O caso do Hotel Bertram

O caso do Hotel Bertram Agatha Christie
Agatha Christie




Resenhas - O Caso do Hotel Bertram


45 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Vitão 23/02/2019

Miss Marple, a fofoqueira.
Um livro um pouco diferente dos demais que li da autora, mas apesar do bom desenvolvimento, a resolução me pareceu um tanto confusa, e ao mesmo tempo, até previsível. Algumas descobertas aconteceram com base no puro acaso (o famoso estar no lugar certo na hora certa), e a Miss Marple está mais para fofoqueira do que para detetive rs! Mas é uma boa diversão, sem dúvidas.
comentários(0)comente



Fimbrethil Call 10/11/2018

Gostei muito!
Muito legal esse livro, na minha opinião um dos melhores livros de Agatha Christie.
comentários(0)comente



J R Corrêa 12/02/2018

O caso do hotel Bertram
Quando Miss Marple deixa o pacato vilarejo de St. Mary Mead para passar uma temporada em Londres, não hesita em se hospedar no tradicional Hotel Bertram. Mas, para além de tudo o que procurava para aproveitar as merecidas férias – requinte, serviço impecável e agradáveis memórias de infância –, acaba se deparando com uma inconfundível atmosfera de perigo. Nem mesmo sua sagacidade pode prever a cadeia de eventos violentos que se inicia quando um dos hóspedes desaparece repentinamente
.
Em O caso do Hotel Bertram, publicado em 1965, Miss Marple é uma peça fundamental para ajudar a Scotland Yard a desvendar os mistérios que se escondem por detrás dessas sofisticadas paredes, antes que seja tarde demais...
comentários(0)comente



Debora Esteves 22/12/2017

Menos que o esperado
Por se tratar de uma publicação de Agatha, claro que comecei a ler com a maoir expectativa possível. Me parece que as tramas que envolvem Miss Marple são sempre menos empolgantes que as de Hercule Poirot. Enfim, gostei do livro, mas não o amei.
comentários(0)comente



Ryan | @livrosdeverao 01/12/2017

RESENHA: O CASO DO HOTEL BERTRAM
“O Hotel Bertram era bom demais para ser verdade”
Talvez eu deva dizer que esse não foi um dos melhores livros da Agatha, pois não tem um ritmo muito estimulante, e achei um tanto confuso, pois são apresentados os personagens junto às histórias paralelas ao Hotel, como por exemplo, o assalto ao trem postal e o desaparecimento de um hóspede.
Tudo começa quando Miss Marple, querendo reviver lembranças de sua infância, se hospeda no renomado hotel. Mas não é a Miss Marple que lidera as investigações e depoimentos, são a Scotland Yard, e ela só vai ajudar mesmo é na resolução do caso, nas últimas 30 páginas, mais ou menos...
comentários(0)comente



Nat 18/10/2017

O Caso do Hotel Bertram - um livro feito para a Miss Marple aproveitar a velhice
O hotel Bertram é um lugar adorado pelos idosos porque presa tudo de bom que “existia antigamente”: comidas, funcionários, ambiente – como se Londres tivesse parado no tempo! E Miss Marple foi, feliz, tirar uns dias de férias nele.
Claro, como não poderia deixar de ser, alguém morre! E Jane conduz uma investigação paralela a da polícia para descobrir o que houve.
Muitos personagens são apresentados nessa história, mas nenhum de grande repercussão. As que mais se destacam são duas adolescentes meio maluquinhas que estão, indiretamente, relacionadas com o caso.
O destaque desse livro, para mim é, a ambientação, o hotel e o que ele representa sendo uma fachada (e deixa eu não dar mais spoilers). Afinal, é uma história antiga e, ainda assim, o que acontece no hotel é super atual.
Esse livro também é conhecido como A Mulher Diabólica, mas acho que esse título pode induzir a algum tipo de spoiler, conforme você avança na leitura.
Não entrou para os livros favoritos da Agatha, achei o final muito corrido e as respostas são jogadas sem muito aprofundamento. Ainda assim, vale a leitura pela diversão!

site: https://www.youtube.com/c/PilhadeLeituradaNat
comentários(0)comente



Leticia 20/08/2017

Esse foi o único livro que não gostei de Agatha. E olha que li quase todos dela. A conclusão foi bem capenga e até hoje me incomoda o fato de ninguém ter visto o atirador em frente ao hotel.
comentários(0)comente



LP 27/07/2017

AMEI!
A história se passa em Londres, sendo mais específica em um ambiente que não havia sofrido as mudanças do novo mundo que surgiu após a grande guerra: o Hotel Bertram, que permaneceu intacto e perfeito, ao entrar pelas grandes portas, era como retornar ao passado, vivendo novamente na era eduardiana. Entre os hóspedes, se encontrava Miss Marple, que tinha a intenção de recordar dos momentos da sua juventude, o coronel Luscombe, que aguardava a chegada de sua sobrinha Elvira Blake, de quem era tutor e como coincidência, a mãe da moça, Bess Sedgwick.
Como nada passava despercebido dos olhinhos da Miss Marple, ela notou o espanto com que Bess viu a filha chegar, porém ainda não sabia que se tratava de mãe e filha, pois Elvira fora criada separada da mãe, que a deixou quando ainda era criança e Bess se tratava de um ícone do perigo, já tinha se envolvido com vários esportes radicais, como corridas de cavalo, de carro, e sempre suas façanhas eram destaques nas revistas.
.
...

site: http://lovelyplacee.blogspot.com.br/2016/07/o-caso-do-hotel-bertram-agatha-christie.html
comentários(0)comente



Shelly Migoto 07/06/2017

Bom mas podia ser melhor!
Gostei da historia, porque ela se passa no hotel Bertram que segundo a historia é um lugar que parou no tempo, então é possível aprender muito costumes, lugares e características das pessoas inglesas.
No entanto em relação ao assassinato, achei a historia muito vaga, (não envolve o leitor) apenas no final fica um pouco interessante.
Se for levar em conta Londres, acho que vale a pena pois é uma historia rápida mas em relação ao suspense minha nota é próxima a zero, não recomendaria.


Eclipsenamadrugada 20/09/2016

Adorei ...
comentários(0)comente



Douglas 26/08/2016

Elis Regina já havia avisado que o novo sempre vem

"Vir aqui é como retornar a um passado distante. Parece que nada mudou".

Um hotel localizado em Londres em meados do século XX é o palco do décimo romance da série protagonizada pela detetive amadora Miss Marple, escrita pela Agatha Christie. Estilizado como uma lembrança do passado em uma sociedade em profundo dinamismo, no auge da Guerra Fria, o Hotel Bertram é frequentado, majoritariamente, por pessoas idosas, que descrevem o local como uma personificação das eras eduardiana (1901-1910) e vitoriana (1837-1901).

Nossa heróina, que neste caso atua mais como coadjuvante e conselheira, é Jane Marple, uma simpática e carismática senhora de setenta e poucos anos que se hospeda por lazer no Bertram por uma semana. A estadia no hotel havia sido presente de uma de suas sobrinhas. O principal incentivo de Miss Marple para escolher esse hotel foi para relembrar a última vez em que esteve ali, quando tinha catorze anos de idade.

O caso referenciado no título não seria um único caso per se. O leitor é apresentado a uma ampla gama de personagens e fatos que não possuiriam conexão aparente entre si, apesar de disporem de vínculo, em algum grau, com o elegante Hotel Bertram. Além de Miss Marple, compõem a narrativa uma mulher aventureira de meia-idade chamada Bess Sedgwick; o gerente do hotel, Sr. Humfries; a recepcionista do hotel, Srta. Gorringe; a jovem rica Elvira Blake e seu tutor legal, o coronel Luscombe; o porteiro, Micky Gorman; o jovem piloto de automóvel, Ladislaus Malinowski; o esquecido cônego Pennyfather; e o mordomo Henry. Além dos mistérios presentes na obra, as próprias personagens e suas respectivas motivações constituem peças suplementares nesse quebra-cabeça.

Paralelamente, em uma reunião da Scotland Yard (o departamento policial responsável pela região metropolitana de Londres), tomamos ciência de uma série de roubos em grande escala intelectualmente planejados que vêm ocorrendo, bem como somos apresentados ao “Pai”, apelido dado ao inspetor-chefe Fred Davy da polícia londrina, que possui papel de protagonismo na trama.

A problemática do romance é introduzida por meio do desaparecimento, em circunstâncias misteriosas, do cônego Pennyfather, o que transporta o “Pai” ao núcleo do Hotel Bertram e às personagens e suas agendas secretas.

O romance teria como pano de fundo a nostalgia a épocas e acontecimentos há muito findados e a relutância humana em se adaptar e aceitar o presente. O conflito velho versus novo é constante. Ainda no primeiro ato do texto, o jovem piloto Malinowski adentra o hotel composto essencialmente por pessoas idosas e, nesse instante, é como se houvesse uma ruptura tácita do status quo, descrito por Christie da seguinte forma “sua vitalidade era tanta que, em comparação, o Bertram parecia um museu. As pessoas eram relíquias empoeiradas de outra era”. A sempre sorridente recepcionista não lhe acolheu com um sorriso. A partir de então, delineiam-se ações que culminam com o desaparecimento do cônego Pennyfather.

Em momento catártico, Miss Marple pondera, brilhantemente, o seguinte: “Estar aqui é como voltar ao passado… àquela parte do passado que amamos e aproveitamos. Mas, claro, não era nada disso. Aprendi que nunca podemos voltar atrás, que não devemos nem tentar. Que a essência da vida é seguir adiante. A vida, na verdade, é uma rua de mão única, não?”.

site: https://conversaunilateral.wordpress.com/
comentários(0)comente



Garcia 20/08/2016

Veja resenha no blog http://entrefrasesepalavras.blogspot.com.br/2016/02/o-caso-do-hotel-bertram-agatha-christie.html

site: http://entrefrasesepalavras.blogspot.com.br/2016/02/o-caso-do-hotel-bertram-agatha-christie.html
comentários(0)comente



Samara 13/07/2016

As coisas nem sempre são como a vemos
Apesar de já está familiarizada com os livros da Rainha do crime, esse é o primeiro livro que leio da personagem Miss Marple. A história gira em torno de um hotel, o Bertran, que mesmo com a modernidade, não perdeu seu esplendor dos tempos de outrora, continuando com a mesma decoração de sempre e com seu atendimento impecável. A maioria dos seus hóspedes são pessoas idosas, que fazem questão de reviver sua mocidade, através do hotel.

Miss Marple conhece bem o Bertran, pois se hospedara no local quando tinha apenas 14 anos e fica feliz quando recebe um presente dado por seu sobrinho para uma pequena estadia no lugar. A senhora muito observadora não deixa de notar a imponência do lugar e o quanto é diferente dos outros hotéis. Ela observa Lady Bess Sedgwick, conhecida por sua forma extravagante de viver e por seus muitos casamentos e Elvira Blake, sua filha, fruto de um dos casamentos, ao qual foi criada, não pela mãe, mas por tutores.

Muitos roubos estão acontecendo na cidade e o policial Fred Davy, O Pai, como é chamado, decide investigar, ele quer encontrar o chefe do bando, "o cabeça da história". Por trás de tudo isso, ele investiga o sumiço de um clérigo que estava hospedado no Bertran, e a morte acidental do porteiro do mesmo hotel, que foi morto no lugar de Elvira, esta que afirmava ser vítima de um plano para que fosse assassinada e ficassem com toda a fortuna que herdaria de seu falecido pai, um dos maridos da mãe.

Miss Marple contribui com as investigações e com sua ajuda, o mistério é desvendado, existe uma ligação nos roubos que tem haver com o hotel, e o mesmo não é como o imaginavam. Não sei como são os outros livros dessa personagem, porque achei sua participação nas investigações pequena. No mais gostei do enredo, com suas minúcias sobre o hotel e o ambiente, pretendo ler outros livros da personagem para esclarecer essa minha dúvida.
comentários(0)comente



-Davi- 12/10/2015

Um leitura "diferente" de Agatha Christie
"O Caso do Hotel Bertram" é o segundo livro que eu leio da Rainha do Crime, Agatha Christie, o primeiro foi "O Misterioso Caso de Styles" que também é conhecido como a primeira aventura do famoso detetive Hercule Poirot.
Deste segundo livro faz parte a personagem Miss Marple que também aparece em outros livros da escritora, uma velha e simpática senhora que está atenta a tudo que acontece a sua volta e tem um forte faro de detetive, o que acaba ajudando na resolução do caso em questão que envolve o luxuoso e misterioso Hotel Bertram e seus hóspedes.
A trama é instigante e tem uma resolução interessante, assim como o primeiro livro que eu li, mas o mais curioso é a forma como o livro é escrito e posso dizer que parece uma outra pessoa que o escreve, não que esse seja uma fato depreciativo, mas curioso. Aqui o livro é repleto de uma série detalhes que poderiam ser excluídos deixando assim a leitura mais fluída, porém são esses mesmos detalhes que dão vida ao livro, criando uma atmosfera única.
Vale a pena a leitura!
comentários(0)comente



Tauan 21/09/2015

Surge Miss Marple
Mais um da incomparável Rainha do Crime. “O Caso do Hotel Bertram” foi a primeira aventura de Miss Marple que eu li.
Jane Marple ficou muito feliz ao receber de presente de seu querido sobrinho Raymond e sua esposa, uma estada no magnífico Hotel Bertram. Ela já havia se hospedado lá muitos anos antes, e logo percebeu que nada mudara.
Na hora do chá, Miss Marple aproveitava para observar as pessoas presentes e os acontecimentos. Era impossível não notar a extravagante Lady Bess Sedgwick ou se interessar pela sua história: ela havia se casado diversas vezes e, com um dos primeiros maridos, teve uma filha, Elvira Blake. Quando se separou do pai da menina, deixou-a para ser educada pela família dele, pois preferia ser livre para poder viver grandes aventuras. Prestes a atingir a maioridade e herdar uma grande soma, ela vem hospedar-se justamente no Hotel Bertram.
Quando alguém tenta assassinar Elvira, o tiro atinge o porteiro do hotel que tentava protegê-la. Miss Marple, tendo observado toda a situação desde o início pode ajudar o inspetor da Scotland Yard, Fred Davy, a investigar este atentado.
Junto com o assassinato há de se levar em consideração também o desaparecimento de um velho clérigo. No desenrolar da história, aparecem um grande número de crimes também relacionados ao honrado Hotel.
Por fim, Miss Marple descobrirá muitos mistérios que se escondem por trás do belo e tradicional Hotel Bertram, que, contrariando as aparência havia mudado bastante.

site: http://pausaparaaleitura.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



45 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3