Carrie, a Estranha

Carrie, a Estranha Stephen King
Stephen King




Resenhas - Carrie, A Estranha


524 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Duda 01/07/2020

Carrie, a Estranha
Essa história é a prova viva de que o livro sempre será melhor que o filme rsrs. Fazendo uma breve comparação, o livro em si é muito mais cru com os detalhes da historia, há coisas bem mais pesadas que não refletem na essência do filme. Uma das provas é que a Carrie do livro é muito mais estranha. Já conhecia a história, mas foi interessante saber a fundo dela, vale a pena a leitura e gostei da experiência. O livro tem uma certa dinâmica que não sou fã, por isso a demora dele ser concluído... No fim esse é o título que menos gostei do Stephen...
comentários(0)comente



Morcego 01/07/2020

CARRIE, A ESTRANHA (Stephen King).

CARRIE, A ESTRANHA é um Clássico de Stephen King. Seu romance de estreia, até hoje, é uma de suas melhores obras, e um livro relevante e atual.

Primeiro, é importante dizer que, muito mais que um livro de terror, Carrie é um livro sobre bullying. É um assunto muito presente na narrativa, e que sempre é alvo de discussões, principalmente quando acontece alguma tragédia em nossa sociedade. Sempre que vemos alguma noticia sobre um massacre escolar, acabamos descobrindo que o responsável cometeu o crime motivado por uma coisa: raiva acumulada por anos de bullying no ambiente escolar; raiva que explodiu de forma implacável. E é por isso que a questão do bullying deve ser trazida a tona, para talvez evitar que tais tragédias aconteçam. Então, no fundo, é justo dizer que Stephen King escreveu um livro sobre bullying nas escolas, e as consequências que ele traz. Acredito que seja a melhor maneira de definir o livro.

Pois bem, mudando o foco para a escrita do livro, digo o seguinte: já em seu livro de estreia, Stephen King soube criar uma historia excelente, perturbadora e apavorante. Seu texto é brilhante, escrito de uma forma simples, mas que prende o leitor até o final. Já comentei em outras resenhas que esse é o brilhantismo do autor, sua capacidade de criar enredos e personagens cativantes, que pegam o leitor pela mão e atiçam sua imaginação. Não é difícil imaginar como são aqueles personagens e aqueles cenários, porque eles são, realmente, criveis. É o tipo de coisa que somente grandes contadores de historias conseguem fazer, e sempre irei tratar disso quando fizer resenha de algum livro de Stephen King.

Outra coisa que torna a narrativa interessante é a forma como o autor a compôs. Ao invés de optar por algo linear, o autor resolveu conta-la em tempos diferentes, oscilando entre o passado e o presente, utilizando trechos de documentos sobre o fenômeno da telecinesia – a capacidade de mover objetos com a força do pensamento – e entrevistas sobre a tal Noite do Baile, evento que abalou a cidade onde a história se passa. Esses trechos de documentos científicos e entrevistas são muito interessantes e bem realistas; em certos momentos, eu imaginava se tudo aquilo existia mesmo. Um trabalho magistral.

Carrie é também uma historia brutal. As cenas da menina com sua mãe são arrepiantes, e a tortura psicológica ao qual a protagonista é submetida é muito pesada, e chega a ser triste ler essas passagens; é quase como se estivéssemos lá, vendo tudo aquilo, mas incapazes de agir. Eu já tive essa impressão na primeira vez que li o livro, e nessa releitura, a coisa não foi diferente. São cenas dignas de pesadelos.

Conforme mencionado acima, o principal evento da historia é a Noite do Baile, um evento muito comentado na narrativa, seja pelos alunos, seja pelos cientistas que estudaram o caso de Carrie depois. Muito bem, quando o autor finalmente o apresenta, a gente já tem uma vaga ideia do que vai acontecer, porque é citado nos trechos de estudos científicos e entrevistas, e o que aconteceu não foi nada bom; e quando é revelado o ocorrido, é o momento em que a historia se transforma numa verdadeira historia de horror, graças à Carrie e seus poderes. Ela é terrivelmente humilhada por uma das alunas, e decide se vingar. E sua vingança é terrível, atingindo seus colegas na Noite do Baile, metade da cidade, e sua mãe. Ela não poupa ninguém, e destrói tudo em seu caminho. Também não foi difícil imaginar toda a destruição, muito menos nos efeitos que isso causou na população. Para resumir, as pessoas nunca mais foram as mesmas depois disso tudo. Impressionante.

Outra coisa que podemos dizer sobre Carrie, é que é uma historia sobre o sangue. Ele está presente na narrativa do começo ao fim, e King não economiza, principalmente na sequencia da vingança de Carrie. O autor literalmente dá a ela um banho de sangue, e não a poupa disso. É sério, é arrepiante o que o autor faz com ela, com direito a facada, partes do corpo em carne viva, e sangue de porco. Um verdadeiro banho de sangue.

Com certeza o maior impacto da narrativa é a cena do vestiário, quando Carrie tem sua primeira menstruação. É uma cena que já surge com os dois pés na porta, uma cena forte e muito pesada, com a protagonista sofrendo humilhações das colegas, porque não sabia o que estava acontecendo com seu corpo, porque a mãe nunca lhe contou sobre isso. Tal selvageria foi muito bem retratada na excelente adaptação dirigida por Brian de Palma.

Devido ao seu conteúdo referente ao bullying, Carrie é, sim, um livro atual e relevante para discussões.

Em 1976, dois anos após sua publicação, recebeu uma excelente adaptação para o cinema dirigida por Brian de Palma, e estrelada por Sissy Spacek e Piper Laurie, nos papeis de Carrie e sua mãe, respectivamente.

Para finalizar, talvez não seja novidade que o livro quase não viu a luz do dia, porque Stephen King não se empolgou com o que estava escrevendo, e jogou as primeiras paginas no lixo. Felizmente, sua esposa recolheu as mesmas, deu uma lida e o incentivou a continuar, porque havia gostado. O resto é historia.

Enfim, Carrie, a Estranha é um clássico absoluto de Stephen King. Uma historia brutal de violência, tortura e sangue, contada com maestria. O autor consegue prender a atenção do leitor desde a primeira pagina, e não o poupa de situações pesadas e chocantes. Um livro construído de forma brilhante, cuja simplicidade é sua maior característica, e que cona com cenas verdadeiramente assustadoras e dignas de pesadelos. Uma historia de tirar o folego. Um livro excelente, e um dos maiores de Stephen King. Brilhante. Assustador. Maravilhoso. Altamente recomendado.
comentários(0)comente



siriuscobain 01/07/2020

bom
não é extraordinário mas é bom!
no começo fiquei meio incomodada com aquelas partes que eram extraídas de livros, mas até que no final gostei de ter lido vários pontos de vista...
comentários(0)comente



Mi Cristina 28/06/2020

Não é um dos melhores...
... do mestre, dentre os quais já li, sempre digo que tenho um caso de amor e ódio em relação aos livros do King e isso se dá ao fato do mesmo ser tão detalhista e não, isso não é ruim, sei que seus detalhes além de nos proporcionar a chance de visualizar e adentrar realmente na história acabam fazendo total sentindo ao decorrer da mesma, mas não nego que em determinados momentos tornou um tanto que cansativo, arrastei um pouco na leitura por esse motivo, porém não foi de todo ruim. Seria sim uma leitura que recomendo, principalmente para quem tem ideia sobre a história baseada no filme, pois como muitos livros chega a ser melhor do que a versão cinematográfica.
comentários(0)comente



cacau 27/06/2020

Escrito em forma de entrevista, conta a história de Carrie White, uma garota tímida e assustada, freqüentemente vítima de bullying na escola e com estranhos poderes telecinéticos. A mãe de Carrie, Margaret White, é uma cristã fundamentalista muito fervorosa, o que a torna uma mulher estranha, com um comportamento mental duvidoso, além de castigar a filha várias vezes, física e psicologicamente com ameaças de condenação divina.
Desde o início da história fica claro que alguma tragédia aconteceu na noite do baile de formatura. Com fragmentos de relatos dos sobreviventes, narrativa em 3° pessoa e trechos de livros que posteriormente foram escritos para contar o fato,.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Claudemir.Andrade 27/06/2020minha estante
Estou lendo a saga da Torre Negra e, realmente, algo que me surpreende é o estilo de escrita do King. Fico curioso pra ler os clássicos dele também!!!




PamLobo 26/06/2020

King é um gênio
O livro nos conta a história de Carietta White, uma moça vítima de bullying e fanatismo religioso, mas que também carregava poderes telecinéticos.

Em comparação a ?Pet Semetary? o livro tem um enredo menos arrastado, entretanto, não é menos genial.

Não tá como não desejar aquele final, seja qual seja sua ideologia, você irá querer vingança, já que o enredo te leva a isso, de um modo imperceptível, te convencendo devido a estila de narrativa, que mistura depoimentos dos sobreviventes, com trechos de livros, pesquisadores, enfim, múltiplas visões sobre o mesmo fato: a fatídica noite do Baile.

Eu só vi o filme estrelado pela Cloe Gratz Moretz (acho que é assim que
se escreve), mas já garanto que o livro é bem melhor. King é um gênio!
comentários(0)comente



Marcelo @lerdepoisdos30 26/06/2020

Em sua primeira obra, lançada em 1974 e por pouco não descartada ao lixo pelo autor, Stephen King nos apresenta Carrie White, uma jovem adolescente que sofre assédios morais de diversas formas. Na escola, Carrie é vítima de bullying dos colegas por se vestir diferente do "padrão" social e por ser uma garota tímida. Em casa, sua mãe fanática religiosa controla sua vida, determinando as roupas que veste, os locais que vai e os horários que deve fazer praticamente tudo em sua vida.

Uma descrição de estereótipo que pode causar identificação com muitos adolescentes e jovens. Eis que Carrie descobre aos poucos que possui poderes paranormais. A telecinese, que a princípio desperta em momentos de raiva, faz com que a protagonista comece a perceber que esse dom pode mudar sua interação com o mundo. O ápice do livro se dá no baile de formatura, quando em uma brincadeira de mau gosto, uma das colegas de Carrie prega um trote derrubando um balde de sangue nela e em seu acompanhante, matando-o e deixando Carrie enfurecida. Acontece então toda a tragédia que torna a história tão marcante.

No decorrer da trama podemos identificar diversos problemas sociais como traumas psicológicos, insegurança e superproteção familiar que afetam a protagonista e se fazem presentes na vida de inúmeras pessoas.

Muito mais que uma simples obra de suspense e horror que, a depender dos olhos do leitor, pode mostrar muito mais do que o que está evidente.
comentários(0)comente



Laura 25/06/2020

Carrie, a estranha by @bookcaseoflaura
Primeiro livro escrito pelo autor Stephen King em 1974. .
.
Muitas pessoas ja? deve ter visto o filme, tanto o novo como o cla?ssico. A histo?ria base e? a de Carrie, uma menina que sofre bullying dos colegas e eles aprontam com ela na noite do baile. So? que ela possui poderes de telecinese.
Diferente do filme, o livro na?o e? muito normal, com uma histo?ria linear. Nele, temos a alterna?ncia entre artigos do caso de Carrie e de entrevistas com os moradores da cidade que sobreviveram apo?s o incidente.
Stephen king escreve de uma forma brilhante, transmitindo a sensac?a?o dos personagens. Sofri muito lendo as partes que falam de como a menina e? tratada pelas outras pessoas, pelos relatos de como a ma?e dela era em todo seu fanatismo religioso extremista. Principalmente essa u?ltima parte, a ma?e dela ensina a menina coisas horri?veis, como a exemplo do corpo feminino visto como pecaminoso por ela. Chocada.
E? realmente uma leitura fanta?stica que rende bons debates sobre os personagens e sobre os fatos narrador.
comentários(0)comente



Berry.Phanny 23/06/2020

Incrível
Sempre tive vontade de ler este livro, então me senti animadíssima quando tive a oportunidade. Gostaria inclusive de ter começado a entrar no mundo do Stephen King por este livro.
A narrativa fluía, então foi natural ficar presa a este livro. Teve momentos que, juro, prendi a respiração, mesmo sabendo o que ia acontecer.
Apesar de abordar temas que não me caem bem, como o bullying e os temas religiosos, eu simplesmente adorei a história, e essas questões só me deixaram mais animada.
Em geral, um ótimo livro.
comentários(0)comente



Antônio 22/06/2020

Um bom início
King dá seus primeiros passos aqui, então não dá para esperar algo muito rebuscado e complexo. Mas é um bom livro, contado de uma forma interessante. A história ficou um pouco datada e as inserções de trechos de relatórios e de outros livros prejudicam o ritmo. Ainda assim, Carrie envolve o leitor até o final.
comentários(0)comente



Dragão Vegano 22/06/2020

Carrie, a oprimida
A primeira obra de Mestre King, que ele quase descartou. Ainda bem que Tabita King, sua esposa, não deixou. Uma obra deliciosa de ler, contando a história de uma menina oprimida, humilhada de muitas formas, que era dona de um poder imenso. É realista ao mostrar as consequências da violência que perpetuamos e a forma horrível com que a humanidade trata o que está fora dos padrões. Também uma história sobre bullying, um tema ordinário, que ganha contornos extraordinários na obra do Mestre.
Conquistou meu "muito bom" e é uma das obras que mais gosto, tanto de ler quanto de assistir, do Stephen King. ****
comentários(0)comente



Ale 20/06/2020

Eu já era apaixonada pelos filmes, ao ler o livro, pude entender bem mais e apaixonar ainda mais pela história. Super indico
comentários(0)comente



Wesleyweyd 18/06/2020

Apesar de nunca ter gostado dos filmes, gostei bastante do livro. É totalmente diferente, aqui nós ficamos mais por dentro sobre a vida da Carrie e da sua mãe. Nele a história é contada como se fosse um documentário, e a história vai se desenvolvendo em decorrência dos relatos dos personagens que foram testemunhas dos ocorridos. Achei bastante interessante essa parte.
E também tem o fato desse ser o primeiro livro publicado e também o primeiro que eu leio do Stephen King, como gostei desse, vou continuar com certeza a ler mais e mais do autor, recomendo.
comentários(0)comente



Regina.Alves 17/06/2020

O livro conta a história de Carrie uma menina com poderes de telecinésia, Carrie tinha 17 anos e uma mãe extremamente fanática religiosa, que não deixava sua filha fazer nada que uma adolescente normal fazia. Carrie não tinha nenhum amigo e todos zombavam dela, e uma fúria vai crescendo nela ao desenrolar do livro.
comentários(0)comente



524 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |