Fahrenheit 451

Fahrenheit 451 Ray Bradbury




Resenhas - Fahrenheit 451


49 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


Lis 28/07/2019

Deixa a desejar comparado com outras distopias
A temática é muito semelhante ao Admirável Mundo Novo mas com um desenvolvimento aquém. O livro prevê uma sociedade fútil mas peca por enfocar apenas na degradação da cultura e não evocar outras áreas do comportamento humano com o mesmo interesse. Apenas o protagonista e mais um ou dois personagens são mais trabalhados: os demais parecem que entraram no romance apenas como uma participação especial.

Os diálogos carecem de fluidez e de um pouco mais de inteligência para trabalhar melhor o tema, já que o narrador é pouco participativo, atendo-se apenas em contar a história e não fazendo digressões.

Como alguma outra pessoa desenhou aqui, para quem leu 1984, admirável mundo novo, senhor das moscas e etc, essa distopia é um pouco mais do mesmo, sem grande brilho.

Dou um ponto positivo pelo fato de haver uma reflexão interessante sobre: conhecimento por si só não basta; é importante que se faça algo com ele, pois somos lembrados pelo o que fazemos/transmitimos ao mundo.
comentários(0)comente



Che 08/01/2019

MEMÓRIA REGISTRADA OU BARBÁRIE
Conforme eu já esperava, "Fahrenheit 451" (que rendeu um filme mais ou menos do Truffaut) é uma ficção-científica distópica estilo "Admirável Mundo Novo" e "1984". Quem gostou de ambos (meu caso), também tende a gostar deste, que tem narrativa fácil de acompanhar e não só pode como deve ter a leitura recomendada nas escolas do segundo ciclo do ensino fundamental ou do ensino médio.

Há de se ressaltar sobretudo a atualidade do tema. Vivemos um período - que agora tende a ser agravado com o governo Colostonaro, a fase 2.0 do golpe de 2016 - de apologia da ignorância, de 'relativização' da importância da memória para aprender com o conhecimentos dos que vieram antes (vide o caso de livros sobre a ditadura militar literalmente rasgados por apoiadores do "mito" em universidades). Só se aprende que o fascismo - atualmente com chances reais de voltar - foi um desastre justamente lendo o que se escreveu sobre ele.

Ray Bradbury acaba, no entanto, tocando também (e mais ainda) na temática das obras de ficção e a beleza catártica da fruição da arte que morre na apologia da ignorância feita no governo distópico descrito no livro. Aqui começam algumas restrições importantes minhas com o "Fahrenheit 451": o ajudante principal do herói da narrativa é um professor universitário que se acovarda e não vai pra luta, mas 'usa' o bombeiro Montag como se fosse um peão de tabuleiro. Bradbury, apesar de focar a narrativa em Montag e sua jornada de crescente interesse nos 'heréticos' calhamaços, acaba tendo condescendência e até certa vassalagem com os "produtores de pensamento" da arte e da universidade, como se tivessem uma importância no fundo maior do que quem de fato é da 'peãozada' que vai pra luta e faz acontecer. Outra coisa que incomoda é a obra escolhida como síntese do que a humanidade perdeu com o fim dos livros: a Bíblia! Nesse ponto, ficou parecendo o filme "O Livro de Eli", acaba tendo um tom proselitista religioso mal dissimulado e insinua que a maior tragédia com o fim do conhecimento naquele universo high-tech apocalíptico seria o... fim do "evangelho".

Enfim, são poucas as restrições que tenho, apesar de importantes e compreendendo que narrativamente "Fahrenheit 451" é uma delícia de leitura - o que é, afinal, a impressão que também tive de "Admirável Mundo Novo", embora neste as ressalvas sejam mais sobre o moralismo inegável do magnum opus de Huxley. De todo modo, boa leitura e atualíssima temática.
comentários(0)comente



Ocelo 04/12/2018

The Fire Man – (Fahrenheit 451)
“The Fire Man”, segundo o autor esse era o primeiro título do livro quando ainda estava sendo escrito na década de 1950. Depois passou a chamá-lo de “Fahrenheit 451” cujo título faz jus ao enredo da obra.

O autor revolucionou a literatura com um texto que condena não só a opressão anti-intelectual nazista, mas principalmente o cenário dos anos 1950, revelando sua apreensão numa sociedade opressiva e comandada pelo autoritarismo do mundo pós-guerra.

Mesmo tendo sido escrito e lançado nos anos 50 o livro ainda é bastante atual e presente. Mesmo não vivendo uma opressão ou ditadura como nas décadas anteriores, sabemos muito bem que presenciamos uma geração cheia de bestialidades!

Onde infelizmente, muitos valorizam cada vez mais a vulgaridade, a superficialidade, a imbecilidade e a epidêmica alienação! Essas são as grandes opressões ou ditaduras atualmente na sociedade dita como moderna.

As pessoas se prendem ou se apegam facilmente as coisas superficiais que nos rondam diariamente. Deixando a essência da beleza da vida se escaparem por entre os dedos. E assim a verdadeira arte vai sendo desprezada e ignorada por quem deveria conhecê-la e apreciá-la.

Leitura boa, história bem criativa e muito interessante até para os dias de hoje. Ao meu ver só há um problema, tem passagens que parecem ou se tornam meio arrastadas como se o autor desejasse que seu livro se tornasse verboso. Tais partes do livro chegam até se tornar um pouco enfadonho!

Não sei se foi o fato de ter lido um livro de bolso, pois não gosto muito de livros de bolso (letra miúda, livro pequeno...)! Afora isso eu o recomendo para quem gosta de uma boa obra de ficção científica.
Bia Alper 05/12/2018minha estante
eu amo esse livro demais, foi a primeira distopia que eu li e eu guardo com muito carinho algums passagens


Ocelo 05/12/2018minha estante
Ele é muito bom mesmo, Bia Alper, também guardarei boas lembranças desse livro.




Re 16/05/2018

Uma Distópia
Releituras precisam ser feitas.
Fahrenheit 451, junto com 1984 de George Orwll e Um mundo Feliz de Aldous Huxley popularizaram o termo Distópia que é o avesso da Utópia.
Em linhas gerais un romance "distópico" acontece em um universo, país ou mundo imaginário criado de uma forma pouco ou nada atrativa. São modelos de Governos horrendo, infelizes e tenebrosos.
comentários(0)comente



Tata 02/05/2018

Hmmm
Acho que tenho algum problema com as distopias clássicas. Outro clássico que não gostei muito. Achei melhor que "Admirável Mundo Novo", mas ainda assim fiquei com a sensação que podia ser mais. Acho que fui com muitas expectativas para o livro e ele não as superou. Ficou na média pra mim. Acho que talvez por as história já ser muito conhecida e eu saber o que esperar eu fiquei com a sensação que tava lendo uma história repetida, e por isso não gostei muito. Mas achei interessante a construção dos personagens e a forma como eles já são tão dependentes da tecnologia que nem percebem que existe uma vida sem ela. E, claro, a alusão à como os livros seriam a "salvação" das pessoas, a volta ao mundo das ideias e ao pensar. A ideia do livro é excelente, a narrativa e a construção dos personagens é boa, mas a sensação de que já li aquela história mil vezes me atrapalhou a me apegar mais ao livro.
comentários(0)comente



Fernando.Lopes 05/01/2018

Clássico literário que vale a alcunha
Um livro de conteúdo denso e reflexivo, que, porém, é de uma leveza na linguagem inesperada, sendo de muito fácil compreensão as ideias propostas pelo autor e de trabalhar a reflexão no leitor, pondo personagens humanos e criveis, muito próximos da realidade, apesar da situação distópica.
Um dos principais debates do livro gira em torno de algo muito comum a nossa sociedade moderna, pondo em prática nosso pensamento comparativo.
Com uma ambientação muito bem construída, a imersão na história é muito fácil, tornando a leitura, que já é simples, ainda mais agradável, e ainda mais fácil de se compactuar com os objetivos propostos, quanto a história, não apenas o debate.
Em síntese, por ser um livro que trabalha de forma muito boa o seu universo e seus objetivos, tudo nele se torna indispensável, apesar de uma clara queda de qualidade no ato final, não sendo algo tão relevante pra obra como um todo, portanto, Farenheit 451 é sim um clássico literário que conseguiu romper as barreiras das gerações e continua muito atual.
Eloisa.Goronci 17/05/2018minha estante
Atualiza esse feed, pelo amor de deus




Joine Farias 24/12/2017

Muito bom
Curti bastante. Cheio de argumentos e citações interessantes. Achei o final meio decepcionante, mas entendo que isso não era o mais importante, mas sim a ideia geral que o autor quis passar. O livro foi escrito em uma época passada, mas não posso deixar de pensar que estamos nos encaminhado para esse mesmo destino!
comentários(0)comente



Andréa 27/09/2017

Abril/2012
Tenho para mim, secretamente, que Jogos Vorazes é inspirado numa pseudo continuação deste livro. Notem que o texto é de 1953, cinquenta e três, gente.
Zicardo 04/10/2017minha estante
undefined




Xsavier 02/05/2017

Realmente quente
Esta obra se coloca par a par com as grandes obras antiautoritarismo mais conhecidas como 1984 entre outras... tem grande valor ainda que pareça um pouco datada nos dias de hoje. Temos um gradiente crescendo que vai da desinformação passando pela indiferença indo ao auto preservacionismo mas desenrolando se através de uma pequena dúvida inerente que irá se tornar curiosidade depois fome por conhecimento e finalmente explodindo em ação com o inevitável inconformismo diante nos novos fatos que se apresentam... 5 estrelas.
comentários(0)comente



Alcione 26/03/2017

Clássico com previsões do futuro??
O livro é excelente,ágil e direto.Entretanto há tv de plasma?Ponto eletronico?Big brother? Foi um livro muito além de seu tempo e com um pulinho correto no futuro!!!
comentários(0)comente



Bynho 24/01/2017

Ficção, bem louca... rs
Li este livro como atividade da faculdade. Por ser uma ficção e agravado pela narrativa do autor, confesso que não entendi muito bem a leitura, por mais que o objetivo da atividade ficou claro em sala de aula.
Marcelo 23/09/2017minha estante
undefined




Thananda 29/10/2016

Conhecimento x alienação
A história se passa no futuro, onde a tecnologia permite coisas para nós ainda absurdas ao mesmo tempo em que todos os "defeitos" da sociedade são mais aguçados, como uma sociedade mais consumista que só pensa em diversão, a negligência da educação de qualidade, o distanciamento entre as pessoas mesmo quando estas dividem o mesmo teto, a troca do afeto e interação entre seres de carne e osso por seres virtuais, a dependência cada vez maior da mídia com seus programas cada dia mais vazios de conteúdo, emoção e importância, levando as pessoas a serem seres imbecilizados, não pensantes, e a total indiferença pelo conhecimento. As pessoas eram encorajadas a passarem mais tempo em frente à tv do que fazendo qualquer outra atividade de qualidade. Os livros foram perdendo sua importância e foram cada vez mais desprezados até chegar ao ponto de que ler um livro era considerado um crime imperdoável. Agora que o avanço da tecnologia permitiu que as casas fossem construídas à prova de fogo, os bombeiros não tem mais utilidadade. Em vez de apagarem o incêndio, eles são responsáveis por iniciá-los, queimando todos os livros que encontram e se necessário, queimando também a casa do leitor infrator com ele dentro de preferência.

Guy Montag é um bombeiro experiente, que assim como seu pai e o pai de seu pai, adora colocar fogo nas coisas. Ele é casado há dez anos com Mildred, uma mulher insignificante, inútil e totalmente alienada pela tecnologia, pelo uso de remédios e pela "diversão" encontrada nas telas que ela não consegue viver sem. Seu casamento é sem sentido e sem amor, onde Mildred aos poucos vai se tornando um fardo na vida de Guy.

Ele seguia a mesma rotina enfadonha até conhecer sua nova vizinha Clarisse McClellan que o faz começar a pensar na vida de forma diferente e a questionar a situação atual da sociedade em que vive, inclusive o sentido da sua profissão.

Afinal, o que é tão perigoso em um livro que as pessoas nem ao menos podem tocá-lo?

Fahrenheit 451 é uma crítica à sociedade panaca e frívola, ao contentamento com coisas banais, à falta de informação e cultura e também até aos autores que tem a coragem de perder tempo publicando livros que não acrescentam em nada na vida das pessoas (curiosamente, é o nosso cenário literário atual), estragando muitas vezes o prazer de uma boa leitura. Fahrenheit 451 é uma reflexão do que realmente importa na vida do ser humano.

Antes mesmo de terminar sua leitura, já o considerava um dos meus favoritos. Sua linguagem é de fácil entendimento, é um livro curtinho (bom pra quem quer um livro de conteúdo mas não tem muito tempo pra ler livros muito grandes) que fala pouco mas que nos faz refletir bastante.

Super recomendo :D
comentários(0)comente



Silvio 06/07/2016

Uma visão de futuro extremamente pessimista, principalmente no que se refere a arte e cultura; livros são considerados graves crimes, só prejudicam, trazem tristezas, etc. e tal. Quem não crimanalizou livros foi banido da sociedade.
Ainda bem que tal visão futurística não se tornou realidade, pelo menos por enquanto
comentários(0)comente



Giuliane.Souza 24/06/2016

uau!!
Toda vez que leio tento tirar coisas boas daquilo que estou lendo. As vezes é difícil, mas algumas vezes nem tanto. Fahrenheit 451 é um livro que respira, que tem vida. Cada página diz alguma coisa em alto e bom som... E esse tipo de livro é raro. Nem preciso dizer que é um dos melhores livros que já li na vida.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



49 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4