Boa Ventura!

Boa Ventura! Lucas Figueiredo




Resenhas - Boa Ventura!


14 encontrados | exibindo 1 a 14


Tarcísio 12/05/2011

Lembro-me de uma brincadeira da época do colégio em que falávamos que a caravela de Cabral deveria ter afundado no meio do Atlântico para que os britânicos tivessem descoberto o Brasil; pelo menos não precisaríamos ter aulas de Inglês. Ou pelo menos a Espanha; não seríamos os únicos a falar a língua de Camões em nosso continente.

Mas não teve jeito. Foram mesmo os portugueses que descobriram o Brasil. E depois de ler este livro, posso dizer com toda a certeza: infelizmente foram eles.

Nada contra, obviamente, nossos queridos irmãos lusitanos. Nada contra principalmente os portugueses de hoje em dia, que porventura podem ler o que estou escrevendo aqui e se sentirem ofendidos. Definitivamente não é o meu objetivo. Mas uma verdade não pode ser negada: Portugal conseguiu desperdiçar uma das maiores riquezas da história da humanidade, jogando no lixo um futuro promissor tanto para sua própria pátria quanto para o nosso querido Brasil baronil.

Lucas Figueiredo fez um trabalho primoroso. Seu livro é extremamente bem documentado, com referências bibliográficas a cada capítulo! Possui também fotos incríveis e mapas de época interessantíssimos. Trata-se de uma obra deliciosa para aqueles que, como eu, acreditam que não é possível entender o presente e planejar o futuro sem conhecer o passado. O bom é que Lucas conseguiu repetir o feito de outros autores de livros históricos recentes: escreveu de forma incisiva, baseado em um monte de dados mas sem se tornar chato e monotóno. Quem dera todos os livros didáticos de História do Brasil fossem assim.

A realeza portuguesa apostou tudo na descoberta de ouro no Brasil. Na época, o país atravessava uma situação financeira não das melhores. Precisava povoar a colônia rapidamente, sob pena de que os espanhóis o fizessem antes. Com população reduzida, mandaram aos trópicos o que tinham de pior: ladrões, criminosos e aventureiros sem nada a perder. Depois de muito tempo sem nenhum retorno, aos poucos a riqueza do solo brasileiro aflorou, permitindo aos nobres e reis portugueses viverem décadas de vida boa, desperdício e ignorância financeira. Enquanto os ingleses investiam sua riqueza de forma planejada e inteligente, os lusitanos gastavam com festas e inúteis tentativas de se mostrarem à altura cultural de seus vizinhos.

"Boa Ventura" vale cada página lida. E fica difícil disfarçar a decepção ao terminar a leitura, decepção ao ver que poderíamos ser um país muito mais rico e evoluído. O que não dá pra fazer é jogar a culpa nos portugueses, eles têm mais consciência disso do que nós mesmos.
Bruno T. 20/05/2011minha estante
Muito boa sua resenha, Tarcísio: você descreveu bem o "desastre" que pode ser imputado à Corte Portuguesa. Infelizmente, a incompetência, a ignorância, o despreparo e a futilidade da Realeza Portuguesa, principalmente no século XVII, foram determinantes para o futuro do Brasil e de Portugal, "condenados" a sofrer até hoje por tanta ganância e tanto desperdício. A Inglaterra agradece.


Tarcísio 20/05/2011minha estante
Olá Bruno. Fiquei muito feliz com seu elogio. Que bom que gostou do que eu escrevi. Abraço.


Ramsés 20/08/2011minha estante
bom trabalho Tarcísio!É incrível como as atitudes de uma minoria determina o futuro de nações.A história segue caminhos estranhos.Como disse Bernard Cornwell(meu autor favorito) "O destino é inexorável"


Tarcísio 22/08/2011minha estante
Obrigado Ramsés. Abraço !




Anica 22/05/2011

Boa Ventura! (Lucas Figueiredo)
Algumas pessoas costumam torcer o nariz quando assunto é História, mais especificamente História do Brasil. Talvez tenha alguma coisa a ver com o processo que na escola transforma futuros leitores em odiadores de Literatura (e Literatura Nacional), mas a realidade é que para muita gente passar no vestibular significa, entre tantas coisas, tirar o peso de “coisas chatas” como essa. E aí que pessoas assim acabam perdendo livros excelentes como Boa Ventura! de Lucas Figueiredo, que já no subtítulo deixa claro sobre do que se trata: A corrida do ouro no Brasil (1697-1810) – A cobiça que forjou um país, sustentou Portugal e inflamou o mundo.

O que de fato é uma pena. O trabalho de investigação que Figueiredo entrega ao leitor é delicioso, repleto de curiosidades mas, o mais importante, muito bem alinhavado. Não é romance (acredito ser algo que se enquadraria em “Jornalismo Histórico”), mas dada a fluidez e coesão do texto, e mais ainda, a galeria de personagens que passam pela obra, poderia muito bem ser lido como tal.

Você foi para a escola e certamente sabe do que o livro trata. Mas acredite, é muito diferente passar ver figuras como Aleijadinho e Tiradentes sob a ótica do autor. Fatos conhecidíssimos como o próprio descobrimento e a chegada da família real no Brasil parecem ganhar novas cores, ficarem inclusive mais nítidas e claras. E aí que começamos a perceber o quanto a aula de História na escola pode ter falhado ao retratar o que houve no nosso país.

Quando aborda um tema em especial (o ouro) e não todos os ‘n’ ciclos pelos quais o Brasil passou, algumas questões saltam aos olhos. Como por exemplo o fato de que levou quase 200 anos para que Portugal finalmente conseguisse começar a explorar o ouro brasileiro. Ou como pequenos detalhes fizeram toda a diferença (como a ideia de ir cultivando a terra por onde iam passando os bandeirantes). A sensação que dá é que ao pegar esse recorte Figueiredo conseguiu se dar ao luxo de se aprofundar mais do que nossos professores podiam com o tempo de aula que lhes era dado.

E conseguir fazer isso de forma interessante e divertida não parece ser para qualquer um. Extremamente informativo, há diversas passagens em Boa Ventura! que o leitor provavelmente se questiona como é que nunca relacionou uma coisa com outra (eu pelo menos costumava ver o terremoto de Lisboa como um evento separado, que nada tinha a ver com o ouro no Brasil). E o melhor disso é que não há saltos que possam fazer o leitor se perder, é até bastante linear e fácil de seguir.

Além de todas essas qualidades, ainda tem o cuidado da edição em si, caprichadíssima e repleta de ilustrações bastante curiosas. As que estão no corpo do texto são preto e branco, mas nos anexos algumas aparecem em papel especial e são coloridas. Também no fim do livro (e coloridos) há uma série de mapas do período abordado no livro. Para completar, cada capítulo é encerrado por uma série de notas que complementam informações ou fazem referências aos fatos citados pelo autor.

Com um texto tão legal e com tanto cuidado com a edição do livro em si, Boa Ventura! merece uma leitura, mesmo no caso daqueles que torcem o nariz quando o assunto é História, como comentei inicialmente. Na realidade, é um daqueles casos em que fica mais do que óbvio que História do Brasil pode ser não só interessante, mas também muito divertida.
comentários(0)comente



Petra 09/07/2020

A Última Pepita nos conta como foi a incessante busca portuguesa pelo ouro brasileiro durante os dois primeiros séculos de colonização. Fala sobre a lenda do Sabarabuçu, as primeiras excursões Brasil adentro pelos bandeirantes, a colonização do interior, principalmente da região de Minas Gerais. Nos conta da fome na região das minas, do despovoamento de Portugal e como o ouro era visto por alguns portugueses como castigo de Deus, que o escondeu nas entranhas da terra justamente para não ser encontrado. O autor, Lucas Figueiredo, expõe também os desperdícios da coroa portuguesa, que vivia no luxo às custas da Colônia.
.
No começo essa leitura foi um pouco arrastada pra mim, mas aos poucos me envolvi com a história e fiquei mais curiosa com esse tema. Me deu muita muita muita vontade de conhecer Portugal e de conhecer a Estrada Real que passa por Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo.
.
Aahh, essa edição é a portuguesa. No Brasil, o livro chama Boa Ventura!
comentários(0)comente



Giuliano.Nascimento 16/07/2020

Bom
Um belo relato de como ocorreu a corrida do ouro no Brasil, no século 18.
comentários(0)comente



Andréa Bistafa 19/05/2011

Essa e outras resenhas em www.fundofalso.com
Um livro-reportagem surpreendentemente completo!
Para quem gosta de literatura jornalística, mais precisamente livro-reportagem, "Boa Ventura" é um prato cheio.

Contando a história pós-descobrimento, vamos seguindo a disputada corrida pelo ouro em território brasileiro, a cobiça de um Portugal falido, e as longas e terríveis viagens dos bandeirantes mata adentro.
História essa que não vemos na escola, detalhando o longo período entre as buscas e o descobrimento do nosso "Sabarabuçu". Quem dera todos os livros didáticos de história fossem como esse!!

Lucas Figueiredo nos trás um texto sedutor e muito bem escrito, onde dificilmente o leitor se sentirá entediado diante de tantos fatos históricos. Logo no início já podemos sentir a pesquisa rigorosa que o autor desenvolveu. Ao término de cada capítulo, é anexa todas as notas (que nada mais são que complementos e observações com referencias bibliográficas) de modo muito organizado.
Outro ponto positivo são as imagens ao decorrer da história, obras de arte de pintores famosos ou até mesmo desenhos e impressos da época.
No final do livro ainda há uma galeria com os reis de Portugal entre 1385 e 1826, as fontes das pesquisas, mapas e imagens complementares (coloridas).

Um livro mega recomendado!!
comentários(0)comente

engenho e arte 28/05/2011minha estante
Boa Ventura é de fato ótimo livro. Mas é bobagem lamentar-se acerca do ouro perdido. O que se deve lamentar é a perda de energia humana que se concentrou em buscar ouro e descuidou de realmenet cuidar e colonizar a terra. Da leitura do livro fica mais que evidente o mal que a riqueza fácil provoca. É mais ou menos o que acontece hoje em diversos países produtores de petróleo. Acabado o óleo, o que restará?
De nossa parte temos é muita sorte: acabado o ouro, restou a bela Minas Gerais, restou o grande sertão do Brasil Central!




Bruno T. 20/05/2011

Excelente reportagem histórica
Comprei "Boa ventura!" por indicação direta de Laurentino Gomes, que, em palestra recentemente proferida na "Feira do Livro" de minha cidade, recomendou com entusiasmo a leitura do livro de Lucas Figueiredo.
Não me arrependi da compra, pois o livro é realmente muito bom, escrito no mesmo estilo "reportagem histórica" utilizado por Laurentino em suas consagradas obras "1808" e "1822".
Aliás, "Boa ventura!", que cobre o período compreendido entre 1697 e 1810 (e termina, justamente, com a chegada da Corte Portuguesa ao Rio de Janeiro), lido antes de "1808" e de "1822", compõe, com muita eficiência e na exata ordem cronológica, juntamente com as duas outras obras, um painel muito interessante de quase 140 anos de história do Brasil.
Resta-nos, agora, esperar por "1889", que Laurentino Gomes promete para 2013, e torcer para que Lucas Figueiredo também assuma nova empreitada, pois esta nova maneira de contar a história é realmente fascinante.
comentários(0)comente



Daniel 28/05/2012

Ouro Desperdiçado
Portugal tirou a sorte grande ao "descobrir" o Brasil, entretanto não soube aproveitar das imensas riquesas que daqui extraiu, seja o pau-brasil, o açúcar, o ouro ou os diamantes.

Já o Brasil foi um azarado!! Tendo sido "descoberto" por um reino cujo único interesse era a exploração, foi sugado desde suas entranhas e nada recebeu em troca.

A história seria bem diferente, com certeza, se os portugueses tivessem vindo para o Brasil no intuito de fixar residência, como os ingleses e franceses que fugiam de seus países em função de perseguições religiosas.

A praga, talvez, para Portugal foi não ter tido benefício duradouro nenhum do ouro extraído do Brasil.

Os reis portugueses não tinham uma visão de futuro, de desenvolvimento do comércio no seu país, do desenvolvimento de seus súditos, não procuravam manter o ouro (em forma de moeda) circulando e gerando riqueza dentro de Portugal. O ouro, literalmente, passava por Lisboa. Seu destino, eram outros países europeus, em grande parte a Inglaterra. Países onde os reis portugueses consumiam artigos totalmente supérfluos.

Quando veio a Revolução Industrial, o que fez Portugal?? Assistiu!!! Assistiu ao desenvolvimento dos outros países que, inteligentemente, tinham utilizado o ouro do Brasil (isso mesmo, do Brasil) para gerar riqueza interna e desenvolvimento.

De que serviu o ouro brasileiro a Portugal?? Para nada, foi disperdiçado!!

Para mim, que já li outros livros situados neste período, foi interessante confirmar posicionamentos anteriores, tais como o desenvolvimento de toda uma estrutura, ainda que precária, de manutenção e abastecimento das Minas Gerais à essa época.

Quanto ao livro em si, vale à pena lê-lo. A leitura é fácil e os capítulos não são muito longos. Há também muitas notas, muitas mesmo. Tantas notas que às vezes até atrapalha, mas somente às vezes.

comentários(0)comente



liuhori 08/11/2011

O meu tio me deu para ler, gostei muito em ler uma outra opinião que não fosse o Laurentino Gomes, até encontrei alguns pontos divergentes entre eles sobre a vinda de D. João VI.
Eu, sinceramente, esperava que abordasse mais sobre a região baiana (sou baiana) e sei que aqui, principalmente a área da Chapada, que foi onde a minha mãe viveu, também foi muito importante nessa história do ciclo do ouro. Só encontrei praticamente três a quatro parágrafos e isso me desanimou um pouco. Contudo o livro é beeeeem interessante e envolvente. Eu fiquei satisfeita em saber da importância de muitos personagens que são abordados rapidamente nos livros de História, mas gravamos para fazer prova (risos), como os no caso dos bandeirantes, no livro eles são colocados em primeiro plano.
comentários(0)comente



Thales 22/01/2013

Ótimo!
Para os Mineiros (como eu) o livro demonstra como Minas foi saqueada pela coroa portuguesa, mostra como começou a ocupação do territorio, os costumes da epoca, o custo de vida da epoca.
Para mim a conclusao mais importante é a de que Minas Gerais financiou a revolução industrial, que mudou o mundo para sempre!!!
comentários(0)comente



Igor Henrique 07/08/2013

A Cobiça e a Construção do Sudeste
Ao demonstrar os motivos e a forma como foi feita a corrida do ouro no Brasil, Lucas Figueiredo nos fornece todas as informações necessárias para entendermos o porque da transferência de poder da região Nordeste, até então riquíssima em relação às regiões de todo o resto do Brasil, para o sudeste selvagem. Pouco a pouco, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais começam a ganhar cada vez mais voz política e importância no jogo de poderes colonial, ainda que a Guerra dos Emboabas azedasse um tanto as relações. Excelente leitura.
comentários(0)comente



Bernardo 17/06/2014

Os jornalistas são os melhores escritores de livros de História.
Os jornalistas são os melhores escritores de livros de História.
comentários(0)comente



Sally 16/10/2014

OURO!
Super indico o trabalho do jornalista Lucas Figueiredo, revisado pelas professoras Júnia Ferreira Furtado (UFMG) e Carla Maria Junho Anastasia. Possível de leitura e compreensão não apenas ao público acadêmico, mas em geral. Muito gostoso de ler e não é cansativo o excesso de informação fornecido no decorrer dos capítulos que mesclam fatos mundiais, de Portugal e da colônia portuguesa no período da corrida exploratória do ouro.
comentários(0)comente



Dani 23/10/2016

Conhecimento
Nunca uma leitura me trouxe tanto conhecimento sobre a colonização do Brasil. Fácil e atrativo.
comentários(0)comente



14 encontrados | exibindo 1 a 14