Cem Anos de Solidão

Cem Anos de Solidão Gabriel García Márquez




Resenhas - Cem Anos de Solidão


1443 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Honeyina 24/08/2010

Solidão Compartilhada
Em Cem Anos de Solidão tem-se uma história cheia de fatos e personagens, na qual o leitor, ao final do livro, já se sente um Buendía (família protagonista). Ao lê-lo, percebemos o tamanho da solidão humana, que é irremediável, porém, adiável. Que atire a primeira pedra quem nunca disse que não quer morrer só, pois uma uma vida só é só uma vida, mas ao final percebemos que muitas pessoas vão e muitas vêm, só você fica. E essa é a intenção do livro, mostrar a solidão como algo inerente ao ser humano, que não é necessariamente um motivo de tristeza, mas sim de reflexão. É válido doar sua vida aos outros, apesar de tudo? Neste livro, o leitor não consegue pensar em mais nada, cem anos se passam, e nada fica. Um dos melhores livros de todos os tempos.

"E choveu por quatro anos, onze meses e dois dias".

Já sou uma Buendía.
Evelyn Ruani 26/09/2010minha estante
Adorei esse livro e sua resenha está ótima! Parabéns! :)


Duda de Lemos 16/07/2011minha estante
Adorei sua resenha!
Também tive a mesma sensação... me sinto uma Buendía!


Gab Wonka 13/02/2012minha estante
É o melhor Livro que eu já li em toda a minha vida.
Ótima resenha ^^


Luana Silva 04/04/2012minha estante
Eu estou para ler este livro há um tempo, mas depois de ler a sua resenha ele será priorizado.
Se ele for tão bom quanto suas palavras é, sem dúvida, uma obra prima.
Parabéns!


Lucas 20/07/2012minha estante
Gabriel García Marquez sempre perfeito.Um livro que fantaseia as culturas latinas americanas de um modo direto e com impressão de que foi contada por um de seus avós.


Valdemar 13/10/2012minha estante
Livro muito bom e a resenha não fica atraz.... Parabens!


Marcelle 23/11/2012minha estante
Meu livro de cabeceira... Já perdi as contas de quantas vezes já li! Grande Gabriel Garcia Marquez!!!


Vanessa 28/03/2013minha estante
No momento que alguém diz q quando leu este livro diz que é a sua cara, oq a pessoa quer dizer?


Augusto Buendia 06/06/2013minha estante
Adorei seu comentário. Realmente o livro é ótimo!
Tenho orgulho de ser um Buendia!


Firmino 13/07/2013minha estante
Melhor livro que ja li na vida até hj!!


gabriella 03/11/2013minha estante
2º melhor livro que já li, até agora só perde para Os miseráveis.


diLkinha 26/01/2014minha estante
Alguém vai me apedrejar se eu disser que estou achando a história muito sem graça? =/


Caroline 12/02/2014minha estante
Só eu que não gostei? Achei muito cansativo não me prendeu, forcei ler e fui até a metade mas desisti.


Raquel 08/04/2014minha estante
Para quem não gostou, guarde o livro e tente ler futuramente. Comprei o livro há seis anos e, na época, não gostei. Guardei na estante. Olhava-o e dizia a mim mesma: "ainda vou ler esse livro". Em janeiro deste ano decidi que era a hora. E se tornou um dos melhores livros que já li.


Juliana 27/04/2014minha estante
Comprei esse livro hoje e estava e, dúvidas sobre ler ou não! Depois de ler sua resenha não me restam mais dúvidas!! Será minha próxima leitura.


Victor Monteiro 28/05/2014minha estante
A história me prendeu bastante, porém, a questão da repetição dos nomes começou a me incomodar. Por exemplo, quando preciso interromper a leitura por dois, três dias, já volto todo enrolado pra saber quem é quem.


Canarinho 13/11/2014minha estante
Sua resenha é deliciosa!


Marcos 04/02/2015minha estante
Só por esse pequeno texto já dá vontade de ler o livro :)


Jéssica 06/08/2016minha estante
Ótima resenha !
Cem anos de solidão já estava na minha lista de 'quero ler', e depois de ler sua resenha aumentou a vontade de ler.


Rosa Santana 01/04/2017minha estante
Moro em Macondo desde que li,pela primeira vez, esse belíssimo livro. Eu amo José Arcadio Bundia... E seu filho, o fazedor de peixinhos de ouro. Até escrevi um conto em que a personagem feminina tem todo um caso de amor com ele.


Adriana @livrosedevaneios 04/01/2018minha estante
Sua resenha é fantástica! Amei esse livro.


Erika 03/07/2018minha estante
Sua resenha me fez querer ler desesperadamente este livro. Já comprei e já está em mãos, pronto para ler. Parabéns!


Mima 10/06/2020minha estante
Um romance espetacular


Andy 20/09/2020minha estante
Esse livro me fez reavaliar muito como eu via o envelhecimento/o passar dos anos. É sensacional!


Rafinha 21/11/2020minha estante
Boa resenha, livro mais marcante que já li


Eda 28/12/2020minha estante
Também não me apaixonei, achei cansativo..talvez precise voltar a ele em algum momento...


Marcia 28/12/2020minha estante
É um livro perfeito.
Há dez dias, cada vez que abro as janelas, imagino que o Rio de Janeiro virou Macondo... Como chove neste Natal!




Gustavo Rodrigues 22/03/2021

Precisa de uma releitura.
Acho que quando a gente acaba uma leitura, é sempre válido pensar tanto na qualidade do livro como também na experiência ao lê-lo. Pra mim, Cem Anos de Solidão é um livro muito bom, mas que não me trouxe uma experiência tão boa quanto.  

Gabriel García é notadamente um autor muito inteligente e criativo. O que ele fez em Cem Anos merece respeito, porque não é pra qualquer um. Cada parágrafo tem uma infinidade de informações, que são conexas e desconexas ao mesmo tempo, e apresentam fatos que nem sempre estão acontecendo linearmente na linha temporal do livro. Isso não é fácil de se fazer, por isso que falo que realmente ele é muito bom. Porém, obviamente isso traz uma dificuldade a mais pro leitor, que as vezes fica meio perdido em relação aos fatos e não sabe muito bem definir questões temporais. 

Mais uma dificuldade está relacionada aos nomes dos personagens, pois há uma infinidade de José Arcádio e Aureliano. Tem a árvore genealógica que ajuda muito na hora de saber quem é quem, porém você acaba pegando alguns spoilers na medida que vai olhando-a. Iniciei dizendo ?não vou olhar a árvore, eu decoro o nome de todo mundo? mas na metade do livro já não sabia diferenciar um do outro hahahaha. 

Antes de iniciar tive a informação (obrigado, Renata) de que seria bom ler um pouco sobre Realismo Mágico antes, pra não estranhar algumas coisas ditas no livro. De fato fez diferença, então aconselho a todos que queiram ler, pra dar uma olhada nesse movimento literário que o Gabo usou em algumas passagens do livro.  

Sem dúvidas é um livro que deve ser lido mais de uma vez, porque é humanamente impossível absorver tudo de primeira. Por mais que eu diga que não foi uma livro feito pra mim, tenho a pretensão de fazer uma releitura daqui uns anos, pra talvez ter uma experiência melhor. 
Renata 22/03/2021minha estante
Aguardando a releitura. Não aceito menos que 5 estrelas e favoritado na próxima ?


Mara Islanne 24/03/2021minha estante
Deu até um medinho de encarar ele kkk.


Maria.Fernanda 10/04/2021minha estante
Livro da minha vida. Foi a única leitura que me fez economizar o livro. Eu lia bem devagar e poucas páginas por dia, pois não queria que acabasse.


Katia Góes 02/05/2021minha estante
Ainda não li. Achei bacana a sua resenha...




@aprendilendo_ 24/01/2021

Resenha de Cem Anos de Solidão
Publicado pela primeira vez em 1967, ganhador do prêmio Nobel de Literatura e escrito por Gabriel García Márquez, Cem Anos de Solidão é considerado um dos grandes clássicos da escrita mundial. Na trama, a partir de uma narrativa em terceira pessoa, acompanhamos a jornada da família Buendía e sua entrelaçada história com a cidade fictícia de Macondo. Nesse contexto, um a um, os personagens da genealogia protagonista têm sua história, do início ao fim, destrinchada pelo autor durantes os anos de sua existência.

Em primeiro plano, ao analisar a narrativa, percebe-se na obra um singular aspecto, o qual une o realismo e o sobrenatural com maestria. Nesse sentido, tal elemento é baseado na forma natural pela qual o autor consegue descrever os fatos e desenvolver os acontecimentos com cada personagem. Isso acontece enquanto misticismos, característicos de um povo no início de seu desenvolvimento, são incrementados nas experiências da cidade fictícia de Macondo. Como consequência da junção desses atributos, temos a entrega de uma história apta a gerar uma enorme sensação de veracidade enquanto constrói, ao mesmo tempo, todo um ambiente mágico e instigante. Dessa forma, ao balancear o magnífico e o cotidiano, Gabriel manuseia um romance de leitura fluída, a qual, ainda assim, não perde sua força complexa e reflexiva. Cabe ressaltar, por claro, a capacidade poética do escritor, o qual se utiliza de uma imensidão de métodos de desenrolar a magnitude e leveza do livro pelas páginas, repletas de palavras muito bem desenvolvidas e esteticamente bem colocadas.

Em um segundo momento, sobre os personagens, fica nítida a magistral habilidade do autor em criar diversas personalidades complexas e únicas. Assim, ao traspassar por sete gerações e narrar, do nascimento à morte, a vida da maioria dos Buendía, Marquez traz uma variedade de biografias e exemplos de solidão e amargura. Nesse contexto, o grande acerto do escritor é justamente, dentre os protagonistas, não existir sequer um personagem que não é aprofundado, podendo, dessa forma, qualquer um deles ser o destaque de seus próprios livros. Ou seja, há aqui uma explosão de acontecimentos, os quais, além de impedirem a história de se tornar monótona, conseguem se encaixar de forma perfeita em um livro relativamente curto quando comparado ao conteúdo sobre cada sujeito. Nesse sentido, o único ponto negativo da escrita está justamente em sua forma incessante de correr o tempo e nos nomes, os quais, em sua maioria idênticos, podem gerar algumas confusões no enredo. Essa questão desfavorável, no entanto, resolve-se sozinha entre as páginas e logo o leitor se acostuma com o ritmo e os diversos nomes.

Cem Anos de Solidão, considerado um dos grandes clássicos mundiais, é genial do início ao fim, entregando uma história capaz de gerar diversas sensações e deixar uma marca única no leitor. Sem dúvidas, é o tipo de leitura indispensável para aqueles em busca de apreciar a maestria da escrita.
Nota: 9,8

Instagram: @aprendilendo_
comentários(0)comente



Renata CCS 05/03/2013

Ler cem vezes não é suficiente para compreender a grandeza desse livro
(...) Porém, antes de chegar ao verso final já havia compreendido que não sairia jamais daquele quarto, pois estava previsto que a cidade dos espelhos (ou das miragens) seria arrasada pelo vento e desterrada da memória dos homens no instante em que Aureliano Babilônia acabasse de decifrar os pergaminhos, e que tudo estava escrito neles era irrepetível desde sempre e para sempre, porque as estirpes condenadas a cem anos de solidão não tinham uma segunda chance sobre a terra.

CEM ANOS DE SOLIDÃO é um comovente relato sobre a solidão, o isolamento em que uma família e cada indivíduo que a ela pertence se mantinha perante o mundo. O livro conta de forma apaixonante a saga da família Buendía durante um século, narrando uma realidade tão crua que parece que aquilo aconteceu de fato. Gabriel García Marques é o mestre do chamado realismo fantástico, e é isto que a estrutura do livro incorpora: o fantástico e o inacreditável, mesclando momentos mágicos e extraordinários. Dono de um estilo único, o escritor nos transporta para além do tempo da própria narrativa. É incrível como este livro provoca diversas reações: de um parágrafo a outro, nos leva da tristeza ao riso. O livro mescla revoluções e fantasmas, incesto, corrupção e loucura, tudo tratado com grande naturalidade. A história começa quando as coisas não tinham nome (como dito pelo próprio autor), e vai até a chegada do telefone. Macondo é uma aldeia que a gente fica morrendo de vontade de visitar, embora seja fictícia. Foi fundada por José Arcadio Buendía, o patriarca dessa história, e por Úrsula Iguarán, a matriarca, mas não por alguma escolha estratégica: depois de homens, mulheres e crianças caminharem por 26 meses, decidem parar por ali para não ter que retornar. E começam a nascer os Buendías: as páginas são recheadas de Josés Arcadios e Aurelianos, que dão origem a novos Josés Arcadios e Aurelianos, que dão origem a mais... seria preciso ler este livro novamente para construir a árvore genealógica da família, porém são todos inconfundíveis em suas identidades. Suportaram doenças, períodos intermináveis de chuva, pragas de insônia, greves, guerras e mistérios que surgem do nada. Assim a história vai crescendo diante de nossos olhos, e a cada página revelando personagens únicos e tão bem construídos que dão saudades cada vez que algum parte para nunca mais voltar, ou outros que voltam depois de anos, quase irreconhecíveis, ou ainda aqueles que se ficam, criam seus filhos e netos, envelhecem e morrem. Há também seus momentos felizes, de reencontros, de casa cheia de família e amigos, de música e de pessoas apaixonadas. E de solidão! Esta sim é a carga que todos os Buendía carregam nos ombros, não importando a união ou desunião da família.

O livro é único e inesquecível, e qualquer repertório de adjetivos é incapaz de descrevê-lo, e claro que não será esta mísera resenha capaz de fazer isso (nunca tive esta pretensão). São tantos temas, tantas percepções do mundo e do humano, que a gente termina o livro amando e sem entender o porquê, sem conseguir explicar a história ou apontar alguma moral. CEM ANOS DE SOLIDÃO me deu essa liberdade incomum nunca vista em nenhum outro livro que tive em mãos. É leitura obrigatória para esta vida e para as próximas.
Mona 26/02/2013minha estante
Gostei muitíssimo de sua resenha. Você escreve muito bem, e parece apaixonada por este livro, assim como eu.


Renata CCS 27/02/2013minha estante
Obrigada Mona. Realmente este livro é muito especial para mim.


Maria Luísa 04/03/2013minha estante
Uma resenha apaixonada para um livro apaixonante.


Renata CCS 05/03/2013minha estante
Realmente sou apaixonada por este livro, Maria Luísa. Obrigada pelo comentário!


Hellen 22/03/2013minha estante
Parabéns pela Resenha Renata! Sempre ouvi ótimos comentários sobre as obras do Gabriel García Márquez, mas fiquei com receio de não gostar deste livro em específico. Agora fiquei com vontade de ler, haha.


Renata CCS 22/03/2013minha estante
Leitura mais que recomendada minha cara Hells! Leia sim, vc vai gostar muito! Obrigada pelo comentário.


VICKY 26/04/2013minha estante
Está história fantástica, a saga dos Buendía, me tragou completamente deste mundo, me sentia uma habitante de Macondo, nascida e criada!
Uma bela resenha, parabéns!


Daniel 17/06/2013minha estante
Acho que este é o livro que mais reli, faço isso de tempos em tempos, e ele sempre me emociona, me surpreende, me diverte... Uma obra Prima da literatura, sem dúvida.


Renata CCS 18/06/2013minha estante
Olá Daniel, este livro é uma grande paixão para mim. Único! Preciso revisitá-lo.


sonia 28/10/2013minha estante
Tão doido e tão verdadeito...adoro literatura fantástica! Quem vem de família espanhola conhece um pouco dessa maluquice...muito inteligente e engraçado.


Paty 18/11/2013minha estante
Arte por meio da escrita é o que fez Gabo com esta obra-prima!


Rafa P. 28/03/2014minha estante
Renata belíssima resenha !! Eu fiquei abobalhada com esse livro. A minha vontade era que todas as pessoas do mundo tivessem a oportunidade de conhecer uma obra tão incrível como essa.
Eu terminei o livro um sentimento de inquietação, felicidade, tristeza , muitas emoções. PERFEIÇÃO é pouco para definir essa obra prima !!


Renata CCS 31/03/2014minha estante
Rafa, vejo que temos este livro como uma paixão em comum! Saudades de Macondo... preciso viajar para lá novamente.
Obrigada pelo gentil comentário!


Aline Mari 21/04/2014minha estante
Renata, depois desse relato apaixonante do livro, coloquei ele no topo das minhas prioridades de leitura!


Bricia.Carpenter 10/01/2016minha estante
Renata , sua resenha está à altura da fantástica obra , obrigada !!!


Juliana 23/09/2016minha estante
Resenha tão boa, que fui "obrigada" a investigar sua estante...kkkkk
Parabéns, Renata!


Matheus Caixeta 12/10/2016minha estante
O que você disse traduz muito do que tenho sentido lendo o livro. Estou na metade, lendo no tempo que o livro pede (afinal, seria um pouco destoante viver 7 gerações em poucas sentadas) e acho que vai ser tornar meu livro preferido. Adorei sua resenha!


18/05/2017minha estante
Foi exatamente o que senti, amei cada página do livro, mesmo sem saber direito o porquê. Com certeza, o meu favorito de todos os favoritos!




Nado 19/04/2021

Romance de realismo fantástico, escrito pelo vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, Gabriel García Márquez, que é um dos maiores clássicos da literatura latina e um dos livros mais lidos e traduzidos no mundo.
O enredo da obra não é dos mais simples de explicar, uma vez que é recheada de personagens, acontecimentos e alterações na linha do tempo que tornam a leitura peculiar e por isso mesmo, envolvente.
A história de Cem Anos de Solidão permeia o início da família Buendía desde quando eles foram rumo ao desconhecido e fundaram uma aldeia fictícia e remota que foi chamada de Macondo. O leitor começa a acompanhar essa aventura desde o casamento conturbado de José Arcadio Buendía e Úrsula Iguarán, que pode ser considerada a personagem principal. Úrsula faz o elo entre todos os personagens e fatos narrados nesses cem anos de episódios.
No decorrer da narrativa são contados todos os casos que se sucederam nas 6 ou 7 gerações da família Buendía (essa quantidade de gerações não é um consenso e o leitor só descobre o porquê até ler a última frase). A trama é recheada de acontecimentos mágicos e fantásticos que se fundem em eventos reais e baseados em fatos históricos que aconteceram na América Latina e que foram inspiração para o autor.
A leitura de Cem Anos de Solidão tem um início engajado no qual o leitor já é avisado do que está por vir nessas mais de 350 páginas (dependendo da edição). Foi uma das leituras mais viciantes que eu fiz nos últimos meses em que constatei um fato: esse é um livro que o leitor precisa ler ao menos uma vez em algum momento de sua vida. Tramas de realismo fantástico são um marco na literatura latino-americana e populares em novelas brasileiras, como exemplo pode-se citar obras escritas por Aguinaldo Silva.
Cem Anos de Solidão já vendeu mais de 50 milhões de exemplares pelo mundo e já foi traduzido para quase 40 idiomas, o que o torna um dos grandes clássicos da literatura mundial e não só latina.
Leno 19/04/2021minha estante
Esse livro é espetacular.


Diego Fernandes 19/04/2021minha estante
Livro maravilhoso como tudo que vem do Gabo.




Érica 12/01/2011

Absurdamente bom. Desconcertante...
Toda vez que eu consigo me concentrar o suficiente para lembrar o porquê de ter gostado tanto desse livro eu chego à mesma conclusão: a força dele está em que cada personagem é único. Por isso a "solidão imensa" de todos eles. O leitor não tem a impressão de que os personagens estão a serviço da história. Pelo contrário, cada um deles existe por si só, cada um é um universo complexo e inescrutável. Os diferentes rumos que a história toma vão te dando a certeza, a cada reviravolta no enredo, de estar lendo um dos livros mais inspirados e bem escritos. É uma preciosidade da literatura.

Em certas partes, eu dedicava tanta atenção ao que estava lendo que eu tinha uma espécie de "superabundância de atenção", e isso me fazia não mais entender aquelas letras, eu tinha que parar durante alguns segundos, ou então eu lia muito devagar, cada uma das palavras, me satisfazendo com a escolha acertada de García Márquez para cada uma delas. Claro, não digo que isso acontecia durante toda a leitura, mas naquelas partes, digamos, epifânicas. Eu sabia que estava lendo um trecho muito bom e minha atenção dobrava e eu lia quase que assustada (rs).

Muitas vezes, não compreendemos as atitudes de certos personagens. Uma que me fascina muito é a Amaranta, que não casa nem morta com Pietro Crespi, a quem dedicava uma antiga e persistente paixão! Isso aumenta sua solidão, não por deixar de se unir a alguém, mas porque não se sabem os seus motivos. Só ela sabe, e quem guarda um segredo é sempre mais solitário.

Uma das minhas partes favoritas é a da descrição do circo que passa na rua, um pouco antes da morte do Coronel: Viu os palhaços virando cambalhotas no final do desfile e viu outra vez a cara da sua solidão miserável quando tudo acabou de passar e não ficou senão o luminoso espaço na rua e o ar cheio de tanajuras e uns quantos curiosos próximos ao precipício da incerteza. (Dá pra ver a cena inteirinha, tão bem escrita é a descrição).

Esse livro é uma oportunidade de saber como é embarcar em uma montanha-russa linguística, sonora, musical, imagética, cíclica, desconcertante...
Gleidson 07/07/2012minha estante
ótima descrição Érica, tirou a última dúvida que me impedia de comprar, rs...


bruna 09/11/2012minha estante
perfeita sua descrição, tive as mesmas sensações quando eu li, em determinado trechos parava por alguns segundos e ficava pensando em cada personagem. Já li três vezes e tenho certeza que ainda vou ler mais algumas vezes ao longo da minha vida, Gabriel Garcia Marquez é simplismente espetacular!


minhananny 10/02/2014minha estante
Érica, adorei! Eu também me sentia assim, de ter de dar umas pausas e de enxergar os cenários e de ler bem devagarinho as partes mais interessantes.




Henrique Oliveira 18/05/2020

Um dos melhores livros que já li
Segundo Schopenhauer, filósofo alemão, só a arte reduz o sofrimento inerente ao humano. Pude comprovar isso lendo este livro, que me fez viajar para a fictícia Macondo e, principalmente, esquecer desse momento de cataclisma social, com o advento da pandemia.

Sem mais delongas, sobre a análise do livro: o escritor é uma virtuose da literatura, não é a toa que o livro lhe rendeu o Nobel, consegue conduzir a estória com maestria, de modo que o leitor é imerso num misto de realismo e magia( realismo mágico), e ainda tratando sobre um tema inerente a todos nós: a solidão. Na estória, não restrita somente a nós, mas abrangendo a própria cidade fictícia de Macondo, distante do resto do mundo ( alude à America).

Ao longo do livro, nós somos colocados diante da família Buendia, família esta uma das fundadoras do povoado de Macondo. Do primeiro casal Buendia, que é de primos( Úrsula Iguarán e José Arcadios Buendía), sucedem-se 6 gerações.
Boa parte das características tanto físicas como psicológicas dos personagens, e até mesmo seu destino, sempre parecem se repetir nas gerações seguintes e, pasmem, até os nomes são parecidos: Aurelianos e José Arcadios. E, assim, vamos vendo a triste história dos Buendia, até o fim da estirpe, numa ciclicidade que não parece ter fim. E só no final teremos acesso a verdades recônditas.

O escritor tem habilidade de nos antecipar um acontecimento importante de determinado personagem, ou até mesmo seu destino final, sem que a estoria perca a beleza, ou a importância, somos a todo o instante, bombardeados por situações. Ademais, a leitura, malgrado não seja erudita, não é tão simples, tendo em vista a complexidade de fatos e emoções que vão se formando no transcorrer da estória, além do amplo vocabulário. Em resumo, um livro muito bem escrito, que vale a pena ler.

Sobre a edição: paupérrima, inexiste nota de rodapé, ou textos complementares expondo sobre o contexto em que foi escrita. Se comparado a Editora 34, por exemplo, fica bastante aquém. Não entendo o fato de uma obra dessa magnitude, não ter outras edições.
gabriella.malta 21/05/2020minha estante
Amei a resenha!


Henrique Oliveira 22/05/2020minha estante
Obrigado, Gabriella.


Elaine 27/05/2020minha estante
Acabei de ler este livro e gostei muito! Eu já tinha lido outros 2 livros dele, mas Cem Anos de Solidão os superou. Vi que Grande Sertão Veredas está na sua meta deste ano, e é o melhor livro que já li até hoje! A linguagem é bem difícil, mas depois um tempo a compreensão melhora.


Henrique Oliveira 27/05/2020minha estante
Sim, Elaine. Vou lê-lo para falar sobre ele em um clube de leitura da minha cidade. Já ouvi falar sobre a dificuldade. Mas creio que valha a pena qualquer esforço, né? Afinal, clássicos são clássicos, nos elevam.


Elaine 27/05/2020minha estante
Clube de leitura??? Que maravilha!!! Vale muito a pena, tem gente que desiste pela dificuldade, mas a gente se envolve muito!




Fer Paimel 27/03/2021

Jornada maravilhosa
Espetacular! Antes de terminar, já queria reler. Será um dos livros que marcará a minha vida. A escrita de Gabriel é envolvente, engraçada e cheia de significados.
Me emocionei com a história e me apeguei aos personagens, cada um belamente construído a sua própria maneira. Demorei mais do que precisava para terminar, porque realmente não queria que me despedir do livro.
Leitura que vai deixar saudades...
Daniel.Azevedo 30/03/2021minha estante
Por isso tenho vontade recorrente de reler esse livro


Fer Paimel 30/03/2021minha estante
Te entendo bem melhor, Daniel kkkk esse livro é muito rico, uma leitura só não dá para absorver tudo que ele tem a oferecer!!


Daniel.Azevedo 30/03/2021minha estante
Eu o li umas três vezes, mas se você gostou desse leia amor nos tempos do colera


Fer Paimel 30/03/2021minha estante
Pode deixar, esse ta na lista de próximas compras :)




Andre 04/06/2021

P*** que o pariu É o melhor bigode do Brasil GABO!
Gostaria de iniciar com um poema:
(Quem conhece, recite comigo. Não tenha medo, quem ta passando vergonha aqui sou eu.)

"TU TA MALUCO? ?
RESPEITA O MOÇO ?
PATENTE ALTA, DÁ AULA (SÓ VCS AGR HEIN)
BIGODE GROSSO ?"

Revelada por MC Marcelly, a profecia finalmente se ilumina perante os olhos dos descrentes: Gabriel García Marquez está de volta com a inexpugnável destreza de seu bigode voluptuoso e traz consigo a literatura do mais alto nível.

Sustentado pelas 150 páginas de expectativas criadas por "Crônica de uma morte anunciada", "Cem anos de solidão" carregou, em suas 448, a responsabilidade de manter Gabo no meu Olimpo de escritores, junto aos colossais nomes de José Saramago, Machado de Assis e Felipe Neto.

E ELE NÃO DECEPCIONOU!!
(O bigodudo é f@d@, não tem jeito)

Com seu jeito cadenciado, a obra consegue narrar a passagem do tempo através das 7 gerações da familia Buendía e do vilarejo de Macondo, utilizando de guerras intermináveis, fenômenos sobrenaturais, familiares perturbados e exacerbada libido (pessoal extrapola, ta?). Tudo isso acentuado por uma escrita genial e extremamente sensível.

Porém, nem tudo são flores. Existem alguns fatores que podem acabar incomodando alguns leitores, reduzindo o céu estrelado q é esse livro a apenas uma singela unidade de luz (poha, dar 1 estrela só pra ele também é sacanagem gente, pelo amor kkkkkkkk mas td bem, consigo entender).
A quantidade enorme de personagens com mesmo nome provoca bastante confusão ao longo da história, sendo que, em certo momento, é dificil saber qual Aureliano está vivo, qual vai morrer e qual já jaz 7 palmos abaixo da terra. Esse estranhamento acaba acentuando a participação de personagens como Ursula que, por ser a única de seu nome, não recebe nenhum tipo de crítica injusta ou ranço acumulado por parte do leitor, respondendo apenas por seus próprios atos (e que atos, diga-se de passagem).
Outro aspecto do livro que pode incomodar é sua calma. Apesar de muito fluido na escrita, a história se desenrola de maneira lenta, podendo provocar sono ou tédio em certas pessoas, principalmente por ser bem grandinho.

Resumindo, "Cem anos de Solidão" é uma obra genial, redigida com maestria, um clássico atemporal... ouuuuuu é chata, lenta e desinteressante, dependendo do tipo de leitor que a possui.
Não é um livro para todos, mas com certeza foi pra mim, entrando no meu top 5.

Recomendo MUITO, mas cuidado, é uma leitura diferente.

Agora com licença que vou ali crescer meu bigode ??
dani 04/06/2021minha estante
Ótima resenha! ? Esse ano vou dar outra chance para esse livro.


Andre 04/06/2021minha estante
Obrigadoooo ?? kkkkkkkk
Leiaa, vale muitoo a penaaa!!


Brenda.Podanosqui 05/06/2021minha estante
É um dos meus livros favoritos. Como vc disse Gabo é genial. Pra mim é impossível achar esse livro entediante. Simplesmente é uma obra genial!!!


Andre 05/06/2021minha estante
Simmmm, pra mim esse livro é PERFEITO!
Mas li várias reclamações de alguns amigos e em outras resenhas, então achei importante acrescentar isso tb kkkkkkk


Geovanna.Faleri 05/06/2021minha estante
muito boa sua resenha!! Kkkkkkkkkk


Andre 05/06/2021minha estante
Obrigadooooo ?? fico feliz q vc tenha gostado kkkkkk


Beatriz 05/06/2021minha estante
Tem como você ser menos perfeito, por favor???
Amo as suas resenhas! Esse é um livro que fica ainda melhor com o passar do tempo, quando você passa a digerir tudo o que aconteceu nele. Posso dormir tranquila agora que sei que você amou ?Cem anos de solidão? também hahahaha


Andre 06/06/2021minha estante
Aaaahhh, vc é maravilhosaaa ??
Muito obrigadooo!!
Esse livro é sensacional mesmo, não tem jeitooo




Bual 31/08/2020

Um dos melhores
Bem... tem e não tem muito para resenhar.

Eu poderia falar dos adjetivos que poupam linhas de descrição, das palavras novas que aprendi, da criatividade inesgotável, das passagens profundas e tocantes, da circularidade da estirpe, dos propositais nomes repetitivos, dos momentos brilhantes do mágico e das cruezas da realidade, mas seria chover no molhado. Essa obra não é a segunda mais importante da literatura hispânica por achismo.

Essa edição (linda, diga-se de passagem) apresenta a árvore genealógica logo no início e isso me ajudou bastante a navegar no fluxo borbulhante que constrói brilhantemente cem anos em pouco mais de 400 páginas.

Sinto que lerei esse livro muitas vezes e sentirei pena das almas que não tiveram a sorte de desfrutá-lo, porque é um deleite, é um presente à imaginação, é um banquete à criatividade... enfim. Só lê!
Renata 31/08/2020minha estante
Impossível ler esse livro apenas uma vez. Eu sinto saudade da história frequentemente, e a cada releitura, se é que isso é possível, fica ainda melhor.


