O Clube do Biscoito

O Clube do Biscoito Ann Pearlman




Resenhas - O Clube do Biscoito


25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Ana 06/02/2017

O clube do biscoito

Só pra variar #sqn eu peguei esse livro na Biblioteca Pública bem do jeito que costumo escolher por lá, ao acaso. Eu simplesmente fico andando e esperando que algum livro me chame a atenção. E dessa vez foi esse. Esse é um livro que eu já tinha certeza que ia gostar por causa do nome. Não é porque é um nome atraente, mas porque eu sabia que ia ter comida envolvido, e como já falei por aqui, costumo gostar muito de livros que envolvam a temática de alguma forma.

Não sei explicar ao certo, não é algo como receitas tá, porque também não sou tão doida assim pra gostar de ler receitas, mas é a forma como relacionam o paladar e os alimentos com a nossa vida e sentimentos/momentos tão importantes. Pensa bem… geralmente grandes eventos e encontros estão associados à comida e bebida, e ali a vida acontece… Sinceramente não sei explicar, mas isso me fascina. Se você já leu Comer, Rezar e Amar, e gostou da primeira parte (ou de todas também porque o livro é perfeito do início ao fim) você vai entender o que estou dizendo e pode ler esse livro sem dó. É muita fofura em forma de “biscoito”.

Há histórias lindas, tristes, românticas, de fé e esperança. Eu achei tão, tão, mas tão bacana, que resolvi transcrever aqui um trecho da sinopse, por não achar palavras mais adequadas para descrever meu entusiamo:

“O Clube do Biscoito fala de caminhos percorridos, da absoluta alegria de viver e amar – apesar das decisões das quais nos arrependemos – , das escolhas difíceis, das reparações que temos que fazer e dos sacrifícios ao longo da jornada. Em última análise, é a história de todas as mulheres. Ao ler esta, a de Marnie e suas ador´veis amigas, suas lutas e triunfos, o que as faz rir e o que já as fez e fará chorar, você queria leitora, verá a si mesma e alguns dos ingredientes de sua própria história de vida.

Celebrando a coragem e a alegria – a despeito das dificuldades -, e honrado a importância da amizade entre mulheres, Ann Peralman escreveu uma história que se destina a todas nós, mulheres do mundo.”

Fala sério, como não apaixonar!?!

site: http://blogmudeideideia.com/livro-o-clube-do-biscoito/
comentários(0)comente



12/04/2016

Amor e amizade
O livro trata da amizade de um grupo de mulheres que se une todos os finais de ano pra trocar biscoitos.
Mas o que elas realmente trocam entre si é o apoio e o amor para enfrentar as certezas da vida.
Gostei e me emocionei muito com o livro.
comentários(0)comente



Monica 14/09/2015

Tocante
Gostei muito desse livro pois além de nos apresentar a cada uma das 12 amigas que se reúnem e formam o Clube do Biscoito, ainda temos curiosidades sobre os ingredientes e as receitas de cada uma. Para que gosta de livros sensíveis e também de cozinhar. "Vamo'bora por a mão na massa".

site: http://caldeiraocorderosa.blogspot.com.br/2015/09/dica-de-leitura.html
comentários(0)comente



ValGouveia 30/12/2014

Adorável
Peguei o livro pra ler porque queria algo leve pra ler essa semana corrida de Natal. Não fui com grandes expectativas, mas gostei demais.

O livro conta a história de 12 mulheres, a maioria delas na faixa dos 50 anos que todos os anos, se reúnem nesta época do ano, no Clube do Biscoito. Todas elas são bem amigas e de várias classes sociais.

Todas estão passando por algum tipo de problema: um filho que morreu de forma inesperada, o marido que foi embora deixando os filhos e inúmeras contas pra pagar, a preocupação com as filhas que estão grávidas e uma delas corre risco de perder (de novo) o bebê.

Gostei do livro porque tem drama, a autora soube passar de forma quase que real os dramas, desventuras (e porque não?), as aventuras das várias personagens.

No começo de todos os capítulos, é contada a história e a origem dos vários ingredientes que fazem parte das receitas dos biscoitos que são feitos para serem trocados entre as amigas.

São 13 dúzias. Uma dúzia para cada amiga e uma dúzia para uma casa de caridade local.
Na verdade, a mensagem que o livro passa é que apesar de todos os problemas, todas as dficuldades, o mais importante é poder contar com os amigos, o importante é TER amigos e principalmente SER amigo.

Indico bastante a leitura. É um livro "pequeno" e bem rápido de ler

site: http://valgouveia.com.br/
comentários(0)comente



Suzane 11/07/2014

O clube do biscoito
Confesso que foi a capa do livro o que me chamou a atenção ela é toda fofa com esses biscoitos e combina bem com a história.
Esse livro possui uma história bem diferente sobre doze amigas - e ótimas cozinheiras haha - que todo final de ano se reúnem para uma festa do biscoito, quer coisa melhor do que juntar suas amigas e um monte de comida gostosa? Até eu fiquei com vontade de participar desse clube!
A história se passa em apenas um dia e é narrado em primeira pessoa pela biscoiteira líder, a Marnie e vamos conhecendo as outras personagens, suas histórias, seus problemas, este livro aborda temas como traição, divórcio,morte, romance entre pessoas com grande diferença de idade,dificuldades financeiras, entre outros, porém, sem parecer forçado.
Achei bem legal colocar a receita dos biscoitos de cada uma para introduzir cada capitulo e as curiosidades sobre os alimentos ao final de cada um, apesar de ser meio chato e cansativo de ler essas coisas.
De uma maneira geral gostei bastante do livro mas acho que ficou faltando alguma coisa. Mas vale apena ler esta história de amizade entre mulheres e se você quiser ler lá pra Dezembro para ir entrando no clima de final de ano e quem sabe fundar um clube do biscoito! Boa leitura!

"-E talvez o amor seja, em última análise, a melhor coisa que podemos receber.Não resolve tudo,mas,apesar dos pesares, é a coisa mais significativa que possuímos." pag. 287
comentários(0)comente



Lu 26/08/2012

Biscoito enjoativo
Livros e comida formam uma combinação clássica e que já rendeu ótimos livros, como "O Clube das Chocólatras", de Carole Matthews, o maravilhoso "O Chá do Amor", de Jennifer Donnely e o encantador "A Senhora das Especiarias", de Chitra Banerjee Divakaruni.

Comida geralmente dá a ideia de conforto e de lembranças boas. Foi com esses elementos que a Ann Pearlman trabalhou e muito bom em seu Clube do Biscoito. A atmosfera do livro é aconchegante, a narrativa é envolvente. Somado às receitinhas de biscoito e as curiosidades sobre as origens e os usos de certos ingredientes... Parecia um daqueles livros simplesmente perfeitos. Mas não é.

O problema com "O Clube do Biscoito" é o exagero. Há personagens demais, drama demais e detalhes demais. O livro parece um manual de temas dramáticos para folhetins. Problemas com drogas? Tem. Romance com homens mais velhos ou mais novos? Também. Traição entre amigas, gravidez na adolescência, questões raciais.... Pense em um tema e pode ter certeza de que a Ann Pearlman usou. Tudo bem, são bons temas e que rendem boas histórias. Mas não tudo junto. Por mais que a narrativa da autora seja boa e as reflexões sejam interessantes, a leitura se torna desgastante, pesada. Até porque não há um pouco de humor para contrabalançar as coisas. É um choroô atrás do outro. Quando ela chegou na amiga ex-stripper e ex-viciada em drogas, eu simplesmente desisti. Faltavam ainda 100 páginas para terminar o livro.

Outra questão são os personagens, que são muitos, mas pouco marcantes. O que se destaca são os dramas que as biscoiteiras vivem, não suas personalidades. Não me lembro de nenhuma personagem que me cativasse mais, que fizesse com que eu me apegasse à leitura. É complicado ler um livro assim.

O resultado é um livro meloso, cansativo e moralista. Claro, o fato de estar esperando um chicklit engraçadinho e levinho não ajudou em nada. Ainda assim, acho que a autora realmente exagerou. Talvez, se fosse uma trilogia e cada volume agregasse um grupo menor de protagonistas, mais bem construídas e suas histórias desenvolvidas com mais calma, o livro fosse melhor. Mas não assim.

Sinto até pena de dar duas estrelas para um livro que começou bem e que prometia muito, mas não posso ignorar a sensação de irritação que eu sentia quando finalmente decidi abandonar a leitura. Uma pena.

Não recomendo.

comentários(0)comente



House of Chick 05/05/2012

Desde que esse livro havia sido lançado, uma vontade imensa de lê-lo despertou em mim. Primeiro porque a capa é maravilhosamente linda e logo que a gente olha já dá vontade de comer esses biscoitos. Segundo porque eu logo havia procurado umas resenhas sobre ele e vi que várias pessoas estavam fazendo comentários positivos. Então minha vontade só aumentou. Agora que eu li, posso compartilhar com vocês tudo que eu achei.

A história gira em torno de Marmie, uma mulher batalhadora que faz, junto com suas onze amigas mais íntimas, em toda primeira segunda-feira de dezembro uma festinha (reunião) chamada Clube do Biscoito.

No clube cada uma delas leva treze dúzias de biscoitos embrulhados para presentes e as respectivas receitas (uma dúzia para cada uma e uma dúzia para doar). Só que quando juntam-se muitas mulheres, vinho e uns biscoitinho o resultado acaba sendo muitas histórias.

Cada capítulo é destinado a uma biscoiteira e cada início de capítulo vem com a receita do biscoito felito por ela, para que a gente possa tentar fazer essas receitas em casa, como se participássemos do clube do biscoito. O charme desta história fica por conta dessas receitas. O livro também trás algumas explicações sobre os ingredientes e a magia da química para que a gente possa entender mais sobre como as coisas surgiram até os dias de hoje, como por exemplo, a origem da farinha, manteiga, etc.

Continuação: http://www.houseofchick.com/2012/03/o-clube-do-biscoito-ann-pearlman.html
comentários(0)comente



Paula 31/01/2012

Adorei as receitas! Ainda pretendo testar algumas.
Leitura despretensiosa, para aqueles momentos "quero ler algo leve e açucarado".
comentários(0)comente



Sandra 08/12/2011

Com o Natal batendo à porta, resolvi que essa seria uma ótima leitura para combinar com o clima de final de ano, afinal, nada melhor do que ler algo leve e divertido sobre um Clube do Biscoito, quando, a cada dezembro, 12 amigas se reúnem, trocam biscoitos, suas receitas e também experiências vividas ao longo do ano.

O Clube do Biscoito tem essa fachada e cara de chick-lit. Mas não é.
Não que seja um livro ruim, pelo contrário, é bom e bastante interessante, por retratar mulheres na meia-idade que tem uma bagagem de vida muito grande.

A estrutura do livro é muito bacana, ao apresentar a cada capítulo uma receita de biscoito e por consequência, a biscoiteira que a desenvolveu. Além disso, é através desses capítulos individuais que conhecemos as participantes do clube.

O livro peca, porém, no número de personagens, que ligadas a outros tantos personagens secundários em suas vidas, torna a leitura por vezes confusa. E isso também colaborou para que eu não conseguisse criar um vínculo com nenhuma das personagens, o que torna difícil estabelecer aquela ligação tão gostosa que temos com os livros e nossos personagens favoritos.

De qualquer forma, isso não significa que não seja uma boa leitura. Aborda temas sérios, nem sempre de maneira tão leve, o que pode assustar quem procura uma chick-lit com muito humor.

Interessante, sério e bastante verdadeiro, O Clube do Biscoito é uma oportunidade de reflexão sobre a vida e seus percalços.
comentários(0)comente



Pâmela 27/11/2011

O clube do biscoito - Ann Pearlman
A cada primeira segunda-feira de dezembro, Marnie, a biscoiteira chefe, se reúne em sua sua casa para o clube do biscoito. O clube tem algumas regras e cada uma deve contar sua estória enquanto fazia seus biscoitos. Cada integrante deve fazer doze dúzias de biscoitos (uma dúzia para cada) e uma extra que será doada para caridade. So cute *--*

"Então, resolvemos entregá-los uma de cada vez e, como cada uma de nós havia gastado tempo para fazer treze dúzias de biscoito, deveríamos falar algumas cosa sobre aquele biscoito em particular. É nossa maneira de reverenciar o esforço de cada mulher. Faz com que o biscoito e o trabalho envolvido nele sejam especiais. Essa, acredito, foi a primeira regra. Isso e nada de usar pratos de papel cobertos com filmes plástico."

Enfim, cada uma conta sua estória, compartilha o que aconteceu em sua vida durante o ano inteiro, todas se veem outra vez, o que é realmente um grande exemplo de amizade. O livro é divido em capítulos, sendo que cada um é destinado a uma biscoiteira. Além de contar suas estórias com os biscoitos, Marnie também fala sobre suas experiências com cada uma de suas amigas, de quando eram mais jovens e da importância de cada uma delas em sua vida. No início de cada capítulo, temos a receita do biscoito que cada integrante fez (não preciso nem falar que dá água na boca :P), e no final ela fala sobre um ingrediente especial de seu biscoito, como farinha, amêndoas, nozes, canela, etc.

A amizade foi realmente um ponto forte no livro, deu para sentir como cada uma se importa realmente com a outra. Mas o livro não foi perfeito. Demorei muito tempo para ler porque, sinceramente, se eu parasse eu não ia conseguir voltar. Ele não te dá motivação para continuar, porque não tem nada que você fique ansioso(a) para chegar ao final, só para saber o que aconteceu. Os capítulos são pequenos e te dá pouco tempo para fazer a ligação entre cada uma das amigas da Marnie, ficando confuso.

O clube do biscoito é uma lição, fala de amizade e da importância do amor. Além das receitas deliciosas de biscoito, é claro. :P rsrs'

Original em: http://aritmeticadasletras.blogspot.com/2011/11/resenha-o-clube-do-biscoito-ann.html
comentários(0)comente



Danni 07/09/2011

Uma lição de vida a cada estória!
O Clube do biscoito conta a história de 12 mulheres que se reunem uma vez por ano, na primeira segunda feira do mês de dezembro, para trocarem seus biscoitos e celebrarem a amizade.
E isso acontece em apenas um dia!
A cada capítulo uma receita e uma estória de amor,traição,dor,superação...estórias delas mesmo. Que muitas vezes, você para e diz: Também vivi isso.
Mas a cada estória, uma lição!

"Eu disse a minhas filhas que as amo. E aos meus pais. A algumas de minhas amigas. Mas com um homem, não tenho certeza do que signifiquem essas palavras.
Elas são uma exigência e um fardo grande demais. Soam como se você estivesse querendo alguma coisa. Estabelecem compromissos. Obrigações. Além disso, como podemos saber o que significam?
Leio em algum lugar que a cor dos nosso olhos influencia as tonalidades que realmente vemos. Se isso for verdade, como posso saber que amor significa ara mim a mesma coisa que amor
significa para você? Principalmente porque nem sequer sabemos se vermelho é igual para nós dois. Além do mais, não se supõe que o amor dure para sempre? Não existe para sempre com um homem."pág28

O livro também traz os ingredientes dos biscoitos,que digamos é interessante.

Canela= ajuda a memória, então sempre que precisar fazer uma prova masque um chiclete de canela.

Baunilha = é afrodisíaco (é o primeiro viagra natural)
'Não era isso que Scarlet O’Hara usava para seduzir Rhett Butler?'
pg 172.

Gengibre= vem sendo utilizado há muito tempo como afrodisíaco, é até mencionado no Kama Sutra, já que o gengibre aumenta o fluxo sanguíneo na região genital. Também é usado pra afastar espíritos malignos.

Chocolate= Nós adoramos chocolate.É a sobremesa dos amor e da comemoração.Os astecas o consideravam a bebida do deuses. O chocolate contém uma substância que imita a sensação de estar apaixonado, e tem o efeito levemente parecido ao da maconha,produzindo euforia e diminuindo o estresse. (está explicado o porque eu sou "diferente" sempre kkkk')

No fim do livro, você pensa...porque não criar um clube assim?
Eu pensei em todas minhas amigas da minha juventude, bateu aquela saudade...

Porque só 3 estrelas?
Não senti o que a maioria sentiu, pra mim foi apenas mais um clube!
comentários(0)comente



Maria Faria 04/09/2011

Encantador, mas pouco surpreendente
Ao final do livro, Ann Pearlman revela que o Clube do Biscoito é real, mas que alguns dramas relatados no livro não fizeram parte da vida real das integrantes do verdadeiro clube. De qualquer forma, o livro apresenta histórias cativantes que estão presentes na realidade de muitas mulheres em vários países. O livro relata um encontro anual de doze amigas e cada capítulo revela a vida de cada uma delas. Amor, traição, perda, doenças, expectativas e diversos outros dramas são os ingredientes que unem as mulheres deste clube. Mas acima de qualquer dificuldade, está a união e a capacidade de se apoiarem. O Clube do Biscoito é na verdade um grupo de amigas do qual qualquer mulher gostaria de fazer parte. A única dificuldade é conseguir, ao longo da leitura, assimilar e reter a história de cada uma. O drama e a vida de cada biscoiteira são apresentados em apenas um curto capítulo e o contato do leitor com cada uma das doze histórias é bem breve.
comentários(0)comente

Danni 07/09/2011minha estante
Adorei sua resenha, foi a mesma coisa que pensei!




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Clara T 11/07/2011

Alguém quer fazer um Clube desses?
O clube do Biscoito é um tipo de clube que eu adoraria participar. Um motivo para 13 mulheres se reunirem e dividir alegrias e tristezas que passaram no ano. A data escolhida: primeira segunda-feira de dezembro, perto do fim de ano, uma época ótima para refletir sobre a vida. A regra do clube, fazer 13 dúzias de biscoitos a serem entregues uma para cada e uma para a caridade.
Bom, como todo clube tem as suas regras, e Marnie, a idealizadora, está preparando e refletindo tudo o que passou no ano. A história a ser contada na hora de entregar o biscoito acaba tendo um pouco da história do que passou ao longo do ano. Lembrar das edições anteriores e de quem participou e já não participa mais, da biscoiteira nova, das que não poderão estar presentes, faz parte da preparação. Como qualquer compromisso que se assuma, são muitos os motivos e justificativas que aparecem e que fazer parecer que não é importante, mas por algum motivo, o clube vem resistindo e se renovando a cada ano. E cada uma dessas mulheres passou por um ano e tanto, mudança de emprego, desemprego, separação, doença grave, perda de um membro da família... São treze histórias e treze receitas de biscoitos. Cada uma com um ingrediente especial. Mesmo que não goste de cozinhar e não tenha interesse de conhecer um pouco mais sobre cada um dos ingredientes, a forma de contar as histórias e a divisão dos capítulos é um dos ingredientes desse delicioso livro. Não leia com fome e nem se estiver com vontade de comer um doce. Dá vontade de ir pra cozinha fazer biscoitos.
(http://velocidadedetartaruga.blogspot.com)
comentários(0)comente



Dana 17/05/2011

Impossível não querer ter um clube desses!
Este é um livro que fala da amizade de 13 amigas, que se reúnem todos anos e trocam biscoitos e histórias.
Eu amei o livro, principalmente aquilo que ele mais destaca: que a vida não é fácil, mas fica muito menos difícil levá-la quando se tem amigos com quem contar.

O livro é recheado de lições de vida e de trechos que te fazem pensar sobre algumas certezas e concluir que não há certezas, que tudo depende da alegria, da indecisão, da tristeza, enfim, do sentimento que você está experimentando.

Alguns me marcaram, como lições mesmo. Por mais que elas não expressem o que eu penso, me serviu para entender como o próximo pode se sentir.

Pág. 28
"Eu disse a minhas filhas que as amo. E aos meus pais. A algumas de minhas amigas. Mas com um homem, não tenho certeza do que signifiquem essas palavras.
Elas são uma exigência e um fardo grande demais. Soam como se você estivesse querendo alguma coisa. Estabelecem compromissos. Obrigações. Além disso, como podemos saber o que significam?
Leio em algum lugar que a cor dos nosso olhos influencia as tonalidades que realmente vemos. Se isso for verdade, como posso saber que amor significa ara mim a mesma coisa que amor
significa para você? Principalmente porque nem sequer sabemos se vermelho é igual para nós dois. Além do mais, não se supõe que o amor dure para sempre? Não existe para sempre com um homem."

Pág. 62
"- Tempo não faz que uma vida seja inteira. Viver sua vida intensamente é o que a torna inteira. Você lembra da Doobie?
-Aquela gata cinza gorda?
-Sim. Ela viveu 22 anos. Uma vida longa para um gato. Mas só o que ela fazia era dormir. Teve 20 anos de sono e 2 de vida, mas olha só...era o que ela queria fazer. Quem pode julgar?"

Pág. 79
"Taí uma coisa que eu questiono: quando vejo uma amiga se direcionando para uma estrada difícil, até que ponto devo confrontar e até que ponto compreender, sabendo que estarei presente para apanhar os cacos?
Até que ponto sou a amiga que ouve, carinhosa, e até que ponto devo apontar os perigos? Até que ponto aceito e até que ponto devo advertir? (...) As amigas sempre vão fazer aquilo que desejam fazer, apesar de tudo. E, apesar de tudo, eu estarei ao lado delas. Não tenho nenhum interesse em mudar isso."

Pág. 179
- Sempre achei que uma pessoa que ficasse sentada o dia inteiro escutando os problemas dos outros fosse cautelosa.
Ela riu.(...) - Que nada. Eu aprendi o contrário. Aprendi que, mesmo que você faça tudo como deve ser feito, as coisas podem dar terrivelmente errado; portanto, é melhor fazer o que seu coração mandar.

E, ao final do livro, você fica com aquele sentimento: preciso fazer parte de um clube assim!
Marta 10/01/2016minha estante
Bela resenha, Dana!




25 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2