Minha Vida Fora dos Trilhos

Minha Vida Fora dos Trilhos Clare Vanderpool




Resenhas - Moon Over Manifest


23 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Pam 25/06/2017

Que lindo
Quando você olha para o número de pessoas que leram esse livro. Onze até agora. Pessoas corram e leiam, que história incrível. Cidade pequena, mistérios, herói de guerra. Tudo em um livro só. Eu terminei mas não queria terminar, já estou com saudade dos personagens incríveis, da escrita maravilhosa da autora, dos momentos em que sorri e os que deixei as lágrimas cair. Amei
Cláudia - @diariodeduasleitoras 26/06/2017minha estante
Estou lendo e amando..


Carol 11/07/2017minha estante
Pena que não tem e book




Pedro Octávio 29/06/2017

RESENHA: MINHA VIDA FORA DOS TRILHOS | BOM DIA LIVROS
Sempre quando gostamos do livro de determinado autor, é instinto de leitor querer conhecer suas demais obras. No entanto, o medo de que elas não sejam boas o suficiente é enorme. Mas e quando ele supera todos?

Minha Vida Fora dos Trilhos é o segundo livro da autora Clare Vanderpool a ser lançado no Brasil pela editora Darkside Books dentro do selo editorial DarkLove. Ao mesmo tempo que o livro aprisiona nosso corpo, liberta nossa alma para enfrentarmos ensinamentos e lições de vida.

Enquanto realizava um trabalho de verão em uma ferrovia, Gideon Tucker embarca sua filha Abilene Tucker de 12 anos no trem com destino à Manifest, Kansas. Sua tutela, ficaria sob responsabilidade do velho conhecido pastor Shady Howard. As esperanças de um verão produtivo são totalmente quebradas na mente de Abilene. Afinal, um período de tempo, um local desconhecido e pessoas desconhecidas não é uma situação fácil para ninguém.

No entanto, o que a garota não esperava era que Manifest quebraria toda sua expectativa, revelando coisas totalmente divergentes de suas concepções. Ao descobrir uma caixa de charutos repleta de itens significativos e cartas emocionantes, Abilene se vê em uma longa jornada a ser investigada. Partindo daí, a história começa a narrar acontecidos intercalados entre o presente e o futuro. Habitantes são consultados, histórias são montadas e nas mãos de Clare Vanderpool, as revelações não poderiam ser menos que fantásticas.

Minha Vida Fora dos trilhos é um livro muito parecido com Em Algum Lugar nas Estrelas. Ao intercalar uma história alternativa com a narrativa principal, somos apresentados a uma ampla visão de conhecimento e consequentemente, somos situados em épocas relativamente diferentes. No livro em questão, esse fator se faz mais evidenciado ainda pelo fator de se tratar de uma guerra.

Assim como em alguns outros livros da linha Darklove, o cenário secundário do livro se dá através de uma Grande Guerra Mundial - neste, a primeira delas. De tal modo, é possível perceber a posição dos personagens em relação ao que foi dito. O livro é acima de tudo, baseado em ensinamentos e acima de tudo, na exploração da busca de aceitar-se primeiramente.
LEIA NA ÍNTEGRA. VISITE:

site: http://bdlivros.blogspot.com.br/2017/06/resenha-minha-vida-fora-dos-trilhos-bom.html
comentários(0)comente



Lidiane.RSantos 27/06/2017

"Quem sonharia que alguém pode amar sem ser esmagado por esse peso?"
Albilene é uma menina esperta de 12 anos que vive de cidade em cidade com o seu pai. Acostumada a essa vida andarilha só entende que lar é onde estamos cercados de amor e de quem se ama quando seu pai a envia de trem a Manifest aos cuidados de um amigo que ela nunca ouviu falar.
Manifest é uma cidade que tem muitos esqueletos no armário. Segredos que Albilene toma conhecimento aos poucos quando conteúdos guardados dentro de uma lata de charuto se tornam partes dessa história. Movida por curiosidade e devido a monotonia de estar em um lugar totalmente sem vínculo, ela se vê totalmente animada e com esperança em ter momentos animados desvendando esse quebra cabeça juntamente com laços que vai fazendo aos poucos enquanto espera seu pai buscá-la.

"A esperança é um cobertor onde muitos se deixam envolver".

Terminei a leitura totalmente apaixonada por Manifest e seu habitantes, Clare escreve maravilhosamente, consigo achar esse livro ainda melhor que o primeiro: Em algum lugar nas estrelas. É um livro que você começa e não larga mais. Fala de esperança, de laços afetivos, de dor... E de como enfrentamos nossos traumas.
Não dá para apagar o que vivemos, nossas memórias fazem parte do que somos, independentemente se gostamos dele ou não. Não se pode esconder ou varrer para debaixo do tapete. Uma hora isso te fará tropeçar.
O livro é muito bem ambientado com o clima de uma cidade do interior, também traz como pano de fundo a primeira guerra mundial.
É um livro que encontramos um pouquinho de tudo e é um belíssimo representante darklove cheio de beleza, cheio da profundidade dos sentimentos e conflitos humanos.
Abra seu coração para Albilene Tucker e Manifest...
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Isa 22/09/2017

5 motivos para ler Minha Vida Fora dos Trilhos
Minha Vida Fora dos Trilhos, um dos livros mais recentes da linha DarkLove da DarkSide Books, foi o pontapé da autora Clare Vanderpool no mundo editorial. Nele nós conhecemos Abilene Tucker, uma menina de doze anos que é deixada por seu pai aos cuidados de um amigo de sua antiga cidade, Manifest. Ela não entende bem como foi a passagem de seu pai por aquela parte do Kansas e está determinada a descobrir durante a sua estadia de verão. O que ela não espera é que a história da cidade, a do seu pai, há 20 anos atrás, esconde muitos segredos. A história de Abilene Tucker não demora a te conquista.

- Se você curte um mistério, veio ao lugar certo

Abilene acaba bancando a detetive, explora caminhos e pistas deixadas por um menino, Jinx, que vivia na cidade da época. Com a ajuda de suas amigas Lettie e Ruthanne, a menina encontra figuras suspeitas, soturnas e quietas demais, lendas sobre uma criatura que habita os boques nos limites da cidade e corrupções que desafiam o governo e a moral. São quebra-cabeças um atrás do outro que deixam o leitor bem ocupado e intrigado.

- Apaixonado pelo clima dos filmes dos anos 80, com o protagonismo infantil cheio de aventuras?

O livro é dividido em duas partes: 1936, com Abilene e suas amigas, e 1918, com Jinx e suas mirabolâncias. Assim, nós somos inseridos numa atmosfera bem legal e semelhante aos clássicos dos anos 80. Sabe as crianças descendo as ruas de bicicleta? Aqui elas correm, sobem em árvores, acompanham os trilhos – era meio difícil colocar as mãos numa bicicleta na Depressão – e dão um toque de curiosidade e aventura que baseiam a história.

Você pode ler o resto no site :)

site: http://anatomiapop.com/5-motivos-para-ler-minha-vida-fora-dos-trilhos/
comentários(0)comente



Quequel 29/07/2017

Que história linda! Passado, presente e futuro e muito amor nesse livro. O seu lar onde é? ??
comentários(0)comente



Samira Oliveira 30/08/2017

Guerra e Imigração nos EUA. "Minha Vida Fora dos Trilhos" é comovente e histórico
Nunca um livro foi tão propício para a época que estamos vivendo quanto “Minha Vida Fora dos Trilhos”. Tratando de questões sérias como imigração, Primeira Guerra Mundial, xenofobia e exploração trabalhista, a obra só ganha essa dimensão depois que você termina a leitura e pesa todos os assuntos tratados. Apesar das questões pesadas a narração é tão leve, divertida e gostosa que o tempo passa e você está lá, em 1936 sem querer sair dos trilhos da cidade de Manifest.

“Minha Vida Fora dos Trilhos” é sobre uma garotinha chamada Abilene que desde sempre viveu junto ao pai Gideon Tucker vagando pelos Estados Unidos em busca de emprego; comida de caridade e eventualmente, um teto para dormir. A vida de Abilene era feliz perto do pai, mesmo com todas as adversidades – toda a sua narração baseada em lembranças são repletas de doçura e saudades. Lembranças, pois o livro começa com a chegada da menina sozinha à Manifest, uma cidade assentada sobre uma mineradora o qual explora os mineiros com altas horas de trabalho e pagamento em vales para trocar no armazém da companhia mineradora. É interessante perceber como a garota, que também é a narradora, enxerga ao mundo e a si própria – chegando a conclusão máxima de que ela não pertence a lugar algum, e sem Gideon para cuidar dela, não pertence nem mesmo a essa cidade. Seu pai a mandou para a Manifest pois foi a cidade em que ele supostamente cresceu e, pelo que foi prometido, ele voltará para buscá-la antes das férias de verão acabarem – fato que é desconversado por Shady e Hattie Mae.

Resenha completa no Dezoito em Ponto (clique no link abaixo ;)
Escrito por Samira Oliveira, crítica litrária e estudante de Letras da USP

site: http://dezoitoemponto.com/2017/08/07/minha-vida-fora-dos-trilhos-guerra-e-imigracao-nos-eua/
comentários(0)comente



Edna 23/07/2017

Nem tudo o que vemos é o que parece
O segundo livro de Clare Vanderpool, baseados em fatos e locais no sudoeste do kansas e que foram cenários vividos pelos familiares da autora.
.
Um mix extraordinário contado pela pequena Abilene, uma garota com 12 anos de idade que é enviada pelo pai à cidade de Manifest Cenário do Drama que o leitor viverá com essa leitura.
.
O pai que sofre com um trauma causado pelo tio mau e sem escrúpulos, que coloca na cabeça de Gideon que ele atrai para a morte das pessoas que o rodeiam, ao ver a filha sofrer um arranhão acredita que tem que afasta-lá para salva-la.
.
Ao chegar na casa de Shady um amigo que já acolhera o Pai dela no passado, ao tentar esconder o seu medalhão que fora presente do Pai ela encontra uma caixa com pertences e objetos curiosos e cartas que a fará querer descobrir coisas inimaginadas e nos carrega juntos por essa linda, dolorosa e intensa aventura, drama e mistério.
.
Você vai amar a cidade de Manifest, Shady com seu dom de acolher as pessoas, Ned o garoto que chegou em um Trem de Órfão e que o levará às lágrimas.
.
Vai se envolver e conhecer do que é capaz coração de uma mãe por amor ao filho.
.
Mas vai viver intensamente com o protagonista Jinx, e conhecer o coração enorme de um órfão mas que o fará rever seus conceitos, seus preceitos e suas bases.

5/5
comentários(0)comente



Patricia 22/07/2017

Esse livro é ambientado em uma cidadezinha fictícia chamada Manifest, Kansas, durante a Grande Depressão. Abilene Tucker, uma menina de 12 anos, foi mandada por seu pai para passar "um tempo" nessa cidade na casa de um conhecido enquanto ele trabalha na ferrovia. Os dias se arrastam, mas ela mantém a esperança de que ele vá buscá-la antes do verão acabar. Eles sempre estiveram juntos, não importava a dificuldade. Por que agora teria que ser diferente?

Mas os dias entediantes de Abilene acabam quando a menina encontra algo para se ocupar durante a espera por seu pai: ela acaba descobrindo uma caixa contendo uma série de cartas de um soldado da Primeira Guerra Mundial chamado Ned Gillen destinadas à seu amigo Jinx. Paralelamente a isso, duas pessoas passarão a fazer parte de sua rotina: Hattie Mae, a repórter da cidade, e a Srta Sadie, uma velha vidente. Abilene acabou perdendo um objeto perto da casa da vidente e, quando vai até lá recuperá-lo, a Srta Sadie começa contar histórias sobre os garotos das cartas que Abilene encontrou. Ela poderia muito bem não passar de uma charlatã, se não fosse o fato de que as histórias que ela conta condizem perfeitamente com os objetos que estavam na caixa junto com as cartas: uma isca de pesca, uma bonequinha, uma moeda específica... E, para dar suporte de que as histórias são verdadeiras, Abilene encontra nos velhos jornais de Hattie Mae as notícias da cidade durante o ano de 1918.

A autora misturou fatos reais para fundamentar sua história, como a grande leva de imigrantes que foram aos EUA em busca de um futuro melhor, os encontros de membros da Ku Klux Klan, a mineradora que tinha todos os habitantes da cidade na palma da mão, os chamados Trens dos Órfãos...

O outro livro da autora, Em algum lugar nas estrelas, não me agradou tanto porque tende mais para a fantasia, que é um gênero que eu não gosto tanto. Já esse, é totalmente ficção histórica, meu gênero literário favorito! Fiquei muito feliz de não ter julgado a autora por um livro só e ter dado essa chance, pois Minha Vida Fora dos Trilhos se tornou um dos meus queridinhos!!!
comentários(0)comente



Na Nossa Estante 08/08/2017

Minha Vida Fora dos Trilhos
Minha Vida Fora dos Trilhos é o segundo livro da autora Clare Vanderpool lançado pela DarkSide® Books, mesma autora do best-seller Em Algum Lugar nas Estrelas, o primeiro romance de estreia da escritora e foi com ele que iniciei minha experiência com a escrita da Clare. E posso dizer que amei!

O livro é narrado pela jovem Abilene Tucker que tem 12 anos e é mandada pelo Gideon (pai) para Manifest, Kansas, acreditando que será só mais uma cidade pela qual ela passará, já que a protagonista vive a vida indo de cidade em cidade com o pai. Porém, depois que ela se machuca, Gideon decide que os trilhos não é vida para uma menina, por isso ele a manda para Manifest, para passar um tempo com Shady Howard, que é o pastor da Primeira Igreja Batista da cidade.

Abilene tem o hábito de estudar sobre os costumes de cada cidade, assim quando chega em Manifest, ela acha que sabe muita coisa do lugar. No entanto, quando ela conhece Shady, a protagonista percebe que ele é um pastor incomum e logo depois a menina é apresentada a repórter da cidade, Hattie Mae Harper, por quem Abilene possui uma imensa admiração. Depois das apresentações, ela conhece a casa onde ela irá morar e percebe duas coisas estranhas: a igreja é um antigo bar e ela participará do último dia de aula, mesmo não estando mais na cidade depois do verão.

Abilene também descobre uma caixa de charutos Lucky Bill cheia de objetos e cartas do ano de 1918 de um soldado chamado Ned Gillen e um mapa de Manifest do espião Cascavel. Ao mostrar suas descobertas a novas amigas, Lettie e Ruthanne, as três resolvem usar o mapa e tentam descobrir quem de fato foi Cascavel.

Confesso que a princípio não achei que fosse gostar tanto de Minha Vida Fora dos Trilhos porque o enredo tem duas histórias dentro de uma. E a narração dele é feita pela a personagem Abilene, porém existe outros narradores, dentro da narração da protagonista, já que o enredo se passa no presente e no passado da cidade de Manifest. Costumo destetar livros assim, mas no decorrer das páginas fui me apaixonando pela história e os personagens. E também a Edição da DarkSide® Books ajudou em muito no meu processo de leitura, já que montaram o livro cheio de fontes diferente e com ilustrações que não nos deixa perdidos. Além disso, é possível perceber o cuidado da editora com a diagramação que deixa a edição lindíssima e a cara da história do livro.

Clare Vanderpool nos apresenta um universo histórico muito rico e uma narrativa bem fluída. A adolescente Abilene é só mais uma personagem num enredo onde tem um espião, um soldado, uma repórter, um pastor com problemas de bebida, um fugitivo e uma vidente. Com a ajuda de Abilene e suas amigas vamos descobrindo o que essa galera tem a ver com a caixa de charutos cheia de objetos.

Achei genial da parte da autora manter o mistério de quem era Cascavel até a última página do livro e por onde andava Gideon, já que Abilene não sabia onde estava o seu pai. Portanto, se você procura um livro cheio de aventuras e descobertas, super recomendo. Minha Vida Fora dos Trilhos me deixou em um incrível suspense até o final e me levou a ter fortes emoções.



site: http://www.oquetemnanossaestante.com.br/2017/07/minha-vida-fora-dos-trilhos-resenha.html
comentários(0)comente



Vai Lendo 29/09/2017

Uma viagem inesperada e surpreendentemente emocionante
Quem me conhece sabe que o meu gênero literário preferido é a Literatura Fantástica, então, naturalmente até eu fiquei surpresa quando realmente me interessei em ler "Minha vida Fora dos Trilhos", de Clare Vanderpool, publicado pela editora DarkSide Books.

Clare Vanderpool é uma escritora de livros para crianças — essa foi novidade para mim, não que o "Minha Vida Fora dos Trilhos" seja impróprio para crianças, mas confesso que isso nem passou pela minha cabeça —, americana e nativa do Kansas. É membro da Society of Children’s Book Writters and Illustrators — Sociedade dos Escritores e Ilustradores de Livros Infantis, tradução minha — e seu primeiro livro foi o "Moon over Manifest", que é justamente o "Minha Vida Fora dos Trilhos" — não entendi a tradução do título.

"Minha Vida Fora dos Trilhos" é uma ficção histórica, sem nem um pinguinho de fantasia, sci-fi ou terror — pelo menos, eu não vi, se deixei passar, por favor, alguém me diga. E isso me intrigou muito pelo livro ter sido publicado pela editora DarkSide Books, cuja proposta é publicar histórias que se encaixem na Literatura Fantástica — especificamente fantasia e terror. Então, eu realmente fiquei surpresa — talvez, tenha algo a ver com a outra obra de Vanderpool, também publicada pela DarkSide, Algum Lugar nas Estrelas.

Notem que eu disse surpresa e não decepcionada. Definitivamente, não fiquei decepcionada. Eu diria até que fiquei bem impressionada, porque eu realmente não curto ficções históricas propriamente ditas.

Mas dessa eu gostei. Principalmente, do final, que foi meticulosamente dosado com felicidade e tristeza — sim, eu chorei, como sempre, mas terminei sorrindo também.

Vai entender… Coisas de leitor.

Mas como posso falar do final da história se sequer falei dela ainda? Vamos a um rápido resumo, então.

A história possui dois focos históricos e narrativos. Um deles se passa em 1936 e é contado por Abilene Tucker, uma menina de 12 anos que, depois de viver com o pai, viajando de trem, no sul dos Estados Unidos, é mandada pelo pai para a pequena cidade de Manifest, no Kansas. E é em Manifest que Abilene vai mergulhar na história dessa pequena cidade, na época da Primeira Guerra Mundial, entre os anos 1917 e 1918.

É aí que entra o segundo foco narrativo, do qual não pretendo falar muito para não estragar a surpresa. Mas acho que é seguro dizer que essa história que nossa querida Abilene vai escutar, e nós vamos ler, é contada de maneira bem misteriosa.

Apesar de não ter nenhum dos elementos fantásticos aos quais estou acostumada — e os quais eu amo de paixão —, gostei bastante da trama do livro e, principalmente, da forma como ela foi se desenrolando. Como eu já disse mais acima, adorei o final.

E, cá entre nós, um bom final faz toda a diferença.

Além de ser interessante pela forma como foi apresentada e pelo conteúdo em si, a história também nos mostra fatos que realmente aconteceram, como a desconfiança sobre os estrangeiros que iam para os Estados Unidos em busca de uma vida melhor, as grandes dificuldades pelas quais eles passavam, a importância de se ter uma origem e um nome de família naquela época — até hoje, ainda é um pouco assim — e, acima de tudo, o imenso drama que foi a Guerra na vida dessas pessoas.

Para quem ler esse livro, eu realmente sugiro que leia também a nota da autora, onde ela explica de onde tirou vários elementos e personagens. Eu li depois de ter terminado o livro — até mesmo porque a nota fica no final do livro —, mas acho que seria muito bom ler antes, talvez, porque já daria uma esclarecida em algumas coisas.

O que me incomodou um pouco foi a forma como a narrativa foi feita. Visto que parte da história é narrada por uma criança de 12 anos, acho que determinados trechos ficaram fora desse contexto etário da Abilene — a menina diz que não sabe o que significa “casa de vidência” e nem “antro de iniquidade”, mas sabe usar a palavra conglomerado de maneira irônica.

A despeito disso, a história é bem interessante. Mas, se você pegar esse livro esperando ter alguma ação, esquece. Não é esse o objetivo.

Quanto ao trabalho da editora, está bom, principalmente no que se refere ao material visualmente falando — esse é um dos pontos fortes da DarkSide, fazer livros bonitos. A capa, principalmente — mais de uma vez, fui surpreendida no ônibus, enquanto lia, por olhares curiosos de leitores fazendo contorcionismo na tentativa de ver a capa —, que foi muito elogiada. Não apenas a parte externa, mas a interna também está muito bem trabalhada. A única coisa que me incomodou foi a tradução do título — que, convenhamos, não tem nada a ver com título original, mas isso já ingressa em uma discussão muito complicada para ser debatida aqui —, mas eu não sei se isso foi de fato obra da editora.

"Minha Vida Fora dos Trilhos" definitivamente fugiu da minha zona de conforto, mas eu não posso dizer que foi uma aventura ruim — eu até chorei, olha só. Certamente serviu para aumentar a minha simpatia com ficções históricas.

site: http://www.vailendo.com.br/2017/09/20/minha-vida-fora-dos-trilhos-de-clare-vanderpool-resenha/
comentários(0)comente



Jordana Martins(Jô) 12/07/2017

Minha Vida Fora dos Trilhos | Uma viagem de lembranças.
Lançado no mês de maio Minha Vida Fora dos Trilhos, este é o segundo livro da autora Clare Vanderpool lançado pela Darkside Books® na linha Darklove. O primeiro para quem não leu ou lembra foi o belíssimo Em Algum Lugar nas Estrelas, do qual também resenhamos aqui. Este exemplar na verdade foi o primeiro romance da autora, mas veio a ser publicado aqui no Brasil depois de Em Algum Lugar nas Estrelas pela editora.
A história se passa na pequena cidade de Manifest, Kansas. A protagonista é a jovem Abilene Tucker de apenas 12 anos. Ela foi parar nesta cidade graças ao seu pai Gideon, que por vivia com a filha pulando de trem em trem, mas com o crescimento da filha ele achou melhor deixá-la em um lugar fixo, enquanto ele partia com a promessa de que no verão retornaria para ela.

“Porém, acima de tudo, em sentia o gosto da tristeza na voz dele quando me disse que eu não poderia passar o verão com ele...”.

Abilene fica hospedada na casa de um pastor Howard, mais conhecido por Shady. O pai de Abilene tem uma grande ligação com a cidade e principalmente com as pessoas de Manifest, mas aparentemente ninguém fala sobre isso, nem mesmo Gideon. Isso causa muita curiosidade em Abilene, pois ela pouco sabe sobre o passado do pai.

“Alguma coisa ficou me atormentando a noite inteira. Era Gideon. Onde ele se encaixava em tudo isso? Que ligação tinha com essa cidade? Com essas pessoas? Manifest foi o lugar que ele escolheu para me mandar, mas não parecia que ele mesmo tinha estado aqui.”

Abilene encontra escondido em baixo de uma tábua uma velha caixa de charutos e dentro dela está repleta de recortes de cartas e cartões postais escritos durante a Primeira Guerra Mundial. Dois jovens de Manifest se correspondiam. O jovem soldado Ned Gillen e o mais jovem Jinx. Abilene fica cada vez mais confusa até começar a frequentar o “Caminho da Perdição”. Calma, esse é o nome que está escrito no portão da casa de vidência da Srta. Sadie.

“Muito bem. O que quer? Sua sorte? Seu futuro?”
“Estou procurando o meu pai.”

E é assim que Abilene começa, a saber, sobre o passado de Manifest, através das lembranças guardadas dentro da velha caixa de charutos. O que houve com a cidade que tinha no letreiro “MANIFEST: UMA CIDADE COM UM PASSADO”. Ela irá muito mais longe do que imaginava.

“Talvez o mundo não fosse feito de universais que podiam ser arrumados em pacotinhos perfeitos. Talvez só tivesse pessoas. Pessoas que estavam cansadas, magoadas e sozinhas, da sua própria maneira e no seu próprio tempo.”

Entre o presente e o passado Clare Vanderpool, vai costurando os acontecimentos que tornaram Manifest a cidade que é hoje. São um retorno às origens, as raízes de um tempo que não pode ser recuperado. A história se passa entre 1936 e 1917. Durante as diversas seções com a srta. Sadie nos leva ao passado dourado de Manifest até a chegada da Primeira Guerra Mundial e a gripe Espanhola. Além das “visões” temos os recortes do jornal da cidade o Manifest Harold com o Suplemento de Noticias da Hattie Mae.

“Essa cidade imprimiu algo no seu pai, provavelmente mais do ele saberia dizer. E, às vezes, as marcas mais profundas são as que mais doem.”

Abilene embarca numa viagem ao passado para poder encontrar o seu pai e acaba encontrando muito mais do que procura. Manifest foi uma cidade criada basicamente por estrangeiros de diversas nacionalidades então cada personagem tem um passado interessante e por outras vezes difíceis. As desigualdades da época de 1917 são gritantes.
Assim como a protagonista se identifica com os personagens daquela cidade, nós os leitores também nos envolvemos com cada momento lembrado e com cada pessoa que é citada durante a narrativa. Passamos por momentos históricos importantes da época e de todas as dificuldades passadas por cada membro daquele lugar. Os amores, as aventuras clandestinas. Até nos depararmos com a dor, que virou saudade e que não volta mais. E ainda sim nos trás orgulho de ter pertencido há algo.

“Por intermédio daqueles objetos que eu encontrei embaixo de uma tábua do assoalho, a isca Wiggle King, o dólar de prata Cabeça da Liberdade, a rolha de Shady e a bonequinha de encaixe, eu estava conectada àquele lugar e àquelas pessoas... agora eram familiares a mim.”

É justamente isso que Abilene busca. Ver que ela e seu pai pertencem há algum lugar, que possuem raízes e não que são forasteiros que não criam vínculos com ninguém. Ela quer possuir um passado, uma história para reviver e contar, um lugar para chamar de seu que possa voltar e pessoas que possa amar. E Minha Vida Fora dos Trilhos é isso, é uma história de passado, de raízes, de tristeza e felicidade.

“Qual era o meu lugar? Onde era a minha casa?”

Assim como o primeiro livro que li de Clare Vanderpool, este também é tocante. Clare escreve sobre encontros e reencontros. Assim como Early queria encontrar o seu irmão, Jack queria se reencontrar com o pai (Em Algum Lugar nas Estrelas). Nesta outra narrativa é um reencontro com o passado. O encontro das raízes, de ligação e amor entre pessoas. Família, essa é a palavra, Clare fala sobre família, casa, um lar. Ela nos mostra dois tipos de família. A que nascemos e a que escolhemos.
Assim é Manifest, uma cidade criada e desenvolvida por imigrantes de diversas nacionalidades e que ainda sim se tornaram uma família, mesmo com todas as dificuldades que tiveram. Os personagens são carismáticos, principalmente os do passado. Você fica ansioso por cada ida de Abilene no “Caminho da Perdição”, quais fatos seriam descobertos e que fim teve cada personagem daquela antiga Manifest.

“[...] o que a mulher húngara disse os fez reconhecer de repente algo especial uns nos outros. Eles tinham o mesmo sangue. Sangue de imigrante.”





site: http://nerdpride.com.br/minha-vida-fora-dos-trilhos/ ‎
comentários(0)comente



Maria Clara | @pixelbooks 24/09/2017

Impossível não se apaixonar
Resenha disponível no Instagram @Pixelbooks

O livro fala sobre a Abilene, uma menina que é mandada pelo pai para passar o verão na cidade de Manifest enquanto ele trabalha na construção de uma trilha de ferro. Cercada de dúvidas e medos, Abilene acaba encontrando uma caixa de charutos cheia de cartas antigas e objetos aleatórios e é aí que começa um verão incrível é que vai trazer muitas recordações. A leitura do livro foi fantástica, os personagens construídos pela Clare são tão reais que é impossível não se apegar é viver com eles cada segundo da trama e se emocionar junto. Um livro que me marcou muito e que virou favorito logo de cara. Pra quem amou Em Algum Lugar nas Estrelas, Minha Vida Fora dos Trilhos consegue ser ainda mais incrível que ele, uma leitura para todos os fãs de livros que deixam você com o coração quentinho e cheio de amor.
comentários(0)comente



Veronica @gatonolivro 17/09/2017

Abilene tem 12 anos, é mandada para a cidade de Manifest, Kansas no começo do verão pelo seu pai alegando ter arrumado um emprego na ferrovia que não é lugar para ela. Seu pai viveu na cidade quando era jovem e sempre contou histórias sobre o lugar. Ela fica na casa de Shady, mesmo lugar que seu pai ficou, enquanto tenta achar algo sobre seu pai acaba encontrando uma história cheio de mistérios e amigos.

Abilene quer encontrar algo do pai que ela percebe não conhecer muito, ela também começa a ficar com medo de que seu pai nunca volte para busca-la, ela acaba encontrando e se conectando com os habitantes da pequena cidade, que guardam vários segredos. O livro se passa em 1936 e 1918, épocas da grande depressão e primeira guerra. A parte de 1918 usa de historias contadas para a protagonista, jornais e cartas que ela encontra.

Não dei cinco para o livro porque senti que não me conectei muito com os personagens e gostaria de ter conhecido mais sobre Abilene, mas ainda assim é um livro lindo e o final excelente, cheio de surpresas que eu não esperava.

Esse é o trabalho de estreia da autora, o livro ganhou o prêmio para livros infantis Newbery, até agora nenhum ganhador desse prêmio me decepcionou, mas eu gostei mais de seu outro livro Em Algum Lugar nas Estrelas também lançado pela Darkside.

site: https://gatonolivro.blogspot.com.br/2017/09/minha-vida-fora-dos-trilhos-clare.html
comentários(0)comente



Camila Justi 18/10/2017

Narrado por criança!
Abilene é uma garotinha simples de 12 anos simpática e educada. Seu pai Gideon, está trabalhando em uma ferrovia no sudeste do Kansas, e por não ser um lugar adequado para uma menina da sua idade segundo ele, apesar de ter sido pela vida toda, manda ela para a cidade de Manifest onde ele viveu por um tempo na sua infância e promete buscá-la no fim do verão.
.
E assim Abi parte de trem para esse novo lugar, levando apenas alguns pertences, dentre eles a bússola do seu pai e um jornal velho da época de 1917. Chegando lá ela é muito bem recebida pelo pastor Shady Howard e também pela jornalista Hattie Mae, a qual era, e continua sendo jornalista no mesmo jornal Manifest Herald.
.
A noite, em seu quarto, quando está procurando um lugar para esconder os seus pertences, acaba encontrando uma caixa de charutos Lucky Bill com várias cartas, um mapa e outros objetos dentro dela. A curiosidade em saber a quem pertenceu e que mistérios escondem esses objetos, levam Abi a uma aventura em busca da descoberta do passado e a revelações do futuro.
.
💭A escrita dessa autora nos faz desejar ler tudo que ela escreve. Leve, fluída e cativante. Entramos de cabeça na história e sentimos tudo o que Abilene sente. Cheio de dramas familiares, perdas e amizades verdadeiras, nos faz pensar e refletir um pouco sobre a nossa própria vida e em como somos abençoados e nem percebemos. .
comentários(0)comente



23 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2