lelita 10/05/2020minha estante
kkkkkkkkkk 2


Isadora 10/05/2020minha estante
Kkkkkk tive o mesmo sentimento


ieiele 21/05/2020minha estante
Amém


Mari M. 27/05/2020minha estante
Eu li anotando a árvore genealógica...facilita muito.




1345 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |