A Tragédia de Macbeth

A Tragédia de Macbeth William Shakespeare




Resenhas - Macbeth


93 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Daniel 06/07/2019

Pouco a dizer sobre o ambicioso Macbeth
Resenha no link abaixo!

site: https://blogliteraturaeeu.blogspot.com/2019/07/macbeth-tragedy-of-macbeth-de-william.html


Ana Vello Pires 03/07/2019

Incrível
Um livro ótimo, onde mostra a ambição desmedida de um cavaleiro, um plano diabólico para chegar ao poder e as consequências de tal ato, tendo tanto ele quanta a esposa terem de lidar com a loucura.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



My | @_pequenabibliotecaria 03/02/2019

Intrigas e traição.
Essa peça conta a história do Rei Duncan da Escócia que foi assassinado por Macbeth que, influenciado pela profecia das bruxas que encontrou, acabou criando um desejo pelo poder quase que incontrolável. Além disso, com o apoio de sua esposa Lady Macbeth, que aguçava ainda mais esse desejos, os dois conseguiram chegar o topo. Mas tudo que fazemos de mal, pode volta para nós, já dizia o ditado. E neste caso não é diferente.

Aqui temos um homem dado como bom e de bom coração, mas que acabou se tornando ambicioso por poder, especificamente o de Duncan, o Rei.

Na peça nós conseguimos perceber como as pessoas podem ser movidas pela ambição e como isso pode levar ela do topo até o fundo do poço em pouco tempo. Uma história que inclui traição, mortes, poder e muita ambição. Ela não é minha favorita do autor, mas achei válido a leitura e muito intrigante.


site: https://www.instagram.com/_pequenabibliotecaria/
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Ana Carla 26/12/2018

Certos autores só podem ser comparados a eles mesmos. Shakespeare é um deles.
Macbeth não foi o meu livro preferido do Sr. William, mas é um Shakespeare que tem ali tudo o que as obras deste inglês evocam.
Você vai ter o jogo de poder, as frases marcantes, o inevitável drama de consciência.
Talvez a obra mais sombria que eu já tenha lido dele. Uma história marcada pela mão pesada da ganância e de como o homem pode se deixar ser fantoche e ser guiado por essa mão.
Apesar de parecer - no final - meio corrido, é um Shakespeare, o que torna este mais um clássico que, quem gosta de um bom livro, tem de ter na estante.
comentários(0)comente



Roberto Ramalho 25/12/2018

Shakespeare.
Ler Shakespeare em sua língua-mãe não é tarefa fácil, nem para os mais versados na língua inglesa. Seu Middle-English, falado no século XVI/XVII pode muitas vezes fazer com que o leitor pense que está lendo em outro idioma. Nesta tragédia, Shakespeare nos apresenta aos aspectos sombrios da alma humana como ganância, traição, culpa e, por que não dizer, girl power, personificado pela forte figura de Lady Macbeth. Qualquer resenha feita sobre Shakespeare corre o risco fácil de ser muito rasa, como esta.
comentários(0)comente



Eller.JAnior 17/12/2018

22.Macbeth - William Shakespeare (1606)
Clássico de William Shakespeare, que sinteticamente narra um General (Macbeth) que mata o Rei da Escócia e todos outros que se postam em seu caminho até a coroa, guiado pelas premonições de 3 bruxas que garantem que não existe ninguém que foi parido pelo ventre de uma mulher pudesse derrotar Macbeth mas será verdade?
comentários(0)comente



Ana Beatriz Rosa Alves 05/12/2018

Mais uma peça maravilhosa de Shakespeare, em "Macbeth" temos aparições de bruxas, profecias, assassinatos, crueldade e por mais estranho que seja, um grande amor.
O rei da Escócia é um homem bondoso e adorado pelos súditos. Esse está extremamente feliz com Macbeth e o nomeia para nobreza, o protagonista, não se contentando com isso e embasado em profecias de três bruxas arma uma cilada para o rei convidando-o para um jantar em sua casa, que tem como anfitriã a famosa Lady Macbeth.
Ricardo.Consolo 04/02/2019minha estante
Lady Macbeth rouba a cena, diferente dos outros personagens ela é decidida na ação, enquanto os homens na trama todos eles são indecisos e medrosos. Gostei de Macbeth




Lipe 31/10/2018

Casal Macbeth - Melhor casal de Shakespeare
"Tens de nos atos e coragem mostrar-te igual ao que és em teus anelos?"
comentários(0)comente



Carlos 10/10/2018

"¿Qué aprovecha al hombre, si gana todo el mundo, y se destruye o se pierde a sí mismo?" (Lucas 9,25).

De todos los géneros literarios, el dramático o teatral es mi preferido entre todos. No solo porque considero que es el que mejor representa a la vida misma, más allá de los elementos fantásticos o sobrenaturales que pudieran estar presentes, sino porque es el que mejor permite al lector (o espectador) captar todos los detalles que hacen grande a la obra.

Y esta pieza contiene todos los elementos que la convierten en una de las mejores de toda la historia de las tablas escénicas y una de las mejores producciones de uno de los más grandes dramaturgos de todos los tiempos. De hecho, el magno teatro, desde mi humilde parecer tuvo su primer esplendor con los trágicos griegos, un renacer con Shakespeare, Lope de Vega y Calderón y nuevo auge con las buenas piezas elaboradas por Henrik Ibsen, Eugene Ionesco o Samuel Becket.

Macbeth es de las piezas más oscuras elaboradas por Shakespeare, una donde la ambición juega un preponderante y sin miramientos, una que demuestra sin contemplaciones que cuando las personas ceden ante la ambición son capaces de abandonarse a sus más bajos instintos para lograr aquellos que anhelan. El Diccionario de la Lengua Española de la RAE define a la ambición como: " 1) Deseo ardiente de conseguir algo, especialmente poder, riquezas, dignidades o fama. // 2) Cosa que se desea con vehemencia". Puede decirse que Macbeth, a pesar de su lealtad para con el rey, secretamente y en lo profundo de su ser anhelaba una posición más alta y elevada que aquella que ocupa. De ahí que cuando las tres brujas formulan su fatídica profecía algo se desata en el interior de Macbeth como para considerar la traición como medio para acceder a la dignidad real.

Hay quien dice que no era tanto Macbeth el ambicioso sino su esposa Lady Macbeth, quien es la que instiga el asesinato del rey. Empero, no estoy tan de acuerdo con ello, pues si la ambición no estuviera presente en el espíritu de Macbeth éste no habría cedido tan fácilmente a la tentación, en el fondo, y no existe manera que cambie de parecer, Macbeth deseaba ser rey aunque fuera por medios ilegítimos. No obstante, también fuerza es reconocer que Lady Macbeth sí es ambiciosa y por ello influye en su esposo para obtener aquello que deseaba.

En realidad, considero que las palabras de Lucas se ajustan a la perfección a la situación pues ambos ganaron todo y no les sirvió de nada. Esto me da a pensar cuan bajas son las pasiones humanas y como la ambición puede llevarnos a cometer actos que siquiera nosotros sabíamos que seríamos capaces de hacerlo. Algo me recuerda a la situación relatada por William Golding en El señor de las moscas en cuanto Jack se rebela contra la autoridad de Ralph. Si bien el contexto de esta novela difiere del de esta pieza, ambas convergen en un punto: si bien en la novela de Golding es el entorno salvaje el que despierta los bajos instintos y lleva a la sublevación de Jack y en esta pieza el entorno es una corte real, no creo que haya tanta diferencia entre ambos, pues, de hecho, la política es como una gran jungla. En parte ambas obras otorgan cierta razón a Hobbes en cuanto sostiene que "homo hominis lupus" (el hombre es un lobo para el hombre)

Esta es de las piezas más oscuras de la producción shakesperiana y considero que el bardo integró perfectamente los elementos sobrenaturales y políticos a esta magnífica tragedia. La misma cuenta con una naturaleza peculiar que no es la misma que las de los grandes trágicos griegos, aquí las personas son víctimas de sus propias elecciones y de su ambición desmedida. Puede decirse que la ambición en el mundo de la realeza no era algo raro durante dichas épocas, y de eso el propio Shakespeare da cuenta, conforme pude verlo este mismo año al leer Ricardo III.

En fin una obra más que disfrutable. 5 estrellas.
comentários(0)comente



Gilberto.Aparecido 06/09/2018

Fatalismo ou livre arbítrio?
Macbeth é o Barão do rei Duncan. A história inicia-se após uma viagem em que o personagem cruza com três feiticeiras que anunciam-lhe o destino grandioso e trágico. A terceira profecia diz que macbeth se tornaria rei da Escócia. Isto alimenta a mente doentia de Macbeth, que após fortes influênciações da esposa assassina o Rei e atribui a culpa a um inocente. Tomando o trono Macbeth se torna rei da Escócia.
A história nos leva a pensar teriam sido cumpridas as profecias das bruxas ou o próprio Macbeth teria realizado as ações para aquisição do título de rei. Isto é, nosso futuro se encontra determinado ou somos nós que o criamos? Uma história incrível que oscila entre o fatalismo e o livre arbítrio, a ambição e a desgraça.
Macbeth é o personagem que está entre estes dois mundos o determinado e o indeterminado,o concreto e o abstrato.
comentários(0)comente



Marcos.Sales 26/08/2018

Uma crônica sobre o poder
Macbeth é uma das mais aclamadas obras de Shakespeare, escrito no chamado "período (fase) trágico (a)" da vida do autor, é um livro que faz uma reflexão sobre a sede de poder do ser humano. A odisseia se inicia com a profecia que três bruxas fazem para Macbeth (oficial do exército escocês) e seu amigo Banquo a respeito da tomada do reinado (para Macbeth) e o trono para os filhos de Banquo. Desde então, nasce em Macbeth uma sede de poder que é potencializado por sua esposa, maquiavélica e que não mede esforços para comungar dos espólios de um reinado.
O livro envolve traição, mudança de personalidade por parte de alguns personagens e claro, sempre com a poesia típica de Shakespeare que floreia toda a história com pequenas reflexões rebuscadas a respeito de assuntos variados da vida.
Um livro relativamente pequeno, escrito de início para ser uma peça de teatro, mas que cabe muito bem em uma literatura de bolso.
comentários(0)comente



Marcos 28/07/2018

Nunca de um filho nascido de mulher!!!
William Shakespeare foi sem sombra de dúvida um dos maiores poetas e essencialmente dramaturgo da história da literatura mundial. Suas diversas peças teatrais são de uma escrita espantosamente original, de recursos linguísticos impa, o que dificulta definir uma época literária para sua obra, a não ser a da sua própria vida, nascido no século XIV. Talvez a lápide em epígrafe sucumba do jaz aqui para do aqui deitado em berço esplêndido repousa para acordar em todas as vez que o sepulcro que exala jasmim de Stratford-upon-Avon e floresça a cada contato com suas palavras. Macbeth é sua segunda obra que leio de tantas já vistas nas telas da TV sem jamais nunca com a força condensadas em palavras, aqui o trocadilho com o Hino Nacional Brasileiro, já que o li na tradução para o português. Um dedo de um marinheiro vencido de batalha entre escoceses e noruegueses é o início para que o feitiço das bruxas irmãs tornem a campanha vitoriosa do General da Escócia Macbeth, que ao virar Thene, torne-se candidato a Rei da Escócia pelas vias mais ardilosas das artinhas do espúrio combatido que se rende a magia, e aquele que nunca por filhos nascido de mulher fora vencido é abalado pelas megeras renegadas. Charnecas!!! Tudo do caldeirão vivo de um dos maiores gênios da dramaturgia mundial. Macbeth é essencialmente drama e liturgia expressa à cômodo. Leitura que nos torna mais completo!!!
comentários(0)comente



Maitan 18/02/2018

Daquilo que não pode ser desfeito
O que leva alguém, acometido pelo sonambulismo, a esfregar as mãos como se as estivesse lavando na tentativa de limpar uma mancha que não sai? A imagem de Lady Macbeth, uma das mais impressionantes personagens femininas da ficção, ilustra a culpa que permeia a peça e leva um homem do trono à loucura -- do lugar mais alto de um reino às margens da própria consciência.

Pouco antes de ler a peça lembro de ter dito em tom cômico, mas profético: “Ver é perigoso: pode te tornar testemunha... ou cúmplice”. E isto pode ser fatal para as personagens que rodeiam o casal Macbeth. Nessa, que é uma das mais célebres peças de Shakespeare, o digno cavaleiro Macbeth é destinado, segundo feiticeiras, a assumir o trono escocês e, ao saber disso, sua esposa Lady Macbeth o auxilia a acelerar esse processo. Essa é uma sinopse justa, mas, como toda sinopse, não diz sobre as virtudes e o brilho de sua escrita.

É de “Macbeth” a frase “A vida é uma história contada por um louco, cheia de som e de fúria, sem sentido algum”. E em qualquer que seja sua tradução ela permanece potente. Macbeth só será destituído do trono se o bosque de Birnam marchar contra ele, e nenhum homem nascido de mulher poderá desferir-lhe um golpe. Isso ajuda a compreender a “história contada por um louco, sem sentido algum”. Além da culpa inexorável que permeia a obra, essa frase também diz da peça de um outro ângulo. Mas, se se toma liberdade para encarar a obra de uma perspectiva alegórica, sua expressão mais sucinta talvez seja a razão que domina Lady Macbeth e ecoa durante todo o texto: “O que está feito não pode ser desfeito”.

Mais do que uma história sobre poder, cobiça e sangue, “Macbeth” trata do humano e da articulação de seus valores conforme as circunstâncias. Ainda que baseado na ideia de destino, herdada da tragédia grega, Shakespeare já aponta para um outro homem, aquele que tem a capacidade de fazer, ele próprio, as suas escolhas. E no fim, incontornavelmente, sofrer suas consequências.
comentários(0)comente



93 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7