Minha Vida Fora dos Trilhos

Minha Vida Fora dos Trilhos Clare Vanderpool




Resenhas - Moon Over Manifest


12 encontrados | exibindo 1 a 12


Pam 25/06/2017

Que lindo <3
Quando você olha para o número de pessoas que leu esse livro. Onze até agora. Pessoas corram e leiam, que história incrível. Cidade pequena, mistérios, herói de guerra. Tudo em um livro só. Eu terminei mas não queria terminar, já estou com saudade dos personagens incríveis, da escrita maravilhosa da autora, dos momentos em que sorri e os que deixei as lágrimas cair. Amei
Claudinha 26/06/2017minha estante
Estou lendo e amando..


Carol 11/07/2017minha estante
Pena que não tem e book




Pedro Octávio 29/06/2017

RESENHA: MINHA VIDA FORA DOS TRILHOS | BOM DIA LIVROS
Sempre quando gostamos do livro de determinado autor, é instinto de leitor querer conhecer suas demais obras. No entanto, o medo de que elas não sejam boas o suficiente é enorme. Mas e quando ele supera todos?

Minha Vida Fora dos Trilhos é o segundo livro da autora Clare Vanderpool a ser lançado no Brasil pela editora Darkside Books dentro do selo editorial DarkLove. Ao mesmo tempo que o livro aprisiona nosso corpo, liberta nossa alma para enfrentarmos ensinamentos e lições de vida.

Enquanto realizava um trabalho de verão em uma ferrovia, Gideon Tucker embarca sua filha Abilene Tucker de 12 anos no trem com destino à Manifest, Kansas. Sua tutela, ficaria sob responsabilidade do velho conhecido pastor Shady Howard. As esperanças de um verão produtivo são totalmente quebradas na mente de Abilene. Afinal, um período de tempo, um local desconhecido e pessoas desconhecidas não é uma situação fácil para ninguém.

No entanto, o que a garota não esperava era que Manifest quebraria toda sua expectativa, revelando coisas totalmente divergentes de suas concepções. Ao descobrir uma caixa de charutos repleta de itens significativos e cartas emocionantes, Abilene se vê em uma longa jornada a ser investigada. Partindo daí, a história começa a narrar acontecidos intercalados entre o presente e o futuro. Habitantes são consultados, histórias são montadas e nas mãos de Clare Vanderpool, as revelações não poderiam ser menos que fantásticas.

Minha Vida Fora dos trilhos é um livro muito parecido com Em Algum Lugar nas Estrelas. Ao intercalar uma história alternativa com a narrativa principal, somos apresentados a uma ampla visão de conhecimento e consequentemente, somos situados em épocas relativamente diferentes. No livro em questão, esse fator se faz mais evidenciado ainda pelo fator de se tratar de uma guerra.

Assim como em alguns outros livros da linha Darklove, o cenário secundário do livro se dá através de uma Grande Guerra Mundial - neste, a primeira delas. De tal modo, é possível perceber a posição dos personagens em relação ao que foi dito. O livro é acima de tudo, baseado em ensinamentos e acima de tudo, na exploração da busca de aceitar-se primeiramente.
LEIA NA ÍNTEGRA. VISITE:

site: http://bdlivros.blogspot.com.br/2017/06/resenha-minha-vida-fora-dos-trilhos-bom.html
comentários(0)comente



Lidiane.RSantos 27/06/2017

"Quem sonharia que alguém pode amar sem ser esmagado por esse peso?"
Albilene é uma menina esperta de 12 anos que vive de cidade em cidade com o seu pai. Acostumada a essa vida andarilha só entende que lar é onde estamos cercados de amor e de quem se ama quando seu pai a envia de trem a Manifest aos cuidados de um amigo que ela nunca ouviu falar.
Manifest é uma cidade que tem muitos esqueletos no armário. Segredos que Albilene toma conhecimento aos poucos quando conteúdos guardados dentro de uma lata de charuto se tornam partes dessa história. Movida por curiosidade e devido a monotonia de estar em um lugar totalmente sem vínculo, ela se vê totalmente animada e com esperança em ter momentos animados desvendando esse quebra cabeça juntamente com laços que vai fazendo aos poucos enquanto espera seu pai buscá-la.

"A esperança é um cobertor onde muitos se deixam envolver".

Terminei a leitura totalmente apaixonada por Manifest e seu habitantes, Clare escreve maravilhosamente, consigo achar esse livro ainda melhor que o primeiro: Em algum lugar nas estrelas. É um livro que você começa e não larga mais. Fala de esperança, de laços afetivos, de dor... E de como enfrentamos nossos traumas.
Não dá para apagar o que vivemos, nossas memórias fazem parte do que somos, independentemente se gostamos dele ou não. Não se pode esconder ou varrer para debaixo do tapete. Uma hora isso te fará tropeçar.
O livro é muito bem ambientado com o clima de uma cidade do interior, também traz como pano de fundo a primeira guerra mundial.
É um livro que encontramos um pouquinho de tudo e é um belíssimo representante darklove cheio de beleza, cheio da profundidade dos sentimentos e conflitos humanos.
Abra seu coração para Albilene Tucker e Manifest...
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Quequel 29/07/2017

Que história linda! Passado, presente e futuro e muito amor nesse livro. O seu lar onde é? ??
comentários(0)comente



Edna 23/07/2017

Nem tudo o que vemos é o que parece
O segundo livro de Clare Vanderpool, baseados em fatos e locais no sudoeste do kansas e que foram cenários vividos pelos familiares da autora.
.
Um mix extraordinário contado pela pequena Abilene, uma garota com 12 anos de idade que é enviada pelo pai à cidade de Manifest Cenário do Drama que o leitor viverá com essa leitura.
.
O pai que sofre com um trauma causado pelo tio mau e sem escrúpulos, que coloca na cabeça de Gideon que ele atrai para a morte das pessoas que o rodeiam, ao ver a filha sofrer um arranhão acredita que tem que afasta-lá para salva-la.
.
Ao chegar na casa de Shady um amigo que já acolhera o Pai dela no passado, ao tentar esconder o seu medalhão que fora presente do Pai ela encontra uma caixa com pertences e objetos curiosos e cartas que a fará querer descobrir coisas inimaginadas e nos carrega juntos por essa linda, dolorosa e intensa aventura, drama e mistério.
.
Você vai amar a cidade de Manifest, Shady com seu dom de acolher as pessoas, Ned o garoto que chegou em um Trem de Órfão e que o levará às lágrimas.
.
Vai se envolver e conhecer do que é capaz coração de uma mãe por amor ao filho.
.
Mas vai viver intensamente com o protagonista Jinx, e conhecer o coração enorme de um órfão mas que o fará rever seus conceitos, seus preceitos e suas bases.

5/5
comentários(0)comente



Patricia 22/07/2017

Esse livro é ambientado em uma cidadezinha fictícia chamada Manifest, Kansas, durante a Grande Depressão. Abilene Tucker, uma menina de 12 anos, foi mandada por seu pai para passar "um tempo" nessa cidade na casa de um conhecido enquanto ele trabalha na ferrovia. Os dias se arrastam, mas ela mantém a esperança de que ele vá buscá-la antes do verão acabar. Eles sempre estiveram juntos, não importava a dificuldade. Por que agora teria que ser diferente?

Mas os dias entediantes de Abilene acabam quando a menina encontra algo para se ocupar durante a espera por seu pai: ela acaba descobrindo uma caixa contendo uma série de cartas de um soldado da Primeira Guerra Mundial chamado Ned Gillen destinadas à seu amigo Jinx. Paralelamente a isso, duas pessoas passarão a fazer parte de sua rotina: Hattie Mae, a repórter da cidade, e a Srta Sadie, uma velha vidente. Abilene acabou perdendo um objeto perto da casa da vidente e, quando vai até lá recuperá-lo, a Srta Sadie começa contar histórias sobre os garotos das cartas que Abilene encontrou. Ela poderia muito bem não passar de uma charlatã, se não fosse o fato de que as histórias que ela conta condizem perfeitamente com os objetos que estavam na caixa junto com as cartas: uma isca de pesca, uma bonequinha, uma moeda específica... E, para dar suporte de que as histórias são verdadeiras, Abilene encontra nos velhos jornais de Hattie Mae as notícias da cidade durante o ano de 1918.

A autora misturou fatos reais para fundamentar sua história, como a grande leva de imigrantes que foram aos EUA em busca de um futuro melhor, os encontros de membros da Ku Klux Klan, a mineradora que tinha todos os habitantes da cidade na palma da mão, os chamados Trens dos Órfãos...

O outro livro da autora, Em algum lugar nas estrelas, não me agradou tanto porque tende mais para a fantasia, que é um gênero que eu não gosto tanto. Já esse, é totalmente ficção histórica, meu gênero literário favorito! Fiquei muito feliz de não ter julgado a autora por um livro só e ter dado essa chance, pois Minha Vida Fora dos Trilhos se tornou um dos meus queridinhos!!!
comentários(0)comente



Na Nossa Estante 08/08/2017

Minha Vida Fora dos Trilhos
Minha Vida Fora dos Trilhos é o segundo livro da autora Clare Vanderpool lançado pela DarkSide® Books, mesma autora do best-seller Em Algum Lugar nas Estrelas, o primeiro romance de estreia da escritora e foi com ele que iniciei minha experiência com a escrita da Clare. E posso dizer que amei!

O livro é narrado pela jovem Abilene Tucker que tem 12 anos e é mandada pelo Gideon (pai) para Manifest, Kansas, acreditando que será só mais uma cidade pela qual ela passará, já que a protagonista vive a vida indo de cidade em cidade com o pai. Porém, depois que ela se machuca, Gideon decide que os trilhos não é vida para uma menina, por isso ele a manda para Manifest, para passar um tempo com Shady Howard, que é o pastor da Primeira Igreja Batista da cidade.

Abilene tem o hábito de estudar sobre os costumes de cada cidade, assim quando chega em Manifest, ela acha que sabe muita coisa do lugar. No entanto, quando ela conhece Shady, a protagonista percebe que ele é um pastor incomum e logo depois a menina é apresentada a repórter da cidade, Hattie Mae Harper, por quem Abilene possui uma imensa admiração. Depois das apresentações, ela conhece a casa onde ela irá morar e percebe duas coisas estranhas: a igreja é um antigo bar e ela participará do último dia de aula, mesmo não estando mais na cidade depois do verão.

Abilene também descobre uma caixa de charutos Lucky Bill cheia de objetos e cartas do ano de 1918 de um soldado chamado Ned Gillen e um mapa de Manifest do espião Cascavel. Ao mostrar suas descobertas a novas amigas, Lettie e Ruthanne, as três resolvem usar o mapa e tentam descobrir quem de fato foi Cascavel.

Confesso que a princípio não achei que fosse gostar tanto de Minha Vida Fora dos Trilhos porque o enredo tem duas histórias dentro de uma. E a narração dele é feita pela a personagem Abilene, porém existe outros narradores, dentro da narração da protagonista, já que o enredo se passa no presente e no passado da cidade de Manifest. Costumo destetar livros assim, mas no decorrer das páginas fui me apaixonando pela história e os personagens. E também a Edição da DarkSide® Books ajudou em muito no meu processo de leitura, já que montaram o livro cheio de fontes diferente e com ilustrações que não nos deixa perdidos. Além disso, é possível perceber o cuidado da editora com a diagramação que deixa a edição lindíssima e a cara da história do livro.

Clare Vanderpool nos apresenta um universo histórico muito rico e uma narrativa bem fluída. A adolescente Abilene é só mais uma personagem num enredo onde tem um espião, um soldado, uma repórter, um pastor com problemas de bebida, um fugitivo e uma vidente. Com a ajuda de Abilene e suas amigas vamos descobrindo o que essa galera tem a ver com a caixa de charutos cheia de objetos.

Achei genial da parte da autora manter o mistério de quem era Cascavel até a última página do livro e por onde andava Gideon, já que Abilene não sabia onde estava o seu pai. Portanto, se você procura um livro cheio de aventuras e descobertas, super recomendo. Minha Vida Fora dos Trilhos me deixou em um incrível suspense até o final e me levou a ter fortes emoções.



site: http://www.oquetemnanossaestante.com.br/2017/07/minha-vida-fora-dos-trilhos-resenha.html
comentários(0)comente



Jordana Martins(Jô) 12/07/2017

Minha Vida Fora dos Trilhos | Uma viagem de lembranças.
Lançado no mês de maio Minha Vida Fora dos Trilhos, este é o segundo livro da autora Clare Vanderpool lançado pela Darkside Books® na linha Darklove. O primeiro para quem não leu ou lembra foi o belíssimo Em Algum Lugar nas Estrelas, do qual também resenhamos aqui. Este exemplar na verdade foi o primeiro romance da autora, mas veio a ser publicado aqui no Brasil depois de Em Algum Lugar nas Estrelas pela editora.
A história se passa na pequena cidade de Manifest, Kansas. A protagonista é a jovem Abilene Tucker de apenas 12 anos. Ela foi parar nesta cidade graças ao seu pai Gideon, que por vivia com a filha pulando de trem em trem, mas com o crescimento da filha ele achou melhor deixá-la em um lugar fixo, enquanto ele partia com a promessa de que no verão retornaria para ela.

“Porém, acima de tudo, em sentia o gosto da tristeza na voz dele quando me disse que eu não poderia passar o verão com ele...”.

Abilene fica hospedada na casa de um pastor Howard, mais conhecido por Shady. O pai de Abilene tem uma grande ligação com a cidade e principalmente com as pessoas de Manifest, mas aparentemente ninguém fala sobre isso, nem mesmo Gideon. Isso causa muita curiosidade em Abilene, pois ela pouco sabe sobre o passado do pai.

“Alguma coisa ficou me atormentando a noite inteira. Era Gideon. Onde ele se encaixava em tudo isso? Que ligação tinha com essa cidade? Com essas pessoas? Manifest foi o lugar que ele escolheu para me mandar, mas não parecia que ele mesmo tinha estado aqui.”

Abilene encontra escondido em baixo de uma tábua uma velha caixa de charutos e dentro dela está repleta de recortes de cartas e cartões postais escritos durante a Primeira Guerra Mundial. Dois jovens de Manifest se correspondiam. O jovem soldado Ned Gillen e o mais jovem Jinx. Abilene fica cada vez mais confusa até começar a frequentar o “Caminho da Perdição”. Calma, esse é o nome que está escrito no portão da casa de vidência da Srta. Sadie.

“Muito bem. O que quer? Sua sorte? Seu futuro?”
“Estou procurando o meu pai.”

E é assim que Abilene começa, a saber, sobre o passado de Manifest, através das lembranças guardadas dentro da velha caixa de charutos. O que houve com a cidade que tinha no letreiro “MANIFEST: UMA CIDADE COM UM PASSADO”. Ela irá muito mais longe do que imaginava.

“Talvez o mundo não fosse feito de universais que podiam ser arrumados em pacotinhos perfeitos. Talvez só tivesse pessoas. Pessoas que estavam cansadas, magoadas e sozinhas, da sua própria maneira e no seu próprio tempo.”

Entre o presente e o passado Clare Vanderpool, vai costurando os acontecimentos que tornaram Manifest a cidade que é hoje. São um retorno às origens, as raízes de um tempo que não pode ser recuperado. A história se passa entre 1936 e 1917. Durante as diversas seções com a srta. Sadie nos leva ao passado dourado de Manifest até a chegada da Primeira Guerra Mundial e a gripe Espanhola. Além das “visões” temos os recortes do jornal da cidade o Manifest Harold com o Suplemento de Noticias da Hattie Mae.

“Essa cidade imprimiu algo no seu pai, provavelmente mais do ele saberia dizer. E, às vezes, as marcas mais profundas são as que mais doem.”

Abilene embarca numa viagem ao passado para poder encontrar o seu pai e acaba encontrando muito mais do que procura. Manifest foi uma cidade criada basicamente por estrangeiros de diversas nacionalidades então cada personagem tem um passado interessante e por outras vezes difíceis. As desigualdades da época de 1917 são gritantes.
Assim como a protagonista se identifica com os personagens daquela cidade, nós os leitores também nos envolvemos com cada momento lembrado e com cada pessoa que é citada durante a narrativa. Passamos por momentos históricos importantes da época e de todas as dificuldades passadas por cada membro daquele lugar. Os amores, as aventuras clandestinas. Até nos depararmos com a dor, que virou saudade e que não volta mais. E ainda sim nos trás orgulho de ter pertencido há algo.

“Por intermédio daqueles objetos que eu encontrei embaixo de uma tábua do assoalho, a isca Wiggle King, o dólar de prata Cabeça da Liberdade, a rolha de Shady e a bonequinha de encaixe, eu estava conectada àquele lugar e àquelas pessoas... agora eram familiares a mim.”

É justamente isso que Abilene busca. Ver que ela e seu pai pertencem há algum lugar, que possuem raízes e não que são forasteiros que não criam vínculos com ninguém. Ela quer possuir um passado, uma história para reviver e contar, um lugar para chamar de seu que possa voltar e pessoas que possa amar. E Minha Vida Fora dos Trilhos é isso, é uma história de passado, de raízes, de tristeza e felicidade.

“Qual era o meu lugar? Onde era a minha casa?”

Assim como o primeiro livro que li de Clare Vanderpool, este também é tocante. Clare escreve sobre encontros e reencontros. Assim como Early queria encontrar o seu irmão, Jack queria se reencontrar com o pai (Em Algum Lugar nas Estrelas). Nesta outra narrativa é um reencontro com o passado. O encontro das raízes, de ligação e amor entre pessoas. Família, essa é a palavra, Clare fala sobre família, casa, um lar. Ela nos mostra dois tipos de família. A que nascemos e a que escolhemos.
Assim é Manifest, uma cidade criada e desenvolvida por imigrantes de diversas nacionalidades e que ainda sim se tornaram uma família, mesmo com todas as dificuldades que tiveram. Os personagens são carismáticos, principalmente os do passado. Você fica ansioso por cada ida de Abilene no “Caminho da Perdição”, quais fatos seriam descobertos e que fim teve cada personagem daquela antiga Manifest.

“[...] o que a mulher húngara disse os fez reconhecer de repente algo especial uns nos outros. Eles tinham o mesmo sangue. Sangue de imigrante.”





site: http://nerdpride.com.br/minha-vida-fora-dos-trilhos/ ‎
comentários(0)comente



pereira_renata 01/07/2017

Só um recado antes de postar a resenha
GENTE, LEIAM ESSE LIVRO!!!!!
Assim mesmo, com letra maiúscula kkkkkkk......Ainda vou fazer resenha no blog e postar a bichinha por aqui....mas de antemão eu já falo: muito bom! Bem ao estilo de Em algum lugar das estrelas, que li e amei - meu primeiro contato com a autora!
Uma história dentro da história e pra variar eu chorei, né?? sou dessas
Muito tudo, muito lindo, muito delicado, muito sensível...O que dizer de Abilene e todos que a cercam??


site: www.umaleituraamais.com
comentários(0)comente



Fernanda.Mesquita 06/08/2017

Apenas leiam..
Não consigo falar dele, mas achei incrível a maneira de escrita da Clare nesse livro.. Ele foi muito bem construído e escrito. Uma história simples porem com detalhes interessantes e surpreendentes. Super recomendo ?
comentários(0)comente



Jéssica - @cjessferreira 26/07/2017

"Qual era o meu lugar? Onde era a minha casa?"
A história de Abilene, uma garotinha de 12 anos, se passa na pequena cidade de Manifest no Kansas. Antes disso, ela vivia com o pai, Gideon, de trem em trem, de vagão em vagão. Mas Gideon não queria essa vida para Abilene. Então ele a mandou para Manifest, aos cuidados de um amigo e pastor, Shady, e prometeu à filha que voltaria no fim do verão.

Chegando lá, Abi é bem recebida, mas dentro dela há o sentimento de abandono e saudade. Com o passar dos dias, ela se questiona o real motivo de ter ido parar ali e descobre que Manifest é uma cidade muito importante para seu pai e que existem segredos ali que ninguém se atreve a compartilhar.

Movida por curiosidade, ela encontra uma caixa de charutos escondida e se surpreende com o conteúdo: cartas, recortes e postais escritos na época da Primeira Guerra. Dois rapazes: Ned e Jinx. O que eles têm em comum com a história de Abilene?

"Por intermédio daqueles objetos que encontrei (...) eu estava conectada àquele lugar e àquelas pessoas."

Eu poderia escrever mais sobre essa história, com muito mais detalhes, e ainda assim não seria spoiler. Nada que eu fale ou escreva aqui chega perto da profundidade de Minha Vida Fora dos Trilhos. Clare Vanderpool escreveu uma história dentro de outra história e as uniu, no final, com muita sensibilidade e fragilidade. Assim como nós somos. Assim como nossas histórias reais costumam ser.

Eu me vi na Abilene várias vezes. Eu também já tive uma caixinha (de sapato) secreta. Então eu senti na pele a importância de cada item, e a história que cada objeto carregava.

Minha Vida Fora dos Trilhos é lindo! Apesar de narrar duas histórias aparentemente diferentes - o que aguçou minha curiosidade e ao mesmo tempo me confundiu um pouco - Clare Vanderpool, mais uma vez, encanta e não decepciona.

Todo mundo quer pertencer a algum lugar. Mas nem sempre é fácil carregar nas costas aquilo que vivemos. Todavia, não se pode varrer todas as memórias para debaixo do tapete. Lidar com elas, apesar de difícil, talvez seja o melhor caminho para se encontrar.

site: www.instagram.com/cjessferreira
comentários(0)comente



12 encontrados | exibindo 1 a 12