Bual 31/08/2020minha estante
Concordo! Assim que eu terminei, já fiquei me perguntando quando eu vou ler ele de novo. Eu acabei percebendo uma metalinguagem no final, em relação ao livro e aos pergaminhos, que deu mais vontade ainda de voltar pro começo. Não vejo a hora.




Manuela.Caldas 29/06/2020

Top 5 da vida!
Maravilhoso! Clássico não é clássico à toa. Vale a pena embarcar nessa viagem à fictícia Macondo. Cheio de elementos fascinantes, belíssima história de uma família peculiar. Gabo realmente é surpreendente. Favoritei!
comentários(0)comente



Patriccia12 19/09/2020

Um casal, seis gerações e um lugar
O premiado nobel de literatura "cem anos de solidão" nos transporta ao lugarejo de Macondo e o faz com tal maestria que no percorrer das páginas sentimos o ar quente invadindo nossas narinas e queimando nossa pele e enchardos com a grande chuva. Tudo é relatado a partir da trajetória da família Buendía e personagens de personalidade única, alem dos da própria família, tal qual o cigano Melquíades. São cem anos, sao muitas as histórias, que contam histórias de histórias e assim as vezes parece que o tempo não passa e sim se arrasta em Macondo e também para quem esta lendo.
Mas, é só impressão, porque tudo esta interligado e tem o por quê de ser. E, não digo mais nada...
Sugiro que leiam, porque vocês não serão mais os mesmos quando terminarem e ainda terão Macondo para sempre nas suas lembranças e mais admiração pelo Sr. Gabriel Garcia Marquez, o GABE.
Wayne 19/09/2020minha estante
É maravilhoso! Uma das melhores experiências de leituras que já tive!




Mariana Dal Chico 29/04/2020

Minha história com “Cem anos de Solidão” de Gabriel García Márques é antiga, a primeira vez que tentei ler era adolescente e não consegui chegar na página 100, depois na época da faculdade fiz uma segunda tentativa e também não fluiu. Mas em 2015, finalmente consegui mergulhar na escrita do autor e me encantei completamente com o que encontrei.

O começo da leitura foi um pouco complicado, os parágrafos são longos, os personagens masculinos têm pouca variação de nome (José Arcádio e Aureliano), o tempo é fluido — e cíclico! —, os acontecimentos são relatados de acordo com a necessidade do autor e não por ordem temporal.

Minha edição tem uma árvore genealógica, mas eu não fiquei voltando para ela durante a leitura, me permiti mergulhar em Macondo e só no final da leitura, fui analisar os relacionamentos familiares. Eu diferenciava os personagens masculinos pela forma como agiam/profissões.

Gabo cria uma atmosfera complexa, com tanta textura que seu mundo e personagens são palpáveis. O realismo mágico é inserido de forma tão fluída, que não me causou estranhamento durante a leitura — como se um personagem nascer com rabo de porco ou ascender aos céus fossem coisas comuns do quotidiano.

Esse clima me levou de volta para a infância, quando ouvia “causos” familiares da cidade do interior que meus bisavós moravam, um local onde todos se conhecem e recorrem à uma família que tem mais prestígio quando precisam de ajuda.

A riqueza da vida retratada é enorme e os temas são diversos: colonização da terra, busca por liberdade, por direitos, família, amor, sexo, riqueza, superstições, o caráter cíclico da vida, e muitos outros.

Uma leitura não foi o suficiente para compreender completamente a grandeza dessa obra, é um daqueles livros que tenho certeza que vou reler ao longo da vida.

site: https://www.instagram.com/p/B_k2TwPjP1K/
Chris 29/04/2020minha estante
Só de ler a sua resenha já me deu vontade de reler. Amo mto essa obra tbm!


Mariana Dal Chico 29/04/2020minha estante
Leia sim, Chris!




Jaciara. 13/09/2020

Frase que adorei: O coronel Aureliano Buendia quase conseguiu compreender que o segredo de uma boa velhice não é mais que um pacto honrado com a solidão
comentários(0)comente



Tobias 25/01/2010

Não tenho palavras...
Tenho medo de 'ofender' o Gabo e sua obra com qualquer palavra minha expressa aqui.
Não sou digno.
Me arriscarei com um simples "fantástico".
:)
Rafael Moss 30/06/2010minha estante
Um dos comentários mais perfeitos que já li sobre esse fantástico livro. =D


Thami 13/01/2013minha estante
disse exatamente o que eu queria dizer. :)


LEANDRO 09/03/2013minha estante
Como se os outros delirios de gabo viessem amarrados à "cem anos de solidão", meu primeiro de quase todos que ja li de Gabo.Me entristece a certeza de que a imortalidade não foi dada ao mestre do realismo mágico!!




1443 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |