Comando Vermelho

Comando Vermelho Carlos Amorim




Resenhas - Comando Vermelho


6 encontrados | exibindo 1 a 6


Jessica 08/09/2011

Tudo tem um começo.
Assim que comecei a ler o livro, um amigo disse: Não gosto desse tipo de leitura porque os autores costumam ser muito parciais.
Meu amigo errou.
Esse é um livro de fatos, datas, nomes e números. É claro que existe uma teoria envolvida, e é claro que em algum momento é possível notar a opinião do autor a respeito. Mas, todo livro em si já representa alguma opinião, e, cá entre nós, em vista da demagogia que podia estar por trás dessa publicação, acaba sendo um bônus, uma agradável surpresa que o autor não se atenha a teorias em excesso.
Esse livro é pra qualquer um que tenha curiosidade em saber como surgiram as siglas mais temidas das últimas décadas.
comentários(0)comente



Felipe 11/12/2012

O outro lado da moeda
É comum nos dias de hoje exigirmos pena de morte entre muitas outras coisas, este livro antigo (1993), mas atual, mostra que a pior pena está no sistema carcerário brasileiro, além disso mostra o porque do nascimento do crime, a falta do estado nas favelas e comunidades pobres, fazendo com que traficantes(comando vermelho), sejam o estado assistencialista, o mesmo formado no Nordeste pelo PT, grupo que dá gás, fazem festas(pão e circo), e dentro do possível ajudam o cidadão de bem, não defendo bandido, e sou totalmente contra as atitudes mortais do mesmos, mas um dos motivos dos mesmos surgirem é sim esta falta de ajuda do estado, uma dona de casa de uma favela, que mal consegue trabalhar, falta tudo em sua casa, seu filho viciado e traficante morto pela polícia, o CV dá uma "gorjeta" mensal a senhora, pela perda do filho, qual o motivo dela se voltar contra o tráfico? aí está o motivo da consolidação do Comando Vermelho, ele supre o papel do governo federal / estado, onde a ajuda não chega, eles a suprem, é claro o preço é alto, com mortes, vícios, mas infelizmente é a realidade, quando houver ajuda e assistencialismo não de esmola como bolsa família, mas saúde, educação aí sim o crime organizado será desmantelado e viveremos em uma nação digna, até porque é mais seguro para o cidadão viver sobre o comando do tráfico que não tem nada contra o cidadão da favela de bem, do que viver "protegido" pelas milícias tendo de pagar quantias para quem já recebe (é claro que pouco), para defender o povo, mas aí, entra a questão ética e moral de cada um.
Nassor 18/12/2018minha estante
Meu caro não entendi onde o PT entra na história. Em 1993 onde o Comando Vermelho já era consolidado o PT ainda era oposição e estava longe de alcançar os patamares que alcançou em 2002 pra frente. A cronologia e sucessão dos fatos é mais complexa que isso.




Daniel.Martins 04/05/2015

Arrastado, mas bem informativo
O livro tem uma narrativa por vezes bem arrastada com muitas datas, fatos, nomes e etc, porém isso não tira o mérito de mostrar a interessantíssima história de um grupo que começou até com ideais positivos e se desvirtuou para se tornar o que é hoje.
comentários(0)comente



Rafael Cormack 17/11/2016

7,0/10
Imagino a dificuldade que deve ser pesquisar o passado e a história dos diversos fundadores do CV. O trabalho de pesquisa é impecável. Mas Amorim perde tempo demais contando detalhes da vida de alguns membros da organização, e acaba não falando da organização em si. De como ela percebeu que a cocaína era mais importante que a maconha aos acordos com os cartéis de Cali e Medellin.

O melhor momento do livro pra mim acaba sendo a conclusão, com uma análise dura e certeira a respeito dos muitos jovens que entrarão no mundo do crime.
comentários(0)comente



Eduardo Santos 19/01/2016

Começo...
Achei o livro muito bom e o mesmo nos mostra como começou o crime organizado. O livro retrata momentos chaves da história, nomes e os eventos que fizeram essa facção ganhar notoriedade na mídia.
comentários(0)comente



Jubs 12/02/2019

Resenha do livro: Comando Vermelho, a história do crime organizado, de Carlos Amorim

Assim como Domingos Meirelles coloca logo no início, no Prefácio, a característica mais em evidência de Carlos Amorim é não ter rodeios ao apontar a história da formação do Comando Vermelho como realmente foi. Além disso, traz um repertório enorme de fundamentos importantíssimos para o entendimento da sociedade brasileira.

Amorim conta, parte a parte, a ideologia inicial do Comando Vermelho e o que veio a se tornar. Os personagens, os pensamentos deles, principais características, qual suas importâncias para cada geração, suas principais transformações até se tornar a organização que é atualmente.

Situando o leitor, e estruturando a história, a narração é adiantada e regredida através de datas, apontando momentos políticos imprescindíveis à percepção, pessoas essenciais, testemunhas oculares, ou indiretas, de cada episódio que trouxeram relatos enriquecedores ao texto. É primordial ter algum conhecimento do que foi a Ditadura, marco de um período que perdura vivo até hoje, para assimilar com facilidade o pensamento dos presos políticos e criminosos comuns e o porquê tiveram certos estímulos e inclinações a se tornarem essa ?associação? do Rio de Janeiro e suas vertentes em outros estados.

Cabe também colocar que a geografia do estado do Rio de Janeiro, além das populações miseráveis que vivem nas comunidades daquela região, influenciaram drasticamente na logística da criminalidade. Entender o papel importante que esses líderes tiveram na mentalidade de moradores que nada tinham a perder, ou a ganhar. A troca do silêncio, pela segurança e suprimento de necessidades básicas (como saúde, escola, alimentação) se tornou aliada dessa organização.

Carlos Amorim é extremamente direto, pontual, cuidadoso, com ar de especialista, mas a humildade de quem foi apenas observador de toda essa tragédia. Não coloca sua opinião, não direciona o leitor à um ponto único, mas mostra, despido de todo julgamento, a versão real dos fatos.

Volto ao Domingos Meirelles que emprega melhores expressões ao tratar essa obra: ?Com a paciência e habilidade de um artesão medieval, o autor cinzelou as colunas, as paredes, o teto e os arcos dessa espécie de catedral gótica, estimulando o leitor a visitar seu interior e fazer sua própria leitura dos diferentes ângulos e significados dessa estrutura complexa. ?
comentários(0)comente



6 encontrados | exibindo 1 a 6